O meu ponto de vista

Setembro 13 2021

Chove e chove bem. São bátegas de assustar. E o que troveja? Já não me recordo de sentir tantos e tão fortes trovões. Como não chovia, em termos dignos desse nome, vai para mais de três meses, este estado de tempo até nem é mau de todo. Se incomoda? Claro que sim, sobretudo para quem ainda está de férias e contava com mais uns dias de praia.

Agora mau, mas mesmo muito mau, é para quem tem vindima. Se é um serviço já por si pesado – não é cortar umas horas por puro divertimento e bucolismo; experimentem andar dias e dias e depois digam algo! – então a chover nem queiram saber quanto custa. Imaginem as vinhas de barro: a determinada altura as botas pesam toneladas, a capa para além de impedir os movimentos livres dos braços, ensopa devido à água que incessantemente cai e simultaneamente é um autêntico suadouro, face à ausência de respiração, os potes que para além das uvas, agora mais pesadas, enchem-se de água. Para agravar os tractores deixam de poder entrar na vinha, o que resulta o carreamento dos baldes ao ombro a longas distâncias.

Perguntarão: face ao temporal, não se pode adiar a vindima? A resposta é negativa. As caves marcam a data da colheita de uvas e adiando para uns teriam que ser adiados todos os seguintes e assim sendo não havia logística (particular e institucional) que resistisse.

E a qualidade? Por agora nada a lamentar. Tem menos grau? Hoje-em-dia não faltam soluções para tal. O problema é daqui a oito/quinze dias, i.e., quando as uvas começarem a apodrecer, tanto mais que chove com tanta intensidade que a película da uva já se está a romper. E contra a podridão? Pouco ou nada. A não ser suportar vinhos de menor qualidade.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:52

Janeiro 15 2018

Apesar de muitas vezes se ouvir dizer a propósito de qualidade “… não se canse que não vale a pena. Isso é uma moda e como tal há-de passar”, a experiência, todavia, demonstrou-nos que tal assim não era e a qualidade, ao contrário do que muitos previam, foi-se afirmando progressivamente como uma abordagem capaz de dar resposta ás necessidades das organizações e das pessoas, contribuindo significativamente para a melhoria do seu desempenho.

Contudo, no sector de ensino, os docentes questionam-se, hoje-em-dia, se de facto a qualidade continua a ser este meio de diferenciação, esta forma de agregar valor, capaz de se constituir como uma resposta eficaz em termos de futuro. Olhando para o passado, é possível perceber que os vários estádios de maturidade pela qual a qualidade no ensino foi passando – entrega, dedicação, controlo e, sobretudo, garantia de progressão – foram também formas cada vez mais abrangentes e pragmáticas de dar resposta aos desafios instrucionais que ao longo do tempo se foram colocando.

Ora, quando o Ministério da Educação dá, muito recentemente, instruções às escolas afirmando «no dia 1 de janeiro de 2018 é retomada a contagem do tempo de serviço para progressão na carreira» e que «continuam a ser descontados os períodos compreendidos entre 30.08.2005 e 31.12.2007 e de 01.01.2011 e 31.12.2017» é evidente que não está nada interessado na qualidade do ensino. Bem pelo contrário.

Como é evidente, também os sindicatos com o emparelhamento que têm feito com a tutela contribuem - e não é pouco - para o desbaratar da dita qualidade. Aliás, adianto que a posição destes me surpreende muito mais que a do ME. Este, sem força e muito menos com garra, dobra o joelho às Finanças. De outra coisa não estávamos à espera. Os sindicatos, porém, por quem acham que dobram os sinos?

publicado por Hernani de J. Pereira às 11:27

Setembro 20 2014

Se algo existe de que gosto é da vida agrícola e, sobretudo, do amanho da vinha. A poda, a empa, a cava, os tratamentos fitossanitários, a maturação das uvas e, finalmente, a vindima, i.e., o produto derradeiro de um ano inteiro de canseiras.

Neste último passo se vê o como, o quando e o quanto se amou o terroir. Todavia, na qualidade das uvas, como todos bem sabemos, a natureza tem uma influência extraordinária.

Foi o que aconteceu este ano. Em virtude de um Inverno muito longo, o nascimento dos cachos foi tardio e, para agravar a situação, em quantidade inferior ao normal. No entanto, se o problema se quedasse por esta circunstância, estava neste momento a agradecer a Deus.

Infelizmente, os problemas continuaram e especialmente em Agosto, mês em que se fazem ou não os grandes vinhos, foi extraordinariamente ameno, isto para usar uma expressão benigna, uma vez que realmente foi um período de tempo em que as temperaturas ficaram sempre aquém dos 30ºC, havendo muitos dias em que a chuva foi companhia. Porém, o pior mesmo foi a intensa pluviosidade que neste mês nos inundou.

Em resultado, as uvas ficaram muito longe da sua plena maturação, pelo que o teor de açúcar era e infelizmente continua a ser extremamente baixo. Assim aconteceu com as uvas brancas, vindimadas a semana passada, cujo álcool registou, em média, dois graus abaixo e, não tenho a menor dúvida, nas tintas, a colher nos próximos dias, o caso será, pela amostra, ainda pior. E, com tanta chuva, começam a apodrecer, sendo caso, perdoem-me a expressão, para dizer “em cima de pontapé … coice”.

A viticultura é um projecto que nasceu comigo com a perspectiva de que o produto deixasse de ser uma commodity para passar a ser diferenciado e apreciado nos seus vários graus de qualidade, uma vez que actualmente as pessoas estão cada vez mais informadas e interessadas em relação aos vários tipos de vinho e suas origens.

Longe de ser uma obsessão, reconheço que tenho alguma vaidade na qualidade das uvas que produzo, um bem que este ano está muito longe do patamar que a mim próprio impus: importa muito pouco a quantidade, pois a qualidade deve estar sempre em primeiro lugar.

publicado por Hernani de J. Pereira às 23:14

Março 30 2011

Como imensas vezes já tive oportunidade de referir, a qualidade é claramente uma das palavras-chave para se alcançar o sucesso. A oportunidade é muito importante, mas é, sem sombra para dúvidas, efémera. A qualidade, porém, sabemo-lo bem, é duradoura.

No sector de prestação de serviços, onde a educação se insere, o serviço ao utente – leia-se, essencialmente, aluno - deve conter uma característica fundamental de qualidade. A Escola deve oferecer, em prazos cada vez mais curtos, um serviço com mais atenção e um maior comprometimento com os resultados finais, entre muitos outros. Por isso, reputo de muito importante a adopção de políticas do tipo “em caso de falha, a culpa jamais poderá morrer solteira”, havendo, deste modo, lugar à responsabilização. São, efectivamente, uma garantia de qualidade para o utilizador e mobilizam a organização.

Num tempo em que se regista uma natalidade muito baixa, com a consequente escassez do número de discentes, o conceito “Word of Mouth” ou “Passa-Palavra” é uma das formas mais eficazes de marketing e captação de novos públicos. Cada aluno bem servido representa a possibilidade de obter vários outros.

Por outro lado, os meios de informação existentes alargam enormemente a possibilidade de partilhar boas experiências, seja através de blogs, sites na internet, entre tantos outros, tornando a qualidade cada vez mais importante. Nesta ordem de ideias, não se compreende a diminuta utilização destes meios por parte de algumas direcções de escolas. O que em tempos se dava a entender como tendo um futuro promissor, transformou-se, num ápice, em quase derrocada total. O retrocesso na implementação destas práticas, bem como o não aproveitamento do know how existente é, para além de vergonhoso, criminoso até.

Concluindo, pode-se (re)afirmar que a palavra qualidade no serviço ao utente tem, cada vez mais, de estar no centro da Escola. Quem o exige, acima de tudo, são os usuários, tanto os de hoje como os de amanhã. E, atenção, é também o nosso futuro, enquanto profissionais, que igualmente a impõe.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:25

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Julho 2024
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


arquivos

Julho 2024

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
blogs SAPO