O meu ponto de vista

Julho 23 2019

O fogo lavrou durante 70 horas em Vila de Rei e Mação. Foram momentos, muitos momentos mesmo, de verdadeira angústia e até terror que as populações destes concelhos viveram. Praticamente não existe vegetação verde nestes locais. Por exemplo, em Mação as chamas consumiram o pouco que restava dos grandes fogos de 2017, chegando a atingir uma área de 95 %.

Contudo o ministro da Administração Interna afirmou hoje que tudo de correu conforme as previsões e não se registara quaisquer anomalias. Inclusive o afamado SIRESP não apresentou qualquer falha. Oh meu Deus, quanta arrogância e falta de sensibilidade, para não dizer falta de pudor! Então, o fogo lavra desde sábado, tendo somente hoje sido controlado, e tudo correu conforme o previsto? As pessoas choravam e gritavam por ajuda só por seu belo prazer? De acordo com o governo, aquelas pessoas que vimos nos directos das televisões são masoquistas.

Já, antes, o primeiro-ministro tinha passado culpas para os autarcas. Sem qualquer pingo de decoro tentou aligeirar as suas culpas. Apenas um exemplo: falemos da Protecção Civil? Não é esta instituição que unicamente tem o poder de requisitar os meios aéreos e coordenar os serviços de bombeiros? E não é unicamente o governo que tem poder sobre aquela?

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:40

Outubro 18 2011

A maioria dos portugueses interroga-se amiúde sobre como foi possível chegarmos a tão grande crise financeira/económica. Bem tentam fazer um exercício de memória e poucos se atrevem a chegar a uma conclusão plausível e curial. Grande parte de nós sacode a água do capote, e, sistematicamente, aponta o dedo aos outros, a começar pelos governantes, passando pelos políticos em geral, não esquecendo os bancos e grandes grupos económicos, e terminando nas empresas públicas e demais tralha "xuxalista", como sejam as parcerias público-privadas, vulgo PPP, etc., etc.

Raros, para não dizer raríssimos, são, porém, aqueles que se atrevem, num gesto de nobreza e carácter, a dizer: “eu também fui culpado do estado a que o país chegou”.

Culpado por preferir um certo laxismo ao rigor, por adorar não cumprir o horário, por vasculhar constantemente a melhor forma de fugir ao fisco, por ver como e aonde posso contornar a lei, por faltar ao trabalho – as ausências ao serviço nas empresas públicas é seis vezes superior às do privado -, por mau desempenho profissional, por desejar ardentemente aposentar-me mesmo que seja aos cinquenta e poucos anos, pouco me importando de ter menos anos de contribuição do que futuro benefício, por ter uma pensão em que ganho mais que o meu colega no activo, gozando, ainda por cima, apoios nas universidades seniores, férias no Inatel e spas em health clubs, por reivindicar cada vez mais direitos – então, dos adquiridos, nem é bom falar(!) -, esquecendo invariavelmente os deveres, por gozar férias em paraísos turísticos quando nem dinheiro tenho para ir à praia mais próxima, por só excepcionalmente pedir recibo de compra, originando com isso fuga aos impostos, por admitir que os sindicalistas, associativistas, fundacionistas, etc., vivam à custa de todos e não dependam dos respectivos associados, como, aliás, seria natural, por não me revoltar pelo facto dos partidos sobreviverem à custa do erário público, por não enxergar, atempadamente, que aos filhos e netos se devem deixar somente bens tangíveis e jamais dívidas, por acreditar utopicamente que a educação e a saúde poderiam ser totalmente gratuitos, mesmo para aqueles que nem um cêntimo descontaram, por admitir tão pacificamente os casos BPN, Vara, Freeport, Madeira, Face Oculta, …, e por muitas outras maleitas, cujo rol seria demasiado fastidioso estar a enumerar.

Sim, eu sei, que foi muito mais fácil enterrar a cabeça na areia, como a avestruz, e dizer que nada era comigo.

É que são pouquíssimos aqueles que, ao longo destas últimas décadas de um completo desvario, preferiram alguém que chamasse “os bois pelos nomes”, isto é, que dissesse que era absolutamente necessário maior rigor na gestão do dia-a-dia, maior eficácia no trabalho e no cumprimento das obrigações legais, máxima ponderação com os gastos que o Estado, ou seja, todos os contribuintes, coloca a favor de cada instituição, maior eficiência na administração dos recursos sejam eles materiais ou humanos. Como se sabe aqueles que se atreveram a dizer basta, que era necessário colocar cobro à loucura, levaram um chuto onde mais dói. Hoje, estes riem-se, baixinho, mas, sobretudo, com lágrimas a correrem-lhe pelas faces, constatando que tiveram razão antes do tempo.

A larga maioria elegeu como opção quem governasse, desde o mais alto dignitário da nação ao mais simples chefe de qualquer repartição, de modo laxista. O que sempre almejou foi navegar ao sabor do vento, acompanhando a crista da onda, num perfeito equilíbrio do “nim”, mesmo quando, poucos, é certo, apontaram que tal insânia, mais cedo que tarde, se pagaria com língua de palmo.

E, agora, queixamo-nos de quê? Se mesmos dos poucos que nos tentaram abrir os olhos para a realidade nua e crua, desprezámos e até vilipendiámos? Para não citar outros, e de modo algum querendo puxar a brasa à minha sardinha, recordam-se o que dizia Manuela Ferreira Leite em 2009? E mais recentemente o que afirmava Medina Carreira?

publicado por Hernani de J. Pereira às 18:54

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Julho 2024
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


arquivos

Julho 2024

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO