O meu ponto de vista

Junho 08 2023

transferir.jpg

Hoje, pelas 10h00, fui à missa, em honra do Corpo de Deus, na Igreja Matriz de Arcos-Anadia. Esta celebração, como é costume neste dia, foi a única da parte da manhã a realizar-se no Arciprestado de Anadia, tendo sido presidida pelo Sr. Bispo de Aveiro, D. António Moiteiro.

Pouco importa que este vosso escriva tenha feito a II leitura - Primeira Epístola do Apóstolo São Paulo aos Coríntios (10, 16-17) -, pois o relevante foi, que durante toda a celebração, a ausência de qualquer referência ao estado de saúde do Papa. Como todos sabemos, Francisco, um queridíssimo “avô” de 86 anos, foi ontem sujeito à quinta intervenção cirúrgica no Hospital Universitário A. Gemelli, em Roma, e apesar de todas as notícias nos informarem que tal correu bem, é necessário aguardar mais uns dias, senão semanas, para sabermos o real estado de saúde de Sua Santidade.

Bem sei que católicos existem que não morrem de amores pelo Sumo Pontífice, mas será que o responsável máximo desta diocese também sofre desta síndrome? Não creio, e quero crer que se tratou de um mero esquecimento.

De qualquer modo muita saúde a Francisco. Que Deus te conserve entre nós por muitos e bons anos.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:27

Abril 19 2020

Enquanto uns discutem se deve haver ou não comemorações, na AR, do 25 de Abril – os sim são democratas, os não são fascistas, como se a democracia fosse algo a preto ou branco – outros lutam pelo futuro mais imediato, sem saber e muito menos querer saber destas lutas intestinas dos nossos “maiores” da política. Estes, afinal, continuam a olhar apenas para o seu umbigo.

Como disse hoje SS o Papa Francisco somos todos frágeis e, sobretudo, atrasados em relação ao tempo, à semelhança de S. Tomé, o qual chegou posteriormente e não viu Jesus Cristo. Espero e anseio que quando Este voltar, no fim do tempo de cada um, não estejamos ausentes e muito menos incrédulos.

Por outro lado, para aqueles – pecador me confesso – que estavam cansados de “aturar” os discentes, bem como o contrário, é bom que torçam a orelha. Sim, bem sei que esta não deita sangue, sinónimo de que os nossos queixumes não tinham razão de ser. Somos uns eternos insatisfeitos. Os imensos contactos que, por videoconferência, ultimamente tenho feito dão-me essa certeza absoluta. Os alunos têm saudades de aulas presenciais com os professores, incluindo aqueles que detestavam e, pelo lado destes, então nem é bom falar.

Continuamos a limpar o que muitos de nós não sujámos. Serve-nos de consolo a ideia de um milagre e de que as gerações que sobrevivam a esta pandemia terão uma consciência moral e/ou ética superior à nossa. Alguns estão ainda em delírio. Porém, quando a poeira assentar e a verdadeira crise – sim, porque isto de ficar em casa um mês, atrás de outro pagar-se-á com língua de palmo – se instalar, então falamos

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:52

Maio 17 2017

Sagrámo-nos, em 2016, campeões europeus.

O défice, relativo ao ano transacto, fixou-se nos 2%, permitindo, deste modo, sonharmos com a saída do procedimento por défice excessivo, um “garrote” imposto pela CE.

Na sexta-feira e sábado p.p. tivemos a visita do Papa Francisco, o qual foi recebido em apoteose, obrigando o primeiro-ministro a assistir, juntamente com o seu séquito governamental, às cerimónias religiosas em Fátima, apesar de todos percebermos que nada entendiam do que se estava a passar.

Logo a seguir, Salvador Sobral conseguiu um efeito inédito, perseguido por Portugal há mais de cinquenta anos, i.e., venceu o Festival da Eurovisão. Abro um parêntesis, uma vez achar muita graça aos encómios por todos proclamados, incluindo imensa gente ilustre da nossa praça, quando a esmagadora maioria deles, há muitos anos não ligava pevide àquele certame ou, quanto muito, dizia o que Maomé não disse do toucinho. Abranjo neste rol o chefe do governo e ministros, como foi o caso do artigo apologético de Augusto Santos Silva no Público de hoje.

Continuando neste fim-de-semana, o Benfica conseguiu o tetra. Sem querer diminuir a vitória deste, para mim, enquanto 5 for maior que 4, aquele ainda não conseguiu alcandorar-se aos feitos do F C Porto.

Soube-se, anteontem, que o INE concluiu que o crescimento económico, no primeiro trimestre deste ano, atingiu os 2,8%, algo que não se verificava há dez anos.

Informação final: tudo isto graças a António Costa. Que me desculpem os mais puritanos, mas até parece que é Deus nos Céus e este na Terra, perdão, em Portugal.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:41

Janeiro 03 2016

Nesta quadra que está a findar e que, para a generalidade das pessoas, é das mais belas senão mesmo a mais bela, não queria deixar passar a oportunidade de me referir à mensagem do Papa Francisco, a qual não sendo assim tão recente, mesmo assim é sempre actual, que nos alerta vivamente para o perigo real da “globalização da indiferença”.

Não querendo, de modo algum, entrar em contradição com o que aqui venho escrevendo, a verdade obriga-nos, durante todo o ano e essencialmente nesta época, a falar dos desempregados, dos perseguidos, quer seja politicamente, religiosamente ou por outros motivos, dos sem algo para comer ou se abrigar, dos marginalizados, etc., etc.

Com certeza, estão os meus caros leitores de comum acordo comigo, que quando falamos destes flagelos discorremos sobre nós e os outros. Alguns, os mais assertivos, e que sabem sobre o modelo social da nossa sociedade, bem como o nosso modo de actuar no dia-a-dia, têm feito afirmações factuais acerca daqueles. Porém, nem sempre vão ao cerne da questão, certo que neste rol me encontro desde a primeira hora. Humildemente, perante o Criador, me ajoelho (re)afirmando-me pecador.

E a globalização da indiferença também passa por aqui: quem é o nosso próximo nestas circunstâncias? O que podemos fazer para o ajudar a tornar-se necessário? E na cultura light e de indiferença que vivemos, tão em voga hoje-em-dia, alguns temas muito próximos estão tão longe como o milhão de crianças sírias em campos de refugiados.

Custa muito a admitir mas, individualmente, também não fazemos nada!

publicado por Hernani de J. Pereira às 18:59

Dezembro 18 2013

 

  1. Muitos daqueles que citam frases dos textos e homilias de Francisco, retiram apenas a parte que lhes interessa para a(s) sua(s) causa(s), omitindo tudo o resto. E o sobejante tem tanta ou mais importância do que aquelas, que são fortes, é verdade, mas que, muitas vezes, quando retiradas do contexto, perdem o seu sentido, como, aliás, bem sabemos. E tem importância porque o remanescente tem a ver com a caridade, o cumprimento diário do cristão, como seja a difusão e cumprimento do Evangelho, ou seja, no fundo, ser católico. O restante é relevante porque tem a ver com alegria que se renova e comunica, com a doce e reconfortante alegria de evangelizar, traduzida numa nova evangelização para a transmissão da fé, com a pastoral em conversão, partir do coração do Evangelho, com a missão que se encarna nas limitações humanas, com a Igreja como uma mãe de coração aberto, com todo o povo de Deus a anunciar o Evangelho, com a preparação da pregação, com uma evangelização para o aprofundamento do querigma e suas repercussões comunitárias e sociais e, por fim, mas não menos importante, com Maria, a Mãe da evangelização.
  2. Restringir a minha acção à inclusão social dos pobres e ao bem comum e à paz social, capítulos importantes daquele escrito, é certo, mas que não traduzem na íntegra a mensagem do Chefe da Igreja Católica Romana, é desolador.

 Por isso, àquela minha amiga, respondi tal como o Papa diz naquele documento

Com Maria, avançamos confiantes para esta promessa, e dizemos-Lhe:

Virgem e Mãe Maria, Vós que, movida pelo Espírito, acolhestes o Verbo da vida na profundidade da vossa fé humilde, totalmente entregue ao Eterno, ajudai-nos a dizer o nosso «sim» perante a urgência, mais imperiosa do que nunca, de fazer ressoar a Boa Nova de Jesus.

Vós, cheia da presença de Cristo, levastes a alegria a João o Baptista, fazendo-o exultar no seio de sua mãe.

Vós, estremecendo de alegria, cantastes as maravilhas do Senhor.

Vós, que permanecestes firme diante da Cruz com uma fé inabalável, e recebestes a jubilosa consolação da ressurreição, reunistes os discípulos à espera do Espírito para que nascesse a Igreja evangelizadora.

Alcançai-nos agora um novo ardor de ressuscitados para levar a todos o Evangelho da vida que vence a morte.

Dai-nos a santa ousadia de buscar novos caminhos para que chegue a todos o dom da beleza que não se apaga.

Vós, Virgem da escuta e da contemplação, Mãe do amor, esposa das núpcias eternas intercedei pela Igreja, da qual sois o ícone puríssimo, para que ela nunca se feche nem se detenha na sua paixão por instaurar o Reino.

Estrela da nova evangelização, ajudai-nos a refulgir com o testemunho da comunhão, do serviço, da fé ardente e generosa, da justiça e do amor aos pobres, para que a alegria do Evangelho chegue até aos confins da terra e nenhuma periferia fique privada da sua luz.

Mãe do Evangelho vivente, manancial de alegria para os pequeninos, rogai por nós.

Ámen. Aleluia!

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:58

Julho 29 2013

O teor deste artigo está longe de ser uma novidade. Por isso, quando decidi partilhar a minha visão sobre o assunto, apercebi-me que o maior desafio não estava em saber o que escrever mas sim como o fazer. Falar sobre a Jornada Mundial da Juventude 2013, sobre a qual quase ou mesmo tudo se tem dito não é tarefa fácil.

A verdade é que os chavões do título “Papa Francisco surpreendeu tudo e todos” ou “O longo areal de Copacabana foi, pela primeira vez, pequeno para tanta gente que quis estar com o Papa” já foram usados e abusados, pelo que só resta uma solução: fazer a diferença através do contexto em que aquele evento decorreu.

As primeiras jornadas, promovidas por João Paulo II, eram abordadas quase como um fim em si mesmo. Os projectos, apesar de gigantescos e pretenderem ser transformacionais, levavam muitos meses a preparar e muitos mais a divulgar, obrigando à uniformização, deixando de lado algo muito importante, i.e., a transversalidade e a multiculturalidade, deixando marcas pouco profundas nos jovens. Acredito, até, que os anteriores encontros terão sido traumáticos para alguns dos seus participantes.

Contudo, foram, inegavelmente, necessários. Os jovens são diferentes, alteram-se ao longo dos anos e, sobretudo, mudam os líderes, ou melhor, por vezes, basta mudar o líder máximo, como é o caso do Papa Francisco, para se registar o prodígio da multiplicação.

Hoje, as jornadas quase que poderiam ser classificadas – os puristas que me perdoem - como commodity e, ao contrário do que possa parecer, isto é muito positivo. Não só porque os jovens fazem bem o seu trabalho, mas principalmente porque a Igreja reconheceu a necessidade de adoptar soluções mais amplas de integração como forma de ajudar aqueles a atingir os seus objectivos estratégicos. Ficou provado que o Mundo não está perdido e teremos de esquecer a velha frase “fica-te Mundo cada vez pior”.

Creio que poderemos todos concordar com a premissa de que, actualmente, existem muitos jovens com um suporte de vida assente nos mais nobre valores. Jesus Cristo continua a fazer milagres. Tendo isto em mente, a vantagem do Papa Francisco – chamo a atenção que a designação de Sumo Pontífice está, e ainda bem, a perder força – é a “competição” com base na simplicidade e no sorriso, posturas que proporcionam naturalmente a adesão e potenciam o amor a Deus. E isso faz toda a diferença.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:29

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Junho 2024
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


arquivos

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
blogs SAPO