O meu ponto de vista

Dezembro 30 2019

A noite de fim-de-ano é já amanhã e, para não nos desviarmos do habitual, ao som das doze badaladas e mastigando passa atrás de passa, iremos expressar promessas e formular desejos. E, como é de costume, na esmagadora maioria, nem umas nem outros se concretizarão.

Aliás, para não andar a repetir promessas e/ou desejos, já iniciei o respectivo rol. Assim, numa de cooperação com os meus estimados leitores, como é sempre meu apanágio, deixo aqui algumas sugestões:

- Mudar o regime alimentar – menos hidratos de carbono, mais fruta e vegetais e, sobretudo, erradicando doces/açúcares - de modo a emagrecer;

- Ajudar a filha e especialmente a neta a progredirem na vida;

- Privilegiando @s verdadeir@s amig@s – infelizmente pouc@s – e extirpando @s fals@s – infortunadamente maior que aqueles;

- Prestar maior atenção à família. Não sei como, mas hei-de descobrir;

- Ver menos televisão e ler mais;

- Ganhar no Euromilhões e/ou Lotaria;

- Dispensar maior cuidado com a saúde;

- Esforçar-me por ser mais profissional. Será muito difícil, mas é costume dizer-se que há sempre modos de fazer mais e melhor;

- Dar início ao plantio da segunda vinha. (Aqui, tal como noutros itens, cada um poderá colocar o que muito bem entender);

- Aumentar os anexos com a construção de uma cobertura anodizada;

- Pintar, de novo, o interior da casa;

- Comprar um novo carro.

 

P.S. – A ordem dos “factores” é arbitrária.

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:51

Dezembro 10 2018

transferir.jpg

É tempo de eleições. É de aproveitar, minhas senhoras e meus senhores. Este podia ser um pregão numa praça qualquer bem perto de si. Este pensamento vem a propósito do registo da extraordinária vaga de greves de que há memória.

Prometeram e asseguraram uma legislatura de progresso e, sobretudo, de paz social. A bem dizer, os três últimos anos assim aconteceu. Contudo, só os incautos poderiam pensar que tal clima teria continuação até ao final do actual mandato.

Hoje, sem margem para dúvidas, é altura para “assim se vê a forças do PC” e não só. É o momento ideal para cada um – PS e as forças à sua esquerda que parlamentariamente o apoiaram - reivindicar o que de bom foi feito e apontar o dedo aos outros para o que não foi realizado ou se sim foi mal.

A actual situação só vai cessar bem perto do Verão do próximo ano, i.e., a três meses das eleições legislativas.

Já agora, a esmagadora maioria, senão a totalidade, são greves no sector público. Sintomático!

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:16

Novembro 02 2017

dsfss.jpg

Depois do ME ter hoje prometido, cara-a-cara, a Mário Nogueira, “lutar radicalmente para que sejam reconhecidos os direitos dos professores e do pessoal não docente”, esta noite vou dormir muito mais descansado.

Ah g’anda Mário! Eu bem sabia que acabavas por transformar o Tiago num jovem radical. E, como “palavra dada é palavra honrada”, tal como diz o chefe deste, não são necessárias quaisquer outras formas de luta.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:09

Abril 22 2016

Quem cabras não tem e cabritos vende … Este é o velho ditado, aplicado a muitas situações – usado, inclusive, no processo movido a Sócrates – e que, à semelhança de muitos outros, é, tanto na ordem jurídica como na política, inteiramente correcto.

Ora, este provérbio veio-me à memória a propósito dos últimos desenvolvimentos político-económicos lavados a cabo por este governo. O desenvolvimento sustentável está em queda, para além de bastante longe do previsto, pelo que é recomendável a revisão de todas as metas e acautelamentos no que respeita ao alcançar ou não os objectivos programados. E, apesar, de todos os avisos emitidos pela CE, FMI, BdP, UTAO, entre outras, António Costa continua a apostar – compreende-se bem porquê, i.e., os parceiros políticos, que sustentam o governo, assim o exigem – na continuidade, (re)afirmando que tudo continua debaixo de controlo e de acordo com a conjectura prevista.

Dito de outro modo: continua a distribuir cabritos sem ter cabras. Que é bom pastor, ninguém duvida. Veja-se a sua habilidade em transformar uma grande derrota em modo de governar o país. Todavia, uma coisa é ser um político arguto e capaz de tecer as jogadas mais arriscadas. Outra coisa, contudo, é transformar rosas em pão.

Por isso, para além de cortes na despesa, haverá aumento de receita. Dou a mão à palmatória, acreditando que não será, esta última, obtida através de impostos directos, mas que será de outra forma, isso não tenho a menor dúvida. Argumentos nunca faltaram e jamais faltarão aos políticos para justificar o injustificável.

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:11

Setembro 16 2015

A maior parte dos portugueses não debate, não se consciencializa dos seus direitos e muito menos dos seus deveres, bem como foge da controvérsia tal como o Diabo foge da Cruz. E se isto se passa na sociedade em geral, na educação, em particular, embala-se pelo mesmo timbre.

Na base desta ausência de debate e definição de estratégias reivindicativas estão, segundo especialistas, factores como a hesitação da gestão em modificar o status quo presente das organizações e o receio dos profissionais em apresentar propostas que possam ser entendidas como críticas ou exigências.

Por exemplo, na semana passada ouvimos dissertar sobre uma série de promessas, as quais sabemos, de antemão, ser impossíveis de cumprir. A maioria dos presentes, não tenho a menor dúvida, pensou que estavam a assistir a uma espécie de mini-campanha eleitoral. Num aparte, podemos dizer que não são apenas as legislativas que impõem todas e mais algumas promessas.

Voltando à questão central, o certo é que apesar de não se terem registado aplausos e muito menos encómios, pois, em boa verdade, todos se calaram ou, quanto muito, falaram baixinho, qual anedota do crocodilo, para o colega do lado, ninguém pediu a palavra para contrariar aquele clima de pseudo euforia.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:38

Julho 06 2015

A cada dia que passa mais a data das eleições legislativas, como é óbvio, se aproxima. Assim, não é de estranhar, apesar de a maioria detestar, o acrescento exponencial de promessas. E não há dúvidas que se apenas um décimo destas se concretizassem, o nosso futuro era feito de rios de leite e mel.

A proposta de fazer isto e aquilo, de proceder assim e assado, é, segundo pensam os nossos políticos, sinónimo de conforto e prazer. Fazer uma promessa, e em particular uma promessa política, é, hoje em dia, um gesto perfeitamente rotineiro e natural, independentemente de quem a faz.

Perde-se no tempo o hábito enraizado nos políticos de fazer promessas a torto e a direito, o qual ultrapassou as fronteiras físicas que separam povos e culturas e é preparado segundo tradições ancestrais ao longo de séculos, aperfeiçoados em cada gesto e em cada rito e que hoje assume o protagonismo nos mais variados momentos do nosso quotidiano, especialmente agora em que as máquinas da propaganda eleitoral - vulgo agências de marketing e afins - se tornaram mestras na arte de bem nos ludibriar.

Não há campanha eleitoral sem promessas demagógicas e populistas. Tal, infelizmente, tornou-se tão natural como ter sede ou respirar e facilmente se explica. Uma boa dose de promessas parece confortar tanto o estômago como a alma. Não de todos mas, pelo menos, dos mais ingénuos. E, estes, não são ainda assim tão poucos como isso!

E, por muito que se diga o contrário, o pior é que se aparece um político que não faz juras de cumprir este ou aquele feito, então, das duas uma: não cai bem ou não sabe ao que anda!

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:23

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Junho 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


arquivos

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
blogs SAPO