O meu ponto de vista

Novembro 05 2019

A jornalista Fernanda Câncio habitou-nos, semanalmente, com as suas crónicas no Diário de Notícias. Com esta actividade demonstra um particular e nítido gozo em zurzir em tudo o que não é PS, mas a sua cereja em cima do bolo é “bater” em tudo o que se situa à direita dos socialistas.

O seu último escrito decidiu, e está no seu direito, dar umas “pancadas” em André Ventura do Chega! A determinada altura afirma que este disse e passo a citar "Estou aqui para dizer as verdades… ." - o sublinhado é da autora – e continua já sua lavra: “É a voz do povo, pois claro. Uma espécie de Jesus (o profeta, não o treinador) da política, que vai, sacrificadamente, para o templo dos vendidos partir tudo em nome da pureza".

Agora, caros leitores, pensem em alguém que, nestes últimos dias ,tem dito algo muito semelhante a André Ventura? Adivinharam! Sim, é esse. Nem mais, nem menos, que José Sócrates, aquando da fase de instrução da Operação Marquês, na qual está acusado de 31 crimes.

A pergunta, então, que se impõe: a que propósito ou a falta dele a aludida jornalista não diz uma palavra sobre o ex-primeiro-ministro? A resposta é simples: tem o rabo entrilhado! Não foi esta que, em tempos, também gozou férias, almoços e longas viagens pagas pelo amigo daquele, Santos Silva? Bem sei que, posteriormente, referiu que jamais soube disso e que limitou a aceitar a oferta do seu amigo de então. Pois, que outra coisa haveria de dizer?

publicado por Hernani de J. Pereira às 11:34

Janeiro 29 2019

images.jpg

De acordo com a imprensa de hoje, no debate de instrução do processo relativo à Operação Marquês, perante o juiz Ivo Rosa, a filha de ex-ministro Armando Vara contou que Caixa Geral de Depósitos lhe emprestou 231 mil e paga pouco mais de duzentos euros por mês.

Para além de outras declarações a raiar o absurdo, importa reter esta questão do empréstimo. Ora, para além de questionar o empréstimo de tão elevada quantia a uma jovem – sim, era muito nova à altura dos factos -, interrogo-me como é possível tal não suceder comigo ou com os meus familiares. Na verdade, tenho familiares directos com um empréstimo cujo montante é menos de metade daquela importância e a pagar o dobro.

Já agora, relembro que Armando Vara foi nomeado administrador da CGD pelo seu amigo e protector José Sócrates.

publicado por Hernani de J. Pereira às 13:05

Abril 30 2018

transferir.jpg

Os números variam ligeiramente, mas as conclusões dos diferentes comentadores convergem num cenário devastador: a corrupção, em Portugal, atingiu máximos históricos durante o período de 2005 a 2011, i.e., durante o consulado de José Sócrates.

A falta de controle, a tentativa de domínio da comunicação social, o clima de “prefiro não ver para não me aborrecer”, aliado à crise económica e financeira na Europa, bem como o risco da dívida pública portuguesa foram alguns dos motivos que se costumam apontar.

Todavia, eu prefiro chamar os bois pelos nomes e, nessa conformidade, afirmo que tal se ficou à falta de vergonha ou, como hoje se costuma dizer, à ausência de ética.

Quem se der ao trabalho de consultar os vários ensaios publicados pelos muitos observadores e estudiosos a operar em Portugal, notará que apesar do valor canalizado para a corrupção não coincidir – talvez devido aos diferentes critérios de análise utilizados –, os números apurados são, sem sombra para dúvidas, os piores alguma vez verificados em território nacional.

Já não nos bastava o escândalo do ex-primeiro-ministro, do caso BPN e quejandos, para agora também vir a lume o caso de Manuel Pinho. Um dia destes, por muito que queiramos, não conseguiremos abrir mais a boca de espanto.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:37

Outubro 11 2017

Augusto Santos Silva, MNE do actual governo e ex-ministro nos dois executivos de José Sócrates, afirmou hoje que a acusação proferida contra este decorreu onde deveria ter ocorrido, i.e., na Justiça, tal como deve ser o respectivo julgamento, e não na praça pública ou nos media.

Sim, bem sei que este e muitos outros socialistas adorariam colocar, neste caso e à semelhança de outros, uma lei da rolha, de modo que os cidadãos permanecessem na “santa” ignorância. Aliás, Salazar também assim pensava.

Invocam, para tal, farisaicamente o estado de direito. Esquecem-se que em tal há lugar a uma imprensa livre. Obrigatoriamente, acrescento eu.

Já agora, aquele governante podia esclarecer como foi possível, ele e muitos outros, terem sido durante tanto tempo ministros de Sócrates e nunca terem dado por tantos e tantos indícios de corrupção, branqueamento de capitais e tráfico de influências.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:35

Maio 31 2017

Adoro Portugal. Todos os dias ouvimos, lemos e vemos, abrimos a boca de espanto e soltamos fortes gargalhadas. As situações são tão inconsequentes – ia para dizer “inconseguidas”, mas arrependi-me a tempo -, tão despropositadas, que, conforme diz o nosso povo, “não lembram ao careca”.

Então não é que a TVI24 teve a brilhante ideia de convidar João Rendeiro para comentar a actual crise na banca? Como todos sabemos este excelso banqueiro, fundador do BPP, e que o levou à falência, com desvio de fundos lá pelo meio – e, já agora, também nas bordas -, é, certamente, um homem extremamente avalizado para comentar o desnorte que se apoderou dos banqueiros portugueses, senão de todos, pelo menos de alguns bem-sonantes, homens que, em tempos, eram considerados impolutos, já que se lhes entregava sem qualquer receio o fruto do nosso suor. Vá lá, pelo menos deve saber do que fala!

Bem, se a moda pega, vamos ver um dia destes Vale Azevedo a comentar a gestão dos clubes de futebol, José Sócrates a “botar faladura” sobre o sistema judicial e respectiva actividade criminal, Isaltino Morais sobre transferências bancárias para a Suíça, entre tantos e tantos outros casos.

publicado por Hernani de J. Pereira às 18:55

Setembro 16 2016

Quando encostado às tábuas, quando encurralado, qualquer ser tenta a fuga sem procurar saber qual o melhor modo de o fazer. Como é evidente o homem não foge a esta regra. Veja-se o caso de José Sócrates.

Depois de ter colocado o país à beira do precipício e posteriormente começar uma faustosa vida sem que ninguém descortinasse de onde vinham os meios para levar tal, a justiça iniciou o cerco e, apesar de mais vagarosa do que todos desejavam, tem vindo a acumular indícios fortes de culpabilidade, ainda que as respectivas provas sejam – ninguém duvida – extremamente difíceis de obter.

E o que tem vindo a fazer o ex-primeiro-ministro? Dispara, sempre que pode, em todas as direcções, com um azedume que roça o desespero. É vê-lo, então, a dar tiros tentando atingir não pequenos botes mas autênticos porta-aviões, começando pelo juiz Carlos Alexandre, passando pela Procuradora Geral da República e terminando na primeira figura do Estado, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Lamento tal postura, uma vez que não vê que os disparos que dá são nos próprios pés!

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:59

Agosto 01 2016

images.jpg

Prometi, a mim mesmo e não só, que durante as férias daria descanso ao teclado e, por essa razão, nada publicaria neste espaço.

Todavia, como os meus caros leitores bem sabem, a excepção confirma a regra. Assim, em função de um assunto tão sério com que fui confrontado por estes dias, não resisti e, por isso, eis-me a escrevinhar algo.

O caso que me deixou enormemente inquieto prende-se com a situação económica a que presentemente o nosso ex-primeiro-ministro José Sócrates se encontra sujeito. Aliás, que outro motivo tão forte poderia haver para me levar a quebrar aquela promessa?

O grande timoneiro, esse líder incontestado, o tão amado governante é obrigado a viver, os dias que correm, com uma reforma cujo montante líquido pouco ultrapassa os 2 400 euros. Não me digam que não é ignominioso, para não dizer ultrajante? Como é possível dar a tão distinto e valoroso político uma pensão que está perfeitamente ao alcance da grande maioria dos portugueses?

Nesta ordem de ideias, lanço desta tribuna um apelo forte e veemente para que surja uma petição pública com o objectivo de aumentar aquela aposentação. No mínimo, o Estado deve-lhe pagar 20 000 euros mensais, em catorze prestações por ano. Tanto mais que agora o seu grande amigo Carlos Santos Silva não lhe pode “emprestar” uns trocados sequer.

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:29

Julho 04 2016

Marcelo vê o actual e o ex-primeiro-ministro de candeias às avessas e mesmo assim o elogio à postura de ambos é constante.

Marcelo encontra-se, por acaso e sem acaso, com António Costa e lá sai elogio.

Marcelo está no mesmo local que Luís Montenegro, líder parlamentar do PSD, e o elogio sai de imediato.

Marcelo encontra-se, sem contar, com José Sócrates e, para não variar, o elogio é público e publicado.

Bem, há pessoas que, invariavelmente, vêm o copo meio vazio. Outras, porém, vêm constantemente o copo meio cheio. Marcelo, até que o estado de graça dure, está sempre com estas últimas.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:25

Janeiro 06 2015

No que concerne ao âmbito nacional, não contando a ordem cronológica, distingo

  • A prisão de José Sócrates pelo que representou e ainda representa no panorama político-partidário. Não haja dúvida que este caso deu brado e continua a dar que falar, uma vez que a sua repercussão é uma espécie de espada de Dâmocles constantemente colocada sobre a cabeça do PS. A ver vamos quem vence: se o ex-primeiro-ministro ou se a justiça, a qual, após o PS ter chumbado a proposta de lei do enriquecimento ilícito, tem que provar se houve ou não iniquidade por parte daquele. Todavia, mesmo que acabe ilibado por não se provar a(s) ilegalidade(s), aos olhos da maioria dos portugueses já é culpado. Eu sei que não deveria ser assim, mas é a vida!
  • O caso BES pelo terramoto que provocou naquele que era o maior banco privado português e, sobretudo, por acabar com o mito de que os banqueiros portugueses eram algo acima de qualquer suspeita. Afinal, não passam de uns vigaristas de meia-tigela, os quais sempre estiveram nas tintas para quem confiava neles. Mais: agora até parecem ratos em navio a afundar-se, pois é triste vê-los abandonarem familiares e velhas amizades, através das quais usufruíram, durante décadas, milhões e milhões, sem assumir culpas do que quer que seja. Ainda acabaremos por ver que os culpados da derrocada deste grupo financeiro foram o recepcionista e a mulher de limpeza!
  • O juiz Carlos Alexandre pela coragem e, principalmente, por dar uma réstia de esperança aos portugueses, fazendo-os crer que ainda há quem procure fazer justiça neste país, merece, sem dúvida, o devido realce. O magistrado que mandou prender Ricardo Salgado e José Sócrates demonstrou que ninguém está acima da lei e já é, para a uma larga fatia dos portugueses, um herói. Espero que não tenha pés de barro e muito menos rabos-de-palha.
  • A corrupção pela sua extensão e, particularmente, pela sua percepção. Hoje-em-dia os portugueses sabem que, deste a autarquia mais pequena, passando pelo serviço público mais insignificante, até chegar à cúpula da governance política-financeira, a corrupção estende-se mais depressa que o pior vírus que, de vez em quando, por aí ataca. Aliás, não é por acaso que corrupção foi escolhida pelos portugueses como a palavra do ano.
publicado por Hernani de J. Pereira às 19:21

Dezembro 16 2014

Hoje era para nada publicar. O cansaço acumulado ao longo destes últimos dias obrigava ao descanso. Porém, a notícia desta tarde despertou em mim o desejo irresistível de escrevinhar umas breves palavras e, por isso, deixei de resistir e eis o resultado.

Como sabem os meus caros leitores sou um adepto, não fanático, do FC do Porto e um enorme admirador da gestão de Pinto da Costa. Digo gestão porque no que respeita à sua vida privada, embora a respeite, sempre a critiquei, sobretudo no concernente à escolha das suas companheiras, as quais poderiam ser, de certo modo, suas netas. Enfim, fraquezas de um óptimo dirigente, fazendo lembrar que não existem pessoas perfeitas por muitas qualidades que possuam.

Voltando ao dia de hoje, soube que Pinto de Costa foi visitar José Sócrates à prisão. Quando ouvi tal, com toda a sinceridade, até me caíram os ditos aos pés. É público que o ex-primeiro-ministro é assumidamente benfiquista e que se saiba o presidente do FCP, apesar de se ter dado muito melhor com as governações socialistas, não tem uma amizade especial àquele político. Assim, por carga de água é que se deslocou a Évora? Busca de protagonismo? Não creio por não precisar dele. Não compreendo!

O que já entendo é aquilo que escutei na barbearia quando a rádio noticiava tal: os ladrões visitam-se uns aos outros. E isto dito por um benfiquista.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:01

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Outubro 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


arquivos

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
blogs SAPO