O meu ponto de vista

Janeiro 04 2018

No final  do debate na RTP, entre Pedro Santana Lopes de Rui Rio, continuo mais confuso do que estava inicialmente. O primeiro conseguiu, na primeira parte do debate, encurralar completamente o seu adversário, com a questão das eventuais trapalhadas por si cometidas aquando do seu exercício como primeiro-ministro.

Por outro lado, em termos de escorrimento das palavras, da explanação de ideias, também Santana Lopes levou nitidamente vantagem.

Todavia, talvez devido às tais trapalhadas a que assisti e bem me recordo, não consigo vislumbrar Pedro Santana Lopes como governante máximo do meu país. Tenho muito receio das suas intempestividades e, sobretudo, da sua excessiva vaidade. Está mais maduro, mas ainda não me satisfaz.

Assim, a continuar a nadar neste grande mar de dúvidas, o mais certo é votar nulo/branco no próximo dia 13.

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:19

Agosto 29 2017

Esclareço, desde já, o meu perfeito à vontade para discorrer sobre as declarações de António Costa sobre a presidente do CDS-PP, Assunção Cristas. Como é público e notório nunca fui sequer simpatizante desta força política, pelo que me move apenas as afirmações em si e não qualquer verborreia ideológica.

Imaginam o que o PS, e os seus companheiros geringonçais, vulgo PCP e BE, diriam se alguém do CDS referindo-se a uma dirigente do seu partido, por exemplo a ministra da Administração Interna ou a Catarina Martins, dissesse “aquela senhora”? Caía o Carmo e a Trindade.

O primeiro-ministro foi mal-educado, boçal, rondando a imbecilidade. Só se redimiria com um pedido expresso de desculpas. Mas, como habitualmente, vamos esperar sentados para não nos cansarmos de tanta delonga.

Por outro lado, os partidos da esquerda e esquerda radical, tão lestos a criticar, a maior parte das vezes sem razão, as palavras, actos e modos do PSD e CDS, agora - não estranhamente, é claro – estão calados.

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:28

Abril 21 2017

Tem-se, nos últimos tempos, registado descrispação e descendimento na sociedade? É evidente que sim. Os motivos são fáceis de entender. Por um lado, porque o governo atendeu algumas das reivindicações dos trabalhadores, fundamentalmente do sector público; por outro, porque os sindicatos, os quais como é do conhecimento geral, são comandados pelo PCP, encontram-se anestesiados, por via da amarração deste partido à política geringonçal.

Assim, não é de estranhar que a maioria dos portugueses e até muitos empresários, os quais, de modo algum, comungam das ideias programáticas dos partidos que suportam este governo, se sintam satisfeitos.

Recordam-se das greves, mandatadas por tudo e por nada, sobretudo do sector dos transportes, os quais colocavam sistematicamente o país de pantanas? Pois é! Existiram e infernizaram a vida de muita gente, principalmente a que vive e trabalha nas grandes cinturas industriais. Agora é a paz dos anjos.

O governo de Passos Coelho foi acusado, até à insanidade, de querer ir além da troyka. Não se falava de outra coisa. Bem, este governo foi além dos ditames da CE – veja-se a questão do défice -, demonstrando, pelo menos nas reuniões em Bruxelas, que é um “bom aluno”, e o que acontece? Uma declaração ou outra, perfeitamente inócuas, por parte do BE e do PCP, de modo a que, de hoje para amanhã, não se diga que nem a boca abriram.

Protestos, acções de rua, manifestações é de vez em quando e quanto muito para que se diga que os sindicatos ainda existem e justificar (mal) o muito dinheiro que recebem. Greves? Nem falar nisso é bom. Até arrepia aqueles que ainda há tão pouco tempo faziam prática disso vinte e quatro sobre vinte e quatro horas.

Atente-se nestes dois exemplos. Ontem, António Costa afirmou que, devido à sustentabilidade da segurança social, não podia permitir que os trabalhadores com quarenta anos de desconto se pudessem reformar sem penalização. O Programa de Estabilidade e Crescimento não prevê qualquer actualização salarial dos funcionários públicos durante os três próximos anos. Colocadas estas questões à vista de toda a gente, observaram alguma indignação? O que aconteceria se fosse o PSD a governar?

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:18

Janeiro 17 2017

Só quem nunca geriu ou esteve perto da gestão é que, certamente, não deverá ter muita dificuldade em propor e posteriormente aplicar medidas, sobretudo quando estas começam maioritariamente pelas palavras reposição, limitação ou proibição. As empresas e principalmente os trabalhadores – sim, arrisco dizer trabalhadores – precisam de ferramentas de gestão e trabalho flexíveis. Só quem não conhece o país e o mercado de trabalho é que pode querer, senão desde o primeiro dia quase, um contrato para toda a vida e com bom ordenado.

A polémica instalada sobre a descida da Taxa Social Única (TSU) encadeia-se nesta problemática de emprego e salário. O governo, pretendendo agradar a gregos e troianos – convenhamos que desde o primeiro dia não tentou fazer outra coisa - aumentou o ordenado mínimo em 85 euros em dois anos. O que à partida parece pouco, em termos percentuais é muito. Para compensar desceu, para o patronado, o desconta da aludida TSU.

Se até aqui nada de novo, pois o PS, apesar de saber dos votos contrários do PCP e BE, os quais apenas olham para os salários e preferem uma política de terra queimada a um desenvolvimento sustentado, contava com a viabilização de tal por parte do PSD, isto sem, previamente, ter negociado o que quer que seja, fazendo de conta que os sociais-democratas fossem uns autênticos verbos-de-encher. Ora, como é do conhecimento público, estes, à semelhança do que António Costa tem feito constantemente – é bom recordar o que disse de António José Seguro e a sua actual prática diária – não estiveram por meias medidas, i.e., declararam não apoiar tal medida.

Aqui d’El Rei que cai o Carmo e a Trindade! Mas como é? Negoceia, quando necessita, com os seus parceiros de esquerda, essencialmente para levar por diante a agenda fracturante destes. Todavia, quando necessita do apoio do PSD assobia para o lado e toca de “malhar” e, ainda por cima, acusa-o de incoerência. Sobre isto há que dizer duas coisas: os tempos são diferentes e, conforme dizia Mário Soares, só não mudam os burros. Segundo, incoerência é uma palavra que deveria ser banida do léxico do PS, tantas são as situações em que as suas ideias e práticas são completamente opostas.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:11
Tags: , , , , ,

Janeiro 06 2017

images.jpg

Agradável, divertido, sorridente, moderno, popular e emotivo. Marcelo Rebelo de Sousa (MRS) é, como pessoa, o oposto dos seus antecessores e sobretudo de Aníbal Cavaco Silva. Sempre o foi e, nestes primeiros meses desde que chegou ao Palácio de Belém, mostrou que também quer ser o contrário dos seus antecessores no exercício da função presidencial, apesar de alguns terem uma tendência constante de o comparar única e exclusivamente com o que o precedeu. A memória é curta e em política ainda o é mais

É incomparavelmente mais aberto do que os seus antecessores, que, por vezes, até pareciam ter receio de falar com as pessoas comuns. Ao invés, o actual PR nada como peixe na água no meio do povo. Foi um ilustre professor de Direito, mas isso não o impede de partilhar anedotas e episódios engraçados com os mais humildes, de os ouvir e falar com eles a mesma linguagem de modo que todos compreendam.

Sem dúvida que é um homem afectuoso e simultaneamente muito inteligente. Porém, como não há bela sem senão, muitas vezes, por voluntarismo ou nem tanto como isso, extravasa as suas funções, intrometendo-se na esfera governativa, mais parecendo chefe do executivo que primeiro magistrado da Nação. A sua costela de comentador, que tarda em desaparecer – será que alguma vez o vai abandonar? – leva-o a analisar tudo e todos, amealhando tempo de antena que qualquer outro político gostaria de simplesmente de lhe roçar os pés.

O seu lado frenético e impulsivo demanda-o a querer estar em todo o lado. Do ex-Presidente e fundador do PS, contava-se em tempos, e em termos de anedota, que Deus estava em todo o lado, mas Mário Soares já lá tinha estado. Por isso MRS nunca cumpre a sua agenda oficial. Quando os jornalistas, que cobrem os seus actos, contam ir a dois ou três eventos, no final do dia contabilizam sempre o dobro, senão o triplo.

Bem sabemos que, em termos de popularidade, ninguém rivaliza com ele. Todavia, sei por experiência própria que agradar a gregos e a troianos é impossível. Até Jesus - de quem um dia afirmou que nem que descesse de novo à Terra seria líder do PSD, acabando por ser desmentido por ele próprio -, até Jesus, repito, que foi o Santo que foi não conseguiu agradar a todos, como pensa ele conseguir?

Depois, com toda a franqueza, se existem coisas de que não gosto é da ausência de agradecimento. Bem sei que depois de eleito passou a ser o Presidente de todos os portugueses. E que não deve ter uma postura de facção aceito e aplaudo. Todavia, andar constantemente com este governo ao colo, com encómios perfeitamente desnecessários e, acima de tudo, com a depreciação da actuação do anterior governo, como foi a sua análise relativa ao feriado do 1º de Dezembro, também é demais.

publicado por Hernani de J. Pereira às 14:02

Abril 04 2016

Que o PSD tem andado, nos últimos meses, um tanto e/ou quanto à nora não é novidade para ninguém. Desde que deixou de ser governo que anda à procura do seu tom, do discurso mais assertivo, do ajuste a nível da linguagem, enfim do (novo) lugar que deve ocupar na cena política nacional. Enfim, é algo que facilmente se perde quando se é governo, onde a autoridade natural da governança se impõe, mas que necessita de algum equilíbrio e busca constante quando se passa para a oposição, sobretudo no presente caso, i.e., ganhando as eleições e (re)confirmando-se como o maior partido.

Não se trata, evidentemente, de reorganizar a partir do caos, pois a orfandade do poder a tanto não obrigou. Contudo, há que apanhar alguns cacos e deitar fora muito do lixo nos últimos anos acumulado. Ora, pelo andar da carruagem, vulgo Congresso ocorrido neste último fim-de-semana, não vislumbro nada disso. Não há renovação, não existe aproveitamento de novos carismas, uma vez que as caras são as mesmas. A não ser a elevação de Maria Luís Albuquerque a vice-presidente não vejo nada de novo. E mesmo esta, no meu entendimento, é um erro completo.

Os discursos pobres e a ausência de novas políticas, com alternativas credíveis a apresentar aos portugueses, foi o pão-nosso de cada dia em Espinho. Os barões primaram pela ausência e, por isso, levaram pancada de água a jarra, com excepção de Pedro Santana Lopes, o qual compareceu para animar as hostes, mas que não se atravessará novamente numa candidatura à Câmara de Lisboa. Assim, resumindo, os presentes aos costumes disseram sim e, deste modo, se adia por mais uns meses a única alternativa que restava aos portugueses.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:34

Setembro 30 2014

Os números não espantam e ainda bem que assim é. Numa semana em o primeiro-ministro quase se auto-imolou em lume brando devido às tardias explicações sobre o caso Tecnoforma, permitindo todo o género de especulações, tendo gerado na cabeça de muitos portugueses que algo pouco sério teria, em tempos, acontecido – e sabemos o quanto é fácil arreigar-se uma ideia e o quão é difícil, para não dizer impossível, remover tal –, eis que, no final de domingo p.p. surge um happy end no que concerne às primárias do PS.

O candidato mais desejado pelas hostes socialistas, leia-se António Costa, ganhou com uma margem tão dilatada e num universo de eleitores tal que a contestação, se é que perpassava pela mente de alguns, de todo deixou de fazer sentido. Por isso, a sua entronização como secretário-geral, a ocorrer só lá para Dezembro, por força das normas estatutárias do PS, será apenas uma mera formalidade.

Importa, porém, dizer que se até aqui o putativo candidato a primeiro-ministro pelo partido da rosa à maior parte das questões importantes da vida nacional praticamente disse nim ou respondeu com generalidades, a partir de agora terá de se esforçar muito mais, descer à terra, e apresentar medidas concretas, as quais, certamente, terão que ir muito mais longe de uma hipotética e pouco provável Agenda para a Década.

Acresce o facto de ao não ser deputado e, por essa circunstância, não poder defrontar Pedro Passos Coelho quinzenalmente no Parlamento, ter de deixar essa tarefa para figuras de segundo plano, o que é um enorme inconveniente. Bem, há quem ache isso vantajoso, já que a menor exposição, em princípio, dará origem a menos gafes.

Por fim, uma palavra para o PSD. É por todos evidente que a subida de António Costa ao primeiro plano do PS foi como lhe tivesse saído a fava. A renovada mobilização que se estabeleceu em torno do PS não é coisa para se apoucar, bem pelo contrário. Um novo líder acarreta sempre uma reanimada esperança e, quer se queira quer não, os tempos que correm – ouça-se a voz do povo - não vão de feição para a coligação governamental.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:38

Fevereiro 24 2014

Tal como o outro comentarista, este de grande envergadura, ao qual, este vosso escriba nem aos calcanhares chega – atenção que não o digo por excesso de humildade, mas por ser verdade -, também eu, à última hora, quando circulava na zona do Marquês, observando a paisagem bucólica que a rodeia, decidi comparecer no Congresso do PSD deste fim-de-semana. Bem, diga-se em abono da verdade que do Marquês ao Coliseu é um pulinho e, por isso, a tarefa não foi assim tão árdua.

Vamos, então, aos factos. À semelhança daquele, igualmente compareci, não com o intuito de discursar, de mostrar que ainda não tinha dito tudo sobre as presidenciais ou, por outras palavras, (re)afirmar que até ao lavar dos cestos ainda é vindima, mas única e simplesmente para observar a performance das intervenções, os altos contactos efectuados pelos delegados eleitos do nosso burgo, sem esquecer os “irmãos” que lá estiveram por dever de inerência.

Com toda a franqueza fiquei surpreendido. Bem organizados, qual task force preparada para uma missão específica, foi agradável ver as intervenções de fundo que senão deitaram abaixo aquela mítica sala, pelo menos levaram-na ao rubro. Os presentes para além de ficarem extremamente atónitos com a ousadia, capacidade oratória, talento de dizer assertivamente o que pensa a maioria dos militantes, encantados identicamente ficaram com o profundo pensar do rapaz-maravilha. As palavras ditas, foram ao encontro de soluções simples e, sobretudo, inovadoras, para os problemas complexos que advirão num futuro próximo para o partido e, principalmente, para o país. O pós-troyka foi abordado numa perspectiva de mudança de paradigma e capacidade para executar com qualidade e rapidez as reformas que ainda estão por fazer.

Por outro lado, os contactos foram de um gabarito inigualável. Desde o imprescindível Miguel Relvas, passando pelo Manuel dos Anzóis, foi um constante de acerto de agendas e troca de ideias.

Resta-me endereçar os parabéns pois, a continuarem assim, vão longe!

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:32

Junho 05 2011

Dado o adiantado da hora, mas sem querer deixar de, ainda no dia de hoje, aqui postar um texto que exprima o meu sentir, direi apenas que começa agora a mudança. É hora de acreditar no futuro.

Todavia, quero também afirmar que esta comemoração, onde o chamapanhe tombou sobre as nossas taças, tem um duplo sentido: por um lado a vitória da credibilidade, da honestidade e da fiabilidade, isto é, do PSD. Por outro, o total afastamento de José Sócrates, o que quer dizer o fim do nepotismo, o acabar do compadrio, e sobretudo, o terminus da mentira e da demagogia balofa e serôdia.

Como ouço muitas vezes, e aqui dito com toda a propriedade, "amanhã é outro dia".

Viva o PSD.

Viva Portugal.

publicado por Hernani de J. Pereira às 23:54
Tags: ,

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Julho 2024
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


arquivos

Julho 2024

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO