O meu ponto de vista

Maio 07 2012

Num cenário de adversidade - o ensino é um caso paradigmático – a proactividade e o empreendorismo dos professores fazem milagres pelo sucesso da escola. Todavia, nem todos os gestores escolares sabem conduzir os seus quadros neste sentido e tirar o melhor partido da sua motivação e capacidade de empreender.

Mas como alcançar este estado de desenvolvimento dentro da escola, sobretudo em tempos conturbados como são os que hoje vivemos? A resposta assenta mais no incentivo dos docentes a agirem de forma empreendedora, semelhante à dos investidores de risco, do que fomentar um espírito empreendedor entre aqueles. No fundo, trata-se de resolver a velha dicotomia entre o individual e o colectivo.

Como é do conhecimento geral, a escola, nos últimos trinta anos, fruto de uma sovietização que, pouco a pouco, se foi instalando, muitas vezes sem que a maioria dos professores se apercebesse de tal, deu largas ao colectivismo, onde tudo era decidido em grupo, na tentativa de que agisse como um todo, onde a homogeneização máxima era o limite.

Aliás, na mesma senda, e não por mero acaso, a escola, nos últimos anos, desenvolveu um outro conceito - muito do agrado das forças seguidoras de tal doutrina, em que os bens de produção e consumo são igualmente distribuídos por cada membro da sociedade – designado genericamente por “inserção na comunidade”, o qual, como se sabe, deu origem a que todo o “gato-pingado” ache que deve mandar naquela. Veja-se, por exemplo, a partidarização dos conselhos gerais, onde a cor da autarquia é dominante, bem como a entrega a esta dos funcionários e edifícios, com a ingerência e dependência que tal acarreta. E os docentes, se não “abrirem” os olhos, um dia destes, serão também descartados para as câmaras municipais, as quais, na sua maioria, estão ansiosíssimas por tal, como facilmente se descortina com as AEC. Mas os exemplos não ficam por aqui. Poucas são as instituições autárquicas, sociais, culturais e desportivas que não metem o bedelho e arrancam da sala de aula os discentes - independentemente de ser próximo de testes ou exames e de haver um programa curricular para cumprir - para esta jornada, para aquele meeting, entre tantos outros casos, sendo que a larguíssima maioria mais não são que shows off para aparecer na comunicação social, querendo demonstrar, assim, uma realidade que de verdade nada tem, ao mesmo tempo que usufruem de tempo de antena, o que nos dias de hoje, infelizmente, é o que conta.

É claro que existem também professores que embarcam neste tipo de iniciativas e até colaboram, de certo modo, activamente nas mesmas. A apresentação de “evidências” para efeitos de avaliação de desempenho a tal obriga. Contudo, os principais responsáveis são os dirigentes. Enfeudados como estão ao poder local, obrigados diariamente ao beija-mão, a nada se opõem, bem pelo contrário. Como é evidente, quem, no fundo, acaba por sofrer as consequências são os alunos, uma vez que o ensino das matérias curriculares ou não é dado na sua integralidade ou, então, é dado apressadamente, com todos os inconvenientes daí advenientes.

Isto para não falar na excessiva carga burocrática que os professores, a maior parte por culpa das respectivas direcções, estão obrigados. Como dizia, outro dia, um nosso colega, só um documento deveria ser preenchido: a pauta de avaliação. Este tema, porém, ficará para uma outra crónica.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:53

Maio 02 2012

Quando eu pensava que, com Nuno Crato, o “eduquês” tinha os dias contados, eis que, afinal, a prática demonstra o contrário. Ou o Ministro da Educação (ME) não tem força suficiente para se impor perante a máquina pesadíssima que herdou ou, então, é esta que continua com uma força tal que se impõe àquele. Quero continuar a acreditar que o bom senso e o prazer de ensinar - no sentido literal e integral do termo - hão-de acabar por prevalecer. Mas as dúvidas permanecem.

Vejamos, porém, o que nos diz o Diário da República, do dia 19 de Abril do corrente mês, o qual publicou o Despacho nº 5368/2012:

O Ministério da Educação e Ciência assume como sua missão contribuir para a constituição de uma nova geração interessada e capaz de valorizar o conhecimento e a cultura, motivada para o trabalho, o esforço e o rigor científico. Por entender que tal missão não se fecha nem se esgota nos currículos escolares, o Ministério de Educação e Ciência cria o programa «O Mundo na Escola».

«O Mundo na Escola» dará maior visibilidade e mais fácil acesso às atividades científicas e culturais em curso, valorizando e rentabilizando os melhores recursos; e aproximará a população escolar das instituições e dos profissionais que trabalham no domínio da ciência, das artes e da literatura.

Através de um conjunto de ações, adequadas aos diferentes níveis de ensino, este programa fará chegar a todos conhecimentos, conceitos e obras fundamentais nas várias áreas da ciência e da cultura. Com «O Mundo na Escola» pretende -se criar um clima de divulgação e de partilha de saberes, que contribua para a consolidação de conhecimentos e fomente a curiosidade dos alunos pelo mundo físico e cultural que nos rodeia.

Assim, (…), determino o seguinte:

1 — É criado o programa de formação para a cultura e para as várias áreas do saber nas escolas, denominado «O Mundo na Escola».

2 — O Programa «O Mundo na Escola» versará, na sua fase inicial, sobre Ciência e Tecnologia de uma forma que dinamize a aproximação entre a comunidade científica e a comunidade escolar, valorizando os recursos existentes.

Se isto não é mais do mesmo, então, não sei o que seja. Até poderia perguntar: onde é que eu já li isto?

Bem sei que ainda é cedo para dar uma grande varredela na prática seguida nos últimos anos pelo ME e, não querendo, de modo algum, fazer julgamentos precipitados, não posso, todavia, deixar de dizer o que, na minha modesta opinião, continua mal no reino da “5 de Outubro”. Este tipo de actuação, parecendo igual aos dois consulados anteriores, i.e., recorrendo, de certo modo, à propaganda e ao marketing, preconiza que o “eduquês” ainda é rei e senhor. Espero e faço votos que, na forma e, sobretudo, a nível do conteúdo, o caso mude rapidamente de figura.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:49

Janeiro 19 2012

Hoje fala-se muito de avaliação e que não é possível aumentar o nível de desempenho de uma instituição, seja ela pública ou privada, sem a ela recorrer. Todavia, também não é possível garantir o sucesso apenas por a mesma existir. É necessário, sobretudo por ser relevante, apostar na diferenciação, sendo que esta, na maior parte das vezes, é mal vista pelos detentores e defensores acérrimos do status quo.

Na escola, em particular, é preciso investir em conhecimento e menos em diversão. A língua materna, a matemática, o inglês, a física, a história, as técnicas, para não falar da filosofia e sociologia, são fundamentais. É preciso, afastar do dia-a-dia escolar a maior parte das viagens de “estudo”, as representações teatrais, os clubes disto e daquilo, o jornalismo de caserna, entre tantas outras (in)actividades extra-curriculares, e apostar no estudo, na investigação e experimentação. Isto porque nada é garantido, como a vida nos ensina, e porque temos de incutir nos nossos discentes, de uma vez para sempre, que muito menos há almoços de graça.

Quando a escola já não consome apenas para suprir necessidades básicas, quando procura novidade e irreverência, quem está na linha da frente deve rodear-se dos profissionais mais qualificados, com experiência no desenvolvimento de estratégias de sucesso, que garantam as condições necessárias para dar o melhor aos seus alunos e, deste modo, enfrentar a concorrência.

Desenganem-se aqueles que pensam que este interlúdio nada tem a ver com a avaliação de desempenho docente aludida anteriormente. Em primeiro lugar, reitero que esta deveria ser tornada pública e só não o é, por simples defesa dos avaliadores, os quais certos que, muitas vezes, erram nas classificações que atribuem, preferem a ocultação da mesma. Olhos que não vêm, coração que não sente, já lá diz o ditado. Em segundo, dando azo ao escrito em textos anteriores, seria excelente e/ou muito bom que os docentes que usufruem das avaliações mais altas – quando, ao acaso, foram atiradas ao ar e caíram dentro do chapéu – estivessem na linha da frente, dessem aulas (enfrentando as turmas mais problemáticas) e, principalmente, se predispusessem a demonstrar aos seus colegas mais “básicos” – leia-se os que apenas conseguiram o bom – como se prepara a escola do futuro, se “aduba” os discentes para fazer face à concorrência do amanhã, uma vez que é sabido que à nossa volta há quem não durma em serviço e está atento às nossas falhas.

publicado por Hernani de J. Pereira às 18:29

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Julho 2024
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


arquivos

Julho 2024

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
blogs SAPO