O meu ponto de vista

Novembro 06 2020

Desde terça-feira passada que não se fala de outra coisa, i.e., das eleições americanas. Não há abertura de telejornal ou primeira página que, dia após dia, senão hora a hora, não retratem a vitória de Biden, como a seguir anunciem Trump como vencedor. É evidente que outro assunto também realça nos noticiários - falo da pandemia provocada pelo Covid-19 -, mas isso são outros quinhentos.

O que realça, porém, para estas parcas linhas são as eleições presidenciais nos EUA. Com toda a franqueza, a nação mais poderosa do mundo, ex-libris em termos de tecnologia, não é capaz de em 24 horas contar os votos e declarar A ou B vencedor? Imaginem que haveria, não dois, mais nove ou dez, como acontece em Portugal. Com o sistema que têm demoraria meses. Bem, aqui chegados, há quem defenda que a América necessita exactamente desse número de candidatos, pois se assim fosse o processo há décadas que seria muito mais célere.

Como é evidente, se os europeus pudessem votar, Biden teria sido eleito no próprio dia, independentemente do complexo sistema eleitoral .

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:42

Outubro 08 2019

Eleições realizadas, resultados não muito longe dos previstos, quase tudo como dantes, quartel-general em … De certo modo, poder-se-á dizer que vira o disco e toca o mesmo. Ou, por outras palavras, citando o escritor alemão do pós-guerra, Erich Marie Remarque, a oeste nada de nada.

Se politicamente não se anteveem grandes novidades, uma vez que apenas falta saber com quem o PS se coligará, no que concerne aos professores, então a esperança por melhores dias é completamente vã. A ideia de que os professores nada fazem, que são uns privilegiados em termos de vencimento, de trabalho e de férias é, infelizmente, um dado assente na opinião pública e até publicada. Aliás, foi de tal pensar que António Costa soube tirar enormes dividendos. Um dia o ensino em Portugal pagará, com língua de palmo, por estes desmandos concepcionais, bem como torcerá a orelha, mas esta não deitará sangue.

Já agora e a talhe de foice, para esclarecimentos dos mais incautos, direi a jornada semanal de um docente: 2ª feira – Reunião de equipa, através de inspiração com recurso à visualização de um filme, jogos de mesa, entre outros, todos intervalados com diversas bebidas e os mais variados acepipes; 3ª feira – Almoço com os colegas, debatendo um tema sempre aliciante sugerido pelo coaching; 4ª feira – Viagem de negócios, sendo que algumas semanas é de avião em classe executiva; 5º feira – Back to office, sendo importantíssimo a visualização dos emails e a eventual formação em regime de e-learning; 6ª feira – E o fim-de-semana a chegar … Na semana seguinte é, com toda a certeza, uma experiência a repetir.

O único senão: com tantos atractivos porque começam a faltar professores em quase todas as disciplinas e anos de escolaridade? Mas isso é outra questão que não interessa para nada

publicado por Hernani de J. Pereira às 14:42

Outubro 06 2019

Pois é. As previsões confirmaram-se. Não na sua totalidade, uma vez que os socialistas não conseguiram a maioria absoluta, mas na sua maioria estão plasmados nas primeiras projecções.

É evidente que António Costa reeditará uma geringonça 2.0, sem o BE, mas com o PCP, o qual continua numa curva descendente até ao seu aniquilamento total. Alguém terá dúvida que o PS – força política que contribuiu enormemente para a acentuada queda dos comunistas - lhe continuará a dar o abraço de urso?

Já o PSD, no momento em que escrevo estas linhas, é uma incógnita. Se ficar pelos 24% dificilmente Rui Rio terá condições para permanecer no lugar. Todavia, se se situar perto dos 30% então tem todo um caminho livre, que não risonho, pela sua frente.

Uma última palavra para o desastre chamado CDS. Simplesmente lamentável. É caso para dizer que ultimamente nunca se encontrou e em tudo se perdeu.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:45

Julho 09 2019

Há oito anos, tanto na Grécia como em Portugal, os socialistas levaram os respectivos paises à bancarrota. É um dado adquirido e irrefutável. Ponto final. Com raríssimas excepções, como é o caso do actual governo português, sobretudo pelo constante pé no travão do Centeno, os socialistas são uns mãos largas a distribuir dividendos, para depois recuarem à socapa, deixando a outros atarefa de se virarem com sucessivos planos de resgate, já que a inexistência e a sua não aplicação implicaria não ter sequer pão para a boca.

O certo é que, tanto num país como no outro, os governos que suportaram e implementaram, pela força das circunstâncias, austeridade sofreram em eleições seguintes pesadas derrotas. Em Portugal, Sócrates elevou o país ao pináculo da imperfeição. Sucedeu-lhe Passos Coelho que redimiu, à custa de imensos sacrifícios, o país, para logo a seguir perder o governo. Não as eleições que é coisa distinta. Na Grécia, os socialistas do PAZOK conseguiram que este atingisse a degradação total. Sucedeu-lhes o Syriza, como salvador da pátria. Prometeu mundos e fundos para, logo a seguir, acabar vergado ao peso dos credores. Claro que quem necessita de dinheiro, amocha. Agora, perdeu em toda a linha para a direita.

Como corolário: em tempos de vacas magras – leia-se ausência de pilim – jamais queiras governar. É que corres o sério risco de salvar o país, mas acabar afogado.

publicado por Hernani de J. Pereira às 16:08

Junho 13 2019

O Mário, o eterno defensor dos professores, o querido líder da Fenprof, afinal não vai abandonar esta liga, ao contrário do que em tempos levou muitas pessoas a pensar, eu inclusive. Irá candidatar-se em lista única, como convém nos sindicatos ditos democráticos, a mais um mandato de três anos, afirmando que agora, sim, é o último.

Pudera, acrescento eu. Após mais um mandato terá idade e tempo de serviço para se reformar. Dar aulas? Tá quieto, ó meu!

Depois de um mandato em que primeiramente andou de braço dado com o Tiago, tecendo-lhe os maiores encómios, e posteriormente “comido” por ele - também conhecido por se autoqualificar como “acérrimo e radical defensor dos professores” -, acabando por nada conseguir para os docentes, a primeira coisa que deveria fazer, se tivesse um pingo de vergonha, era abandonar a vida sindical e ir dar aulas. Só que isso é para os verdadeiros professores.

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:25

Maio 26 2019

Uma mesa de voto, cinco pessoas e uma sala, na maior parte do tempo, literalmente às moscas. De vez em quando, a monotonia é quebrada pela chegada e um ou outro cidadão, ou por qualquer chalaça dita por qualquer elemento do referido quinteto.

A meio da manhã, a junta de freguesia simpaticamente manda entregar natas e cafés. Soube maravilhosamente. Quebrou a rotina e repôs as energias gastas em tão árdua tarefa. Sim, fazer pouco também cansa.

É do conhecimento geral que as empresas/organizações mandam parar determinados sectores quando o número baixo das encomendas assim justifica. Neste acaso deveria acontecer o mesmo. Por exemplo, encerrávamos portas quando o nível de frequência baixasse a um nível previamente estabelecido. Reabríamos quando se registasse o oposto. Outra hipótese: abrir apenas durante determinados intervalos de tempo. Fica a sugestão.

Três horas a pós a abertura das urnas a percentagem dos votantes não chegam aos nove. E o raio dos ponteiros do relógio não avançam ou se o fazem é muito devagar.

De vez em quando, surge uma ou outra pessoa mais idosa, daquelas que só vemos nestas ocasiões, as quais aproveitam para longos minutos de conversa. O tempo é longo e é também uma obra de caridade a atenção dispensada.

Sem mais para fazer, dei uma vista de olhos pelas listas das 17 (!!!) candidaturas. Conclusão: entre efectivos e suplentes contei 493 pessoas. Pergunto a mim próprio como é possível haver tanta gente disponível para estas causas, mesmo sabendo que a maioria apenas deu nome para “encher” a respectiva lista. Imaginem quantos dias de trabalho não foram executados, pelo menos enquanto durou a campanha eleitoral.

São 12h00 e a percentagem subiu apenas dois pontos. Como aguentar esta “seca”? Caramba, nem o fim da missa fez aumentar o fluxo de votantes. A única novidade é haver alguns eleitores exercer o seu direito cívico de calções e havaianas. Das duas, uma: vão para a praia ou isto está a transformar-se num imenso Brasil.

 

(Continua)

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:20

Dezembro 10 2018

transferir.jpg

É tempo de eleições. É de aproveitar, minhas senhoras e meus senhores. Este podia ser um pregão numa praça qualquer bem perto de si. Este pensamento vem a propósito do registo da extraordinária vaga de greves de que há memória.

Prometeram e asseguraram uma legislatura de progresso e, sobretudo, de paz social. A bem dizer, os três últimos anos assim aconteceu. Contudo, só os incautos poderiam pensar que tal clima teria continuação até ao final do actual mandato.

Hoje, sem margem para dúvidas, é altura para “assim se vê a forças do PC” e não só. É o momento ideal para cada um – PS e as forças à sua esquerda que parlamentariamente o apoiaram - reivindicar o que de bom foi feito e apontar o dedo aos outros para o que não foi realizado ou se sim foi mal.

A actual situação só vai cessar bem perto do Verão do próximo ano, i.e., a três meses das eleições legislativas.

Já agora, a esmagadora maioria, senão a totalidade, são greves no sector público. Sintomático!

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:16

Outubro 18 2018

images.jpg

Quem é que acreditou que a função pública só teria um aumento de 50 milhões de euros no próximo ano? Quantia, aliás, que dava somente cerca de 10 euros a cada funcionário, tendo, ainda por cima, o cutelo de ser, em muitíssimos casos, comida pela não mexida nos escalões do IRS.

Em ano de tantas eleições, sobretudo as legislativas, era demasiado pouco! Mário Centeno apesar de querer ficar na história como o ministro das Finanças que levará a défice a níveis nunca vistos – na ordem dos 0,2% -, numa entrevista dada esta semana à TVI afirmou que este número não é cabalístico e de modo algum existe uma fixação obsessiva por este indicador económico.

Por isso, não admira que, hoje, a imprensa venha dizer que, afinal, não existem 50, mas sim 200 milhões para distribuir. Eleições oblige.

publicado por Hernani de J. Pereira às 10:59

Janeiro 10 2018

transferir.jpg

O fundamental para um líder partidário é potenciar a imagem do partido, em particular, e de Portugal, em geral, bem como da competência na área dos centros de decisão.

A idealização estratégica e a elevada qualificação são grandes aliciantes para a adesão de um número crescente de portugueses. As estruturas, muito delas completamente caducas, necessitam urgentemente de mudar, sem estar a olhar constantemente para dependência que os interesses deste ou daquele lobby tenha que ser salvaguardado.

O reconhecimento das boas práticas implementadas, assim como os bons resultados alcançados, terão, no caso da disputa interna do PSD, de ser ponderados.

Rui Rio, após o debate de hoje na TVI com Santana Lopes, levou sem dúvida a palma. Mais preparado, mais convincente e, sobretudo, mais sereno e esclarecedor. Depois ao recordar-me - sim, eu lembro-me bem das tão badaladas “trapalhadas” – da governação, em 2004, do “menino guerreiro” e comparando-a com a gestão de Rui Rio à frente da CM do Porto, tendo, por exemplo, presente a memória de independência que este manteve perante o FCP/Pinto da Costa – eu próprio pensava o contrário -, leva-me a tomar uma posição diferente daquela que aqui expressei.

Assim, e para os devidos efeitos, declaro que no próximo sábado votarei Rui Rio.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:58

Janeiro 04 2018

No final  do debate na RTP, entre Pedro Santana Lopes de Rui Rio, continuo mais confuso do que estava inicialmente. O primeiro conseguiu, na primeira parte do debate, encurralar completamente o seu adversário, com a questão das eventuais trapalhadas por si cometidas aquando do seu exercício como primeiro-ministro.

Por outro lado, em termos de escorrimento das palavras, da explanação de ideias, também Santana Lopes levou nitidamente vantagem.

Todavia, talvez devido às tais trapalhadas a que assisti e bem me recordo, não consigo vislumbrar Pedro Santana Lopes como governante máximo do meu país. Tenho muito receio das suas intempestividades e, sobretudo, da sua excessiva vaidade. Está mais maduro, mas ainda não me satisfaz.

Assim, a continuar a nadar neste grande mar de dúvidas, o mais certo é votar nulo/branco no próximo dia 13.

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:19

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Maio 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


arquivos

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
blogs SAPO