O meu ponto de vista

Junho 21 2021

Quanto mais não seja, no calendário inicia-se hoje uma das estações mais apreciada por todos os portugueses: o Verão. Apesar de hoje se apresentar mais que envergonhado – já vi dias em pleno Janeiro bem melhores -, é tempo de férias, de odor a flores e a fruta, de longos e bons dias de sol, noites cálidas, lugar para conviver à sombra e diante de um bons petiscos e bebidas frescas, momentos para colheitas, algumas das quais se estenderão até ao Outono, no fundo circunstância e conjuntura que nos convida a momentos de lazer e prazer.

Não falei anteriormente de praia propositadamente, já que este é, sem dúvida, o lugar de eleição que me faz lembrar o Verão. Adoro ir para a praia cedo, sentar-me na cadeira e ler o jornal. Enquanto esta actividade não estiver concluída, ninguém me convide para outra coisa. Por volta das 11h00 é, então, tempo de um banho refrescante, a que segue uma hora depois o regresso a casa para grelhar um belo peixe, adquirido de manhã cedo no mercado respectivo. Depois do almoço, é altura para uma dormir uma sesta, regressando à praia por volta das 16h00, sempre acompanhado de um livro.

Estes dias repetem-se, um atrás de outro, sem me cansar. Dirão alguns que são férias minimalistas, sem graça e muito menos rasgo de ousadia. Respondo que, primeiro, cada um faz o que gosta; segundo, também nem sempre, nem nunca. Dias existem em que os passeios por outras paragens se impõem, sem esquecer de percorrer serras e vales sempre à procura da óptima gastronomia regional.

O único lamento é que são poucos dias – a disponibilidade e as finanças assim determinam -, e ainda faltar tanto tempo para o início de tal.

publicado por Hernani de J. Pereira às 11:12

Junho 26 2018

images.jpg

Apesar deste início de Verão muito envergonhado, há muito homem a pensar o modo como se há-de apresentar na praia depois de farras, copos e, sobretudo, pouco exercício efectuado durante os meses que antecederam. Sim, porque o corpo masculino também é hoje celebrado como objecto de interesse sexual, desportivo ou lúdico. Aliás, não por acaso que o ideal popular, por estes dias, passou a valorizar o porte atlético como verdadeiro e quase único atributo do homem.

Os modelos são sempre jovens, bonitos e, pelo menos por fora, perfeitos. A televisão, algo cada vez mais consumido, mostra incessantemente imagens de gente linda e magra, eles musculados e confiantes, mesmo que seja para usar um detergente qualquer para a roupa, dançando com mulheres bonitas, cinturas de vespa e, cereja em cima do bolo, sexys.

É claro que existem homens que não perseguem activamente os novos padrões corporais masculinos – eu, pecador, me confesso -, muitos, porém, idealizam-nos e consideram-nos um objectivo social e cultural a atingir a todo o custo. Todavia, se é verdade que existe alguns - e ainda bem – com uma preocupação genuína, intensa e permanente, em manter um bom aspecto físico, tanto mais que isso é muito bom em termos de saúde, outros existem que o fazem devido à imagem.

A autoestima e o modo como cada um se julga a si próprio, quase exclusivamente através da aparência, desenvolve a exigência de um ideal que, muitas vezes, pode levar a uma exagerada avaliação de si mesmo, tornando-se extremamente crítico para si e para com os outros. Numa época particularmente difícil para os homens, o mundo pede-lhes cada vez mais, o que faz com estes peçam, a si próprios, também cada vez mais.

publicado por Hernani de J. Pereira às 17:41

Maio 30 2018

DSC02065.JPG

Num tempo em que de manhã é Outono, à tarde quase Verão e à noite Inverno, sem que se vislumbre a Primavera, não admira suspirarmos por outros ares. Assim, impõem-se as saudades do Verão, de modo a que, ainda que subjectivamente, possamos apreciarmos tudo o que de bom a vida nos tem para dar.

E proclamar nostalgias do Verão, que nunca mais chega, é falar do campo e mar, de ruralidade - com as suas festividades e manifestações mais ou menos naïfs -, sem esquecer o urbanismo citadino que também nos atrai e tem o seu encanto.

Já agora, a melancolia que este tempo nos dá leva-nos para longe do cosmopolitismo e do romantismo. Porém, como o contraditório é uma marca indelével no nosso quotidiano, tal também nos traz a reflexão sobre o realismo, a história e a modernidade, a tradição e a inovação.

Residentes ou simplesmente de passagem por este “canto” importa possuir uma faceta multifacetada e cativante de modo a ver o óptimo onde a maioria observa o péssimo. Por isso, é sempre possível deixar-se seduzir por tudo o que nos rodeia e simultaneamente fazer história a cada esquina que dobramos, renovando, deste modo, a paisagem a cada passo, mesmo que entre vales e colinas não consigamos enxergar o mar.

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:59

Novembro 23 2016

Chegou verdadeiro o Inverno. Dias pequenos, muita chuva e frio caracterizam esta época do ano. Que tem o seu encanto, é uma verdade insofismável. O aconchego do lar, o calor da lareira, com o crepitar da madeira seca a ser consumida, a gastronomia típica desta época – feijoada, sarrabulho, cozido, chanfana, entre tantas outras iguarias -, para não falar na quadra natalícia, tornam estes meses muito especiais. Então o Natal, com a ideia de família que lhe está subjacente, fazem crescer em nós desejos sinceros de humildade, solidariedade, onde o que há de melhor em nós sobressai.

Todavia, também é verdade que o frio e a chuva – absolutamente necessários – fazem-me sentir saudades do calor e, sobretudo, da praia. Nostalgia das sardinhas a estalarem na brasa, das febras e bifanas a saírem directamente para o pão, das saladas abundantes, das bebidas refrescando as gargantas sequiosas de quem festeja, falando, cantando, dançando, ou seja, aproveitando os dias longos e soalhentos e as cálidas noites.

Anseio por um tempo em que uma sombra fresca de um parque é um pequeno oásis, por uma esplanada construída no jardim, onde reúna os amigos à volta da mesa e a conversa parece não ter fim à beira de petiscos de fazer crescer água na boca.

Conto os dias para que cheguem os momentos do dolce far niente, em que há tempo para tudo e para todos. Os passeios, as visitas, a animação e a alegria desprendida, adiadas por meses e meses de trabalho ou de impossibilidade meteorológica, são colocados em dia.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:14

Julho 20 2015

E aqui estou inspirado pela ideia de aproximação de dias de praia, peixe fresco assado no braseiro – semelhante ao cantado por Rui Veloso -, e pelo desenvolvimento de conversas próprias da estação.

Sendo a praia e, sobretudo, a luminosidade destes esplendorosos dias, um bom tema de inspiração, abordo esta em tudo o que ela representa. Uma vida saudável e bem cuidada reflecte a luz e também uma das grandes expectativas em matéria de bem-estar.

Deste nosso país não nos chegam grandes notícias. Contudo, como temos vindo a observar, a oriente é muito pior, pelo que de certo modo, temos de dar graças a Deus.

Em matéria de perpectivas futuras, e tendo em conta as tendências do nosso quotidiano, temos de ir, pelo menos por agora, ao encontro do que mais nos prende, algo que sugere aromas e cores da natureza, oferecendo-se como composições subtis e harmoniosas e, por vezes, surpreendentes. As novidades confirmam estas tendências e trazem-nos boas surpresas.

O que actualmente me rodeia é também inspirador. Há um novo estilo romântico que se afirma nas novas tendências e prenuncia um Verão muito requintado.

Isto promete!

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:59

Setembro 23 2014

Um Verão, sem praticamente ter começado, que acaba e um Outono que inicia com cara de Inverno prematuro, têm sido, ultimamente, o pão-nosso de cada dia. Andamos, por isso, taciturnos, cabisbaixos e sem grande vontade para dar o que há de melhor em nós.

Os fogos de modo algum foram - e ainda bem - notícia de Verão, tendo-nos valido, há falta de melhor, a guerrilha interna e o lavar de roupa suja no PS. Agora surge-nos, com fundamento ou sem ele – não quero crer que a premissa seja a mais correcta! – algo sobre o passado político-profissional de Passos Coelho e de outras ex-figuras proeminentes do PSD, entre as quais a do ex-líder e ex-presidente da CM de Gaia, Luís Filipe Menezes, o que, infelizmente, já estamos acostumados.

A justiça, já o escrevi, está um caos, ou, como hoje se diz, está em estado de “Cítius”. O ensino, com a trapalhada da colocação de professores, qual saga que, ano após ano, nos persegue, não se encontra melhor, bem pelo contrário.

Por falar neste importantíssimo sector da vida de qualquer sociedade, o ensino em vez de se centrar no mais fulcral, i.e., nos alunos e nos respectivos curricula, impele-nos a fixar a atenção no acessório, uma vez que aquilo que, à priori, era fácil – ordenação dos professores e sua colocação, o que qualquer sistema informático, minimamente conformado com regras claras e precisas, fazia com uma “perna às costas” - o ME complica. E o único a demitir-se foi um director-geral? Claro que sim, apesar de não ser o mais curial. Explicação: o membro do governo que tem estas competências, o secretário de estado da administração escolar, João Casanova, é do CDS-PP e, pelas razões óbvias, não convém levantar ondas com o parceiro de coligação neste último ano antes das legislativas.

Como resultado desta atávica política existem ainda cerca de 4 000 docentes em falta nas escolas, com a agravante de muitos já terem sido colocados indevidamente, o que acarretará, no final, professores em duplicado, com o inerente aumento da despesa pública, o qual, para não fugir à regra, irá ser pago pelos do costume.

publicado por Hernani de J. Pereira às 18:54

Junho 25 2014

Amanhã, apesar da esperança ser extremamente diminuta, lá estaremos, a torcer pelas cores nacionais, em frente da televisão para vermos o Portugal – Gana. E se o futebol não nos eleva o ânimo – e tão necessitados estávamos e estamos -, então este início de Verão deixa-nos quase de rastos.

Tal contribui para baixar ainda mais – será possível? - o astral. E o pior está a dar cabo da agricultura, principalmente no concerne à viticultura. Por muito que tratamos a vinha de oito em oito dias, o míldio e o oídio não dão descanso. E para agravar a situação, as uvas ainda num estado vegetativo muito precoce - o verde continuará por muito mais tempo - já começam a sentir os efeitos da podridão. A continuar assim, para além do imenso trabalho e dinheiro gasto, pouco ou nada se salvará.

A única boa notícia é dispensa de rega. Ou seja, os produtores de hortícolas cantam hossanas. É caso para desejar sol na vinha e chuva no nabal.

Costuma dizer-se que nunca mais é sábado. Contudo, neste momento, apenas apetece dizer: nunca mais é Verão. Esta estação é sinónimo de tempo de recuperação de energias, mercê dos seus dias longos, soalheiros e temperaturas quentes, pelo que ansiamos todos pelo seu advento, a fim de podermos sair de casa e desfrutar de tudo o que natureza tem para nos oferecer.

Quem não anseia fazer as malas e partir, deixando para trás as preocupações?

P.S. – Bem sei que comecei com um tema, a meio passei para outro e finalizei com um terceiro. Há dias assim!

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:36

Agosto 25 2011

O mundo não pára só porque, em Portugal, está calor – a verdade é que nem está assim tanto - e porque quase o país inteiro está ainda a banhos. A silly season continua a fazer das suas e o certo é que se não fosse o futebol nada havia para, neste rectângulo à beira-mar plantado, discutir. Veja-se que até a TV só se salva com as transmissões da bola. Vá lá que o Khadafi abandonou Tripoli senão o que seria dos telejornais!

Todavia, esta pode ser uma boa altura, inclusive para este vosso escriba, para redefinir estratégias, reatar contactos e preparar a melhor rentrée possível. Não é verdade que nada acontece em Agosto! Fazer, nesta época, o trabalho de casa é bastante útil, sobretudo, para quem não pensa apenas no imediato.

É perfeitamente plausível aproveitar o Verão para apanhar sol, descansar, ir à praia ou mesmo passar uns dias no campo e, simultaneamente, tornar o período de lazer e confraternização em tempo de busca de novo sentido para a vida. De um modo informal e natural é possível abrir outras portas e até obter informações relevantes, bem como definir novos objectivos e alargar convivências.

publicado por Hernani de J. Pereira às 23:56

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Setembro 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
14
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


arquivos

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO