O meu ponto de vista

Agosto 31 2020

Vamos avançando nos estudos, a pesquisa não tem fim e a ciência alarga-se para além dos limites. Para uns é óptimo, uma vez que novas perspectivas se abrem, para outros, porém, é algo que apenas vem confundir o que é simples, ou melhor pretende-se que seja descomplicado: o amor.

Agora, com o (des)norte dos ecologistas, discute-se o amor circular, no seu conceito lato. E como tal deve ser encarado como uma ferramenta preciosa, uma vez mostrar-nos um modelo de desenvolvimento emocional, i.e., que nos permite preservar os recursos naturais, optimizar a produção e minimizar os riscos sistémicos eliminando, deste modo, as ineficiências. É um modelo apelidado por muitos de idealista, mas, defendem os seus progenitores, se falássemos aos nossos antepassados do conceito de telemóvel, também esse seria idealista.

Aduzem aqueles que o crescimento afectivo, baseado no modelo linear de emoções, assenta na dependência de recursos finitos, já que não somos ilimitados, e todos sabemos que, para as comunidades – familiar, grupal, profissional, entre tantas outras –, a palavra dependência gera pânico. Numa amizade circular, as pessoas garantem a sua autonomia através do controlo de cada passo/caminho ao longo das suas vidas. Obviamente que isto representa uma mudança radical na forma como nos relacionamos e nunca será fácil de imediato. No entanto, adiantam, se começarmos a aplicar conceitos de circularidade na escolha dos relacionamentos, no desenho dos nossos objectivos e no reaproveitamento dos nossos carismas, a transição para este novo modelo acontecerá de forma orgânica.

Quanto a mim, que não vou facilmente em cantigas, o elemento-chave, impossível de dissociar deste modelo ou de qualquer outro, é aquele que me tem orientado desde que me conheço: Amar a Deus acima de todas as coisas e Amar o próximo como a mim mesmo. Ponto final!

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:51

Agosto 23 2020

O processo de decisão tem subjacentes sempre duas ou mais opções. Saber, a cada momento, qual a mais acertada é a questão crucial. Aliás, só depois de tomada a decisão final é que se sabe se foi a melhor. E, mesmo assim, restam sempre dúvidas.

Não existem decisões totalmente correctas e jamais se pode argumentar que noutras geografias e/ou em outros casos tudo correu pelo melhor. Basta recordarmos que basta um simples bater de asas de uma borboleta numa determinada latitude para alterar os parâmetros no outro lado do mundo.

Todavia, existem práticas que reforçam a independência da decisão, sobretudo que respeita à aceitação devida de serviços prestados, reduzindo assim o risco de familiaridade excessiva, para além de fortalecer igualmente a capacidade de defesa no caso de desacordo.

Só devemos aceitar missões para as quais tenhamos garantias de independência, dimensão e capacidade. É esta a regra. Aliás, sempre foi. Existem, no entanto, novas regras que vieram reforçar este contexto, desde logo uma maior limitação da natureza dos serviços distintos prestados. Não nos podemos esquecer daquele velho ditado chinês: quando alguém te pedir um peixe, não lho dês, ensina-o … Se grande parte das nossas receitas resultar de dádivas e não de provento próprio, isto compromete a médio/longo prazo a solvabilidade, para além de limitar a possibilidade de autoquestionamento.

É também sob este racional, de limitar as situações potenciadoras de extrema proximidade ou familiaridade, que coloco uma grande ênfase na rotação das relações. E fortaleço ainda o papel da própria qualificação, a qual, mais cedo que tarde, se recolhe especial dividendos.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:16

Agosto 14 2020

Não tenho a menor dúvida que vou ser crucificado na árvore mais alta que os anti-racistas e anti-xenófobos encontrarem por dizer que não há direito de aturarmos o que onze cidadãos marroquinos, do grupo que desembarcou ao largo do Algarve em Junho fizeram, i.e., ao reagirem de “forma violenta” à decisão judicial de os manter mais um mês em Portugal e destruírem alguns equipamentos no centro de instalação temporária do aeroporto do Porto.

Mas não tenho qualquer preocupação sobre tal. Racista jamais fui e xenófobo muito menos, uma vez que o meu percurso fala por mim. Todavia, de modo algum estou disposta a pagar os desmandos daqueles que procuram as nossas terras e não se conformam com os ditames impostos por um estado de direito.

Já agora, onde estão as associações que rasgam as vestes se, por mero acaso, um polícia se encosta a qualquer destes indivíduos? Depois queixem-se de o Chega! aumentar de popularidade!

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:07

Agosto 13 2020

Todos procuramos empreendedores, principalmente entre os amigos, que pertençam a grupos inovadores e, sobretudo, seguros de si mesmos. Por princípio, não procuramos, de imediato, vantagens com tal busca, mas é por demais conhecida aquela máxima que até no Inferno é bom ter amigos. Pertencer a um grupo vencedor, poder andar de braço dado com alguém “mais ou menos importante” é, por muito que hipocritamente não o queiramos admitir, retorno garantido.

Fruto da nossa dimensão, cuja medida é sempre relativa e deve ser sempre feita pelos outros, o know-how e a estratégia que implementamos no dia-a-dia deve oferecer soluções únicas para “conquistar” os outros, entregando-lhes o que de melhor temos. Não falo de finanças e/ou poder, mas sim de rentabilidade assente numa estabilidade emocional, característica que tem levado imensas pessoas a apostar noutras que, para além de não se envergonharem do seu passado, acima de tudo não o renegam. É que só assim se terá futuro.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:34

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Agosto 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
15

16
17
18
19
20
21
22

24
25
26
27
28
29

30


arquivos

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO