O meu ponto de vista

Janeiro 03 2020

Todos os dias dou graças a Deus. Na maior parte logo pela manhã, em muitos à hora do almoço e sempre antes de dormir. Quero dizer que sou um santo ou, pelo menos, um católico cumpridor? Infelizmente não. Longe, muito longe disso. Apenas profundamente convicto da minha fé. Não é por humildade que o declaro, mas por conhecer as minhas culpas. Aliás, não é por acaso, que digo comumente, que sou um simples pecador. Perguntarão: então, apesar sabedor das tuas falhas, não te corriges? E continuarão: a que se fica a dever a eventual incoerência? Ou, não serás como tanto quantos outros que dizem “olhem para o que digo e não para o que faço”?

Estejam descansados que não vou inventar respostas estereotipadas, pré-feitas ou concebidas à medida. A única explicação é que sou humano, ser errante, imperfeito, moldado em mau barro, não pela sua origem, mas pelas circunstâncias que me cadinharam, sempre na disposição de melhorar, pelo menos no plano das primeiras intenções, mas que, a par-e-passo, caio ao menor escolho. Todavia, também tenho a certeza absoluta, sem a menor dúvida, repito, que o mais importante é saber, i.e., ter consciência absoluta que é minha obrigação penitenciar-me, prometer diariamente a emenda e, sobretudo, levantar-me de cada vez que tropeço.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:01

Novembro 19 2010

Nunca, como agora, se ouviu falar tanto de crise. É crise para aqui e para acolá. Existem e se não existem inventam-se. São necessárias crises para todos os gostos e feitios. Não acreditam? Então vejam as seguintes e digam se não se encaixam em, pelo menos, uma delas: crise financeira, civilizacional, educacional, etária, militar, formativa, informativa, etc., etc. Claro que são bem capazes de dizer que tudo se resume a uma crise de valores. Por mim concordo. Contudo, adianto que crises sempre existiram desde os primórdios. Em toda a história das civilizações sempre se produziu a subsistência e posteriormente um excedente, com a finalidade de trocar ou vender e depois disso nunca mais houve sossego. É verdade e vem nos livros e contra factos não há argumentos.

Como é do conhecimento geral, uns mais que outros, o certo é que grupos económicos houve, aos quais os políticos, por conveniência, fecharam os olhos, que acabaram por monopolizar todo o sistema mundial e agora somos obrigados a ouvir, pelo menos cem vezes ao dia, notícias destes ilustres aselhas e as burrices por eles cometidas.

E agora? Serve de algo - desculpem-me os termos menos prosaicos – chorar baba e ranho, escorregar pelas paredes, abraçar os joelhos, pender para um lado ou outro ou assumir a posição fetal?

Bem sei que existem pessoas que fazem isto. Nas suas casas, no emprego, na rua, em suma, onde quer que se encontrem. Talvez não com a totalidade daqueles movimentos físicos, mas com um carácter emocional ainda muito superior.

No fundo, trata-se de nos consciencializarmos de que se trata de uma crise moral, gerada por um individualismo atroz e por atitudes desumanas, sinónimo de uma evangelização proclamada por falsos profetas. E que, o combate a tal assenta, essencialmente, numa luta cuja magnitude de intervenção deve colocar um ponto final num jogo corrompido pela loucura e pela ganância.

Concluindo, pode-se afirmar que as crises são, fundamentalmente, tempos de alternância ou, dito por outras palavras, transcorrido um tempo, o seguinte diferencia-se do anterior. Por isso, estão enganados aqueles que pensam voltar ao patamar inicial após decorrida a presente crise.

O tempo é de mudança!

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:49

Setembro 29 2010

Com a crise e as consequentes medidas de austeridade a dominar o dia-a-dia dos portugueses, há-de haver alguém ou algo – personalidade, acontecimento, etc. - que traga um pouco de luz, cor e magia à vida do comum dos mortais. É que, convenhamos, o mais fácil é perderem a energia e a criatividade!

Agora que o Verão terminou, que Portugal corre o risco de não se apurar para a fase final do Campeonato Europeu de 2012, que os salários serão reduzidos e os impostos aumentados, será que o único consolo é o FC do Porto liderar o campeonato?

Todavia, o leitor perguntará: o que têm todos estes assuntos em comum? A resposta é mais evidente do que possa parecer: o facto de todos eles serem acontecimentos que desmotivam e desesperam milhares de pessoas pelo país. E de uma coisa podemos ter a certeza: existem pessoas com emoções e devoções à flor da pele que, no fundo, as marcam.

A existência de uma “marca”, o seu valor e impacto na vida do cidadão anónimo, é algo que se está a tornar cada vez mais dependente da forma como tal afecta a comunicação com os outros – seja para reforçar/desfazer a relação já existente, seja para criar novos laços. É neste contexto que “alguém ou algo” terá de assumir um papel determinante, porque será a forma mais directa de indicar o caminho aos restantes concidadãos.

A verdade é que desde a Expo 98, dedicada à preservação dos oceanos, Portugal apenas voltou a mobilizar os cidadãos aquando da realização do Euro 2004. É nitidamente pouco e esclarecedor da nossa decadência.

Por estes motivos, e apesar da crise, já não chega caminhar, é necessário correr, e a bom ritmo, para alcançar outros e melhores objectivos, mas com menos custos. É um desafio que é lançado a todos, sendo que a originalidade é palavra de ordem. Isto porque tendo em conta as últimas notícias – espécie de mais do mesmo (não diminuição da despesa pública, redução de ordenados, aumento de impostos e quase extinção das deduções fiscais) - há que ir por outras vias: orçamento mais reduzido e mais valor acrescentado.

Ora, apesar de todas as condicionantes, há que ser optimista e, como digo no início, é absolutamente necessário que surja algum encantamento, pois, de outro modo, corremos o risco de, por tanto cabisbaixos e acabrunhados andarmos, ganharmos algum mal de coluna. Assim, para satisfação e melhor saúde dos portugueses, sugiro, desde já, a demissão de José Sócrates. Ai como encararíamos melhor o dia seguinte se tal acontecesse!

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:31

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Julho 2024
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


arquivos

Julho 2024

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
blogs SAPO