O meu ponto de vista

Setembro 29 2017

Em cima da hora de fechar mais uma campanha para as eleições autárquicas, sem tabus, vamos falar delas. É certo que a política jamais deixará de existir. Que anda pelas ruas da amargura é algo que poucos contestam. A culpa é sobretudo dos políticos, mas também dos cidadãos, daqueles que votam e principalmente daqueles que, ano após ano, não colocam os pés numa assembleia de voto, mas não deixam de criticar fortemente quem foi eleito.

Sim, a forma de fazer política alterou-se essencialmente no que concerne ao ónus da sua concretização. Se no passado a responsabilidade parecia exclusivamente das instituições e estas condicionavam a carreia daqueles que as serviam, hoje o gestor público, governamental ou autárquico, está no centro da decisão, devendo contribuir activamente para a prossecução do bem da res publica, o que, infelizmente, em grande parte, não o faz.

O prestígio, a segurança, as condições económicas e a estabilidade de que gozam os nossos políticos deviam, cada vez mais, caminhar para a autoconfiança e o desenvolvimento de competências que se adequassem às necessidades dos governados. É verdade que os políticos, quando querem, são capazes de se superarem, de se adaptarem e de se reconverterem dia após dia e isso, com toda a certeza, não é necessariamente motivado por um descontentamento latente, mas antes por uma vontade indomável de progredir e de bem-servir.

Todavia, os políticos esquecem-se ou fazem-se esquecidos de que têm um histórico, o qual não se confina apenas ao seu passado. Há muito mais futuro pela frente. Fazer política é muito mais que ser presidente ou vereador, tanto mais que ninguém estuda para ser tal. É essencial contribuir para a sociedade, é preciso relacionar-se com os outros quando estes interagem em diferentes papéis, é necessário ganhar mais mundo mesmo sem sair do seu país.

O contributo do político não deve estar relacionado com o vínculo contratual, mas sim com a oportunidade de desenvolver e de ganhar experiência para a colocar ao serviço do bem comum. O que é fundamental é a valorização das pessoas, garantia legal e social, mesmo que se trate de uma experiência temporária. Aliás, a política deve ser a prazo e não uma forma de vida. Ninguém deve ser político, mas estar na política.

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:54

Setembro 28 2017

Os adeptos do F C Porto anteontem 

images 1.jpg

Os adeptos do Sporting e do Benfica ontem

images 2.jpg

Os adeptos destes últimos, no dia de hoje, ao saberem que, para além da derrota que sofreram, a EUFA lhes instaurou processos disciplinares 

images 3.jpg

 

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:00

Setembro 27 2017

As aulas recomeçaram recentemente e com isso um misto de emoções sobressaltou todos aqueles que de mais perto lidam com tudo o que respeita ao ensino, quer sejam alunos, docentes, pais e comunidades envolventes.

É todo um tempo carregado de emoções. A obrigação de retomar horários mais rígidos, o conhecer nova escola, outros colegas e, sobretudo, professores são factores de enorme stresse. Será que sou capaz de corresponder às expectativas que tantos depositam em mim? Esta e muitas outras perguntas, mais ou menos similares, são mais difíceis de responder pelos mais novos. Contudo, todos são afectados.

Aliás, a ansiedade própria desta época pode instalar-se entre a família inteira e, não raras vezes, impede e esconde a alegria de reencontrar os amigos, o gosto de aprender coisas novas e tudo o resto que há de mais significativo na vida de um estudante. É impossível que os pais e os docentes tenham todas as respostas para as questões, que nestes primeiros dias, são levantadas, mas há sempre uma atitude positiva de reforço que pode e deve ajudar aqueles.

Conversar e acompanhar o dia-a-dia, ouvi-los e não somente dar-lhes conselhos contribui de forma exponencial para que os seus descendentes/alunos encontrem o lugar certo nesta nova e tão importante fase da sua vida.

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:55

Setembro 26 2017

A formação técnica está na ordem do dia. Cada dia se encontram mais jovens a apostar nas vias profissionalizantes e nos caminhos da engenharia. O grande problema é que a maioria de ambos os casos padecem de enfermidades que a curto e a médio prazo se pagarão caro. Os primeiros querem ser, acima de tudo, práticos, achando que não necessitam, para isso, de conhecer a mínima teoria. Aliás, por muito que se lute em contrário, muitos destes não são capazes de ter ideias e muito menos escrever uma linha de um texto, sobre o mundo tecnológico que pensam ou querem dominar, sem cometer vários erros. Já os segundos, por presunção ou defectividade do ensino, dão prevalência à teoria em detrimento da prática.

Resultado: o confronto permanente entre quem sabe mas não executa e quem faz mas não sabe porquê nem como.

Contudo, independentemente de uns e de outros, o mundo pula e avança, conforme diz o poeta. Os desafios impostos pela crise, com a impossibilidade de contratar tudo e todos, despertaram nos empresários portugueses a emergência de dotar os seus recursos humanos de conhecimentos especializados que os torne mais eficientes. Por outro lado, a formação – no sentido lato, entenda-se – tem efeitos muito positivos na motivação dos estudantes, que sentem a que a escola/universidade se preocupa com a sua carreira e posterior desenvolvimento profissional.

A dita formação e correspondente desenvolvimento traz benefícios para todas as partes e parece-me impossível que uma parte substancial das nossas escolas, quer sejam secundárias ou superiores, não estejam tão sensíveis a este tema como deveriam estar.

Costuma-se dizer que não existem bons práticos sem o mínimo de conhecimentos teóricos. Já o contrário é possível, apesar de não desejável, bastando lembrarmo-nos daqueles que se dedicam exclusivamente à investigação.

publicado por Hernani de J. Pereira às 13:52

Setembro 25 2017

Por estes dias, dia sim, dia sim, recebemos nas caixas de correio, ou por outro modo, flyers relativos às diferentes candidaturas às presentes eleições autárquicas. Para além do respectivo programa, mais ou menos detalhado, aqueles documentos contêm as fotos dos candidatos.

Até aqui, muito bem. Aliás, é de aplaudir uma vez que sobretudo nestas eleições a cara dos candidatos é primordial. É bom sabermos, através de uma rápida vista de olhos pelos rostos, percebermos que a lista A, B ou C contempla ou não alguém do nosso bairro e/ou aldeia, alguém conhecido a quem tratamos por tu, que diariamente trocamos saudações, que falamos disto e daquilo, que conhecemos e com quem temos ou não afinidades.

O problema surge quando os aludidas listas não identificam – fazem-no propositadamente, por puro sofisma – se os candidatos são efectivos ou suplentes e qual o lugar que ocupam. Todos entendemos que é bastante distinto ser de um tipo ou de outro, bem como se ocupam, por exemplo, o segundo ou o décimo lugar.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:45

Setembro 21 2017

Em Lisboa o candidato do PS às próximas autárquicas, Fernando Medina, quer gerir as escolas básicas e secundárias.

Já no Porto, Manuel Pizarro, igualmente candidato pelo PS, promete levar o "ensino estruturado da música" – seja lá o que isto quer dizer! - a todas as escolas básicas da cidade.

É caso para perguntar: Tiago Brandão e a sua equipe não dizem nada? Até onde vai o desvario dos socialistas? Já não lhes chega o estado a que chegou a actual municipalização da educação? Será que para estes estonteantes políticos, em pleno modo de desregulação da educação, o seu limite é o infinito? Ou será que, reféns da agenda reformista dos seus parceiros de esquerda, também optaram, nesta área, por uma política de terra queimada?

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:21

Setembro 20 2017

... e a culpa não morra solteira, hoje deixo-vos este fabuloso vídeo feito pelo The Guardian. Apesar da narração ser feita em inglês é pefeitamente compreensível mesmo para aqueles que não dominam este idioma.

 

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:23

Setembro 19 2017

Dizer que foi o governo actual que retirou o país do lixo é, para além de absolutamente falso, revoltantemente desmemoriado.

Falso uma vez que senão fossem as medidas extraordinariamente restritivas implementadas – a falta de dinheiro assim o exigia – por Passos Coelho, fazendo cair a inflação de 10 para 3%, tal não seria alcançado.

Desmemoriado por esquecer que quem colocou Portugal no lixo foi o governo do PS, chefiado por José Sócrates.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:15

Setembro 18 2017

O Ensino é daqueles temas envoltos em estigmas e desconhecimento que são rotulados no todo por menos da metade das partes, sobre as quais todos têm opinião, mas muito poucos sabem do que se trata. Estas confusões ideológicas e conceptuais criam imagens difíceis de mudar ou pelo menos de serem ouvidas.

A mudança de perspectiva faz-se como? A mera apresentação de factos, como recentemente os sindicatos de professores fizeram a propósito das últimas colocações, é claramente insuficiente, pois este precedente leva a que não haja informação cabal, mas sim a defesa de posturas baseadas em (pre)conceitos.

Diz o ditado que “onde há fumo há fogo” e apagar o incêndio que recentemente alastrou no Ensino cabe a quem fiscaliza, assim como a quem actua. O associativismo e as instituições são importantes. Contudo, quem está diariamente no terreno não o é menos, bem pelo contrário. Não é demais recordar que não é de um simples fumo que estamos a falar, mas sim de fogo. Misturar estes conceitos é baralhar conversas, utilizar fundamentos sem conhecimento e denegrir a imagem de um sector fundamental.

Quão bacoca é a desvalorização das pessoas que mais contribuem para o desenvolvimento económico e social do país

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:44

Setembro 16 2017

DSC_0011.JPG

Já dizia Camões "todo o mundo é composto de mudança". Pois, mais uma vez, assim é. Novo caminho - faço votos para que seja o último - e, consequentemente, nova etapa. 

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:33

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
14
15

17
22
23

24
30


arquivos

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO