O meu ponto de vista

Janeiro 24 2021

A pensar nos exames do ensino secundário, a realizar no fim do ano lectivo, bem como na finalização do ensino profissional (EP), o ocorrer na mesma altura, Israel, um dos países, senão o país mais adiantado na vacinação anti-Covid, começou a vacinar esta faixa de estudantes.

A pergunta que se impõe? O que se está a fazer em Portugal nesta ou em outras matérias semelhantes? Nada. Encerram-se as escolas e no que diz respeito ao EP, deixa-se todo numa espécie de limbo, aliás muito facilitador para o governo, como tem sido a sua prática nos últimos meses. Não decide, empurra o problema para a frente com a barriga. Se correr bem colhe os louros, se correr mal, como tem sido hábito, dirá que a culpa é dos portugueses, porque, por um lado, não cumpriram as démarches (mesmo que mal e porcamente amanhadas), ou, por outro, porque não tiveram espírito de iniciativa com vista a fazerem de modo diferente.

No caso concreto do EP, todos sabemos que no final de ciclo, os prazos são extremamente apertados. Há o términus da lecionação dos módulos, há a formação em contexto de trabalho, vulgo estágio, ambos com cumprimento exacto de horas, há a apresentação da prova de aptidão profissional (PAP), sem esquecer que estes alunos também têm direito a participar nos exames nacionais do 12º ano. Concluir tudo isto antes de 31 de Julho é obra.

Ora, em face do actual e do transacto encerramento de escolas, tais prazos encurtam de tal modo que tornam impossível ou quase o cumprimento dos tempos previamente definidos. Contudo, a culpa não pode nem deve ser assacada aos respectivos docentes.

Colocar os professores deste ramo de ensino e as escolas a que pertencem a resolver esta questão é inverter toda a lógica. Quem, sobretudo, por inação e inabilidade política favoreceu este clima que o resolva. Para situações extraordinárias, soluções fora da norma. Aliás, penso que a esmagadora maioria das escolas, com EP, deste país, bem como muito países europeus devem estar a braços com este problema. Há, por isso que, em conjunto, resolver a questão.

Estarem os professores de uma ou outra escola, mais papistas que o Papa, e sem que alguém, a nível superior, lhes pergunte o que quer que seja, a predisporem-se a dar aulas por E@D nestes dias de interrupção e assim continuarem no Carnaval e Páscoa, é aceitarem tudo e mais alguma coisa.

Finalizando, replico uma frase muito conhecida: “quem luta pode perder uma ou outra ‘batalha’. Porém, quem cruza os braços e tudo aceite, perde sempre a ‘guerra’ ”.

publicado por Hernani de J. Pereira às 15:08

Janeiro 21 2021

Prefiro mil dias de ensino presencial do que um só de ensino à distância (E@D), principalmente no que concerne à avaliação. Já o disse e repito: se a aprendizagem por esta via é altamente deficitária, então a avaliação é tudo menos avaliação.

Todavia, neste momento, não vejo alternativa. O número extraordinário de contágios, bem como o excessivo número de mortes que se registam diariamente, sem esquecer que os serviços de saúde já não conseguem responder minimamente às necessidades, leva-me a mim e à esmagadora maioria dos portugueses a dizerem basta. Por favor, encerrem as escolas. Nem mais um dia.

Mas se digo para fecharem, de imediato, as escolas, também avanço de que devem estar o mínimo de tempo encerradas. Que não aconteça como o ano passado em que apenas reabriram para os alunos sujeitos a exame. Não sei se serão necessários trinta, sessenta ou mais dias para que se achate a curva epidérmica. O que sei, é que não será necessário o encerramento até ao final do ano, pois se assim for é o descalabro completo em termos de ensino para uma geração e, sobretudo, para o futuro do país.

Não nos podemos esquecer que os alunos até aos 12 anos em casa obrigam a pelo menos um dos progenitores a também ficar em casa, cujo salário terá de ser pago sem que produza o que quer que seja.

publicado por Hernani de J. Pereira às 11:37

Janeiro 15 2021

Este é um mero exercício, não virtual e muito menos irreal, que, pelo que hoje se viu, é replicado por milhares e milhares de portugueses diariamente.

  • 07h30 – 09h00 – levar o filho ou neto à escola;
  • 09h00 – 10h00 – passar pelo supermercado, independentemente de necessitar ou não de produtos essenciais;
  • 10h00 – 10h30 – passar pela padaria;
  • 10h30 – 11h00 – ir à papelaria comprar o jornal, tabaco e/ou outro produto inerente;
  • 11h00 – 11h30 – abastecer combustível, onde aproveita para dar dois dedos de conversa e tomar café;
  • 11h30 – 12h30 – passeio higiénico;
  • 12h30 – 14h00 – almoço;
  • 14h00 – 15h00 – passear o cão, o gato ou o periquito;
  • 15h00 – 16h00 – passeio higiénico;
  • 16h00 – 16h30 – tempo de descanso (colocar os telefonemas e consulta das redes sociais);
  • 16h30 – 17h30 – buscar o filho ou neto à escola.

No dia seguinte os referidos “trabalhos” (ou outros semelhantes) repetem-se, sendo que ordem dos factores é arbitrária, com excepção do primeiro e do último item

A ver vamos como terminará esta farsa a que chamam confinamento.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:03

Janeiro 11 2021

O debate está na ordem do dia. Que haverá novo confinamento a partir da próxima quinta-feira, algo semelhante ao que vigorou a partir de 13 de Março de 2020, ninguém tem dúvida. Aliás, a estranheza é vir com uma semana de atraso, face ao excessivo número diário de contágios que se verifica actualmente. Mas, em Portugal já estamos acostumados, já que mesmo os casos muito urgentes são resolvidos ao ralenti.

Continuando, o debate está na ordem do dia, não devido ao novo confinamento, já que este é unanimamente aceite, mas sim se este se deve ou não estender às escolas, tal como aconteceu com o referido anteriormente. Segundo os especialistas, o Ensino è Distância (E@D) deve ser implementado para o secundário e ensino superior, uma vez que os alunos destes níveis de ensino já são autónomos, não necessitando, por um lado, da companhia dos pais em casa, por outro, dominam completamente as tecnologias.

Vamos ser sinceros, por muito que custe a alguns docentes, i.e., aqueles que eventualmente terão de vir diariamente para as escolas em comparação com os que deixam de vir: Encerrar completamente os estabelecimentos de ensino, obriga a que a maioria dos pais/encarregados de educação tenham que ficar em casa, agravando um enorme abrandamento da economia e a um esforço muito acrescido por parte do Estado nos respectivos subsídios.

Pessoalmente, como docente do secundário, encontro-me dividido entre o sim e o não. Compreendo que é necessário estancar radicalmente o contágio do Covid-19, pelo que ficar obrigatoriamente em casa é, sem dúvida, a melhor opção. Todavia, o E@D deixou-me muitos amargos de boca, tanto a nível da aprendizagem, como a nível, e sobretudo, da avaliação. Então, esta raiou laivos de imensa ironia e/ou loucura. E acreditem que estou a ser muito benévolo.

publicado por Hernani de J. Pereira às 11:02

Janeiro 06 2021

10 027 é o número de hoje. E olhem que não é um número qualquer, pois representa o maior número de infectados por Covid-19 num só dia. Se estávamos à espera? É claro que sim, já que as celebrações do Natal e Fim-de-ano, bem como os festejos associados, muitos deles gozados à grande e à francesa (e outras nacionalidades), não deixavam outra alternativa.

Não somos especialistas a surfar novas ondas - altas e até gigantes – desde que a lei assim o permita? Fazer compota e entregá-la no vão de escada, vermo-nos através da grossa sebe do jardim, como adiantou um responsável pela saúde, isso não. Recomendações leva-as o vento. Isto sem deixar de pensar que algumas eram completamente ridículas  e rondavam a idiotice.

Bom, bom, apesar de todos o desmentirem, é juntarmo-nos à volta mesa, não importando o número e se vivem diariamente em conjunto, com boa comida e muita bebida, sem esquecer a troca de prendas com abraços e beijinhos à mistura. Já agora, tem alguma piada dar/receber um presente e não retribuir com um abraço/beijo? Não tínhamos feito o teste rápido uns dias antes? E este não foi negativo? Aliás, toda a gente sabe que se se fizer um teste e este for negativo, pelo menos durante quinze dias, pode-se fazer tudo e mais alguma coisa.

Em minha defesa, adianto que passei aquelas duas importantes datas completamente só. Isto por saber que só assim, e se Deus quiser, haverá mais Natais e Fins-de-ano.

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:59

Dezembro 16 2020

Isto não tem emenda. Continua tudo doido. Então não é que agora começou, mas começou mesmo em força, a moda do teste à Covid-19? Os laboratórios não têm mãos a medir e os resultados já vão com oito dias de prazo.

Segundo se diz, toda esta desenfreada correria fica-se a dever às festas natalícias. Alguém se lembrou e depois, tal como a pandemia do novo coronavírus, alastrou-se a muita e muita gente. A ideia de que se testar negativamente por estes dias já pode passar o Natal com quem, quando e como quiser é completamente estapafúrdia e, não tenho a menor dúvida, dará muito maus resultados. Os únicos que ficam a ganhar são os laboratórios.

Caramba, não terão dois dedos de testa para pensar que se hoje acusarem negativo, amanhã podem estar positivo? Contudo, o mais estranho é não haver alguém que lhes faça ver que tal forma de pensar é lapidarmente funesta. Para si, para os respectivos familiares e para toda a comunidade.

Acho que neste momento justificava-se um vacina contra a estupidez.

publicado por Hernani de J. Pereira às 12:21

Dezembro 15 2020

Isto anda tudo louco. Numa altura em que se pede insistentemente que não haja ajuntamentos e/ou concentrações, permite-se estender o primeiro período até ao próximo dia 18, o que leva com haja reuniões de avaliação até ao final do dia 23. Como é evidente, imensos docentes existirão que no dia 24, véspera de Natal, ainda têm documentação para entregar – actas e respectivos anexos, fichas de última hora para preencher, assinaturas, etc., etc.

Pergunto: quando é que estas pessoas terão tempo para fazer compras, ainda que escassas, e preparar a ceia de Natal, mesmo que minimalista? Os centros comerciais vão entupir? Ai vão, vão. Os números da Covid-19 começarão a disparar antes do Natal? Com toda a certeza.

É certo que em Julho, aquando da elaboração do calendário escolar, não se podia prever o estado actual da pandemia. Todavia, para casos excepcionais, medidas extraordinárias. Justificava-se plenamente, desde há semanas, a saída de um despacho declarando o encurtamento do actual período. Por exemplo, as aulas terminariam hoje, dando tempo suficiente para que as avaliações decorressem esta semana. Assim, os docentes e não docentes, bem como os respectivos familiares directos, teriam tempo suficiente para preparar o mais condignamente possível, sem correrias e atropelos, esta tão importante festa familiar.

A Alemanha, com muitos menos casos que nós por 100 000 habitantes, já encerrou as escolas. Mas isso são os alemães que são doidos, responderia o ausente Tiago Rodrigues Brandão.

publicado por Hernani de J. Pereira às 11:40

Novembro 26 2020

O governo, em face da segunda vaga da pandemia provocada pelo Covid-19, decidiu dar tolerância de ponto nos próximos dias 30.11 e 07.12, o que implica o encerramento da esmagadora maioria dos serviços públicos, abarcando como é óbvio, creches e escolas.

Assim, os funcionários públicos com filhos menores de 12 anos, uma vez que ficam em casa com salário garantido, não têm quais quer problemas com o cuidar destes. Agora, imagine que é trabalhador do sector privado, com filhos menores de 12 anos, e que a respectiva empresa decide que todos os seus colaboradores devem trabalhar naqueles dias. Só tem duas hipóteses: ou falta justificadamente, mas não recebe um cêntimo, ou entrega os seus descendentes aos avós, os quais, face à idade de grande parte deles, estão incluídos em grupo de risco.

Como se depreende, dois pesos e duas medidas. Bem à medida dos socialistas e de outros quejandos de esquerda caviar e não só.

publicado por Hernani de J. Pereira às 11:33

Novembro 24 2020

É por demais sabido e todos já compreendemos que legalmente o PCP tem todo o direito de efectuar o seu congresso, juntando centenas de pessoas, senão milhares, no mesmo espaço. Ponto final parágrafo.

Todavia, uma coisa é a legalidade outra é a ética. Não é por acaso que também é do conhecimento geral que nem tudo o que é legal deve ser feito. Momentos, situações existem que levam a que o bom senso nos obrigue a não realizar ou adiar isto ou aquilo. É a experiência de vida que nos ensina tal.

Depois há a questão do exemplo. Quando a esmagadora maioria dos portugueses não pode sair de casa, existem uns tantos e quantos privilegiados que se podem movimentar, do Minho até às ilhas, a caminho de Loures. É evidente que o PS também não sai bem desta história. Se legalmente nada pode fazer, em privado (e não só) poderia e deveria dizer algo. No entanto, a aprovação do Orçamento de Estado falou mais alto. Não é verdade? Mas que parece, parece. E em política o que parece é!

Com isto procuro transmitir que não bato nem baterei no “ceguinho”. O PCP acha que deve realizar o dito evento? Que o faça e com bom proveito. A única atitude que exijo aos comunistas é o de arcar com todas e quaisquer responsabilidades, tanto mais que se trata de realizar um evento num dos concelhos com risco muito elevado, repito, muito elevado, de transmissão do Covid-19.

Façamos, agora, o seguinte exercício, a título meramente exemplificativo: A Igreja Católica decidia marcar uma celebração em Fátima onde eventualmente estariam o mesmo número de pessoas que irão encontrar-se em Loures, apesar de garantir, tal como aquela força política, as mesmas regras de sanidade pública. Uma coisa seria certa: cairia o Carmo e a Trindade. Não haveria jornalista/comentador e achista de vão-de-escada que não proclamasse aos quatro ventos cobras e lagartos, aludindo à inexistência de sentido de responsabilidade.

Por fim, o Chega!. Pode e tem alguma razão em determinados temas que aborda. O mais idiota dos homens, uma ou outra vez, é capaz de dizer uma verdade ou, vá lá, uma meia-verdade. Porém, neste campo é pleno populismo e completo aproveitamento político. Ainda há pouco tempo – não foi há meses, foi há poucas semanas - realizou um encontro/jantar (político) num hotel (de luxo) no Porto, onde estavam todos sem máscara e em pleno convívio social, portanto bem mais perigoso, em termos de contágio, que o próximo congresso do PCP. Quem tem telhados de vidro não atira pedras.

publicado por Hernani de J. Pereira às 12:59

Novembro 17 2020

Todos os dias surgem anúncios para os próximos meses de novas vacinas para combater o Covid-19. E, sem assombro, as de hoje são mais eficazes e, sobretudo, mais fáceis de armazenar, transportar e, consequentemente, diminuindo o risco de logística, que as vaticinadas ontem.

Com fé e muito dose de optimismo acho que é verdade, apesar de também estar consciente que não será a panaceia para acabar de imediato e de vez com esta pandemia que tanto nos assola. Ainda vamos, infelizmente, penar durante muito tempo.

É que, com toda a franqueza, por ora já me dava por satisfeito se houvesse vacina para a gripe disponível nas farmácias para quem, como é o meu caso, o médico ache indispensável.

Há dois meses que eu e milhares e milhares de pessoas continuamos à espera da tão imprescindível vacina, a qual, (pasme-se!!!) o governo afirmou, com pompa e circunstância, ir disponibilizar em quantidade tal que dava até para exportar. Mais: incentivou, por todos e mais alguns meios, a toma desta. Bem prega Frei Tomás.

Afinal, nem para metade dos que a deveriam tomar chegou. Recordam-se de Marcelo Rebelo de Sousa, em troco nu, a ter primazia e a incentivar o gesto? Que ele e a ministra da saúde limpem as mãos à parede!

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:37

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Julho 2024
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


arquivos

Julho 2024

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
blogs SAPO