O meu ponto de vista

Janeiro 24 2019

transferir.jpg

Já não existem guerras a assolar os países ocidentais e, por isso, não há tanques nem aviões a largar bombas nas principais cidades. Contudo, o ambiente continua a ser muito agressivo para os seres humanos. Basta observar a perigosidade da condução automóvel fundamentalmente nas horas de ponta. Andamos em stress constante, numa lufa-lufa desusada, acabando diariamente desiludidos, frustrados até, por corremos tanto e jamais alcançarmos o destino.

Seria errado dramatizar este constante estado, bem como o é se o relativizarmos. Carpideiras e avestruzes não aproveitam a ninguém. Contudo, parece evidente que o stress, a depressão e a ansiedade são pandemias em causas plantadas no nosso estilo de vida, da dieta do sono, do ambiente familiar ao mundo do trabalho.

Esta complexidade, porém, não pode servir de justificação a qualquer atitude mais passiva pela nossa parte, apesar de cada caso ser um caso, como se costuma dizer. Pelo contrário, podemos fazer muitas coisas, uma vez haver muitas outras áreas inerentes ao nosso esforço individual e/ou colectivo que podem ser modificadas.

publicado por Hernani de J. Pereira às 10:37

Dezembro 04 2018

images.jpg

Não há ninguém, hoje-em-dia, que não fale sobre stress. Uns por acharem que são especialistas na matéria, outros por tal assunto estar na ordem do dia e outros ainda por sentirem essa realidade no quotidiano.

Não digo que esteja na última das premissas, mas de modo algum estou dentro das duas iniciais. A questão de ordem profissional justifica muito em determinadas ocasiões. Não é, feliz ou infelizmente o presente momento, apesar de não ser fácil levar o barco a bom porto nesta recta final de período.

Outros factores, porém, os quais me escuso de referir, levam a um tal estado de espírito que, por vezes, penso ser extremamente abençoado por Deus para conseguir suportar tão imenso fardo.

Sigo à risca o velho ditado que refere que “a roupa suja se lava em casa”. Assim, resta-me tentar serenar e esperar por melhores dias. Aliás, o nosso bom povo afirma que “não há bem que sempre dure, nem mal que nunca acabe”.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:54

Novembro 14 2018

transferir.jpg

De tempos a tempos algo acontece que até parece que todo o mundo depende de nós ou, então, desaba sobre as nossas cabeças. Os afazeres são tantos, originando um ritmo tão avassalador que, à mais pequena faísca, há um desencadear de “incêndios” de proporções dantescas. A paciência esgota-se e os amigos e familiares largam-nos, e com razão, de mão. Culpa de quem? Não sabemos, mas temos raiva a quem sabe.

Não admira, por isso, que nos últimos dias tenha sido involuntariamente bombardeado por uma temática preocupante, i.e., os riscos psicossociais relacionados com o trabalho (intra e extra profissão). O caso não novo, os números é que teimam em crescer e as consequências a tornarem-se cada vez mais irreparáveis.

E quando a mente adoece o corpo é que o paga, com a nítida sensação de perda de produtividade, bem como do correspondente potencial de competitividade. Com o agravante de tal fenómeno surtir como o efeito de uma autêntica bola de neve.

É como se, na prática, todo o trabalho a modos que fosse transferido apenas por uma via sem vasos comunicantes, resultando, sem nos apercebermos, de um enorme stress e um desgaste cumulativo antes, durante e depois de longos dias de trabalho. Assim, não nos admira que Portugal tenha uma das mais elevadas taxas de absentismo por doença e stress laboral, sendo responsável por mais de um terço de todos os novos casos de problemas de saúde.

publicado por Hernani de J. Pereira às 16:10

Outubro 25 2016

Ao contrário de muitas pessoas que conheço, gosto de trabalhar em stress. Detesto águas calmas, as quais, para mim, são, quase sempre, autênticos pântanos. Com isto não quero afirmar que laborar nestas condições seja sempre excelente. Os riscos são conhecidos e por alguns sustos já passei.

A conciliação entre carreira e a família é um desses casos. Tarefa cada vez mais exigente em que, geralmente, a última componente fica sempre a perder. Assumidamente torna-se um problema pela dificuldade crescente em delimitar o tempo dedicado a cada uma das esferas.

Acredito, todavia, que a presente questão se torne mais complicada para as mulheres, tanto mais que a vida familiar para estas é, ainda hoje e na maioria dos casos, mais sobrecarregada. Mas, para além das diferenças associadas ao género, existem outros factores a influenciar quotidianamente os níveis de pressão. O sentimento gerado pela pressão para concluir tarefas ou tomar decisões dentro dos prazos, na maioria dos casos manifestamente insuficientes, é outro agente a causar um grande mau estar.

A questão de estar submetido a um horário não escolhido por si, i.e., a subjugação a algo imposto, a impossibilidade de se ausentarem do local de trabalho, nem sequer por uma hora ou duas, até o caso de ser muito difícil, para não dizer impossível, programar férias conjuntas com os restantes membros da família, tudo isto são causas de uma pressão que leva algumas pessoas – não tão poucas quanto isso – a soçobrarem.

Por isso, não é por acaso que gosto tanto da agricultura. Se tem pressão? Tem. Mas é mais comparado com uma montanha russa, já que apresenta momentos de pico de adrenalina e, simultaneamente, muita instabilidade e incerteza. Porém, e sobretudo, disponho do meu tempo: tanto posso iniciar o dia às 06H00 e apenas trabalhar durante a manhã, como começar pelas 10H00 e ir até à meia-noite. Exemplos não faltam.

publicado por Hernani de J. Pereira às 13:03

Setembro 26 2011

Depressões, stress, esgotamentos e doenças do foro psicológico são a maleitas profissionais do momento. O país assistiu nas últimas décadas a um crescimento explosivo destas patologias. E, apesar de ainda hoje, de acordo com dados oficiais, as doenças músculo-esqueléticas liderarem a tabela das principais causas de absentismo laboral, a manter-se a actual tendência acredita-se que até ao final da década as doenças psicossociais motivarão a grande maioria das baixas.

Por acaso ou não, o DN, na sua edição de hoje, afirmava que, "entre Outubro de 2010 e Janeiro deste ano, foram passados 70 031 atestados a professores, o equivalente a 514 mil dias de baixa. A situação foi detectada pela equipa de Isabel Alçada, a ex-ministra, tendo posteriormente sido aberto um inquérito pela Inspecção-Geral das Actividades em Saúde, tendo, até agora, sido instaurados 19 processos disciplinares pelo Ministério da Educação e um caso vai ser apreciado pela Ordem dos Médicos. A lista das baixas, 413 das quais assinadas pela mesma médica, já foi entregue ao Ministério Público".

Dando de barato que algumas destas baixas foram declaradas sem que houvesse qualquer razão plausível que as justificasse, também não é menos verdade que, a crescente competitividade entre docentes, a arbitrariedade manifestada por muitas direcções de escolas – veja-se a distribuição de serviço, horários e prebendas (projectos, não ocupações, etc.) distribuídas aos afilhados -, bem como a perda de autoridade dos professores que os sucessivos governos e, principalmente, gestões com fraco pulso promoveram, isto para não falar da agudização da crise económica, causaram perigosos indícios de stress e impulsionaram esgotamentos, os quais estão na base desta mudança no cenário das doenças profissionais.

Ora, o caso é tanto mais grave por se saber que o stress é apontado pelos especialistas como um dos principais factores desencadeador de acidentes de trabalho. Por outro lado, não desconhecendo o quanto é difícil a fiscalização destes tipo de enfermidade, travar este problema passa, antes de mais, por o prevenir. É, por isso, fundamental que as organizações em geral e as escolas em particular melhorem a sua tessitura, não bastando afirmarem que cumprem os regulamentos.

publicado por Hernani de J. Pereira às 16:18

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Setembro 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
14
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


arquivos

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO