O meu ponto de vista

Março 19 2012

Este texto bem podia intitular-se “Quanto vale contar uma história?”. Contar uma história é contá-la de forma estratégica, permitindo transmitir valores, conhecimentos e construir imagens e reputações. O modelo deve ser sobretudo aplicado para trabalhar a identidade individual, única, do indivíduo ou da situação.

É sabido que se transmitirmos algo em forma de estatística, ou com auxílio de powerpoints, ou ainda recorrendo a outros documentos digitais, apenas conseguimos reter, numa primeira análise, 10% da informação, para mais tarde acabarmos por tudo esquecer. Todavia, no caso de uma boa história – está implícito o ser bem contada -, por norma o ouvinte absorve 90% do que é dito e com a maior das facilidades a reproduz junto de outros.

Hoje, neste dia especial, também eu pretendo contar uma boa história. Não sei se terei arte e engenho para tal. Os sentimentos, esses, eu sei, estão marcados indelevelmente dentro de mim. Transmiti-los, porém, é outra coisa.

A tua história, ou melhor, a nossa história, serviu, essencialmente, para criar referenciais de trabalho, de honestidade, de integridade e de amor à família, os quais, em quaisquer contextos, particularmente nos dinâmicos e/ou turbulentos, em que a incerteza e a ambiguidade alastram, são baluartes inquebrantáveis.

Dizias-me nas tuas palavras, por vezes, rudes, é certo, mas sinceras, que eu tinha de construir um sentido para o alinhamento da minha vida. Que era necessário criar uma linguagem comum, de modo a que o final da história, ocorra ela quando e onde ocorrer, esteja, o máximo possível, prenhe de significado positivo.

Recordo-me daquela vez em que, ainda rapazola, te zangaste – e com toda a razão – comigo. A questão tinha a ver com o modo de aumentar o parco pecúlio que uma família numerosa dispunha. Respondeste-me, num tom de voz bem alto que ainda ecoa, passados que são tantos anos, nos meus ouvidos:

- Posso trabalhar de sol a sol, comendo apenas uma côdea e bebendo água da fonte, mas quando me deitar quero reclinar a cabeça no travesseiro e dizer, conscientemente, meu Deus, trabalhei muito e pouco ou nada ganhei, mas vivi honestamente este dia.

De uma coisa podes ter a certeza. Tal máxima ainda presentemente me guia.

Interrogo-me quotidianamente se te soube compreender. A resposta, marejada de lágrimas, é que nem sempre. Por isso, sei que entendes bem como anseio pela compreensão coerente e que diariamente a procuro. Se a encontro? Setenta vezes sete bato com a mão no peito e exclamo:

- Culpa minha, máxima culpa!

Partiste num domingo. Os teus cabelos brancos, sempre bem penteados e a tua cara bem barbeada – apesar da idade, sempre tiveste vaidade em ti e nos teus – são a recordação de um ser bom. Um grande Homem. Mais adjectivos? Para quê? Poderia dizer muito mais, mas tudo o que mais acrescentasse seria redundante.

Perdoa-me e obrigado por tudo. Por muitos anos que viva, jamais te chegarei a agradecer o muito que, por mim, fizeste.

Sim, eu sei que, afinal, não consegui contar a minha história e muito menos a tua. Insuficiência minha, é verdade, mas, mais uma vez, conto com a tua compreensão.

Até sempre.

publicado por Hernani de J. Pereira às 15:18
Tags:


Amar, é recordar cada momento, sejam eles bons ou menos bons.

A história não foi toda contada, mas faltou pouco....

Parabéns. Bj
AS a 20 de Março de 2012 às 09:30

Há muito que não comento os teus textos, uma vez que deixaste de possuir essa essa funcionalidade no blog, apesar de ter acompanhado a tua escrita. Foi pena que assim tivesses procedido. Por isso, agora pensei duas vezes se o havia de fazer ou não.
Mas vamos ao conteúdo deste post. Excelente texto, denotando uma sensibilidade maravilhosa e mostrando que a saudade continua grande.
Se me permites digo-te que devias escrever mais sobre este teu ângulo. Não quero dizer que a política, a educação e a intervenção cívica não sejam importantes, mas este teu "ponto de vista" por vezes é sublime.
Catarina Ferreira a 20 de Março de 2012 às 10:41

Hernâni, já tinha saudades deste teu tipo de escrita. Esta é a história, conforme tu dizes, que se lê e relê com enorme prazer. Também eu já tive pai. E tal como o teu partiu para o Senhor. Que Deus os tenha na sua infinita mesiricórdia. Continua assim.
Isabel Silva a 20 de Março de 2012 às 10:45

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Março 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

15
17

21
24

25
30
31


arquivos

Julho 2024

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
blogs SAPO