O meu ponto de vista

Dezembro 09 2016

Foi por amor e posterior casamento que António Branquinho, beirão abastado e com gosto pela vida, arrancou Julieta Morais das fragas transmontanas. É um homem com mundo, mas bem agarrado à terra. Nunca lhe deu para sair dali. Melrose é o seu refúgio, explica ele, com a força de um facto natural.

É um mestre em propaganda e publicidade. António diz-nos que a Romaria de S. João de Melrose é a maior de Portugal. É conveniente não discutir, pois é a forma calorosa de nos convidar, pois os melrosenses adoram receber. E vale a pena entrar na festa. Pelo menos uma vez na vida. Só não se recomenda a quem tem fobia a multidões, foguetes e música a rodos.

Quando faz sol, Melrose brilha em luz tão intensa que se confunde com o céu e o rio. Mas isso é só o lado visível. A alma colectiva cintila ainda mais. As raparigas de Melrose dão corpo ao mito, com fama e proveito, de serem as mais belas de Portugal. O exibicionismo, quase insolente, a elas fica-lhes bem. E atraem multidões!

Nos últimos vinte anos, a vila cedeu finalmente ao pedido de namoro do rio. Muros e grades foram derrubadas e os espaços adjacentes devidamente ajardinados. Passear em Melrose é um dever e, então, no Bairro dos Álamos é um exercício indispensável para quem quer conhecer o espírito dos melrosenses. Têm, neste velho bairro, aberto muitas tabernas e restaurantes. Outros ganharam vida nova, como o Refúgio, mais conhecido pela “Tasca do Ti Alberto”.

Já não são apenas os homens do campo que frequentam assiduamente aquele antigo aglomerado habitacional. Locais e visitantes – estes, por vezes, excessivamente – ali se reúnem para saborear uns enchidos, uns queijinhos e outros petiscos de ocasião.

O António, esse continua enamorado pela sua Julieta. Porém, apesar dos setenta e muitos, é incapaz de não virar a cara e arregalar o olho à passagem de uma rapariga bonita. Diz que há-de ser sempre assim e que se Deus lhe deu dois olhos foi para apreciar as coisas belas. E beleza aos montes e por montes tem aquela terra. Depois, acrescenta, a minha cachopa – é assim que trata a mulher – agora já não se incomoda. Sabe que sou cão que ladro mas não mordo. Porém, é incapaz de não acrescentar a palavra "infelizmente"!

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:42

Outubro 28 2016

Perguntam-me, por vezes, se estou de acordo com tudo aquilo que escrevo. Respondo que maioritariamente sim, uma vez que é fruto do meu modo mais intrínseco de pensar. No fundo, é produto das minhas reflexões pelo que hoje-em-dia sou, com todas as condicionantes da razoabilidade. Contudo, existem excepções que confirmam a regra. É o caso do presente texto.

Não adianta negarmos o óbvio, com as devidas exclusões. Se há décadas vivíamos uma relação para toda a vida, presentemente passámos a ter várias e a mudar de parceiro(a) consoante as circunstâncias que a vida dita. Reparem que não falo do coração e tal é propositadamente. A adaptabilidade ao modelo de vida que nos é, muitas vezes, imposto ou que “livremente” escolhemos, obriga a uma gestão mais eficaz dos nossos recursos e talentos, face às contingências dos ciclos etários.

Esta flexibilidade relacional, com a qual não concordo, repito, tem uma forma de expressão muito característica, fundamentalmente assente no individualismo, na não cedência, na cristalização de ideias e hábitos e no ter sempre razão. Outras marcas existem mas, no essencial, são residuais. Convém também atentar que este modo de ser e estar, servindo-se da conjuntura económica penosa pela qual passamos, fixou-se para muitos definitivamente - ainda que por vezes pouco claro - e com conotação prestigiante para os seus intervenientes. Infelizmente, acrescento.

No ano transacto, de acordo com as estatísticas oficiais, por cada 100 casamentos oficializados registaram-se 65 divórcios. Ora, tal leva-nos a concluir que o acima exposto tem concretização efectiva e que se trata de uma modalidade relacional perfeitamente viável nos dias de hoje. Por isso, se quereis continuar a fazer frente à solidão, há que optar entre aceitar estas novas dinâmicas e moldá-las rapidamente a vosso favor, ou continuar a evitar sequer discuti-las, insistindo num passado que dificilmente será repetido.

Vale a pena pensar nisto!

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:46

Setembro 21 2016

amor-l1-c1.jpg

Já se esqueceu da última vez em que foi amado(a)? Não se sinta constrangido(a). Basta começar a um nível tranquilo e, à medida que se sentir mais confiante, intensifique gradualmente o esforço. Se necessitar de um incentivo, não hesite em desafiar um(a) amigo(a) para o(a) acompanhar, pois para além do convívio – aliás, importantíssimo – beneficiam ambos da actividade.

Deveras relevante é não desistir. Por isso, talvez o melhor seja começar por algo de que goste. Ou por uma actividade simples, como uma ida ao cinema, a qual pode ser feita ao final do dia. O único “equipamento” que requer é paciência, saber ouvir e proporcionar conforto. É conveniente levar uma garrafa de água, para manter bons níveis de hidratação, bem como para que o órgão móvel da sua cavidade bucal não desseque.

O essencial é sentir-se bem e, acima de tudo, sempre melhor. Experimente. Vai ver que nota a diferença.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:23

Dezembro 22 2015

O que é o amor? Há muitas explicações, quer sejam filosóficas, emocionais ou mais ou menos racionais. Há, inclusive, quem não acredite em tal. Manda, porém, a verdade dizer que sem amor ninguém consegue sobreviver. E todos, sem excepção, ansiamos por ele, ou até pelas simples migalhas que caem da mesa onde é servido.

O amor é o espelho da alma, o reflexo das acções, o poder das decisões e, sobretudo, o conjunto das atitudes e comportamentos. O que lemos quando analisamos a afectividade são o resultado dessas decisões e as tendências gerais que, por sua vez, auxiliam o responsável pelos batimentos cardíacos a tomar novas decisões, diminuindo ou aumentando, consoante as circunstâncias, a incerteza desses momentos.

Por isso, quando aprofundamos as análises que fazemos e extraímos leituras da realidade, sabemos que estamos a contribuir com um activo valioso para a nossa vivência relacional.

Os caminhos do amor, à semelhança dos do Senhor, são insondáveis e daí a riqueza dos mesmos. O que sabemos é que umas vezes se cruzam, outras correm paralelos e, amiúde, infelizmente, jamais se encontram, sendo que, para o presente caso, a primeira hipótese seja a mais desejável. Que existe interferência, seja ela directa ou indirecta, isso é indesmentível.

E, naturalmente, é tentador que aquela interferência se faça no sentido de permitir que as pessoas desempenhem plenamente o seu papel estruturante na relação, desde logo criando bem-estar e prazer mútuo.

Sendo certo que também não tenho resposta às muitas questões que a mim próprio coloco, de uma coisa estou convicto: tudo o que sabemos é uma ínfima parte do que sentimos e, por isso, importa que seja muito mais os sentimentos a falar que a mera competição de palavras.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:48

Dezembro 04 2015

Com a cadência de um movimento pendular, perpetuado pelo afecto, curiosidade e zelo semelhante aos dos artesãos, percorro, no tempo e no espaço, o teu corpo macio, incorporado de técnicas, materiais e diferentes linguagens que vivificam o passado, o presente e o futuro da criatividade divina.

Hipnotizado por uma inesgotável fonte de prazer, motivado pelas tuas formas e cores, cedo o controlo dos meus sentidos à intuição conferida pela experiência e, conforme dizia a poetiza, “perco-me para me encontrar”.

E, uma vez mais, embalado por um vórtice animado pela tua presença, rodeada de mitos, fantasias, personalidades históricas e lugares de inaudita fauna e flora, senti o mesmo ímpeto de sempre: o de ser e criar em ti.

Dá-se o clique que me impele a tomar as rédeas deste fluxo, e a exuberante coreografia torna-se matéria que agarro e transformo, gesto após gesto, numa forma na qual encontro de novo a plenitude.

Ao fazer florescer em ti as geometrias e padrões de cores luxuriantes, reconheço símbolos de um passado não muito distante. De um tempo na qual a criatividade, nutrida pelos mais profundos sonhos e desejos, habilmente se colava nós, desbravando, assim, as infinitas possibilidades futuras de expressão conjunta.

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:15

Novembro 13 2015

Emoções existem que duram mais que uma vida. Atravessam gerações. Emoções que ligam objectivos únicos a momentos especiais, nos quais estiveste presente. Alguém muito importante para um resultado perfeito e duradouro.

Todavia, também não deixa de ser verdade que existem assuntos que são férteis em dúvidas. E não é por isso que deixo de gostar deles. Bem pelo contrário e ainda bem! Jamais gostei de tudo certinho e, sobretudo, de quem tem certezas absolutas!

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:33

Novembro 25 2014

Isto de escrever apenas pelo prazer de ver algo no papel ou no ecrã, sem que de tal provenha quaisquer proventos, por vezes é de uma incongruência atroz, para não dizer inconsistência feroz – rima mas não quer dizer nada.

A agravar a situação regista-se um momento em que o interior nos absorve as palavras e o exterior as repele, tudo contribuindo para a excisão do eu por mais intrincado que seja.

Depois há considerar que em determinadas alturas poucos haverá que queiram saber algo mais que o facto mediático que exponencia a atenção da larga maioria. Que fazer então?

Dar também voz à sanha persecutória que anima os minutos e as horas dos nossos miseráveis dias, animando demagogicamente as conversas de sentido único que giram incessantemente à nossa volta? Ou paramos, reflectimos e tentamos analisar friamente, i.e., tendo em linha de conta a história e, sobretudo, os deveres e direitos, independentemente do muito pouco que vemos, mas que ouvimos demais? Ou, ainda, inclinarmo-nos para o que anima o mais recôndito do nosso ser?

Bem, acabei por escrever algo. Porém, tenho a nítida sensação de que não disse nada! Paciência, amanhã é outro dia.

publicado por Hernani de J. Pereira às 23:27

Novembro 12 2014

DSC01820.JPG

 

Este mundo seria muito melhor se as pessoas dissessem o que sentem em vez de dizerem o que pensam.

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:52

Abril 08 2014

Olhava o ecrã vazio do computador, uma vez já serem muito poucos aqueles que escrevem directamente em folha de papel, e, com toda a sinceridade, apetecia-lhe escrever sobre o amor, seja ele relativo a uma pessoa especial, ao próximo ou seja lá quem for. Contudo, era impossível!

Com toda a franqueza, o que sobrava em ideias faltava palavras para tal. Não há dúvidas que necessitava de crescer neste campo e, para tal, teria de investir, o que não tinha feito nos últimos tempos, diga-se em abono da verdade. Outras preocupações recentes tinham-no obrigado a trilhar outros caminhos, pelo que só existia uma solução: pedir a Deus para lhe dar forças para não criar, ainda mais, fossos entre a felicidade e o mal-estar, isto para utilizar uma expressão muito soft.

É a construção deste equilíbrio, aliás muito difícil, podem crer, que ele designava por audácia de mudar. A reflexão que tem vindo, paulatinamente, a fazer, demanda, antes de mais, soluções concretas, portos onde ancorar, de preferência com “mar-chão”, bem como terra onde possa cavar o dia de amanhã.

Dizia o outro dia, convictamente, para consigo próprio: há que me (re)conhecer nesta recente fase e, sobretudo, (re)apreender o novo eu para, posteriormente, (re)compreender os outros. A drenagem dos recursos tem sempre um fim e a tentativa de inverter, não digo os flagelos, mas os desaires é algo a encetar sem demora.

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:21

Abril 07 2014

O assunto que domina este texto não é, deforma nenhuma, a continuação do anterior, apesar de parecer. Este é, antes de mais, um aviso prévio à navegação, principalmente para aqueles que não gostaram do antecedente, de modo a que não desistam da leitura deste.

Afinal, a segurança não é sinónimo de ausência de risco, mas antes a necessidade de, por nós próprios ou através do amparo proporcionado por terceiros, nos acautelarmos face aos eventuais perigos, sinistros ou infortúnios que a todo o momento podem espreitar. No entanto, e tendo em conta que é limitada a capacidade de, pelos nossos próprios meios, nos precavermos das ameaças a que naturalmente estamos expostos na vida, em matéria de saúde, de emprego, no que toca à habitação, aos veículos ou às finanças pessoais, e ainda no que diz respeito ao desempenho nos negócios – compras, alugueres, acções em tribunal, etc. – é necessário, nos dias que correm, uma preocupação acrescida.

Como se costuma dizer “cuidados e caldos de galinha nunca fizeram mal a ninguém”. Por isso, valorizada tanta pelas famílias como pelos que vivem sós, a garantia de estabilidade é, não obstante os privilegiados, ainda mais premente em conjunturas de crise como aquela com que o país se debate nos mais variados quadrantes. Não é difícil perceber porquê: é nestes momentos de incerteza que os cidadãos ficam mais vulneráveis e, por isso mesmo, mais necessitam de um abraço amigo.

Se em determinados casos, pelo menos aparentemente, os cenários de maior instabilidade económica, social e, sobretudo, emocional, abonam a favor da relação conjugal, há, porém, o reverso da medalha, i.e., não se deve esquecer o que tal panorama pode acarretar. Dito por outras palavras, outras consequências negativas existirão, às quais o bom senso não poderá ficar imune.

A redução do poder de compra, a diminuição dos rendimentos disponíveis, o aumento dos encargos, a pressão fiscal, a precariedade laboral e social, a retracção da economia e o receio perante a ameaça de maior austeridade são obstáculos inequívocos para determinadas atitudes, levando a que as pessoas – tanto individualmente como corporativamente – tenham maior propensão para alterarem os seus valores e padrões de vida.

Contudo, sendo certo que, em determinada medida, estes pressupostos sejam mais ou menos verdadeiros, também não deixa de ser verídico que as pessoas fazem escolhas e adoptam, por vezes, comportamentos incompreensíveis, já que se aqueles são válidos para uma postura, igualmente o devem ser para todo o modo de vida.

Se a desconfiança pode ser mãe de toda a segurança, é correcto também afirmar que certas estratégias e mudanças bruscas no modo de ser e estar, fazendo tábua rasa de todo um passado em que usufruíram muito mais do que deram, levam ao afastamento, à degradação das relações e a perspectivar novos horizontes.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:28

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Maio 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


arquivos

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
blogs SAPO