O meu ponto de vista

Março 19 2014

O outro dia vi e ouvi, na televisão, alguém, não ligado directamente à educação, muito sorridente e com ar feliz, dizer “as nossas crianças começam com alegria a serem diferentes desde muito cedo”, acrescentando, de seguida, que “este é um projecto que as ajuda a destacarem-se e que lhes ensina que é importante sonhar que se vai ser grande”.

Bem sabem, os meus leitores, o que penso dos projectos, sobretudo, daqueles dedicados e pensados numa vertente escolar. O eduquês ainda não terminou, bem pelo contrário.

A Escola deve ser um lugar onde se ensina as mais variadas áreas do saber, como maior ou menor profundidade, consoante o grau que se ministra e a idade dos discentes. Tudo o que vá para além disto é subverter a Escola, é fazer desta uma comunidade onde cabe tudo e pouco ou nada se instrui. Já lá diz o ditado “quem tudo quer, tudo perde”.

Dizer que a Escola é um lugar onde se educa, retirando esta enorme responsabilidade aos pais, se habilita para tudo – sexualidade, prevenção rodoviária, literacia financeira, empreendedorismo, igualdade de género/parental, entre tantas outras matérias – faz com que a mesma se disperse a acabe por não dar importância ao essencial.

É evidente que esta sintomatologia já foi muito pior. No entanto, ainda existem resquícios que urgem arredar. A avaliação de desempenho dos docentes tem de deixar de passar por demonstração de evidências, as quais, na sua grande maioria, nada mais são que fruto de delírios e apenas gastam dinheiro e, sobretudo, impacientam até o mais santos dos santos, retirando tempo para o fundamental.

Por último, enganem-se aqueles que julgam que isto se passa longe. Ainda hoje ouvi dizer “eh pá, com tantas actividades não só não conseguirei cumprir o programa, como não consigo sequer um dia para fazer o teste”.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:05

Fevereiro 15 2012

Em função do que actualmente presenciamos só nos resta benzer e rogar ao Altíssimo que nos livre rapidamente da influência do eduquês no ensino. Então, não é que para além da educação sexual, ambiental, rodoviária, nutricional, cívica, promoção para a saúde, entre tantas outras, agora também é requerido à escola o ministrar de conhecimentos em literacia financeira?

E o mais grave é alinharmos nestas pantominices!

É caso para perguntar: o que mais nos irão pedir?

Como sabemos e é óbvio, o tempo não é elástico e, assim sendo, não chega para tudo. Ou seja, o mais importante, i.e., o ensino da língua materna, da matemática, das línguas estrangeiras, da história e geografia, bem como a introdução aos ofícios e o exercício das mais diversas manualidades, esse fica para as calendas gregas.

Para cúmulo, o Bloco de Esquerda entregou na Assembleia da República um projecto de lei que, a ser aprovado – não vai, com toda a certeza –, obrigaria as escolas a dar gratuitamente o pequeno-almoço a todos, repito a todos, os alunos do ensino básico. Além da medida nos importar, só em custos directos, em qualquer coisa como 90 milhões de euros por ano, tal iria isentar os pais e encarregados de educação de dar esta refeição aos seus educandos, como é sua estrita obrigação.

Já não chega o escasso – nalguns casos é mesmo nulo – interesse que os pais denotam pela escola para, ainda por cima, os isentarem das suas obrigações com as refeições dos filhos? Já agora, porque não trazer também o pijama e a escola dar-lhes-ia o lanche, o jantar e aqui dormiam? Entretanto, os pais vinham visitar os filhos ao domingo à tarde, mas nem sempre, porque semana a semana também era uma grande trabalheira!

publicado por Hernani de J. Pereira às 23:36

Março 14 2011

Há mais de uma década que, de uma forma emergente, muito tenho escrito e falado sobre os erros, as diversas soluções para o sistema educativo e respectivas melhorias nas práticas a adoptar.

Alguns analistas apresentam as virtudes e importância deste ou daquele modelo, outros focam-se no estudo de ferramentas de suporte, outros ainda colocam a tónica numa componente igualmente relevante, ou seja, nas pessoas e, sobretudo, no modelo de governação que obriga a um ensino do eduquês.

À semelhança de outras áreas e linhas de pensamento, existe hoje-em-dia informação disponível nos mais diversos tons: desde os contos de fadas de casos de sucesso até à dissecação quase total, senão mesmo total, dos mais diversos factores que levaram à falência destas iniciativas.

Quero, por isso, partilhar aquilo que tenho observado ao longo do meu percurso por esta área, da simples constatação de factos vividos ao longo dos mais de trinta anos que levo - ocupando todos os cargos da vida de uma escola - de docente.

Ao longo de todo o caminho que o sistema educativo, nas últimas décadas, tem percorrido, os desafios têm sido muitos e variados, essencialmente para aqueles que, de um modo ou de outro, o têm querido acompanhar o mais de perto possível. E, verdade seja dita, é frequente encontrarmos uma forte resistência à mudança e nem sempre as organizações corporativas do sector se encontram à altura das alterações do paradigma dos modelos alternativos.

É sabido que em cada dia aumenta a complexidade da “matéria-prima” – leia-se estudantes – obrigando à adopção de modelos mais sofisticados e à revisão de alguns pressupostos do passado recente. Uma coisa é certa: apesar de algumas iniciativas gloriosas e poucos investimentos frutuosos, o sistema educativo vive há tempo suficiente para apresentar, ano após ano, um número considerável de casos de insucesso.

Os diversos exemplos que, infelizmente, tive o (des)prazer de testemunhar continham a combinação “certa” de uma liderança frouxa, com uma equipa desmotivada e uma visão artificial, originando obrigatoriamente o crescimento dos problemas.

A criação de um modelo activo/estratégico de organização é um caminho a percorrer em várias etapas, um percurso que vai removendo os obstáculos que vão surgindo. Quase poderia dizer que tais modelos são autênticos embaixadores da utilização disciplinada da informação e formação, actuando como veículo principal na disseminação do conhecimento pelas comunidades que servem.

Por outro lado, tenho assistido a iniciativas que, apesar de lideradas com sucesso e em pleno cumprimento das funções, para as quais foram concebidas, se vêm órfãs dos seus dinamizadores por estes não se sentirem devidamente apoiados ou, até, simplesmente arredados. Infelizmente, na maioria dos casos, as soluções estagnaram e deixaram de ser encaradas como uma arma estratégica, passando a ser apenas mais um projecto e/ou uma infra-estrutura a manter.

Dada a velocidade das mudanças a que assistimos, actualmente, no panorama educativo e com as pressões governamentais, regionais e locais a que a Escola é exposta, um modelo deixa rapidamente de criar valor se não for melhorado de forma continuada.

Todavia, não tenhamos ilusões. Num modelo tão abrangente quanto os novos Mega-Agrupamentos, nem a melhor das boas vontades consegue alavancar uma iniciativa sem o suporte de uma equipa adequada e motivada. A experiência e a investigação ensinaram-me que as boas equipas são aquelas que conjugam as mais diversas competências e disciplinas, bem como a heterogeneidade, e nelas se encontram, quase universalmente, as seguintes características:

  • Uma liderança com profundo conhecimento dos vários processos/dossiers;
  • Docentes capazes de construir as fundações de um sistema, tendo como única certeza a persistência da mudança e do crescimento;
  • Recursos humanos com espírito crítico, focados nas soluções e não nos problemas;
  • Elementos oriundos das mais diversas áreas da comunidade envolvente, com conhecimento não só do core académico, mas também dos restantes saberes, tais como os sistemas transaccionais – empresas, autarquias, actividades recreativas, culturais e desportivas, entre outras - de forma a proporcionar a integração dos saberes e a eficácia de infra-estruturas;
  • Profunda convicção que o sucesso da equipa é deveras mais importante do que o sucesso individual;
  • Destemor perante os poderes instituídos, quer internos ou externos, rompendo, se necessário, com a paz podre, qual pântano, vigente.

 E se já é raro encontrarmos no nosso tecido escolar equipas gestoras com estas características, ainda é menos frequente depararmos com estas mesmas equipas motivadas e com uma saudável mistura de experiência e ousadia.

No mundo da gestão escolar não existe um modelo único, nem um sistema milagroso que responda cabalmente a todas as necessidades da organização e da comunidade envolvente. Cada solução individual deve ser concebida à luz do objectivo último que se pretende atingir e do perfil de cada utente. Cada uma das abordagens só é válida se tiver como finalidade a criação de valor e, assim sendo, deve ser enquadrada numa solução de gestão única e integrada.

Por outro lado, garantir a sua consistência ao longo do tempo – a parte mais problemática – só é possível com uma visão clara de crescimento ordenado e com a certeza absoluta de que se encontrarão vias para a existência de um investimento continuado.

Concluindo, poder-se-á dizer que o mais importante são os recursos humanos e são estes que, realmente, são a arma diferenciadora de cada organização. Os sistemas operacionais e organizacionais jamais atingirão o patamar da estabilidade sem pessoas satisfeitas. Não sou eu apenas que o digo, pois os mais variados estudos aí estão a comprová-lo. Ter habilidade de criar uma solução sólida, coesa e uma cultura forte de integração é, sem sombra para dúvidas, um factor competitivo e determinante.

publicado por Hernani de J. Pereira às 23:29

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Julho 2024
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


arquivos

Julho 2024

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
blogs SAPO