O meu ponto de vista

Agosto 29 2013

Uma vez que existem muitas pessoas com dificuldade em ler o texto que publiquei no Jornal da Mealhada e cuja digitalização aqui postei, aqui fica o mesmo na sua versão integral.

 

 

PSD-Anadia: o fado continua

 

 

Creiam que não é fácil escrever estas linhas. Seis anos depois de ter dado o melhor de mim – politicamente falando, como é óbvio - dentro da Comissão Política Alargada do PSD-Anadia, imaginam que a última coisa que gostaria de fazer seria o de alinhavar estas palavras. Todavia, o dever impele-me a fazê-lo.

Mas vamos ao início. Como o Presidente da Comissão Política, Dr. José Manuel Ribeiro (JMR), se deve recordar, quando entrou em rotura com o ainda presidente da Câmara, não fui eu que me ofereci para o apoiar e acompanhar na nova jornada que encetou. Foi ele que me convidou.

Esclarecido este ponto, passamos ao seguinte. Durante estes últimos seis anos, não houve iniciativa em que não estivesse presente, tendo em todas elas sido chamado - sim, o termo é este – a fazer intervenções, já que, segundo diziam, falava bem em público. E o certo é que, sem falsas modéstias, os presentes gostavam e aplaudiam, como foi, por exemplo, a indigitação do JMR ocorrida na Curia. Por outro lado, seria pouco curial esquecer de mencionar os diversos artigos de opinião que publiquei no website do PSD-Anadia, os quais mereceram por parte daquele os mais rasgados elogios, algo que muitos daqueles que hoje estão na primeira linha, jamais fizeram.

Até aqui, como se costuma dizer, tudo bem. O problema começou quando se começaram a perspectivar as eleições autárquicas. Aqueles que antes diziam cobras e lagartos sobre o momento político e, sobretudo, da governação, de um instante para o outro, só não se sentavam ao colo um dos outros porque parecia mal. A dança das cadeiras era tal que, num ápice, a mesa da presidência da concelhia até parecia que tinha encolhido.

Numa determinada reunião, falando das próximas autárquicas, alguém, bajulando o JMR, afirmou que só nos restava uma atitude: colocar nas mãos deste todo o processo de elaboração de listas, i.e., dando-lhe plena carta branca. Se me perguntarem se algum companheiro se opôs ou argumentou da necessidade de votação, responderei que não. Abro um parêntesis para dizer que jamais assisti a qualquer votação, mesmo em assuntos cruciais. Voltando à questão, penso, com toda a franqueza, que, naquele momento, a larga maioria dos presentes não lobrigou o que essa decisão poderia acarretar. Pessoalmente, nunca imaginei que tal proposta colocasse todo – sublinho todo - o processo de formação de listas – assembleias de freguesia, assembleia municipal e câmara - nas mãos de uma única pessoa, mesmo que esta contasse com mais dois ou três amigos e familiares para o ajudar nessa tarefa.

Sobre este ponto, estou plenamente convencido que a grande maioria dos presentes pensou, para consigo, que tal proposta não seria seguida à letra ou, quanto muito, tal passar-se-ia nas localidades longe da sua residência, isto é, naquelas cujos conhecimentos eram diminutos. Concretamente, que não fosse indagado sobre a constituição da lista, por exemplo, à Junta de Freguesia da Moita ou de Avelãs de Cima, apesar de até gostar de ter uma palavra sobre tal, não me admirava. Agora, não ser ouvido sobre a minha própria freguesia é que jamais - desculpem-me a expressão menos prosaica - me passou pela cabeça.

O certo é que foi exactamente isso que aconteceu. Não sei o que ocorreu em todas as freguesias, bem como na elaboração das listas aos restantes órgãos autárquicos. Sei, sim, o que aconteceu em Vilarinho do Bairro e em algumas freguesias vizinhas. E foi aqui que o caldo se entornou.

Em Fevereiro p.p. comecei a ouvir que havia convites a fulano A, B e C para a freguesia de Vilarinho, bem como para outras limítrofes. Que fulano tinha recusado e beltrano tinha aceite, citando-se nomes concretos. De tal facto, por nada saber, dei conhecimento a JMR, tendo este afirmado que tudo não passava de boatos.

Mais tarde, nos inícios de Abril, soube pelos próprios que, no próprio lugar em que vivo, havia pessoas a serem convidadas para integrarem a lista para a respectiva junta. Estas, muito admiradas, vieram ter comigo e indagaram porque não tinha participado na comitiva, já que fazia parte da Comissão Política. Engoli em seco, fiz a mais genuína cara de espanto, e afirmei que tudo desconhecia, ou seja, que todo o processo estava a ser “cozinhado” nas minhas costas. No fundo, era o último a saber.

No próprio dia telefonei ao JMR perguntando do porquê de ter sido colocado à margem de todo o procedimento. Respondeu-me que lhe tinham dado carta branca e, por isso, geria como muito bem entendia a questão. Inquiri, de novo, se, entre outros, o seu sogro, igual membro da Comissão Política, tinha sido ouvido, ao que me replicou que sim. Então, interpelei-o do porquê de ser menos que aquele seu familiar. Respondeu-me que não me tinha oferecido para tal tarefa, tendo objectado que durante toda a minha vida nunca tive necessidade de me colocar em “bicos de pés”, pelo que também não seria agora. Mais: sendo ele o líder, devia-o ser, fundamentalmente, em termos de aglutinação, pelo que era sua incumbência chamar-me e não eu a fazer-me convidado.

A partir daí, quebrada que estava a confiança, deixei de participar nas reuniões daquele órgão, dando-lhe conta disso.

Todavia, fiz mais uma tentativa. Assim, tive oportunidade de enviar uma mensagem pedindo-lhe um encontro a sós. Redarguiu, passados uns dias, marcando-me um encontro para o próprio dia da resposta. Em virtude de ter compromissos anteriormente assumidos respondi que não podia, mas que podíamos marcar para dias depois.

Entretanto, soube, de fonte segura, que a formação das listas estava completa, pelo que concluí nada haver a conversar. Isto mesmo lhe transmiti, via correio electrónico.

Eis, pois, em resumo, os factos que deram origem a mais um episódio rocambolesco, impróprio de quem se arvora de uma ética sá-carneirista, costumando, aliás, citar este estadista em todas as suas intervenções, dizendo “a política sem risco é uma chatice e sem ética uma vergonha”. Nota-se!

Mas o que esperar de quem fez toda a sua vida à sombra do partido? Primeiro jotinha, depois jota e agora jota sénior? Bem, se a nível governamental e oposição é assim, porque é que em Anadia havia de ser diferente? Por outro lado, para quem sempre desferiu violentos ataques ao seu adversário de eleição – leia-se o ainda presidente da CMA – acusando-o de prepotente e único decisor, está-se mesmo a ver a diferença.

Por último, serve JMR para presidente da Câmara de Anadia? Pelo exposto, tenho a certeza que não. Todavia, a última palavra caberá aos cidadãos de Anadia.

 

Banhos, 16 de Agosto de 2013

publicado por Hernani de J. Pereira às 23:21

Grande novidade. Anadia vai de mal a pior! E agora, em quem votamos?
Luis Silveira
Luis Silveira a 31 de Agosto de 2013 às 23:10

Esta situação não me admira nada. Como ouvi outro dia, o José Manuel Ribeiro será um político razoável quando se libertar da tutela do sogro. Mas como quem paga é quem manda ...
António L. Simões
António Luis Simões a 31 de Agosto de 2013 às 23:19

Outros comentários surgiram. Alguns não foram publicados por nada acrescentarem ao que já tinha sido dito e comentado, enquanto outros, porém, não o foram face ao seu baixo nível, i.e, porque continham uma linguagem soez, sinónimo de alguém que não convive bem com a liberdade e, sobretudo, com a verdade.

Hernâni de J. Pereira
Hernani de J. Pereira a 6 de Setembro de 2013 às 10:13

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Agosto 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
20
21
22
23
24

25
27
28
30
31


arquivos

Julho 2024

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
blogs SAPO