O meu ponto de vista

Fevereiro 24 2021

Senão todos, pelo menos a esmagadora maioria é pai e/ou mãe. Aliás, mesmo aqueles(as) que o não são sabem que o seguinte é verdade: Os filhos, mas também os netos, passam a vida a contrariar os mais velhos, sejam eles progenitores, avós e/ou outros. É aquilo que se costuma dizer: É a lei da vida.

É um dado adquirido e sem deixar a “coisa” em lume brando, o certo é que contestar sempre, por tudo e a todos os momentos, a maior parte das vezes é pura perda de tempo. Com o passar dos anos a excitação própria da juventude – em mecânica designa-se por vibração – acabará por passar. Não digo em todos e na mesma altura, mas que passa e eles assentam é uma verdade irrefutável.

Hoje-em-dia os professores, os quais fazem e são vistos inúmeras vezes como pais/mães, são motivo de contestação de uma forma veemente e continuada. Não fossem adultos e já experimentados e poder-se-ia dizer que se estava em presença de bullyng. Se o decente diz para fazer de um modo, os alunos tentam, por todas as formas, fazer de outro. Quando no final o resultado é manifestamente mau ou pior, a culpa é do docente: Ou porque não ensinou convenientemente, na versão dos alunos, ou porque não foi persistente – estou a ser benéfico nesta adjectivação – no entender dos pais.

publicado por Hernani de J. Pereira às 14:26

Janeiro 21 2021

Prefiro mil dias de ensino presencial do que um só de ensino à distância (E@D), principalmente no que concerne à avaliação. Já o disse e repito: se a aprendizagem por esta via é altamente deficitária, então a avaliação é tudo menos avaliação.

Todavia, neste momento, não vejo alternativa. O número extraordinário de contágios, bem como o excessivo número de mortes que se registam diariamente, sem esquecer que os serviços de saúde já não conseguem responder minimamente às necessidades, leva-me a mim e à esmagadora maioria dos portugueses a dizerem basta. Por favor, encerrem as escolas. Nem mais um dia.

Mas se digo para fecharem, de imediato, as escolas, também avanço de que devem estar o mínimo de tempo encerradas. Que não aconteça como o ano passado em que apenas reabriram para os alunos sujeitos a exame. Não sei se serão necessários trinta, sessenta ou mais dias para que se achate a curva epidérmica. O que sei, é que não será necessário o encerramento até ao final do ano, pois se assim for é o descalabro completo em termos de ensino para uma geração e, sobretudo, para o futuro do país.

Não nos podemos esquecer que os alunos até aos 12 anos em casa obrigam a pelo menos um dos progenitores a também ficar em casa, cujo salário terá de ser pago sem que produza o que quer que seja.

publicado por Hernani de J. Pereira às 11:37

Março 19 2020

Bem sabemos que vivemos tempos extremamente difíceis. Se até aqui todos ou quase todos concordam, o problema levanta-se o que fazer com os filhos, principalmente aqueles que se encontram em idade escolar.

Pais existem que apenas estão preocupados com a protecção dos seus descendentes, enquanto outros pressionam e muito as escolas para que estes tenham mais e mais materiais de estudo. Assim, no seguimento do meu texto de ontem, confirmo não existir professor que não se sinta “apertado” para usar as mais variadas ferramentas com vista a que os seus alunos “acompanhem” a leccionação dos conteúdos em falta.

Ora, como o correio electrónico e/ou outros meios suportam o envio dos mais diversos materiais, toca a encher os “putos” e os mais crescidos com resmas de páginas em pdf, word, excelpowerpoint, entre outros. Depois toca a “chatear” os pais – espero que somente estes – para o envio dos trabalhos feitos, através das imensas plataformas, as quais muito poucos dominam. E, os mais crescidos, num verdadeiro espírito colaborativo – bem, não era precisamente disto que estávamos à espera? – resolvem os testes em conjunto. As redes sociais servem para alguma coisa!

Como já alguém disse, não tardará muito para que os pais suspirem pelas aulas e comecem a dar o verdadeiro valor aos professores.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:43

Setembro 16 2019

Se tudo correr conforme o planeado, hoje foi o primeiro dia dos últimos dois anos de aulas. Inicio já cansado o que não é bom augúrio. Longe vai o tempo em que estes primeiros dias de aulas eram preenchidíssimos e cheios de calor e, porque não dizê-lo, até com algum glamour. O contacto com os alunos que nos chegavam, sobretudo aqueles que até nós se dirigiam pela primeira vez, a palavra amiga dos pais e encarregados de educação, os últimos pormenores tratados com desvelo com os colegas e pessoal não docente, tudo servia para encher o peito e proclamar que “a luta é difícil mas a vitória é certa”.

Muita água passou debaixo das pontes e como o tempo não volta para trás, resta a nostalgia. Não sou daqueles, já o disse imensas vezes, que se voltasse atrás faria tudo igual. Bem pelo contrário. Tantas e tantas coisas que faria completamente diferente. Tantos factos, eventos e atitudes que enfrentaria de outro modo.

Hoje, com gosto, mas já com algum esforço é que lá vou. Os anos não perdoam e a vida tem sido - perdoem-me talvez o excesso de humildade - madrasta. E se aparento algum queixume, não é propositadamente, pois bem sei que aqueles que sofreram e sofrem mais que eu são em maior número que o contrário.

Entretanto, bom ano para todos os colegas e principalmente para os meus alunos.

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:34

Outubro 11 2018

transferir.jpg

Serão muitos raros os professores que nunca se queixaram do uso dos telemóveis por parte dos discentes. A esmagadora maioria afirma que não suporta tal “praga” e que é quase impossível dar, hoje-em-dia, uma aula em condições mínimas, sobretudo por causa do abuso na utilização daquela tecnologia.

Como muitas outras invenções, o telemóvel é também uma ferramenta extraordinária. Quando usado com conta peso e medida é de utilidade assombrosa. O problema coloca-se em processos de adição, os quais podem ter consequências nefastas em termos pessoais e de relacionamento social.

A verdade é que a dependência destas novas tecnologias assume-se como um distúrbio comportamental que leva o indivíduo a passar para segundo plano todas as suas responsabilidades pessoais, familiares, sociais e profissionais. Este é um problema já identificado e que tem vindo a merecer cada vez mais a atenção por o mundo fora.

A preocupação constante de estar on-line, mentir sobre o tempo passado na internet e sobre o tipo de conteúdos visualizados, dores musculares e na coluna, aumento de peso, perda de sono, isolamento, carência de hábitos de socialização e de higiene pessoal são alguns sinais de que algo poderá não estar bem.

As pessoas dependentes da internet, sobretudo das redes sociais, tendem a utilizá-las para compensar e aliviar tensão e a depressão, preferindo o prazer temporário obtidos através de relações virtuais a relações emocionais mais significativas.

Daí o chamar a atenção dos pais, uma vez que esta questão não diz respeito apenas à sala de aula. Se aqueles permitirem, por exemplo, que o telemóvel faça parte da mesa tal como o prato, então não existe escola que resista por mais atractiva que seja. 

publicado por Hernani de J. Pereira às 11:18

Janeiro 26 2018

É uma verdade insofismável. A banalidade com que, infelizmente, encaramos a má educação, a falta de civismo, a imoralidade e a ausência de ética – não serão estes adjectivos todos sinónimos? -  é, com a toda a certeza, fruto da relativização que ao longo das últimas décadas fomos ouvindo e, deste modo, formatados. Quem nunca ouviu alguém dizer que esta ou aquela expressão, atitude é ou não é abjecta, dependendo das circunstâncias e do lugar? Pois é, quando relativizamos algo, sobretudo perante crianças e jovens em processo de maturação, os quais, como é óbvio, possuem apenas um poder diminuto de discernimento, estamos a dar-lhes um sinal errado.

Neste âmbito, prefiro pecar por exagero. Tudo o que é palavrão, ausência de comportamento adequado perante os outros, independentemente do lugar ou da assistência, carência de bons propósitos perante a família, escola e sociedade em geral é de reprovar desde a mais tenra idade. E não me venham dizer que uma criança com dois ou três anos é uma “gracinha” ao bater num adulto. Muito menos é engraçada ao linguarejar uns palavrões. De pequenino é que se torce o pepino.

De modo algum, se pode observar a má educação e virar a cara para o lado. Por as famílias não encararem este gravíssimo problema é que estamos no nível educacional que estamos. Só um exemplo: se as famílias não permitissem a colocação e, sobretudo, o uso do telemóvel à mesa, os nossos jovens não forçariam, como o fazem, indistintamente a utilização destes nas salas de aula e não só.

Aliás, digo mais: no que me concerne, estou cansado de aturar jovens com 18, 19, 20 anos ou mais sem o mínimo de saber estar e ser. Não sabem falar e muito menos ouvir um adulto, não sabem estar sentados, não sabem ver o que quer que seja sem proferir um comentário, seja ele ou não assertivo, tenham ou não autorização a fazê-lo, não sabem reflectir, ou seja, abrem a boca quando lhes dá na “real gana” e, por isso, não é de estranhar que 90% das vezes saia asneira. Ah, não protesto pela ausência de conhecimentos da língua de Camões, de Matemática, de Mecânica ou outras matérias. Queixo-me, sim, da falta de educação ao nível mais básico.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:10

Setembro 27 2017

As aulas recomeçaram recentemente e com isso um misto de emoções sobressaltou todos aqueles que de mais perto lidam com tudo o que respeita ao ensino, quer sejam alunos, docentes, pais e comunidades envolventes.

É todo um tempo carregado de emoções. A obrigação de retomar horários mais rígidos, o conhecer nova escola, outros colegas e, sobretudo, professores são factores de enorme stresse. Será que sou capaz de corresponder às expectativas que tantos depositam em mim? Esta e muitas outras perguntas, mais ou menos similares, são mais difíceis de responder pelos mais novos. Contudo, todos são afectados.

Aliás, a ansiedade própria desta época pode instalar-se entre a família inteira e, não raras vezes, impede e esconde a alegria de reencontrar os amigos, o gosto de aprender coisas novas e tudo o resto que há de mais significativo na vida de um estudante. É impossível que os pais e os docentes tenham todas as respostas para as questões, que nestes primeiros dias, são levantadas, mas há sempre uma atitude positiva de reforço que pode e deve ajudar aqueles.

Conversar e acompanhar o dia-a-dia, ouvi-los e não somente dar-lhes conselhos contribui de forma exponencial para que os seus descendentes/alunos encontrem o lugar certo nesta nova e tão importante fase da sua vida.

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:55

Fevereiro 14 2011

Nos dias que correm, ouvem-se, com alguma angústia, os relatos de solidão que os nossos mais idosos sentem. A morte de alguns destes, pelo mais completo abandono, aí está a despertar as nossas consciências. O esquecimento dos familiares, sejam eles mais ou menos directos, é confrangedor e revela muito dos valores actualmente cultivados pela nossa sociedade.

O respeito cívico pelos mais velhos, a admiração perante o seu saber, o acolhimento da sua palavra, mesmo quando esta é pausada ou até mesmo arrastada, a reverência – sim, e porque não? - perante os cabelos brancos, é algo que todos os dias se perde e, ainda por cima, de modo exponencial. Culpados? Todos sem excepção, começando por nós, os de meia idade, pois na tentativa de agradarmos às gerações mais novas, tudo permitimos. Pais ou educadores que, hoje em dia, gritem ou dêem uma palmada – oh, sacrilégio, dos sacrilégios – são postergados para uma classificação pior que a ralé da ralé.

Por tudo isto, mas também face à recordação dos meus antecessores, infelizmente, já não entre nós, atrevo-me a neste dia especial – Dia de S. Valentim - escrever sobre a sua vivência.

É também uma forma de homenagear todos os namorados que souberam e sabem respeitar a os pais.

A casa, por exemplo, ainda de pé, porém, periclitante, uma vez que a ausência de pessoas é o caminho mais curto para a sua degradação, faz-me reviver os meus tempos de afirmação e de formação do homem que sou hoje.

Era muito mais que um espaço agradável. Era um lugar inolvidável. Desde o início, pensado e executado para facilitar ao máximo a vida dos outros. Aliás, a recepção e o acolhimento destes sempre foi apanágio de bem-estar.

Por se tratar de local com alguma circulação de pessoas, onde se verificava uma grande identificação com o “público”, lamento apenas que, agora, não se criem as condições necessárias para que o contacto continue a desenvolver-se com o cuidado e a calma que merece. Todavia, outros valores, infelizmente, não por mim comandados, se levantam.

Por ali jamais me perdi. Também não admira. Tratava-se e trata-se ainda de de um luxo de quem sabe que estava e, de certo modo, ainda está no lugar certo na hora certa, mesmo que tenha somado etapas atrás de etapas de verdadeiro pioneirismo. O contínuo acompanhamento fez o resto.

Nunca o verdadeiro enfoque foi perdido de vista. Por isso, desde sempre se registou um préstimo junto de quem procurava o início e o fim da jornada, ao mesmo tempo que se proporcionava a implantação de projectos onde as comodidades eram, na medida do possível, garantias de futuro.

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:48

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Maio 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


arquivos

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO