O meu ponto de vista

Julho 28 2017

20257929_904742036343780_3669879815601679271_n.jpg

 

DSC_0002.JPG

 

publicado por Hernani de J. Pereira às 11:18

Julho 23 2017

x.jpg

Costumo dizer que o dinheiro é lixado. Não há como contornar: o dinheiro tem uma importância fundamental na nossa vida e na sociedade em que vivemos. Mas, como todos bem sabemos, a árvore das patacas não existe e as moedas e notas não são elásticas.

É com dinheiro que pagamos as necessidades básicas do nosso dia-a-dia. A casa, o carro, os estudos, o supermercado e tantos outros itens indispensáveis. E também é com ele que concretizamos alguns dos nossos sonhos. Para a maioria das pessoas, a única forma de obter maior poder de compra é através da poupança e de decisões de investimento inteligentes que colocam o dinheiro a “trabalhar para nós”.

Todavia, pessoas existem que para materializar minimamente os seus objectivos mais imediatos necessitam da ajuda de outros. Ora, sabendo-se de antemão que não existem almoços grátis, tal obriga a posturas diferentes.

Não compreender isto é meio caminho andado para o insucesso. Os sonhos conquistam-se e se assim for não existirão impossíveis.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:26

Julho 19 2017

DSC_0034.JPG

Sim, sim, é real. Roam-se de inveja, mas até 31 de Agosto aqui o je só pensa em agricultura, amigos – bem mais em amigas, diga-se em abono da verdade - e praia. Por isso, os postes serão poucos. Habituem-se!

publicado por Hernani de J. Pereira às 17:23
Tags:

Julho 16 2017

p.jpg

Uma das principais razões que leva uma pessoa a tomar a opção de deixar de se sentir bem é a desmotivação gerada pelo facto de não sentir o seu valor reconhecido. Tanto ou mais do que uma palmadinha nas costas, dada de vez em quando, as pessoas valorizam um estado e, sobretudo, quando as fazem sentir como um elemento-chave para o sucesso das relações e jamais como peças de puzzle que podem, a qualquer momento, serem consideradas dispensáveis.

Pode parecer estranho que depois de investir tanto tempo e recursos na identificação, amizade, entreajuda e colaboração para, de um momento para o outro, surja amiúde a negligência, situação, aliás, muito mais comum do que à primeira vista se pensa. São inúmeros os especialistas a teorizar sobre o custo da desvalorização e o impacto que tal escolha tem para os relacionamentos.

Pode uma pessoa que não aprende com os erros afastar os outros? Claro que sim, é a resposta. Qualquer pessoa pretende de quem se relaciona um tratamento em que sinta que faz a diferença. Por isso, o compromisso tende a ser maior se sentirem o reconhecimento pelo seu empenho e uma preocupação com a sua motivação.

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:38

Julho 10 2017

123.jpg

Não, não abram a boca de espanto. Habituem-se a tal pois não é de agora o uso sistemático de subterfúgios por António Costa com o fim de esconder as mazelas da sua governação. O seu problema é que, devido à actual e grave crise, tal medida é mais proeminente e, daí, mais visível.

Acham a análise muito rebuscada? Pois observem que até a presente demissão de três secretários de Estado obedeceu a uma estratégia de marketing, ditada pela análise dos “focus group” criado pelo governo. Como é possível? Bem, basta pensar que era absolutamente imprescindível que a atenção dos media, i.e., da voz pública se virasse para outo lado, deixando, assim, de ter uma atenção centrada nos fogos de Pedrógão Grande e no furto de material de guerra de Tancos.

Não acreditam? Vejam as primeiras páginas dos jornais e as notícias que fazem a abertura dos telejornais. Aqueles que rodeiam António Costa não brincam em serviço e as agências de comunicação, pagas a peso de ouro, que o assoreiam muito menos. Tudo isto foi estudado ao milímetro e apenas aguardava a chegada daquele das suas férias.

Não concordam? Notem, então, que o caso Galp, em que os actuais secretários de Estado cujas demissões apresentaram “agora”, é conhecido há precisamente um ano. Acham que após tantas vozes terem solicitado a sua demissão e tanto tempo passado só agora é que sentiram o apelo à dignidade?

publicado por Hernani de J. Pereira às 13:32

Julho 09 2017

Sim, eu sei que esperavam outra coisa. Porém, pelo inusitado bem como pelo dia, abordarei apenas circunstâncias do amanho que ditou o presente.

Assim, é geralmente consensual nas instituições dizer que todos os desafios actuais requerem trabalho de equipa. Nas escolas, este pensar é, com maior acuidade e de um modo mais assertivo, pela maioria dos docentes, uma forma constante de vida. É que a soma do todo é maior que a soam das partes. Verdade mais que assumida, mas que não é demais realçar.

Esta verdade inabalável tem por vezes pouca representação real se não passar da visão para o único teste comprovador de qualquer teoria organizacional – a sua implementação. Durante muitos e demasiados anos, no desenho das funções estratégicas raramente se representava, como hoje, o papel do professor. Este existia, estava lá, mas estava meio que desactivado, como que me fligth mode.

E porquê? Porque o valor que adiciona numa escola implica que se concentre em desenvolver, lado a lado com a pedagogia, aqueles que são os vectores principais sobre os quais uma instituição consegue evoluir, liderando áreas tão críticas como a formação e desenvolvimento contínuo e a gestão e retenção do talento.

Actualmente, estas preocupações estão presentes na lista de prioridades da maioria das reuniões de docentes e não pensamos sequer que já foi possível viver de outra forma. O grande segredo para a evolução é, e sempre será, o trabalho de equipa, capitalizando nas complementaridades, sinergias, diversidades, conseguindo com isto convergir na solução corporativa óptima que transporte cada uma das carreiras para o seu máximo potencial.

Sabemos o que pode um professor ao ajudar a assegurar que todos os jogadores estejam em campo e com cada vez mais amor à camisola.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:39

Julho 07 2017

A demagogia e a corrupção que imperam hoje-em-dia em Portugal estão a levar-me à exaustão. Anseio por um período de nojo. Sinto a necessidade premente de um espaço temporal em que não visse, ouvisse ou soubesse de casos tão aberrantes como os que tem sido ultimamente notícia.

Desejo colocar a cabeça na almofada e pensar que daí a umas horas acordarei num outro país onde ciclicamente as más notícias não sejam o pão-nosso de cada. Estou cansado e recuso investir na formação e implementação de acções que contribuam para o desenvolvimento de mais catástrofes.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:51

Julho 05 2017

Foram quase mil milhões de euros, mais concretamente 942,7, que o governo cativou o ano passado, de modo a vangloriar-se por quanto é lado que, sem austeridade – mentiroso sou eu e não minto tanto -, conseguiram o mais baixo défice da história da democracia portuguesa.

Para bom entendedor e em português claro, quando se fala em cativar, fala-se em não gastar o que estava programado. Como é evidente, o “poupar” deste modo significa também que existiram necessidades que não foram supridas, obras que não se realizaram e pagamentos que foram adiados para o futuro. Incerto, acrescento eu.

Por isso não admira os carros móveis do SIRESP avariados e cuja reparação foi adiada sine die, o não conserto da rede metálica e a inexistência de videovigilância nos depósitos militares de Tancos, bem como muitas outras situações, umas que nunca saberemos, outras que, pouco a pouco, vamos tendo conhecimento.

Entretanto, não existe qualquer assunção de responsabilidades e o primeiro-ministro vai de férias como nada de grave se passasse.

Os nuestros hermanos gozam connosco, chegando ao cúmulo do El País afirmar que “em Portugal é mais fácil furtar armas de instalações militares do que encontrar iogurtes no frigorífico das nossas casas”. Mas isso não importa nada.

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:49

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
13
14
15

17
18
20
21
22

24
25
26
27
29

30
31


arquivos

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO