O meu ponto de vista

Dezembro 11 2012

Ah, o vinho! Esse néctar dos deuses, o qual bebido, diria melhor, saboreado com moderação é um desafio contante ao bom palato. Falar em vinho é falar em vinhedos e em adega. Esta, de certa forma, pendurada naqueles, reparte-se pela preparação, estágio e prova, devendo ser, acima de tudo, um lugar sereno, guardião das melhores relíquias e incrustada no sofrimento vegetal e, sobretudo, no humano.

Bem sei que o tema já aqui foi abordado. No entanto, pela sua importância, nunca é demais voltar ao mesmo, tanto mais que, após as primeiras geadas, é altura de verificar a sua natureza e, se necessário proceder, às devidas correcções.

Como gostaria de um dia poder pegar no volume adegueiro e encastrá-lo sobre uma colina que encimasse as vinhas a perder de vista. Bem sei que é um sonho, mas quem deixa de os ter é porque já morreu! Adega debruçada sobre a propriedade dando a quem mourejasse – eu incluído, como é óbvio, pois sempre tive orgulho nos meus calos – a sensação de que aquela levitava. Contudo, adega que se preze não se resume à superfície. Tanto ou mais importante é a parte subterrânea, com vista a tirar partido da respetiva temperatura, beneficiando, deste modo, a produção do vinho.

Em volta, estejam certos, não me esqueceria da parte ajardinada, reforçando assim a estratégia visual e ajudando a dissimular a dimensão e a imponência espacial do dito volume, aumentando, estou certo disso, a ânsia de desbravar o seu interior.

Um outro pormenor que não faltaria – os meus rascunhos assim o atestam – seria a presença da luz, principalmente no claustro de entrada, tudo a coberto de enormes vidraças onde todo o vale vinhateiro em seu redor pudesse ser, especialmente na Primavera e no Verão, devidamente apreciado. A luminosidade haveria de chegar também de cima, graças às aberturas rasgadas na cobertura, bem como ao nível da própria adega através de rasgos e óculos que assegurassem a permanente relação visual com o exterior.

Falar de vinho e argumentar apenas com a paisagem e a arquitectura em que se pudesse inserir a adega, por muito que esta seja importante, é, digamos no mínimo, extraordinariamente redutor.

Falamos então do vinho, pois é essencial esgrimir sobre algo que quase se pode considerar como sagrado. Este encerra em si sempre uma série de metáforas e simbologias, porque no fundo – não do da garrafa – quando o bebemos vamos sempre à descoberta de algo que não conhecemos, relembrando o ditado “enquanto o vinho desce, as palavras sobem”. Por outro lado, faz todo o sentido misturar a arte com os vinhos, pois já lá diziam os romanos que "fazer vinho é uma arte". Daí o nascimento de um novo cenário a que seu deu o nome de enoturismo. Assim, a par com as provas de vinho coexistem espaços para eventos empresariais e ainda para fins culturais.

Em suma, o mundo do vinho não tem fim, comparando-se ao amor. E ainda bem!

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:26
Tags:

Uma paixão tua, de bom sabor e requinte .
Universo de Paralelos a 11 de Dezembro de 2012 às 20:39

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Dezembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14
15

16
17
19
21
22

23
25
26
27
28
29



arquivos

Julho 2024

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
blogs SAPO