O meu ponto de vista

Abril 21 2019

O Senhor Jesus “repousa” no Santo Sepulcro. E nós, peregrinos errantes, esperamos, tanto mais que a Sua Alma não deixa de vigiar e de continuar operante.

Repousam os Seus membros mortais e sofredores, como repousa a semente no seio da terra, na expectativa de renascer e de dar fruto.

Aguardamos, pois, serena e simultaneamente expectantes a sua Ressurreição.

Ámen.

publicado por Hernani de J. Pereira às 00:09

Março 31 2018

images.jpg

O exame de amizades e/ou amores “eternos”, proclamados e prometidos, e em seguida não correspondidos ou traídos, é uma bagagem que levamos connosco como desilusão da parte dos outros. É a prova humilhante da comprovação dos nossos limites e contradições de todo o tipo. Quantas vezes verificámos a nossa aleivosia neste campo!

Também, e mais ainda, no plano da Fé, existe essa infidelidade e incoerência. Por um lado, dizemo-nos cristãos e, por outro, vivemos à margem ou contra os desejos e as propostas do Mestre.

O Senhor, porém, que conhece em profundidade a nossa vida, muitas vezes, contraditória, não nos trata como merecem as nossas ofensas, mas, sim, misericordiosamente, e o abraço da amizade renovada espera-nos sempre.

publicado por Hernani de J. Pereira às 17:05

Abril 15 2017

DSC_0012.JPG

Qual de nós não fez já a experiência da alegria

de participar o nascimento de um filho …

de passagem naquele exame …

de comunicar os projectos de uma viagem …

de dar notícias do bom andamento de um negócio …

de anunciar o regresso de Alguém muito querido?

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:59

Março 26 2016

images.jpg

 (Imagem retirada da Net)

 

Jesus passou deste mundo para o Pai. Deu a Sua vida por nós.

Desde o princípio, foi dando a Sua vida, um pouco todos os dias, àqueles que encontrava. Aos pais, aos amigos de Nazaré, a Pedro, a João, aos discípulos, ao paralítico, a Simão, o fariseu, à mulher que entrou em casa deste dirante o jantar, entre tantos outros.

Agora, a Sua vida foi dada totalmente, completamente até à morte. E dada por todos nós. Todos podemos recebê-la e viver como filhos de Deus. A Sua missão está completa, acabada.

Jesus entra na glória do Pai.

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:54

Abril 04 2015

Cristo Crucificado.jpg

 Cristo Crucificado

Dizemos, vulgarmente, que a Morte de Jesus no Calvário foi um sacrifício. Não A entendo assim, pois foi, antes de mais, um acto de amor. Com isto quero dizer que, n’Aquele lugar, o importante não foi terem tirado a vida a Jesus, mas Ele tê-la dado em oferecimento por todos nós.

Este oferecimento de Si próprio, manifestou-se na Morte, i.e., no dar a vida. Se a Eucaristia é o memorial desta Morte, ela é também, por isso mesmo, a redenção de todos nós, uma vez que, a qualquer momento, podemos ascender à Sua Glória, por muito pecadores – eu, me confesso – que sejamos.

Jesus deu a vida por amor para com o Pai e para com todos nós. Para Ele foi sinal desse amor, porque «ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida pelos Seus amigos» (Jo 15, 13).

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:30

Março 30 2013

O mistério pascal é uma realidade sempre actual e, de modo algum, apenas uma recordação de acontecimentos passados há dois mil anos. A “passagem” que Jesus Cristo efectuou entre nós foi para sempre, dando-nos, deste modo, a possibilidade de vivermos no “hoje” a Sua mensagem.

Hoje, na missa, Jesus repete para nós a mesma refeição, para que a vida por Ele entregue ao morrer na Cruz passe para nós, e para que a nossa vida passe n’Ele e com Ele até Deus nosso Pai.

Bei sei que nem todos comungam. Eu, próprio, há muito que não o faço. Não me perguntem porquê, pois nem eu sei muito bem responder a tal questão. Porém, sei que Cristo também está com aqueles que não recebem o Pão da Vida. Por isso, neste santo dia posso afirmar categoricamente: Jesus, Vós estais comigo e, por isso, quero viver convosco para honra e glória de Deus.

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:55

Abril 23 2011

Diz-nos a história que a cruz, no tempo de Jesus Cristo, era usada para castigar publicamente o pior da escória da sociedade, sendo que era dedicada especialmente aos crimes cometidos pelos escravos ou estrangeiros. Sabemos também que era sempre fora das cidades que estes eram crucificados, pois não tinham direito a morrer dentro dos muros da urbe.

Jesus Cristo, apesar de nada Lhe poder ser apontado, igualmente deste modo morreu. A Cruz foi carregada e nela expiou os pecados do mundo, libertando - para quem acredita – o homem da servidão das trevas.

Também nós temos que carregar a nossa cruz. A cruz da doença, da incompreensão, do desemprego, da rejeição, entre tantas outras.

Então, a questão é: somos capazes de aceitar com bondade e entendimento a cruz que diariamente propende sobre os nossos ombros?

publicado por Hernani de J. Pereira às 09:46

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Setembro 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
14
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


arquivos

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
blogs SAPO