O meu ponto de vista

Abril 09 2019

Há uns séculos atrás, na Idade Média, algo muito bem retrato no filme O Nome da Rosa, baseado no livro homónimo de Umberto Eco, os monges sentavam-se à mesa a copiar, meticulosamente, as escrituras. Segundo a sua hierarquia, seria um monge superior que atribuiria o trabalho a cada um, provavelmente dando a primeira página ao discípulo mais hábil e incumbindo os mais velhos, de mãos trémulas, de lerem e conferirem os erros no final do trabalho.

O certo é que apesar da grande evolução de lá para cá, pouco mudou, i.e., os supervisores continuam a assignar trabalhos aos seus recursos humanos, baseados em perfis, aptidões e experiências.

Se até aqui nada de novo, o resultado altera-se quando se sabe hoje-em-dia que todos os processos da cadeia de valor das instituições enfrentam exigências cada vez mais rigorosos em termos de eficácia, introspecção e conhecimentos necessários à manutenção de vantagens competitivas. Ora, dar sempre o mesmo aos mesmos não acrescenta nada, bem pelo contrário. A determinada altura, mais a curto do que a médio prazo, a inovação passa a rotina e esta descamba em desmotivação, com os naturais inconvenientes daí advenientes.

Por isso, se ouve amiúde que são sempre os mesmos. Ouse-se mudar. Não mudar radicalmente, ou mudar algo para que tudo fique na mesma, mas não ter medo da renovação.

publicado por Hernani de J. Pereira às 11:22

Abril 08 2019

Não somos mais que um instrumento colocado ao serviço dos outros, pelo que importa constantemente preparar as condições para uma eficiente e racional cooperação. Aliás, de muito pouco adianta queixarmo-nos quando algo não corre como deve ser. Por um lado, por não valer de nada e, por outro, por não haver alternativa. Ou melhor, alternativa há, mas podem ter a certeza que será sempre pior.

É reconhecida a melhoria de produtividade alcançada nos casos em que fazemos para o que nascemos, do que contrariar o destino. Sei que é bonito dizer que somos nós que fazemos o destino. Só que tal não é inteiramente verdade. Mais: está mais longe da verdade do que da mentira. O que acontece é que muitas vezes adoramos iludirmo-nos.

O caminho de uma direcção não é traçado de um momento para o outro, como quem vira o carro para a direita ou para a esquerda. Até aqui, por vezes, tal acarreta imensos transtornos. Agora imaginem a vida. A mudança de vida é lenta, e não sendo imutável, é inexoravelmente certa. Carecemos, pois, de impulsos, uns certos e outros – infelizmente, por muito que custe admitir, os mais comuns – errados. Para além destes, existem circunstâncias e alterações próprias de quem vive e tenta conquistar lugares pouco conhecidos e muito menos dominados.

De uma coisa podemos ter a certeza: jamais devemos olvidar a criação de condições de rejuvenescimento e melhoria. Como se costuma dizer, tropeçar todos tropeçam. O bom e necessário é, depois das constantes quedas, o levantar logo a seguir.

publicado por Hernani de J. Pereira às 14:13

Abril 05 2019

Estamos todos, de há uns tempos a esta parte, mergulhados na certeza da incerteza. Uma incerteza permanente, que se revela quer no dia-a-dia de todos nós individualmente, com a dúvida sobre o aumento dos preços, com mais um amigo desesperado por encontrar um emprego decentemente pago, com implicações directas nas nossas rotinas, quer nas vidas familiares, quer ainda na vida das instituições, com consequências imediatas na falta de confiança geral e no ambiente, que todos dizem diferente.

Ora, esta incerteza não vai desaparecer pelo menos a breve trecho. E para termos pessoas com sucesso estas têm de ser ágeis e flexíveis, adaptando-se. Uma das formas de promover a flexibilidade é comunicar com o coração, ajudando as pessoas a serem livres para expressar os seus anseios e as suas dúvidas.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:43

Abril 04 2019

Todos sabemos que governar é uma tarefa complexa, a qual exige rigor, profissionalismo, espírito de missão, sentido cívico e, sobretudo, uma profunda visão do futuro. Por isso, não admira que quem governe tente importar uma harmonização do pensamento político com as necessidades de desenvolvimento económico e social sustentado, numa óptica de realismo e pragmatismo face aos recursos disponíveis, aliás sempre e eternamente escassos.

Se todos ou quase todos estamos de acordo com o anteriormente exposto, também não é menos verdade que o actual governo imprimiu um sistema endogâmico, a todos os títulos nefasto, como já tive aqui e aqui oportunidade de referir.

Em todas as áreas de governo, coordenações, institutos públicos e fundos dependentes é um enxame de boys and girls de bradar aos céus. Um nomeia os familiares do colega; este por sua vez chama para o seu gabinete e afins os do outro, e assim por diante, sempre com a lógica de confiança, perfil e sentido de responsabilidade, algo que fica sempre bem na lapela de qualquer jovem turco - e não só - ansioso por ascensão social.

Serão apenas os familiares mais ou menos directos dos actuais governantes que possuem aquelas qualificações?

Por outro lado, há quem defenda este estado de coisas afirmando que quando o governo for “à vida” todos os nomeados serão também “despejados”. Em primeiro lugar, tal não é bem assim para todos e, em segundo, mesmo para aqueles que o forem, estes têm direito a um chorudo subsídio de reintegração. Sendo que os pagantes são sempre os do costume.

publicado por Hernani de J. Pereira às 11:20

Abril 03 2019

A tendência crescente para, a todos os níveis, se passar de um extremo ao outro, i.e., de uma situação onde tudo se paga para a disponibilidade quase gratuita será incomportável e dificilmente produzirá os resultados esperados. Recordo a saúde, o ensino, a justiça e agora os transportes, onde se exige tudo ao preço da chuva, esquecendo que até esta é rara e cada vez mais apetecida.

A primeira vítima será certamente a qualidade, tanto por falta de meios que garantam esta minimamente aceitável, como por estar arreigado a ideia de que tudo o que é grátis não é apreciado.

Indo ao exagero, para uma melhor compreensão, suponhamos que a governança torna todos os seus activos gratuitos. Ora tal, para além de os desvalorizar, hipoteca o futuro a curto prazo e, sobretudo, a médio e a longo. Responder-me-ão que tal se pode contrariar caso se verifiquem fortes e constantes investimentos por parte do Estado, opção que na conjuntura actual parece pouco provável. Não nos podemos esquecer que Mário Centeno não larga “o suculento osso” que é os 0% de défice para o corrente ano, ou mesmo chegar a superavit no próximo.

Face à evidente depreciação de quanto custa os serviços prestados pelo Estado, a propensão será para exigir mais e mais, querendo simultaneamente pagar fiscalmente cada vez menos. Com o ultrapassar, então, o mais que certo estrangulamento. É urgente efectuar a imediata definição política e integrada de objectivos e prioridades. Por outro lado, é também obrigatório exercer uma política pedagógica explicando que é impossível ter tudo e para todos totalmente grátis. Aliás, nem nos regimes colectivistas tal é possível, pois mesmo nestes existem sempre uns que são mais iguais que os outros.

publicado por Hernani de J. Pereira às 11:28

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Abril 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
20

22
26

28
29


arquivos

Julho 2024

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO