O meu ponto de vista

Maio 30 2017

Será desta que o malfadado destino dos portugueses se inverterá?

Acorados a uma jangada de pedra virada para o Atlântico, é longa a tradição que tem lançado os portugueses em busca de novas oportunidades de expansão por esse mundo fora, aproveitando a boleia da globalização de que foram um dos povos pioneiros.

Desde a era dos Descobrimentos portugueses, em que a partir do séc. XV um novo capítulo na história mundia se abriu, muita tinta tem corrido. Mais de cinco séculos decorridos, já não é a exploração marítima e a conquista de outras latitudes que traçam os desígnios estratégicos – os económicos, pelo menos – desta nação europeia.

A braços com uma crise económica-financeira interna que encontrou também ecos no bloco europeu como um todo, colocando entraves à evolução tanto no mercado nacional como no espaço comunitário. Parte de Portugal partiu, mais recentemente e também agora, à descoberta de um mundo novo de emprego. Um direcionar de atenções para o exterior que, apesar de ter sido ultimamente mais vincado pela conjuntura deficitária que atravessamos, já tinha sido muito impulsionada pela aludida globalização.

Ora, segundo palavras de António Costa, a propósito da saída de Procedimento por Défice Excessivo, esta nova situação do país deve ser aproveitada para, fundamentalmente, tudo fazer com vista a trazer de volta as centenas de milhares de jovens que se viram na contingência de procurar além-fronteiras o sustento que a mãe-pátria lhes negou.

Desígnio certo, apesar de saber que muitos não quererão, de todo, regressar, a não ser de férias, ao torrão natal. Aproveitar a folga económica, como pretendem o PCP e o BE, para voltar a engordar os de sempre é que não lembra ao mais pintado.

publicado por Hernani de J. Pereira às 13:03

Outubro 29 2010

Quando escrevo estas linhas, está no auge a discussão sobre o Orçamento de Estado para 2011, isto é, dois dias depois da ruptura das negociações do mesmo entre o governo e o PSD. Hoje, porém, quando existem perspectivas do reatamento das aludidas negociações, faço votos para que estas palavras percam rapidamente actualidade, sinal de que o mencionado Orçamento, apesar de ser muito mau, irá ser aprovado na AR. Contingências de quem redige num tempo de extrema volatilidade.

Mas vamos ao que interessa. Portugal é, neste momento, um país com uma grande experiência e sensibilidade de como deve funcionar em tempos de crise. Desde os primórdios da nacionalidade, de uma forma contínua e eficaz, tem reformulado os objectivos, orientando-os para superar os novos desafios, os quais concorreram para o desenvolvimento do país, evidenciando, em certas épocas, grandes sucessos. Recordo, por exemplo, o boom que foram os Descobrimentos.

O seu modo de reinventar a economia, a curto e a médio prazo, sem pressa e sem pausas, e independentemente das épocas de crise, fortalece o caminho. Por isso, não admira o país – p.f., não confundir com o governo – possuir, em determinados sectores, elevada tecnologia (de ponta) e ter implementado, nalgumas áreas, inovação, internacionalmente reconhecida. Aliás, não é por acaso que o país está absolutamente convicto de que a filosofia que, no passado o orientou e o alcandorou a tão altos patamares – recordo que, conforme disse o poeta, demos mundos ao mundo -, representa, ainda hoje, uma forte contribuição para soluções cada vez mais eficientes.

Também não é menos verdade que temos dado, principalmente na última meia dúzia de anos, fruto de um descontrole total das finanças públicas, um extraordinário impulso na liderança do decrescimento económico, no aumento do desemprego e da corrupção, respondendo, de forma ineficaz e descrente, aos justos anseios dos portugueses, numa óptica de insustentabilidade e de ineficiência produtiva, colocando o nosso país num patamar, quase que diria, desprezado pelo resto do mundo.

Aliás, também não é por acaso que Portugal se encontra, no rol dos países europeus, entre os menos desenvolvidos, desencontrando-se, deste modo, com os grandes objectivos estratégicos das grandes empresas internacionais, fazendo-as sentir receosas de aqui investirem, dando, assim, azo a uma reduzida ou nula cooperação.

Tudo isto nos contrista, nos coloca cabisbaixos e temerosos, pois as melhores sinergias são desbaratadas e, consequentemente, apenas nos resta esperar os piores resultados para mal do nosso futuro.

Por fim, uma palavra de alento. Possuímos oito séculos de história, sem guerras inter-regionais e com as fronteiras há muito definidas, dados mais que suficientes para que, sem margens para dúvidas, nos possamos consciencializar de que temos fundações para sairmos desta crise, por muito grande que seja e, em boa verdade, é.

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:24

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Julho 2024
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Correctíssimo

Sair da crise

arquivos

Julho 2024

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
blogs SAPO