O meu ponto de vista

Novembro 03 2020

Todos, sem excepção, em cada instante temos uma posição mais ou menos conhecida, mas de modo algum rigorosa. Sim, uma vez a nossa posição – falo do carácter e da ética - não poder ser medida em centímetros, nem decímetros ou até nem em metros.

É verdade que, e ainda bem, não dispomos uma tecnologia de vanguarda que actualize constantemente os dados relacionados com as “infra-estruturas” humanas que nos rodeiam. Por isso falhamos tantas vezes? Sim e ainda bem. Navegamos à vista e ninguém possui GPS que nos possa guiar, de forma óptima, por esta ou outra via.

Avançamos e recuamos constantemente. Mente quem diz que sempre seguiu o mesmo caminho. Fazemos ziguezagues constantes e muitas das vezes damos um passo è frente para a seguir dar dois passos atrás.

Por outro lado, aquele que diz ter sido sempre coerente ou é santo ou não viveu. Mentir e/ou ser incoerente todos fazemos. O que nos distingue é o grau e mesmo este é relativo.

publicado por Hernani de J. Pereira às 13:17

Março 05 2019

Já foi mais, mas ainda é terreno fértil para o surgimento de “quintas” e “quintais” nas mais diversas organizações políticas, sociais e profissionais, desfocando-as do seu objectivo primordial, i.e., acrescentar valor sustentável em detrimento dos interesses instalados e da sua miopia táctica.

Nas circunstâncias actuais, este estado de coisas acentua o definhamento e a entropia, ao minar a confiança mútua e, consequentemente, a criatividade requerida por um contexto em que o business se tornou unusual, exigindo soluções mais abrangentes e participadas.

A procura de um interesse comum, por princípio, deve obrigar todas as equipas de dirigentes a ter uma postura consensual em termos de alinhamento de esforços e recursos. Alinhamento primordial, sem a tendência de eleger culpados, sem entrar no jogo-do-empurra.

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:04

Novembro 10 2014

Cada vez gosto mais de me socorrer de provérbios, uma vez que os mesmos encerram uma sabedoria milenar e, por conseguinte, serem apanágio de uma ligação muito forte ao que quotidianamente observamos.

Por exemplo, António Costa e seus apoiantes não se cansam de dizer que a carga fiscal é extremamente elevada – não deixam de ter razão – e, por isso, é preciso baixar os impostos, tanto mais que isso faria com que os portugueses tivessem, no final do mês, mais dinheiro na carteira o que, consequentemente, faria com que gastassem mais, gerando, deste modo, uma nova dinâmica na nossa economia.

A ideia não é de todo estapafúrdia, bem pelo contrário, apesar de não ser original. Todavia aquilo que apregoa para o país não aplica no concelho que governa, uma vez que o orçamento da CM de Lisboa, hoje apresentado, pressupõe aumento de taxas num montante superior a 60 milhões de euros, o que fará que em 2015 os lisboetas ficarão com menos dinheiro no bolso.

Já gora, a lei determina que os orçamentos camarários tenham de ser divulgados até ao final de Outubro do ano anterior a que respeitam, pelo que, mais uma vez, se registou um incumprimento. Também aqui se pode aplicar o ditado “vêem melhor o argueiro nos olhos dos outros que trancas nos seus”.

Concluindo, podemos, desde já, antecipar o que nos acontecerá se António Costa eventualmente for o próximo primeiro-ministro. Por outro lado podemos também referir que este político é adepto daquele adágio “bem prega Frei Tomás …”

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:30

Abril 03 2014

Com toda a franqueza, digo-vos que, amiúde, me sinto mal neste rectângulo à beira-mar plantado. A falta de coerência e de ética, principalmente na nossa classe política é desesperante. Mas desengane-se quem pense que é apenas nas designadas elites governativas ou em outras pessoas com menor ou maior peso político que tal acontece. Não, no povo, mais ou menos anónimo, entre as classes profissionais ditas mais dignas, entre os estratos sociais (pequeno/médio) burgueses, também tal estado de atitudes e valores está instalado.

O que hoje é assim, manhã é assado. O que ontem era uma verdade indesmentível, jurada a pés juntos, hoje é mentira. Os que estão “em cima “ são uns malandros, uns gatunos, que apenas sabem governar-se à nossa custa. Nós, bem pelo contrário, somos o exemplo vivo da seriedade, da pontualidade e assiduidade, mesmo que chegamos atrasados quase diariamente e, pior ainda, acharmos que é uma enorme injustiça a marcação da respectiva falta quando a ausência, por vezes, ultrapassa uma hora. Somos um modelo de competência, de um desempenho denodado e, até imaculado, que nos impede de ver televisão, de ler, de ir ao cinema, de ter fins-de-semana, etc., etc., apesar de vez em quando nos escapar a boca para a verdade e lá afirmarmos que “seguimos” esta e aquela telenovela, que vimos o filme X, Y e Z, que vamos diariamente ao ginásio ou à dança, que passamos dois ou três dias neste ou naquele local, entre muitos outros lazeres.

Mas voltando aos políticos, pergunto o que move, por exemplo, Bagão Félix? Infeliz ministro das Finanças de um (des)governo presidido por Santana Lopes, nada de assinalável fez. Lembram-se de uma única medida por ele implementada? Nada, zero, nicles! A não ser aumentar desmesuradamente o défice e, por conseguinte, a dívida, no qual teve exímios seguidores – a dupla José Sócrates e Teixeira dos Santos – nada mais recordamos dele. Governo que Jorge Sampaio teve que demitir, tal era a sua inépcia, e que depois deu origem a uma maioria de má memória.

Hoje, excelentemente bem reformado, Bagão Félix é, pelo menos aparentemente, um homem amargurado. Primeiro, porque ninguém fala do seu legado – não se pode falar do inexistente, acrescento eu. Por outro lado, sente uma enorme frustração já que, mensalmente, lhe vão ao bolso retirar umas míseras migalhas da sua choruda pensão. É caso para dizer: lágrimas de crocodilo leva-as o vento.

No entanto, se chorasse sozinho, ainda vá que não vá. Mas aliar-se a indivíduos como João Cravinho, conotado com o sector mais esquerdista do PS, com quem elaborou o Manifesto dos 70, com vista à reestruturação da dívida ou, dito por outras palavras, a solicitação do perdão do que devemos, não lembra ao diabo. E depois dar a subscrever o dito documento a tantas outras personalidades – algumas, entretanto, já fizeram marcha-atrás -, entre as quais Manuel Carvalho da Silva, ex-dirigente máximo da CGTP e comunista confesso! Alguém, a não ser num acto de desespero, se lembraria de algo semelhante?

publicado por Hernani de J. Pereira às 16:25

Julho 12 2011

Se prazeres tenho na vida, há dois que se destacam de forma indelével: a leitura e a escrita. Como é evidente leio mais do que escrevo, apesar de ler, cada vez mais, textos que de escrita só têm o nome. Tendo consciência de que, infelizmente, é o que mais abunda, haja esperanças que um dia …

Como qualquer outro que deixa a sua matriz no papel ou no “ecrã” do computador, desejo que a marca, a pisada indissipável, para além de ficar para sempre registada, contenha utilidade concreta, através de uma funcionalidade distinta, mas sem jamais olvidar a estética e a arquitectura que a palavra deve conter.

Por isso, é constante, apesar de nem sempre o conseguir, a pretensão de desedificar o designado establishment, não receando, de modo algum, romper com o politicamente correcto. Com toda a sinceridade, (re)afirmo que aprecio deveras construir um texto virado do avesso.

Não prescindindo de resguardar invariavelmente a privacidade das fontes ou o carácter mais intimista deste vosso escriba, procuro, porém, oferecer pontos particulares da minha visão, a qual, conforme já, por diversas vezes, referi, não tem pretensão de ser independente, tanto mais que não acredito na existência destes.

Alocando-me, sempre que possível, aos acontecimentos que preocupam a maioria daqueles que se dá ao trabalho de diariamente me ler, procuro fugir da opacidade e do cinzentismo como o Diabo da Cruz. Sendo certo, por incapacidade minha, que não escrevo com a beleza de um arco-íris, também não deixa de ser verdade, que demando com paciência, coragem e entusiasmo persistir nesta nobre tarefa. Paciência para compreender as exigências dos leitores, umas com razão, outras sem fundamento. Coragem em aceitar e enfrentar, quase diariamente, o repto – horas em frente do computador, a alterar e a retocar frases, com avanços e recuos, em suma, o processo normal de alguém que busca a máxima perfeição em tudo. Entusiasmo, sentimento comum a quem escreve com gosto, que indaga em cada palavra, por vezes insegura, encontrar a segurança necessária para continuar.

Tentando desnudar-me do revestimento que, amiúde, me querem colocar, procuro insistentemente a coerência. O que hoje, para mim, é assim, não é assado amanhã. De modo algum aceito tudo, pois se pouco tenho para deixar aos meus vindouros, pelo menos que esse pouco seja de alguém para quem os actos e as palavras têm peso de ouro. Bem sei que está em desuso, mas continuo a ter incessantemente presente que os fins não podem justificar todos os meios.

Cada “escavação” para a divulgação dos factos provoca um acontecimento no espaço envolvente. Todavia, é, bem o sei, desta forma e a partir daqui que todas as áreas se articulam, sendo, por isso, um ponto central da formação do eu e uma forma de estar na vida.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:44

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Julho 2024
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


arquivos

Julho 2024

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
blogs SAPO