O meu ponto de vista

Dezembro 19 2018

images.jpg

A culpa não é totalmente deles. Aliás, a falha maior cabe-nos a nós, aqueles que os criaram, já que lhe demos tudo ou quase tudo. Assim, não admira encontrar homens e mulheres com trinta, quarenta anos, na sua maioria, impreparados para enfrentarem os sacrifícios que a vida, nesta idade, sempre acarreta.

Recordamos que foi a geração apelidada de “à rasca” e do “não pagamos”. Tudo ou quase tudo lhes foi consentido e permitido. Os pais, mercê de algum desafogo económico, proporcionado pelos governos cavaquistas, bem como da abertura proporcionada pelas administrações guterristas, tentaram dar o máximo aos seus rebentos, muitas vezes aquilo que tinham e o que não tinham, numa viagem mirabolante, como uma espécie de compensação por aquilo que não gozaram, quando não era autenticamente uma anti-ressecação de si próprios.

Como resultado, hoje-em-dia perante a menor dificuldade ou contrariedade viram costas, amuam e acham-se constantemente injustiçados. Não cresceram em termos de amadurecimento e, por isso, continuam a crer-se com direito a tudo e, sobretudo, sem expender energias. Vá lá, raras vezes, quanto muito despendem o mínimo dos mínimos dos esforços e, nessa ordem de ideias, afirmam-se permanentemente exaustos.

Pior, bastante pior, é que são estes que presumimos que um dia destes cuidarão de nós. Assim, o verbo presumir deve ser constantemente conjugado. Pensar que cuidarão é meio caminho andado para a desilusão.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:27

Maio 07 2018

images.jpg

É um dado adquirido. A conjuntura nacional continua a ser adversa e as notícias recentes em torno do investimento no ensino e na capacidade económica das famílias lançam cenários de incerteza em torno da questão da formação e qualificação.

Também é inquestionável que Portugal criou nos últimos anos a mais qualificada das suas gerações, tornando-se conhecido internacionalmente como fornecedor de mão-de-obra de excelência, seja nas áreas de engenharia, investigação, medicina, gestão, mas também nos cursos mais técnicos.

Com o desemprego jovem ainda em patamares muito preocupantes, gorando as expectativas dos recém-formados e dos agregados familiares que investiram fortemente recursos financeiros e pessoais para concluir os seus cursos, o receio de desinvestimento crescente – o super-ego de Centeno e a sua fixação pela inflação zero a isso obriga – na formação está instalado.

Aliás, é o próprio Presidente da República quem o assume ao apelar publicamente aos jovens para que não abandonem a formação e qualificação, mesmo quando “os níveis de desemprego não poupam sequer os mais qualificados”.

 

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:14

Março 28 2018

DSC_0016.JPG

Têm sido dias de muito labor. Labuta que bem estava a necessitar, tanto física como psiquicamente. Enormemente fatigado, mas simultaneamente com uma satisfação interior do tamanho do mundo. Hoje, para variar, tive a contribuição de um jovem. E em boa hora o convidei.

Ajudar os jovens a despertar para a necessidade de tomarem decisões quanto ao seu futuro académico ou laboral foi uma preocupação constante ao longo dos últimos quarenta anos. Umas vezes pensamos que os jovens de hoje são melhores que os de outros tempos, i.e., que são mais rápidos e mais eficazes. Outras, porém, cogitamos o contrário.

Então, o que envolve as aludidas gerações? O tempo, é a resposta. Não falo só do tempo enquanto metáfora cronológica, falo do tempo relacionado com factores culturais vigentes num dado momento histórico, falo do tempo enquanto tecnologia disponível e velocidade de comunicação.

Não podemos mudar as experiências de vida das pessoas, mas podemos trabalhar para que as atitudes no ambiente de trabalho e as expectativas delas sejam as melhores possíveis.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:03

Março 19 2018

transferir.jpg

Ano após ano, década após década, o número dos “resistentes” é cada vez mais baixo. Os jovens procuram outras paragens, sobretudo os grandes centros urbanos do litoral, deixando aldeias, solos e paisagens votadas a um abandono profundamente desertificador em termos humanos, económicos e ambientais.

São muito poucos aqueles que se podem classificar como instrumentos de futuro. Não são certamente muitos e nem os únicos, mas são uma garantia para aqueles que ficarem, uma aposta para os quiserem regressar e uma oportunidade para os que se vierem instalar.

Estas terras bairradinas são grandes e grande é também a vontade de crescer, razão pela qual tem vindo a recolher, junto da população, um forte desejo de concretização, uma concretização quantas vezes interrogada, tantos foram os avanços e recuos ao longo de décadas.

Hoje, porém, estamos em condições de reafirmar o que ficou dito há muitos anos atrás: a Bairrada - principalmente os seus vinhos - é irreversível. Hoje também começam já a revelar-se novas dimensões agrícolas e turísticas, duma região capaz de desenvolver num contexto de equilíbrio ambiental e social.

Neste momento quero deixar duas palavras de agradecimento. Em primeiro lugar aos meus pais, pois foram os pioneiros na estrutura do meu ser enquanto amante deste “sujo” que lava, que é a agricultura. Depois, uma palavra de esperança e de confiança num futuro certamente melhor. A criação de um espaço digno e com novos horizontes, onde os meus vindouros irão ter um papel decisivo naquilo que será o futuro. E não é muito diferente daquilo que queremos todos … uma vida digna, onde o “amanhã” deixará de ser uma incógnita e o “hoje” se viverá com maior intensidade.

publicado por Hernani de J. Pereira às 11:29

Janeiro 26 2018

É uma verdade insofismável. A banalidade com que, infelizmente, encaramos a má educação, a falta de civismo, a imoralidade e a ausência de ética – não serão estes adjectivos todos sinónimos? -  é, com a toda a certeza, fruto da relativização que ao longo das últimas décadas fomos ouvindo e, deste modo, formatados. Quem nunca ouviu alguém dizer que esta ou aquela expressão, atitude é ou não é abjecta, dependendo das circunstâncias e do lugar? Pois é, quando relativizamos algo, sobretudo perante crianças e jovens em processo de maturação, os quais, como é óbvio, possuem apenas um poder diminuto de discernimento, estamos a dar-lhes um sinal errado.

Neste âmbito, prefiro pecar por exagero. Tudo o que é palavrão, ausência de comportamento adequado perante os outros, independentemente do lugar ou da assistência, carência de bons propósitos perante a família, escola e sociedade em geral é de reprovar desde a mais tenra idade. E não me venham dizer que uma criança com dois ou três anos é uma “gracinha” ao bater num adulto. Muito menos é engraçada ao linguarejar uns palavrões. De pequenino é que se torce o pepino.

De modo algum, se pode observar a má educação e virar a cara para o lado. Por as famílias não encararem este gravíssimo problema é que estamos no nível educacional que estamos. Só um exemplo: se as famílias não permitissem a colocação e, sobretudo, o uso do telemóvel à mesa, os nossos jovens não forçariam, como o fazem, indistintamente a utilização destes nas salas de aula e não só.

Aliás, digo mais: no que me concerne, estou cansado de aturar jovens com 18, 19, 20 anos ou mais sem o mínimo de saber estar e ser. Não sabem falar e muito menos ouvir um adulto, não sabem estar sentados, não sabem ver o que quer que seja sem proferir um comentário, seja ele ou não assertivo, tenham ou não autorização a fazê-lo, não sabem reflectir, ou seja, abrem a boca quando lhes dá na “real gana” e, por isso, não é de estranhar que 90% das vezes saia asneira. Ah, não protesto pela ausência de conhecimentos da língua de Camões, de Matemática, de Mecânica ou outras matérias. Queixo-me, sim, da falta de educação ao nível mais básico.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:10

Junho 14 2017

Nós somos assim. Primeiro, flexibilizamos o que somos, oferecendo, caso seja necessário, promoções, nem que sejam fátuas, depois, criamos novos conceitos de vida que possam corresponder aos nossos desejos e angústias. No fim, tentamos conceber argumentações, as quais, na maioria das vezes, de robustas nada têm, que consigam apaziguar as nossas consciências.

Face ao contexto social vigente, o desenvolvimento de acções que acompanhem e auxiliem os portugueses é o pão-nosso de cada dia. Então, a nível da juventude nem é bom falar. São tantos os paparicos, os enlevos, as soluções ajustadas a cada instante da sua “precoce” vida, isto para falar das desculpas mais esfarrapadas que inventamos para justificar o seu néscio comportamento e, sobretudo, o seu incumprimento dos deveres, já que sobre direitos são catedráticos, que os nossos jovens prolongam este estado bem para lá dos trinta anos.

Costuma-se dizer que nunca se viveu tão bem como agora e jamais tivemos uma juventude tão bem preparada, apesar de discordar muito relativamente a este item. No entanto, continuamos a investir na qualidade dos serviços que lhes prestamos, com especial incidência na clareza e na transparência da transmissão da informação, bem como na personalização e no aconselhamento da solução mais ajustada e sustentável. Tudo isto é verdade e inquestionável. Esquecemo-nos, porém, do mais importante: a educação.

Atenção que não me refiro ao ensino, mas sim à educação que se aprende em casa, com os pais, avós e restante família, sem olvidar, de modo algum, dos valores incorporados pela comunidade circundante. É aqui que assenta o cerne da questão. Enquanto não resolvermos, definitivamente, esta questão, enquanto não nos consciencializarmos de que é muito mais importante, desde pequenino, a imposição do não do que dizer ámen a tudo, não teremos futuro.

Podemos canalizar rios de dinheiro, ajudá-los a ultrapassar constantemente as suas dificuldades, em suma, trazê-los infinitamente ao colo, fazendo desta geração uma elite de babys, que não podemos ficar orgulhosos nos dias vindouros.

publicado por Hernani de J. Pereira às 10:11

Novembro 27 2015

Como é do conhecimento geral, por dever de ofício, contacto diariamente com muitos adolescentes e jovens, ultimamente mais estes, a maioria já eleitores e, por isso, com direito a escolher os desígnios deste país. Porém, no quotidiano, agem como se não fossem o futuro desta nação com oito séculos de existência.

E, dia-a-dia, vou-me admirando, ou melhor, estranhando as atitudes destes jovens, muitos deles já homens de barba. A infantilidade, a não-aceitação do não, o achar que tudo, inclusive as aulas, não passa de prolongamento do recreio e/ou de café, bem como a despreocupação com o vindoiro são modos de ser e estar diários.

Por outro lado, a falta quase absoluta das regras mais básicas de educação, as quais, obrigatoriamente devem ser provenientes de casa, é assustador Sim, porque o docente deve imperiosamente estar numa função de ensino e apenas residualmente no âmbito de educador.

Enquanto a sociedade, essencialmente os pais, os avós e a restante família, não apreenderem que é muito mais relevante, na educação dos seus descentes, o “não” do que o “sim”, ainda que este seja mais fácil e dê menos fadiga, pouco a escola poderá fazer e mais paupérrimo será o porvir dos nossos filhos e, consequentemente, do país.

A ilustrar o anteriormente dito veja-se, por muito caricato e pouco curial que seja, o seguinte exemplo: é perfeitamente natural os jovens, mercê da sua actividade física, isto para não falar de outros hábitos bem menos saudáveis, terem o costume de beber muita água. Até aqui tudo bem. Aliás, é uma atitude saudável e de louvar. Onde a “porca torce o rabo” é que tipo de água bebem. Enquanto este vosso escriba, face à média de ordenados pagos neste país, considera, mensalmente, auferir uma quantia razoável, bebe água da torneia, i.e., proveniente da rede pública, e, por isso, com garantias de origem e tratamento assegurado, a grande maioria dos encarregados de educação dos nossos alunos possui rendimentos muito baixos, nalguns casos até inexistentes, mas os seus educandos recusam-se a beber daquela e, insistentemente, compram água engarrafada.

E já não falo da recusa em almoçarem na cantina, com o velho e estafado argumento de que a comida não presta, comendo geralmente sandes e bolos no bar ou nos cafés das redondezas. Saliente-se que alguns têm direito a almoço grátis e, mesmo assim, não colocam os pés no refeitório. Sinceramente, muitas vezes, interrogo-me sobre a proveniência de tanto dinheiro, quando, muitas vezes, argumentam que não o possuem para adquirir um simples caderno diário.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:57

Outubro 29 2015

As ideias hedonistas, prevalecentes na segunda metade do século passado e ainda hoje, infelizmente, muito presentes, deram nisto: desvalorização da família em prol da sociedade, com a consequente exponenciação do individualismo.

Depois dos pais e outros familiares, repito, depois dos pais e outros familiares, a escola é o grande formador da personalidade e toda a comunidade escolar tem influência, mas não decisiva, na formação da personalidade e nas atitudes dos nossos jovens.

As matérias, o gosto pessoal e a capacidade de ajustar o conhecimento adquirido aos seus próprios talentos complementam a formação e são determinantes no sucesso profissional. Mas estudar é mais que isso. Sabemos que o ser humano é aquilo que a sua consciência lhe dita. Daí a necessidade de uma consciência bem formada, com valores definidos e uma noção clara de honra, sendo que estes atributos só se podem adquirir por meio do conhecimento.

Num mundo globalizado, em que a mobilidade profissional é constante, a importância de saber mais e mais é inquestionável. Diria, até, que é uma verdade LaPalassiana.

Observa-se, não raras vezes, uma mentalidade que talvez inconscientemente, se transmite aos jovens e que resultam na crença de que a escola é aborrecida. Esta ideia, que pode ter uma aparência naturalmente rebelde e pouco alicerçada, costuma ter um efeito bola de neve quando as matérias leccionadas se tronam mais complexas e, por isso, mais trabalhosas. E sem um objectivo a longo prazo, que faça vislumbrar uma perspectiva recompensadora, um jovem perde qualquer motivação para se esforçar e cumprir as suas obrigações.

Por isso, os jovens necessitam de compreender ou alguém que os faça compreender que é na escola quer estão as suas melhores oportunidades de futuro. E que é ali que desenvolvem as competências necessárias para enfrentar o mercado de trabalho. Ganharão, deste modo, motivação para se dedicarem aos estudos, adquirindo as ferramentas para construir uma vida mais agradável.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:11

Março 20 2014

Assistimos a uma mudança de paradigma na forma como se vive hoje em Portugal. As dificuldades porque passam os jovens espelha bem o estado do país, o qual investiu fortemente na educação, mas não consegue absorver as elevadas qualificações daqueles, por não irem de encontro ao que o mercado de trabalho necessita neste momento.

É nesta faixa etária que fazer a diferença parece ser cada vez mais difícil. Como já o disse por variadíssimas vezes, ser bom não é suficiente; é preciso ser excepcional e ter oportunidade de o demonstrar.

É a falta de oportunidades que desequilibra o nosso dia-a-dia. Cada vez se notam maiores exigências, mas o nivelamento do talento mantém-se em níveis muito pouco dignificantes.

E os jovens não deixam de observar os exemplos dos menos jovens. Procuram-se recursos humanos qualificados e polivalentes, mas não há espaço, nem oportunidade, para integrar os mais assíduos, os mais perspicazes, em suma os mais capazes. Infelizmente, verifica-se, cada vez mais, o contrário, i.e., os mais ocos mas simultaneamente mais palavrosos são premiados. E tudo - não é bem tudo, mas quase - se cala, tudo se consente. Uns, nitidamente, por medo, outros devido à sua carga genética, outros ainda por adulação – nas costas as facadas são uma constante -, entregam-se à mudez.

Hoje-em-dia os jovens sabem, pelo que vêm nos mais velhos, que não basta terem um bom curriculum e estarem certos de terem absorvido o know-how da laboração, pois se não souberem posicionar-se - em termos curvilíneos, entenda-se -, se não tiverem o melhor encosto, de pouco lhe valerá aqueles predicados.

Não basta ter as hard skills requeridas, uma vez ser necessário saber integrar “a equipa”, compartilhar os mesmos valores, por muito que destes estejam arredadas quaisquer referências éticas, e, por último, ser um elemento activo na dinâmica de projectos, apesar destes, logo à priori, denotarem a ausência de qualquer mais-valia.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:41

Junho 29 2011

Houve-se, hoje-em-dia, em imensas ocasiões, principalmente aos jovens, a expressão “a vida é minha e, por isso, faço dela o que quiser”. Ora, parecendo, numa primeira análise, algo de positivo, isto é, alvitrando que aqueles querem agarrar o futuro nas suas próprias mãos, tal convida-os, porém, a um percurso de inovação, o que por si não é negativo, mas que, na maior parte das vezes, se torna num processo inconsciente na descoberta do mundo de oportunidades que se colocam a quem tem de decidir um rumo de futuro.

Tais conceitos, porém, levam-nos a colocar algumas questões-chave que envolvem os jovens: o que procuram estes em matérias como o desenvolvimento económico, a participação política, em suma como cidadãos de pleno direito? O que esperam da formação escolar e complementar, de modo a que contribuam o mais eficazmente para o progresso e sustentabilidade do país? E em termos de valores e ética? Será que se atrevem a apontar caminhos?

Longe de mim querer indicar vias ou soluções. Quanto muito, modestas contribuições, fruto de experiências, de leituras e pensamentos esparsos. Assim, atrevo-me a dizer haver necessidade de estruturar diferentes conteúdos, optar por soluções possíveis, tipo pequenos mas firmes passos, para mais facilmente apreender as flutuações sociológicas, as variáveis da economia e a instabilidade, e, sobretudo, projectar o futuro.

Sendo verdade absoluta que o mundo está em mudança e o que hoje temos como certo, amanhã não o é, há que estar preparado para uma aposta contínua na mobilidade nacional e internacional, na assumpção do risco e na qualificação ao longo da vida, mesmo que isto contribua, para o adiamento da constituição e estabilização familiar. Todavia, em próximo texto voltaremos a este último tema.

Sem receio de desmentidos, de algumas coisas poderão estar certos: é fundamental apostar na educação para triunfar no futuro e trilhar um caminho de sucesso. Por outro lado, há que tomar boas decisões – o que são e como se podem antever, eis o busílis da questão(!!!) -, obter um aconselhamento adequado e no momento exacto, constituem o elemento essencial para um futuro bem sucedido.

publicado por Hernani de J. Pereira às 14:23

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Outubro 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


arquivos

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO