O meu ponto de vista

Maio 06 2019

A propósito desta crise, a qual há quem diga provocada pelos professores, eu, enquanto docente, apenas tenho uma recomendação a fazer aos políticos, sobretudo aos do arco da governação, vulgo PS, PSD e CDS. 

Meninos deixem-se de teatros, fantochadas e golpes palacianos. Ponham-se com juizinho, pois, caso contrário, terei de vos colocar na rua e com falta disciplinar agravada.

A hora é de estudar e seriamente. Não estão no recreio e, nesta ordem de ideias, não é momento para brincadeiras. Aliás, mesmo nos intervalos o divertimento tem limites.

publicado por Hernani de J. Pereira às 08:46

Junho 09 2018

images.jpg

Afinal a austeridade não terminou. Se nos convencemos disso é porque nos deixámos embalar pela cantiga do governo e também porque ansiávamos há muito por alguém que nos viesse dizer isso mesmo. A frase dita, esta semana na AR, pelo primeiro-ministro de que não há dinheiro é bem sintoma disso.

Com os juros da dívida a não descerem, a crise nalguns países europeus – por exemplo, Itália e Espanha -, perspectiva de diminuição de crescimento, o qual já se vem fazendo sentir, aliado ao decréscimo das exportações, bem como uma perda dos auxílios por parte da CE, o governo viu que não havia volta a dar e, como mais vale prevenir do remediar, toca de travar. Ainda não a fundo, mas para lá caminharemos.

Nesta ordem de ideias, não estranha que o próximo ano não será ainda o ano de nova austeridade, uma vez ser ano de eleições e os votos … Todavia, é sabido que os portugueses, a curto prazo, irão ser novamente chamados a ajudar a equilibrar as contas públicas. Os cortes serão esperados, a subida de impostos também.

Consciente de que este esforço irá ter efeitos práticos nefastos no bem-estar e na vida dos portugueses, recordo da conveniência em (re)estruturar o nosso modo de estar a nível financeiro e, sobretudo, no âmbito da gestão do orçamento familiar.

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:51

Abril 19 2017

Pois é! Os próprios dizem que estavam bem, mas existe sempre quem, ainda que sem base sustentável, diga o contrário. São os grandes "educadores do povo"! Mais satisfeitos com a vida, mais motivados, menos sujeitos a bullying, mas mais ansiosos quando chegam aos testes. É assim que surgem os estudantes portugueses de 15 anos avaliados pelo PISA 2015 (Programme for International Student Assessment), quando comparados com os alunos dos restantes países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE). Depois de ter ficado à frente da média no desempenho a ciências e leitura, Portugal volta a apresentar bons resultados em matérias de bem-estar.

Apesar da crise que tanto afectou os portugueses, fundamentalmente durante a estadia da troyka, e mesmo após o desvario que foram os governos de Sócrates, os desafios acrescidos solicitados aos alunos levaram-nos a combater positivamente a instabilidade provocada pelos políticos. Senão todos, pelo menos a maioria.

Os tempos de incerteza foram-se com o fim do período de resgate. Por isso, o caminho seguro estava traçado e seria, sem dúvida, um aliado indispensável no progresso dos rankings internacionais. tenho muitas dúvidas que a próxima amostragem frutifique como até agora.

publicado por Hernani de J. Pereira às 16:24

Outubro 27 2016

Existe uma frase muito em voga nas redes sociais que diz, e cito de cor, “se viajar fosse gratuito talvez não visses tão depressa”. Esta frase levanta duas questões: a primeira é que poucos são aqueles que não gostam de viajar; a segunda, talvez a mais assertiva, é que a maior parte das pessoas está cansada deste país.

O período de instabilidade que se viveu e ainda vive na economia teve e tem as suas consequências no mindset dos tributários portugueses. Estes tornaram-se mais estratégicos, eficientes e ágeis, autênticos especialistas em espremer a economia, asfixiando-a, tornando o crescimento quase nulo. A isso obrigou a filosofia de “fazer mais com menos”. Eis um dos principais motivos para a grande debandada.

Tudo isto é ouro sobre azul para uma nova geração de portugueses a quem são reconhecidas aspirações orientadas para o bem-estar e para a criação de um mundo melhor, bem como sustentadas essencialmente no mérito. Olham para um mundo sem fronteiras e por isso o não receio por viajar. Todavia, pretendem também silêncio e tranquilidade para realizar as suas tarefas com sucesso. O alarde das suas “façanhas” – há quem os designem por novos aventureiros ou descobridores do séc. XXI – não lhes está no ADN.

Os seus desejos passam por trabalhar em open space, com um ambiente informal e descontraído, pensado para estimular a colaboração e o trabalho em equipa. Assim, ao contrário do que a opinião publicada apregoa, muitos dos talentos saídos das nossas universidades não querem ficar neste rectângulo à beira-mar plantado, mesmo que lhes seja proporcionado emprego. A atracção e capacidade para se focarem no trabalho sem interrupções faz com que estas pessoas usufruam intensamente a vida, tanto a nível de trabalho como de lazer.

Quando mais jovem também eu demandei a outras paragens. Não com intuito de enriquecer financeiramente, mas de abertura a outros horizontes, tanto cultural como socialmente desejáveis. Hoje, porém, não seriam países subdesenvolvidos que me aguardariam. A “África” dos nossos dias situa-se em Inglaterra, Países nórdicos e outros semelhantes. Ah, se voltasse a ter vinte e poucos anos!

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:41

Outubro 10 2016

Ainda hoje, uma vez mais, o referi. Três aspectos existem que são comuns a 99,99 % dos portugueses: falta de dinheiro, excesso de trabalho e inexistência de tempo livre. Por isso peço a todos: por favor não falem destes três sintomas e, sobretudo, do primeiro, uma vez ser catedrático sobre tal e não gostar de falar sobre um assunto com quem não tem tanta experiência quanto este vosso escriba.

Não queira, caro leitor, passar a mensagem de que só os euros sustentam a sua motivação e eliminar à partida as suas oportunidades de continuar uma conversa que, eventualmente, pode ser profícua para todas as partes.

Ninguém muda, conscientemente e por vontade própria, para pior. A menos que se veja numa situação desesperada e seja obrigado a aceitar condições para as quais não está preparado. É, por isso, normal que todas as pessoas que não estão nesta situação procurem um upgrade do seu modo de vida. Assim, a conversa, apesar de não referir explicitamente o dinheiro, pode derivar para a forma de melhorar o seu status económico, versando, por exemplo, sobre a poupança ou rentabilização de recursos/talentos.

Bem sabemos que o dinheiro não traz felicidade, mas é verdade que ajuda e imenso. No fundo, trata-se de algo que, à partida, parece interessar a todos. Todavia, torna-se imensamente redutora e não leva a lado nenhum o queixume mútuo. Ninguém dá nada a ninguém e, como se costuma dizer, não existem almoços grátis. Assim, para não haver perdas de tempo e muitos menos defraudação de expectativas, o conveniente é dedicar o tempo a “como dar a volta por cima?”.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:55

Junho 09 2016

Sim, é muito nosso. Por vezes acho que somente nós somos assim. Os sentimentos dos portugueses vão oscilando, como uma onda viral, e alternando tendências entre Velhos dos Restelo e Padeiras de Aljubarrota. Entre o pessimismo, a resignação, o inconformismo e a esperança venha o Diabo e escolha. O certo é que, mal ou bem, lá vamos avançando como nas Naus Catrinetas.

Bem sabemos que introduzir números e estatísticas nos sentimentos dá normalmente mau resultado, mas a verdade é que havendo cada vez mais pessoas em dificuldades também temos mais multimilionários que há meia-dúzia de anos. Podemos falar de tendência de menor empregabilidade e da diminuição da criação de novas empresas, mas estaremos sempre a falar de médias. Aliás, se eu comer um frango e o meu caro leitor passar a refeição com o estômago a dar horas, a média é que ambos comemos meio frango.

Há realmente uma diminuição das ofertas de emprego, apesar dos vínculos e salários, aparentemente, serem, respectivamente, mais estáveis e maiores. A crise deixou de ser crise – pelo menos, no dia-a-dia, a palavra deixou o léxico corrente – e transformou-se em status quo. Nós, os humanos, como animais de fácil hábito, sujeitamo-nos a tudo e, como é lógico, os portugueses não fogem à regra.

Fundam-se poucas empresas e as que fecham é em maior número. Criam-se novos empregos e, pela lógica anterior, muitos mais desaparecem definitivamente. De modo algum estou seguro do índice de felicidade dos portugueses por verem as alternativas desaparecerem por todo o lado.

Entretanto, teremos de viver também com as exigências irrealistas de quem ainda não percebeu que direitos inalienáveis só mesmo os ligados à liberdade de opinião e que tudo fazem para, em nome de não sei de quê, transtornar a vida dos querem rumar para frente.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:29

Junho 09 2016

Sim, é muito nosso. Por vezes acho que somente nós somos assim. Os sentimentos dos portugueses vão oscilando, como uma onda viral, e alternando tendências entre Velhos dos Restelo e Padeiras de Aljubarrota. Entre o pessimismo, a resignação, o inconformismo e a esperança venha o Diabo e escolha. O certo é que, mal ou bem, lá vamos avançando como nas Naus Catrinetas.

Bem sabemos que introduzir números e estatísticas nos sentimentos dá normalmente mau resultado, mas a verdade é que havendo cada vez mais pessoas em dificuldades também temos mais multimilionários que há meia-dúzia de anos. Podemos falar de tendência de menor empregabilidade e da diminuição da criação de novas empresas, mas estaremos sempre a falar de médias. Aliás, se eu comer um frango e o meu caro leitor passar a refeição com o estômago a dar horas, a média é que ambos comemos meio frango.

Há realmente uma diminuição das ofertas de emprego, apesar dos vínculos e salários, aparentemente, serem, respectivamente, mais estáveis e maiores. A crise deixou de ser crise – pelo menos, no dia-a-dia, a palavra deixou o léxico corrente – e transformou-se em status quo. Nós, os humanos, como animais de fácil hábito, sujeitamo-nos a tudo e, como é lógico, os portugueses não fogem à regra.

Fundam-se poucas empresas e as que fecham é em maior número. Criam-se novos empregos e, pela lógica anterior, muitos mais desaparecem definitivamente. De modo algum estou seguro do índice de felicidade dos portugueses por verem as alternativas desaparecerem por todo o lado.

Entretanto, teremos de viver também com as exigências irrealistas de quem ainda não percebeu que direitos inalienáveis só mesmo os ligados è liberdade de opinião e que tudo fazem para, em nome de não sei de quê, transtornar a vida dos querem rumar para frente.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:26

Fevereiro 25 2016

Como católico, praticante e convicto, acredito e defendo que Deus é o único detentor da vida humana. Daí não admirar a minha constante revolta contra quem atenta, sejam quais os motivos invocados, contra aquela. Seja o pior criminoso, seja o detentor do mais hediondo dos comportamentos jamais admitirei que outros se julguem donos da vida destes. E, last but not least, muito menos acolho a ideia de que o próprio seja livre por optar, seja em que circunstância for, pelo fim da sua existência terrena.

Vêm estas palavras a propósito de um último tema lançado para a opinião pública, objecto já de uma petição subscrita até por algumas personalidades que eu respeito, referente à eutanásia. E, sinceramente, estou cansado de ver, dia após dia, colocado na praça pública temas e temas fracturantes, como se o país não se visse confrontado com problemas muito mais graves.

Admito que a liberdade permite tal discussão e, por isso, não vou questionar tal facto, Porém, algum bom senso seria muito vantajoso.

Não nos chega já a despenalização do aborto, assim como a isenção das respectivas taxas, as quais temos que pagar quando efectivamente estamos doentes? O que faltará mais? Legalização do consumo de estupefacientes, da zoofilia, da necrofilia, do incesto, entre outras aberrações? Já agora, aproveitem, pois haverá sempre alguns anormais que hão-de bater palmas!

Quando estatisticamente está provado que cerca de 25% dos idosos sofrem de maus tratos por partes de familiares, seja por abandono ou mesmo por violência física e/ou psicológica, quando não existem instituições de rectaguarda que prestem dignamente cuidados paliativos, a aprovação da morte assistida será meio caminho para que a larga maioria dos que sofrem diariamente na pele, para além da doença, o desprezo dos familiares, bem como de uma sociedade individualista e, sobretudo, hedonista, solicitassem a aludida morte assistida. Não por convicção, estou certo, mas para terminar com o padecimento que quem mais lhe devia prestar apoio e que, pelo contrário, os acha um empecilho.

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:49

Setembro 02 2015

ng4627068.jpg

 Sem palavras!

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:37

Abril 14 2015

Com algum alívio profético, nos anos 70 do século passado, Alvin Toffler fez alusão ao que iria acontecer. Assim, penso que pela primeira vez, referiu que futuramente a instabilidade, a transitoriedade e os limites da adaptabilidade seriam uma constante.

Pois, esses tempos chegaram, uma vez que, paulatinamente, assistimos à concretização desses conceitos. Tomámos como garantidos hábitos que nos eram agradáveis ao mesmo tempo que quisemos mudar, sem qualquer razão, as coisas em nosso redor: as referências, os valores, as necessidades, entre outras.

A tudo isto, em Portugal, acrescentámos inúmeras Reformas Educativas – quase tantas como o número de governos pós-74 – que, sucessivamente têm formado pessoas para o desemprego, fundamentalmente na última década, pelo seu desajuste face às necessidades do país.

A grande questão que se coloca é que as coisas mudaram: tornámo-nos impermanentes, cada vez mais transitórios e, ainda por cima, a nossa capacidade de adaptação, de certo modo, atingiu o limite.

Numa sociedade doente e, por isso, enfraquecida, o maior perigo assenta nos milhares e milhares de portugueses sem emprego. Para agravar, a maioria é constituída por pessoas com qualificações que já não são necessárias e, de certo modo, inconvertíveis. Assim, não admira ouvir dizer que a crise é principalmente social e esta é infinitamente mais preocupante que a económica.

Que alternativas? Infelizmente não tenho nenhuma varinha de condão. Mas quem sabe, em vez de vermos sempre o problema nos outros, começássemos pelo debate com a palavra “nós”?

publicado por Hernani de J. Pereira às 23:36

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Outubro 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


arquivos

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO