O meu ponto de vista

Março 27 2020

A sério. Tem sido um enorme dilema. O que fazer no fim-de-semana para não me aborrecer? Como todos bem sabemos, o tédio e o ócio são extraordinariamente aborrecidos. Por isso, tenho dado voltas e voltas à cabeça para descobrir como ficar em casa, mas “contentinho da silva”.

Até que hoje ao participar numa reunião por videoconferência – que bem que isto soa – surgiu a luz, qual orgasmo tardio. Nem mais, nem menos: decorar o local de onde enviarei as mais sugestivas imagens para o mundo. As plantas meio tropicais, meio mediterrânicas, nas laterais ficam bem e dão um ar naif. Por outro lado, pelo menos um quadro de um pintor famoso, mesmo que seja uma cópia manhosa, colocado ao lado de uma estante com muitos livros, pouco importando se foram ou não lidos, também fica sempre bem.

Na próxima semana farei a barba todos os dias. Aftershave e desodorizante, são dispensáveis, uma vez que, pelo que se saiba, estas geringonças ainda não transmitem cheiro. O grande óbice é o cabelo, pois há mais de quinze dias que necessitava de o cortar. Agora … Por falar em cabelo: apostam que daqui a uns meses não faltarão novas tendências nesta área?

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:34

Novembro 27 2019

De há umas semanas a esta parte, nas escolas, as reuniões sucedem-se a um ritmo alucinante. São de grupo/disciplina, departamento, de curso, preparatórias disto e daquilo, entre tantas outras. E nestas existe de tudo como na farmácia. Existem os mais individualistas, outros partidários do colectivismo, uns enfatizando a igualdade, outros valorizando a hierarquia, uns mais orientados para os resultados, outros focando-se nos relacionamentos.

Na condução de tais eventos, há os tendem a resolver um assunto de cada vez, enquanto outros, com a sua visão holística, acreditam que nenhum item está resolvido enquanto o todo assunto não o estiver. Depois, há os que procuram ansiosamente a verdade, orientando-se para os efeitos e consequências, enquanto outros querem encontrar o caminho e os meios são mais importantes do que o objectivo final. Por fim, há aqueles que (híper)valorizam o debate até que se chegue a um consenso, enquanto outros se mostram mais diligentes durante o vai e vem de todo o processo.

A doença da reunite veio para ficar e, pelo menos por agora, não se vê antídoto para a respectiva cura. Ora fala um, ora fala outro e outro, sendo que a maioria observa e cogita para os seus botões: caramba, engoliram pilhas Duracel. Nunca mais se calam! Até que surge um corajoso que exclama em voz alta: eh pá, nunca mais chegamos ao ponto “e nada mais havendo a tratar …”?

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:50

Janeiro 03 2019

images.jpg

Estou convencido que poucos países haverá onde se façam tantas reuniões como no nosso. Todos os dias há meetings, debates, palestras, etc., etc., onde se discute tudo e mais alguma coisa.

Muitos destes acontecimentos contam com a presença de altas individualidades, pelo menos na abertura e/ou encerramento. No resto do tempo nota-se a ausência de políticos de primeira linha, regista-se a presença e vários directores gerais e, como não podia deixar de ser, com a notória comparência de imensos técnicos – leia-se cientistas, investigadores, professores universitários e uma catrefada de curiosos -, aos quais lhe é incumbido de fazer os respectivos relatórios finais. Belos livros e CD’s que irão preencher prateleiras e prateleiras de fino recorte artístico deste e daquele ministério, instituição universitária e semelhantes quejandas, isto sem esquecer os artigos na imprensa geral e especializada.

De vez em quando lá surge uma qualquer “cabeça coroada” a dizer de sua justiça e (re)lembrar tais feitos e sobretudo tão ilustres conclusões, as quais servem essencialmente para moldurar belos e incisivos discursos que todos aplaudem por dever do ofício, mas que sabem, de antemão, não ser para cumprir.

Sim, porque tudo isto não é para se fazer. É para se ir fazendo. Se somos irresponsáveis? Não, nada disso. Somos assim. Um país de brandos costumes, que num dia se zanga e quase mata, para no dia seguinte dormir com o “inimigo”. Aliás, não é por acaso que os estrangeiros nos odoram. Refilamos, refilamos com este e aquele, para acabar a fazer amor com todo o mundo.

publicado por Hernani de J. Pereira às 11:28

Abril 28 2011

Dizem os ingleses e é verdade time is money. Consciente de nem sempre ter sido um modelo no que a esta temática diz respeito e, de modo algum, pretender dar lições a quem quer que seja, acrescento, todavia, que cada vez menos tenho pachorra – perdoem-me o plebeísmo da expressão – para assistir a determinados eventos.

É evidente, como, aliás, do anteriormente exposto se pode inferir, que com isto não quero dizer que nunca o tenha feito ou, até, que não o venha a fazer. Erros todos os cometemos – alguns até com a melhor das intenções - e quem estiver livre que atire a primeira pedra. Mais: fretes todos fazemos e, pela minha parte, procuro jamais dizer “desta água não beberei”.

Contudo, a insistência em determinados eventos, os quais provaram, desde a primeira hora, a ausência de qualquer valor acrescentado, causa-me admiração. Por apenas ver naqueles uma perda inútil de tempo, um gasto desnecessário de verbas, algo que com a crise que atravessamos ainda mais me preocupa, bem como por os antever transformados, cada vez mais, em autênticos “corredores de fama” e em beija-mãos pacóvio, fruto de um servilismo alarve, sou de opinião de que é nossa obrigação sermos criteriosos na utilização do já escassíssimo tempo livre que cada um dispõe.

Se nos dermos ao trabalho, passado poucas semanas ou meses, de inquirir a generalidade dos presentes em muitos dos encontros e/ou debates, independentemente do domínio abordado, sobre se recordam algo deveras relevante, não tenho a menor dúvida que a larga maioria de pouco ou nada se lembra, o que, sem sombra para dúvidas, abona a favor da minha tese e ilustra bem as palavras supra.

Por isso, há que dedicar todo o nosso esforço ao que realmente importa: desempenho profissional e família. Isto, porém, sem descurarmos a verdadeira formação, a qual, como é óbvio, é imprescindível.

publicado por Hernani de J. Pereira às 18:37

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Julho 2024
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


arquivos

Julho 2024

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
blogs SAPO