O meu ponto de vista

Junho 29 2014

A vida é, como habitualmente se diz, feita de altos e baixos, ciclos e contraciclos, de tal modo que, como os nossos amigos brasileiros dizem, num dia podemos estar na fossa, como no dia seguinte estar com o astral no máximo.

Ainda que os efeitos desta revolução individual só possam ser avaliados dentro de algum tempo, restam, desde já poucas dúvidas de que, como usualmente, o ónus mais gravoso do esforço de reconversão já foi ultrapassado. Mais dias prazenteiros, melhor distribuição dos sacrifícios, maior flexibilidade de atitudes e, sobretudo, uma nova alavancagem de compromissos mútuos, essencialmente através de compreensão e carinho.

Todos, sem excepção, necessitamos de novas saídas e de evoluções, factores decisivos para definitivamente deixarmos de assacar aos outros o incumprimento dos nossos objectivos.

Embora a falência de muitos dos nossos projectos se deva principalmente a nós próprios, são poucos aqueles - e em raríssimas ocasiões - que têm a frontalidade de procurar dentro de si o respectivo ajustamento, de modo a consumar o ditado de que “a culpa não deve morrer solteira”. As circunstâncias criadas pelo dramatismo que quase constantemente colocamos no nosso dia-a-dia, deixam pouca margem de manobra para alterar o nosso modus vivendi. E na maioria das vezes, um simples olá, uma mensagem contendo um simples beijo fazem milagres.

Pensem nisso neste resto de domingo meio solarengo.

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:09
Tags:

Maio 25 2014

 

 

 

Um dia destes, por falta de cuidado, morre ...

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:11

Maio 21 2014

O funcionalismo público está a mudar. Quem de perto vive essa realidade sabe que isso é uma verdade indesmentível. Todavia, a velocidade de mudança é, para muitos, excessiva, enquanto para outros é extremamente lenta. E, atenção, que não falo apenas do sentir dos que neste sector diariamente labutam.

As mudanças não residem só no tempo que a administração pública leva a resolver os assuntos dos cidadãos, mas também na forma em como estes são encarados e tratados. Bem, as prioridades também são outras, tal como os argumentos para captar ou perder os melhores talentos.

Está errado quando se nota que se continua a dar, na administração pública – o receio do compadrio a isso obriga -, maioritariamente preferência à formação académica em detrimento da experiência profissional.

Todavia, num estudo recente da Hays Portugal, deveriam existir de entre uma lista de vinte factores que podem determinar a escolha de um candidato, a preferência pela proactividade e o dinamismo como a característica que mais deveria pesar na decisão final, logo seguida da capacidade de adaptação e polivalência, capacidade de trabalho, apetência para trabalhar em equipa, sentido de ética e valores e do potencial de crescimento.

Chegados aqui, é a altura oportuna para perguntar se, na verdade, é isto que acontece nas várias instituições dependentes do Estado. A resposta ainda é, infelizmente, negativa. O oportunismo, a falta de ética, o carreirismo, o “passa a escova”, entre outros maus predicados, ainda ditam muitos lugares. Evidentemente que estes sintomas jamais desaparecerão do nosso dia-a-dia, uma vez fazerem parte da condição humana, mas que é absolutamente necessário que diminuam de forma drástica ninguém tem a menor dúvida.

Por último, acrescento algo que todos já experienciaram: os menos dedicados ao trabalho, os mais mentecaptos, aqueles que se acostumaram sempre a viver à sombra dos outros, quando elevados a determinadas funções são os piores, i.e., exigindo tudo de todos e de um modo tão “miudinho que até faz cócegas”.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:59

Maio 15 2014

Não existe ninguém que não goste de ser bem recebido. Aliás, é dos livros, que o primeiro encontro, a primeira recepção, o primeiro cumprimento e/ou olhar são fundamentais para o futuro das relações entre seres humanos.

Não há nada como deambular um pouco ao acaso, conhecer um pouco melhor, senão todos, pelo menos a maioria dos locais do mapa e verificar que há, em cada canto, sempre algo para descobrir, seja na arte de bem receber, na gastronomia que nos é servida, naquela paisagem inolvidável que jamais esquecemos ou ainda nos momentos que passámos com esta(s) ou aquela(s) pessoa(s).

Somos o que somos, fruto da depuração de gerações que nos antecederam, mas também – e, sobretudo, acrescento eu - do nosso esforço constante de mutação. Somos história e lugar de estórias. Todavia, tal não nos proporciona, à priori, a nobreza de carácter, i.e., o berço não nos lega o porte, a elegância, o requinte e muito menos a honestidade para reconhecermos os nossos erros e as nossas desvirtudes. Estas características conquistam-se - desculpem-me o modo menos prosaico - pela raça e, principalmente, pelo querer. O privilégio de ser envolvente e sedutor, apesar de ter algo de genético, aprende-se e cultiva-se diariamente.

Um ambiente em que se proporciona terra fértil, por onde se alongam riachos e ribeiras, não pode conviver com um quase deserto, onde a maioria da vegetação de reduz praticamente a cactos e outras plantas silvestres.

O que faltará para a existência de motivos de interesse comuns? O amor à vida e, fundamentalmente, aos outros, na qual deve pautar o rigor, a qualidade, a simplicidade, a sustentabilidade e, especialmente, a procura da excelência.

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:14

Abril 07 2014

O assunto que domina este texto não é, deforma nenhuma, a continuação do anterior, apesar de parecer. Este é, antes de mais, um aviso prévio à navegação, principalmente para aqueles que não gostaram do antecedente, de modo a que não desistam da leitura deste.

Afinal, a segurança não é sinónimo de ausência de risco, mas antes a necessidade de, por nós próprios ou através do amparo proporcionado por terceiros, nos acautelarmos face aos eventuais perigos, sinistros ou infortúnios que a todo o momento podem espreitar. No entanto, e tendo em conta que é limitada a capacidade de, pelos nossos próprios meios, nos precavermos das ameaças a que naturalmente estamos expostos na vida, em matéria de saúde, de emprego, no que toca à habitação, aos veículos ou às finanças pessoais, e ainda no que diz respeito ao desempenho nos negócios – compras, alugueres, acções em tribunal, etc. – é necessário, nos dias que correm, uma preocupação acrescida.

Como se costuma dizer “cuidados e caldos de galinha nunca fizeram mal a ninguém”. Por isso, valorizada tanta pelas famílias como pelos que vivem sós, a garantia de estabilidade é, não obstante os privilegiados, ainda mais premente em conjunturas de crise como aquela com que o país se debate nos mais variados quadrantes. Não é difícil perceber porquê: é nestes momentos de incerteza que os cidadãos ficam mais vulneráveis e, por isso mesmo, mais necessitam de um abraço amigo.

Se em determinados casos, pelo menos aparentemente, os cenários de maior instabilidade económica, social e, sobretudo, emocional, abonam a favor da relação conjugal, há, porém, o reverso da medalha, i.e., não se deve esquecer o que tal panorama pode acarretar. Dito por outras palavras, outras consequências negativas existirão, às quais o bom senso não poderá ficar imune.

A redução do poder de compra, a diminuição dos rendimentos disponíveis, o aumento dos encargos, a pressão fiscal, a precariedade laboral e social, a retracção da economia e o receio perante a ameaça de maior austeridade são obstáculos inequívocos para determinadas atitudes, levando a que as pessoas – tanto individualmente como corporativamente – tenham maior propensão para alterarem os seus valores e padrões de vida.

Contudo, sendo certo que, em determinada medida, estes pressupostos sejam mais ou menos verdadeiros, também não deixa de ser verídico que as pessoas fazem escolhas e adoptam, por vezes, comportamentos incompreensíveis, já que se aqueles são válidos para uma postura, igualmente o devem ser para todo o modo de vida.

Se a desconfiança pode ser mãe de toda a segurança, é correcto também afirmar que certas estratégias e mudanças bruscas no modo de ser e estar, fazendo tábua rasa de todo um passado em que usufruíram muito mais do que deram, levam ao afastamento, à degradação das relações e a perspectivar novos horizontes.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:28

Março 18 2014

Um tema ou um livro pode estar, parágrafo a parágrafo, página a página, cronologicamente muito bem exposto, mas se não revelar as radiografias das personagens, a textura das imagens e, principalmente, a descrição nua e crua, bela ou macabra dos factos, é conveniente, então, que o autor dedique o seu tempo a outra coisa qualquer.

Saber “vender” um texto/livro é desnudar a alma e despojar-se dos talentos. É, em suma, mostrar o lado mais obscuro, não no sentido negativo do termo, mas no eu não descoberto. As palavras escritas devem levar o leitor a testar as suas certezas, a colocar em causa os seus usos e costumes, a procurar se o relatado se adapta ou não a si e se as oportunidades efectivas se coadunam com o seu perfil.

Um autor que não desmistifique o que escreve, colocando na(s) personagem(s) muito de si, não entende a essência da escrita e, acima de tudo, não percebe que terá de haver uma simbiose quase que perfeita entre si e o leitor. Não são estes que apenas se têm de adaptar à forma e estilo daquele, pois há que reduzir as barreiras, sem, no entanto, se aniquilar e muito menos abastardar.

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:08

Março 14 2014

Escrever um texto, mas sobretudo um livro, não um qualquer, não é para arranjar emprego, aumentar o ego e muito para menos para dar nas vistas, bem pelo contrário. Um texto, e muito mais um livro, é para usufruir, levar o leitor a rever-se no seu conteúdo e forma de escrita. Serve, especialmente, para avaliar se aquele, efectivamente, embarca no mesmo destino.

O objectivo âncora deve estar no centro do texto/livro e reunir uma experiência vivida ou ficcionada. A maior ou menor proximidade, semanticamente falando, é claro, muitas vezes não é suficiente para nos cativar. Tudo gira à volta do enredo e suas variadíssimas nuances. Os desafios da escrita, o que fica por dizer, os subentendidos enrolados no emaranhado das palavras, a meta que nos é pré-anunciada deve visar o evento final, exigindo preparação e persistência para ultrapassar os obstáculos, ao mesmo tempo que deve surgir de forma doseada.

Um texto/livro, tal como um filho, deve nascer e crescer pouco a pouco, prosperar os saberes e, simultaneamente, unir os leitores, promovendo a partilha de práticas e informações. A sua estruturação, verdadeira espinha dorsal, pode começar de forma improvisada. Todavia, ou rapidamente ganha corpo e consistência, revisitando este, aquele e aqueloutro lugar, relatando as mais latas vivências, ou enquista e perde o interesse. O seu fim dita o seu início, e vice-versa, por muito paradoxal que tal nos pareça.

(Continua)

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:11

Março 13 2014

Pouco a pouco vou descobrindo novos caminhos, deixando-me levar por eles, enfrentando outros desafios numa conjuntura adversa. Uma grande parte da sociedade reduz a sua actividade para atacar o insucesso profissional e, sobretudo, afectivo, fazendo-o com prejuízo de si própria, esquecendo uma lição básica: as pessoas vivem das relações e não fundamentalmente do dinheiro, por muito que este esteja mais ou menos interligado com aquelas.

Por isso, todos necessitamos de demonstrar capacidade de adaptação, mas principalmente de aceitação dos outros. Alguém com idade para ser considerado pessoa já madura, por muito que tente demonstrar que ainda é teenager, deve possuir conhecimentos actualizados, experiência obtida pela prática e pelo (in)sucesso no dia-a-dia, uma vez que, presume-se, já tenha resolvido grande parte dos seus problemas existenciais e construído soluções, individualmente ou, de preferência, colectivamente.

A eventual rede de contactos que possui é, sem dúvida, uma arma poderosa. Todavia, a mesma é desprezível se não for partilhada, dando fim à sua estanquicidade. É necessário desmistificar que a dificuldade está no outro, quando o foco deve ser colocado no contributo objectivo de cada um.

Ao contrário das pessoas com vista curta, de paixões tipo fósforo, é preciso encontrar, especialmente nestes tempos de crise, outros que, pelo seu contributo assente na experiência e partilha de vida, possuam uma nova postura de estar na vida.

Há que acreditar que, apesar do número de anos aumentar - a lei da vida oblige -, o nosso interesse pela vida e particularmente pelos outros não diminui.

É uma verdade que nem sempre recebemos o que damos. Contudo, não deixa de ser menos verdade que quando nada damos, pouco ou nada recebemos.

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:46

Fevereiro 22 2014

Como não há bela sem senão, nos tempos que correm, é conveniente atentar no que diz, por muito que tente ser persuasivo. Num contexto de trabalho onde os profissionais têm que ser cada mais competitivos, produtivos e proactivos – nem que seja por meio de evidências que nada patenteiam, apenas bajulam -, a utilização de algumas expressões encaradas como críticas pode aumentar o descontentamento entre colegas, ou, num nível mais elevado, à ostracização e dispensa profissional.

Entre a lista de expressões a banir do vocabulário quando se quer ter sucesso e ser bem visto, estão frases que todos certamente identificaremos como recorrentes do quotidiano da instituição ou no relacionamento com colegas e chefias. Por isso, o mais acertado, hoje-em-dia, é não abrir a boca ou, quando solicitado a pronunciar-se sobre esta ou aquela questão, dizer meras banalidades, exprimir que ainda não pensou sobre o assunto ou, então, qual cereja em cima do bolo, elogiar sempre, por muito que não se vislumbrem quaisquer vantagens, bem pelo contrário, saltem à vista desarmada os enormes inconvenientes.

A finalizar, fica o alerta para a proibição plena de certas expressões, como, por exemplo, “o problema não é meu”, “essa não é a minha guerra” ou o fatídico “não me pagam para isso”. Outro modo a evitar é o lamento constante. É necessário mostrar que se é proactivo, procurar ter sempre um sorriso estampado na cara, nem que para isso tenha de fazer “das tripas coração”.

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:32
Tags:

Fevereiro 20 2014

Não existe ninguém que não goste de ser escutado, de ser seguido e até, se me permitem, de ser adulado, pelo menos em termos q.b. Quer estejamos perante amigos, colegas, chefes, independentemente do seu valor e hierarquia, apresentando uma ideia ou formalizando um negócio, há uma linha que separa o sucesso do insucesso: o modo como somos ou não persuasivos na conversa que temos. Mesmo que estejamos a não dizer toda a verdade – já lá dizia o poeta algarvio, António Aleixo: “toda a mentira, para ser convincente, tem que conter um fundo de verdade” – a apresentação eficaz e de alto impacto tem que levar os ouvintes a colocarem-se no lugar de público-alvo e adequar a  mensagem às necessidades destes, as quais, à priori, até podem ser muitas escassas.

E a questão da persuasão também se aprende. A primeira regra é jamais recuar. Mesmo que os factos demonstrem o contrário, é de toda a conveniência não dar a “mão à palmatória”. Quanto muito, deve-se contornar a questão e apresentá-la por um outro prisma, mas sem perder a face.

Existe um denominador comum em qualquer persuasão eficaz: seja qual for a audiência, o tema, o objectivo ou o próprio contexto em que decorre a conversa, deve utilizar-se sempre um discurso que influencie o(s) outro(s), independentemente dos meios, e levá-lo(s) a agir(em) de modo a alcançar os fins. As palavras devem levar o(s) outro(s) a seguirem-no.

 

(Continua)

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:33
Tags:

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Julho 2024
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


arquivos

Julho 2024

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
blogs SAPO