O meu ponto de vista

Abril 09 2021

Tal como João Miguel Tavares escreveu no Público, “fácil é ser corrupto, difícil, muito difícil, é provar tal”. Apesar de ter a certeza de haver recurso, Ivo Rosa, juiz de instrução, decidiu hoje despronunciar José Sócrates do crime de corrupção.

Até aqui tudo bem! Aliás, adianto que aquele poderá inclusive ser ilibado de todos os crimes que, continuamente, lhe tem sido imputados. Quem tem o dinheiro – e que dinheiro –,  como ele tem, pode arranjar a melhor defesa que há no mundo. Todos sabemos que a justiça não é igual para todos, por muito que nos tentem atirar arreia para os olhos. Quem tem poder e, sobretudo, dinheiro …

Contudo, por muito que seja isentado ou não de todos os crimes que lhe são imputados, o certo é que a esmagadora maioria dos portugueses há muito o considerou – e bem – culpado. Lembramo-nos sempre daquele velho ditado “quem cabras não tem e cabritos vende, de algum lado vêm.

Por fim, todos os atentos sabem de há muito que o processo tem muito mais de político de que judicial. Assim, o PS está em jogo e com todas as cartas. E tanto está em cima da mesa!!!

publicado por Hernani de J. Pereira às 17:45

Novembro 18 2019

Sei que o teor deste texto não é, hoje-em-dia, politicamente correcto, mas não o escrever seria uma forma de cobardia. Muitas pessoas, felizmente muito longe da maioria, irão crucificar-me na árvore mais alta que encontrarem, mas, e desculpem a expressão menos prosaica, estou-me c@g@ndo para isso.

Vamos, então, ao assunto. Como é possível haver casos pendentes nos tribunais sobre a tutela de um animal, enquanto os humanos esperam e desesperam que as instâncias judiciais lhes façam justiça? O caso que tem sido badalado na comunicação social diz respeito à guarda de uma cadela por parte de um casal desavindo que, em vez de procurarem harmonizar-se, pois foi para isso que se juntaram, e consequentemente ter filhos, buscam dirimir na Justiça a futilidade das suas vidas.

Já agora, existe ou existiu algum caso nos tribunais em que os filhos procuram que os juízes lhes outorguem a guarda dos pais? Falo, como é evidente, sobretudo dos mais idosos, doentes e sem meios de sobrevivência.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:36

Junho 30 2019

Sintomaticamente atira-se para os lados ou para o ar. Por vezes até se dão tiros nos próprios pés. É um processo que já vi e vivi com (in)sucesso noutras geografias. Aliás, o conhecimento de tal reforça a minha independência, sobretudo no que respeita à aceitação devida de serviços e atenções, para não falar de emoções, reduzindo risco de familiaridade excessiva, bem como reforça a capacidade de defesa da verdade.

Esta postura é, por outro lado, também um mecanismo testado e comprovado para inviabilizar a criação de sentimentos extemporâneos. Se a realização não contém um espírito correcto de colaboração mútua, não acredito que a justiça, tenha esta os contornos que tiver, reforce os acordos de união de esforços, não proporcionando, deste modo, melhorias reais na vivência recíproca.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:24

Janeiro 31 2019

images.jpg

Muito se tem falado e continuará a falar sobre a má gestão da CGD e dos respectivos prejuízos, os quais, aliás, não pagamos com língua de palmo, mas sim com língua de palmo e meio. Deixem-me, porém, dizer desde já que, apesar de sabermos bem quem foram os culpados directos e indirectos, não acredito que qualquer um deles seja condenado.

Infelizmente, haverá sempre um modo de fugir à aplicação de qualquer sanção. Os argumentos poderão ser muitos, mas basear-se-ão nas seguintes premissas: por um lado, os eventuais, sublinho eventuais crimes já prescreveram ou, por outro, devido a que qualquer investimento – os empréstimos estão dentro desta categoria – tem riscos, i.e., tanto pode dar certo e obterem-se lucros, como correr mal e originar prejuízos.

Uma coisa é certa. Evitam de nos atirar areia para os olhos, dizendo que querem apurar, até às últimas consequências, quem são e, sobretudo, condená-los. É que se o queriam fazer, então, em tempo útil, teriam acabado com o desmando, uma vez que tal ocorre desde o ano 2000 e era conhecido por todos os responsáveis políticos. Bem pelo contrário, deixaram correr o marfim já que a maioria mamava da mesma teta.

publicado por Hernani de J. Pereira às 10:40

Janeiro 09 2018

Os mais atentos ao sistema judicial já o esperavam. Só é novidade para quem não sabe ler nas entrelinhas dos acontecimentos dos últimos anos e pretende não ver a agenda oculta do actual governo. Se a esmagadora maioria dos portugueses concorda que o anterior procurador-geral da república (PGR), Pinto Monteiro, foi um grande amigo do PS e, particularmente, um excelente “camarada” de José Sócrates – recordo o almoço entre ambos antes de este ser preso -, igualmente concilia que a actual PGR, Joana Marques Vidal, se encontra entre os inimigos fidalgais dos socialistas.

A coragem, a frontalidade e, sobretudo, a desligação partidária e a independência face ao pendor governamental, principalmente o facto de se “atrever” a acusar ex-primeiros-ministros (Sócrates, do PS), ex-ministros (Miguel Macedo, do PSD) e banqueiros (p.e., Ricardo Salgado, do BES), entre tantos outros, granjeou a Joana Marques Vidal inimicícias entre os detentores do actual aparelho governativo. E não só! Daí nada a estranhar face às declarações da ministra da Justiça, a qual afirmou hoje que vê com naturalidade a não renovação do mandato da actual PGR, apesar de constitucionalmente tal não estar vedado.

O certo é que elogios não lhe faltam. Desde os funcionários da justiça, passando pelos magistrados do MP e dos juízes, manda a verdade dizer que todos, sem excepção, lhe tecem os maiores encómios.

Para os menos concentrados no vai e vem da justiça alertamos que, de acordo com a Constituição da República Portuguesa e o Estatuto do Ministério Público, a designação da nova PGR se trata de matéria da competência do Presidente da República e do Governo. Assim sendo, aguardo com alguma expectativa o futuro.

publicado por Hernani de J. Pereira às 14:33

Setembro 14 2015

Um constante ouvir, negociar, gerar consensos e servir os outros, sem deixar de manter o posicionamento vertical, estas são equações de um lema que por estes dias tenho levado avante.

Mais que idade, formação e dialéctica, interessam-me as pessoas e, sobretudo, as suas motivações e interesses para abraçar uma causa. Deste modo podemos crescer juntos.

Tenho uma filosofia de vida muito realista. Por isso vivo muito dependente daquilo que são as minhas capacidades e invisto nelas. Aliás, não é por acaso e muito menos prosápia afirmar que muitos outros reconhecem tal.

Assim, não é de admirar o uso de uma política muito vincada de up or out. No fundo, ou as pessoas se desenvolvem ou ficam estagnadas na carreira.

Há sempre um ciclo na vida em que as pessoas procuram consolidar o que sempre sonharam ser. Posteriormente há outra fase em que querem reconhecimento. Nesta altura, a avaliação do desempenho, a comunicação que apresentam e a vontade que denotam são as formas que temos para assegurar a assertividade dessa agnição.

publicado por Hernani de J. Pereira às 23:31

Setembro 05 2015

É, quer queiramos quer não, o sujeito que faz o processo e é nesse reconhecimento que se encontra o cerne da questão. Acho que um dos nossos maiores handicaps é não assegurar tal desiderato. Aliás, a igualdade plena é utópica.

Nesta ordem de ideias, por muito que tal nos constranja, não nos apresentamos em equidade de circunstâncias perante, por exemplo, a educação, a saúde e muito menos perante a justiça. Até, pasme-se, perante a Igreja temos recepção e acompanhamento distinto.

Por isso, querer que o preso mais famoso de Portugal seja tratado de igual forma que qualquer outro cidadão é não ver o óbvio. Pelas responsabilidades que teve, pelos gravíssimos indícios criminais que vem sido acusado, pelos advogados, pagos a peso de ouro, que o defendem, pelos amigos influentes que o abroquelam, pelo acesso privilegiado que tem aos principais órgãos de comunicação social, não pode ser julgado como qualquer vulgar cidadão.

A alusão que tem vindo a fazer que a sua prisão é política não passa de um refúgio para mascarar o respectivo processo judicial, o que, mais uma vez, vem reforçar a ideia anteriormente aduzida.

Sabendo que os cidadãos têm mesmo de fazer a parte substantiva, (re)afirmo que a cela 44 deveria continuar ocupada.

O certo é que as braçadas que irá dar na piscina aquecida da casa onde, neste momento, está instalado o vão, por estes dias, fazer esquecer o actual pesadelo. Já agora, há ex extraordinárias!

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:20

Setembro 23 2014

Um Verão, sem praticamente ter começado, que acaba e um Outono que inicia com cara de Inverno prematuro, têm sido, ultimamente, o pão-nosso de cada dia. Andamos, por isso, taciturnos, cabisbaixos e sem grande vontade para dar o que há de melhor em nós.

Os fogos de modo algum foram - e ainda bem - notícia de Verão, tendo-nos valido, há falta de melhor, a guerrilha interna e o lavar de roupa suja no PS. Agora surge-nos, com fundamento ou sem ele – não quero crer que a premissa seja a mais correcta! – algo sobre o passado político-profissional de Passos Coelho e de outras ex-figuras proeminentes do PSD, entre as quais a do ex-líder e ex-presidente da CM de Gaia, Luís Filipe Menezes, o que, infelizmente, já estamos acostumados.

A justiça, já o escrevi, está um caos, ou, como hoje se diz, está em estado de “Cítius”. O ensino, com a trapalhada da colocação de professores, qual saga que, ano após ano, nos persegue, não se encontra melhor, bem pelo contrário.

Por falar neste importantíssimo sector da vida de qualquer sociedade, o ensino em vez de se centrar no mais fulcral, i.e., nos alunos e nos respectivos curricula, impele-nos a fixar a atenção no acessório, uma vez que aquilo que, à priori, era fácil – ordenação dos professores e sua colocação, o que qualquer sistema informático, minimamente conformado com regras claras e precisas, fazia com uma “perna às costas” - o ME complica. E o único a demitir-se foi um director-geral? Claro que sim, apesar de não ser o mais curial. Explicação: o membro do governo que tem estas competências, o secretário de estado da administração escolar, João Casanova, é do CDS-PP e, pelas razões óbvias, não convém levantar ondas com o parceiro de coligação neste último ano antes das legislativas.

Como resultado desta atávica política existem ainda cerca de 4 000 docentes em falta nas escolas, com a agravante de muitos já terem sido colocados indevidamente, o que acarretará, no final, professores em duplicado, com o inerente aumento da despesa pública, o qual, para não fugir à regra, irá ser pago pelos do costume.

publicado por Hernani de J. Pereira às 18:54

Setembro 15 2014

Como outro dia aqui escrevi, nota-se, hoje em dia, a transmissão de uma mensagem clara e forte por parte da justiça de que o crime de prevaricação e o tráfico de influências por parte de titular de cargo político deixa de ficar impune.

O outro dia foi Armando Vara e a família Penedos. Hoje, a ex-Ministra da Educação do governo de Sócrates, Maria de Lurdes Rodrigues (MLR), foi condenada a três anos e seis meses de prisão, tendo esta sido suspensa na condição de indemnizar o Estado em 30 mil euros, num processo em que estava em causa a adjudicação directa ao gabinete do advogado João Pedroso, irmão do ex-ministro socialista Paulo Pedroso, da elaboração de uma base de dados da legislação daquele ministério.

Ora, tanto Vara como agora MLR, de forma enviesada, acham que se trata de perseguição política – há falta de outros argumentos credíveis, este é o que melhor se adapta à opinião publicada.

Por outro lado - e não havendo nenhuma novidade nesta postura -, sempre disseram e continuam a dizer que “estão de consciência tranquila”. Já agora, cumpre (re)afirmar que as cadeias, segundo a esmagadora maioria dos presos, estão cheias de inocentes e de pessoas acima de qualquer suspeita.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:16

Setembro 05 2014

Considerado, em tempos, como responsável, estratega, criativo, eficaz, paciente, especialista, organizado, focado em objectivos concretos, inovador e, sobretudo, analítico, Armando Vara foi secretário de estado e ministro nos governos de António Guterres, tendo sido “obrigado” a demitir-se depois do escândalo que recaiu sobre o financiamento à Fundação para a Prevenção Rodoviária, instituição da sua lavra.

Já naquele tempo era um dos boys, a par com José Sócrates, seu grande amigo, com maior poder dentro do PS. E apesar daquela demissão forçada a sua rede tentacular não diminuiu, bem pelo contrário.

Tal assim foi que quando o seu compagnon de route, José Sócrates, foi eleito primeiro-ministro logo o nomeou para a administração da CGD e depois para o BCP.

No entanto, conforme diz o nosso bom povo, quanto maior é a subida, maior é a queda. Por isso, hoje, segundo afirmou no final da leitura da sentença do processo Face Oculta, ficou “em estado de choque” ao saber que tinha sido condenado a 5 anos de prisão efectiva. Pudera, viu que o seu poder afinal não passava de fogo-fátuo!

Ora, numa semana em que a justiça tem sido notícia pelas piores razões – reforma judicial e problemas graves no sistema informático que serve os tribunais – é bom saber que, de vez em quando, existem juízes, os quais, sem temerem o poder dos “colarinhos brancos”, proferem a sentença que é capa de primeira página em tudo o que é meio de comunicação social.

É evidente que a maioria dos condenados naquele processo, principalmente aqueles cuja notoriedade pública é maior, vai recorrer e demorarão ainda alguns anos até que a sentença transite em julgado, pelo que os arguidos continuarão em liberdade. Mas os portugueses estão certos que um dia estes verão o sol aos quadradinhos.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:14

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Julho 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
17

18
19
20
21
23
24

25
26
27
28
29
30
31


arquivos

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
blogs SAPO