O meu ponto de vista

Setembro 03 2020

O que entendemos por educação? A primeira ideia que nos vem à mente é algo que mais diz respeito ao ensino do que à educação propriamente dia. Assim, não obstante o ambiente mediático que rodeia o tema, este continua embrenhado numa terminologia um tanto ou quanto opaca e, por vezes, pouco acessível. Dizem-nos os estudiosos que na sua génese estão os sistemas ciberfísicos, compostos por elementos emocionais com o intuito de controlar o conhecimento.

Todavia, mesmo antes do “produto”, tal como hoje o conhecemos, existir, já havia educação e esta, de modo mais ou menos autónomo, sempre geriu a sua construção, comunicando através de sistemas “inteligentes”. Conseguiu-se, desta forma, “fabricar”, com a flexibilidade e eficiência necessárias, a educação cada vez mais personalizada que os “clientes” exigem.

Vem este arrazoado a propósito da frequência da “disciplina” de Cidadania e Desenvolvimento. O ME através do seu ideólogo de serviço, de sua graça João Costa, secretário de Estado da Educação, argumentando que aquela faz parte do currículo do ensino básico e secundário é, por isso, obrigatória, tal como Matemática, Inglês ou outra. Adianta que não é permitido a escolha de um currículo, género à la carte, e que de outro modo, abrir-se-ia um precedente, chegando-se ao cúmulo de um dia destes, um discente dizer que não queria o ensino de, por exemplo, Português, História, etc.

Falaciosamente, aquele governante esquece-se de que a leccionação de Matemática, Físico-Química, entre outras, quer seja por um docente de direita ou de esquerda, terá de ser sempre da mesma forma. Não há volta a dar-lhe. Outra coisa bem diferente é a ministração de Cidadania e Desenvolvimento. Qualquer pessoa sabe, sem margem para dúvidas, que a leccionação de tal pode ser ideologicamente enviesada, pois o próprio exercício da cidadania é distinto para um docente do BE e do Chega!

Chegados aqui só resta uma solução: revisão do currículo, retirando esta pseudo-disciplina ou, então, conferindo-lhe carácter facultativo.

Os pais e encarregados de educação devem ser completamente livres na escolha da educação que querem para os seus filhos e educandos.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:19

Janeiro 19 2019

DSC02149.JPG

A avaliação externa das escolas, que começou a ser feita em 2006, vai entrar no seu terceiro ciclo. E, além de alargar o leque de estabelecimentos abrangidos, o Ministério da Educação pretende também renovar os critérios e a metodologia em que esta se baseia. O objetivo, segundo João Costa, Secretário de Estado da Educação, é tentar acrescentar aos indicadores tradicionais outros que permitam perceber melhor como as escolas funcionam e de que forma isso se reflete nos alunos: "Não me interessa saber se o aluno teve excelente nota se ele não tiver aprendido o que devia aprender", ilustrou, acrescentando que "índoles que afunilam a prática para a procura de um resultado" podem ter consequências negativas.

Extraordinária a cartilha deste governante e novo ideólogo do “eduquês”. Quem ler o que anteriormente está citado, dirá, numa primeira análise, que os alunos com boas notas podem não interessar para nada, uma vez que podem não ter aprendido o que Sua Excelência, no alto da sua sapiência, acha importante. O que importa que os docentes tenham avaliado e dado uma excelente nota? Nada, respondo eu. Enquanto todos não formos enformados e formatados pela “nova” cartilha não haverá descanso legislativo, administrativo e inspectivo por parte do ME.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:17

Dezembro 06 2017

Ontem, mais um estudo internacional foi dado à estampa. Trata-se dos resultados do Progress in International Reading Literacy Study (PIRLS), o qual mede o grau de literacia, de cinco em cinco anos, dos alunos do 4º ano. E como descemos no ranking, i.e., passámos de 541 (2011) para 528 (2016), houve logo que arranjar culpados. Como é óbvio, há sempre aqueles que estão à mão de semear e, por isso, levam sempre por tabela. Já lá vamos.

Quando em 2011 tivemos um bom desempenho, não se ouviu Nuno Crato, ME naquela altura já em funções, gabar-se que os resultados se deviam à influência das suas políticas. Também era o que mais faltava, acrescento eu.

Agora, com o actual governo já em funções, aquando da realização do aludido estudo, o secretário de Estado da Educação, João Costa, uma espécie de comissário do radicalismo educativo, veio, de imediato, dizer que a culpa do referido arriamento classificativo se ficou a dever à implementação das metas curriculares por Nuno Crato. Esqueceu-se, propositadamente, que em Fevereiro de 2016 já tinham sido eliminados os exames do 4º e 6 ano, uma vez que a avaliação até aí feita era apenas meritocrática. Sabe-se - o resultado das provas de aferição, este ano realizadas, aí estão para o provar – que a mensagem que a esmagadora maioria dos alunos, e não só, reteve sobre esta política é de que – desculpem-me a rudeza da linguagem - se podiam borrifar completamente para a avaliação.

Mas como em cima de pontapé não podia faltar o coice, logo adiantou que o ME já está a programar mais acções de formação para os professores, transmitindo para a opinião pública de que os verdadeiros culpados são estes. Não sabem ensinar, são malandros, uns autênticos calões e, nessa ordem de ideias, há que os colocar na linha. Damos-lhe formação e enchemos os bolsos aos nossos amigos das instituições que proporcionam aquela. Com uma cajadada matamos dois coelhos. Esperto este João Costa! Há-de chegar longe!

Sobre apetrechamento das escolas – as do 1º ciclo é da responsabilidade dos municípios, para onde querem empurrar todos as outras -, zero. Sobre o realce a dar aos docentes, seja na forma de progressão da respectiva carreira, seja na sua credibilização junto das comunidades educativos, menos que zero. Negativo, ou seja, autêntico gelo. Aliás, como estão e estarão os seus ordenados.

publicado por Hernani de J. Pereira às 12:09

Março 14 2017

800px-Georges_de_La_Tour_-_The_Cheat_with_the_Ace_

Afinal a tão propalada reforma curricular pode não passar do papel. O que foi afirmado ontem, é desmetido hoje e alterado amanhã. Veja-se o caso do emagrecimento das disciplinas ditas essenciais – Português e Matemática. Com o (re)ssurgimento de outras e não podendo aumentar a carga horária dos discentes, a qual já é pesadíssima, uma das maiores da Europa, só havia um caminho, ou seja, retirar horas lectivas daquelas. Algo, aliás, com que a presidente da Associação de Professores de Matemática, mancomunada com a actual equipa do ME, concordou publicamente, vindo agora desdizer-se, afirmando que tal nunca tinha estado em cima da mesa. Bem, farinha do mesmo saco!

O certo é que tudo não tem passado de fogo-fátuo, em inúmeras reuniões promovidas, um pouco por todo o país, à porta fechada como convém, pelo SE da Educação, João Costa. Lançam-se umas ideias para a esquerda, outras para a direita, para cima também se notam, para baixo por ser conveniente, em diagonal uma vez que pelos lados também se joga, do género “vamos ver qual o barro cola à parede”.

Como é necessário mudar o edifício crátrico de alto a baixo, independentemente dos estudos e das soluções, em tempos tomadas, terem surtido efeito, e uma vez não se ter uma ideia própria, i.e., com “cabeça, tronco e membros”, toca de lançar uns bitaites, tipo spin on e skeel out.

É que esta “coisa” da reforma curricular é bonita e fica bem na lapela. Todavia, quando se começa a escarafunchar vê-se que não existe outra solução que não pode deixar de passar pela alteração da carga horária semanal das disciplinas. E se, por um lado, ninguém quer ficar sem a sua disciplina, por outro ninguém quer perder qualquer regalia e assim, como é óbvio, ficamos nesta ambivalência: concordo com a alteração se não for na minha aldeia. Mais: também concordo com a redução horária desde que não seja na minha casa.

Por isso, digo que, para já, esta nova história de Cinderela não passará de uma história de bruxas más da Bela Adormecida ou da Branca de Neve.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:06

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Julho 2024
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


arquivos

Julho 2024

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
blogs SAPO