O meu ponto de vista

Março 27 2016

 

images.jpg

 (Imagem extraída da Net)

 

CRISTO Ressuscitou, Aleluia, Aleluia, Aleluia.

 

Feliz e Santa Páscoa para todos.

 

publicado por Hernani de J. Pereira às 11:10

Março 26 2016

images.jpg

 (Imagem retirada da Net)

 

Jesus passou deste mundo para o Pai. Deu a Sua vida por nós.

Desde o princípio, foi dando a Sua vida, um pouco todos os dias, àqueles que encontrava. Aos pais, aos amigos de Nazaré, a Pedro, a João, aos discípulos, ao paralítico, a Simão, o fariseu, à mulher que entrou em casa deste dirante o jantar, entre tantos outros.

Agora, a Sua vida foi dada totalmente, completamente até à morte. E dada por todos nós. Todos podemos recebê-la e viver como filhos de Deus. A Sua missão está completa, acabada.

Jesus entra na glória do Pai.

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:54

Março 25 2016

6.jpg

Jesus Cristo quis sofrer e morrer para nos salvar. E morreu de cruz. Meditemos, pois, no seu sofrimento e, sobretudo, na sua entrega por nossa salvação

Hoje, comungando com a dor e morte do Filho de Deus, genufleti e beijei a Sua Cruz, prometendo, simultaneamente, carregar a minha e ajudar os meus irmãos a também suportarem a deles.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:15

Março 24 2016

5.jpg

A Eucaristia é a celebração da Nova Páscoa, i.e., da passagem da morte para a vida. O sinal desta celebração é o banquete, a última ceia. Era o sinal que Jesus Cristo usou para celebrar tão importante acontecimento.

Reunidos à volta da Mesa, com o sacerdote, agradecemos ao Pai, narrando o que Deus fez e faz por nós, apesar das nossas recusas e infidelidades.

Deste modo, a Eucaristia é também celebração da nossa vida e a nossa vida revela o que celebramos na Eucaristia.

publicado por Hernani de J. Pereira às 23:13

Março 21 2016

Não tenho fórmulas mágicas para gerir o que quer que seja. É, porém, este pressuposto que encerra a beleza da actividade. Entre a engenharia mecânica e os recursos humanos há muito mais semelhanças do que possa. Em ambos os casos trata-se de colocar as peças certas no lugar certo para levar a engrenagem a funcionar e a cumprir uma missão.

Por melhor preparado que me sinta e por mais confiante que esteja, nada é infalível e mesmo outros com mais experiência cedem à tentação de perguntar o que não devem. Possuo resiliência, capacidade de liderança, criatividade e espírito de inovação, mas também de habilidade de planeamento e análise estratégica? Claro que sim, responderão a maioria de nós.

Contudo, devo estar consciente de que não existem vitórias consecutivas. Mais: não existe ninguém que consiga crescer sucessivamente sem sofrer qualquer derrota ou ciclo negativo. Os excessos são sempre corrigidos, sejam eles a ganância, a mentira, a arrogância ou o poder.

Existe uma série de paradoxos dos tempos modernos. A prática ensina-nos que a cada acção sucede uma reacção e que o mais difícil desafio passa pelo equilíbrio entre as forças positivas e negativas que, em movimento contínuo, descrevem os nossos ciclos de vida.

A minha vida, como é público, não foi e não é feita através de fórmulas perfeitas. Há muito erro pelo meio, mas também muita tentativa de evolução e melhoria a cada dia.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:40

Março 19 2016

A corrupção não é apanágio somente da direita. A esquerda iguala e, sobretudo, fica com um ónus acrescido de escândalo. O facto de provir de trabalhadores, operários e camponeses não lhes dá, bem pelo contrário, uma moral superior. Quando é para o compadrio, para o “jeitinho” e para o desvio, venham novos ou mais idosos que tanto faz. E depois queixam-se que  a reprovação é contundente?

Acrescenta o mais odioso, se é que se lhe pode dar essa designação:“quando o pobre rouba vai para a cadeia, quando é o rico vira ministro”. Estas palavras não são da minha lavra e, por isso, levam as devidas aspas. Citei, ipsis verbis, Lula da Silva, ex-presidente do Brasil. O homem que de operário passou a líder do Partido dos Trabalhadores. O político que lutou contra a ditadura militar e foi preso. A pessoa que no mais alto posto da governação brasileira - durante oito anos - elevou a economia brasileira a patamares nunca antes alcançados. O indivíduo, quase erigido e venerado santo, afinal não passava de um vulgar cidadão e que cedeu à mais vil tentação: o dinheiro e os males que acarreta, ou seja ostentação, luxo e luxúria.

Caso ficasse por aqui, ainda vá que não vá, conforme diz o nosso povo. O grande problema é que distorcem de tal modo a realidade que são incapazes de posteriormente enfrentarem as consequências dos seus actos. Daí o recurso à teia de influências políticas que durante os seus mandatos soube construir. E, assim, vira chefe da Casa Civil de Dilma Roussef, ganhando imunidade.

O seu grande amigo, em Portugal, José Sócrates é a outra face da mesma moeda. Com uma pequena diferença, i.e., porque presumo que ainda não tenha telefonado ao seu correligionário político, o primeiro-ministro António Costa, a solicitar-lhe um lugar de ministro.

publicado por Hernani de J. Pereira às 18:43

Março 17 2016

Acaba de ser conhecida a nota de imprensa, divulgada pelo ME, a propósito das provas de aferição do 2º, 5º e 8º ano, onde, para além as datas – ufa, até que enfim! -, se pode ler que a execução destes instrumentos de avaliação são, neste ano lectivo, uma decisão do director do agrupamento, depois de ouvido o conselho pedagógico.

Com este calendário, diga-se com toda a franqueza, outra coisa não seria de esperar. Resta saber quantas escolas no país levarão à prática as aludidas provas. Aposto singelo contra dobrado que deverão ser muito poucas, não ultrapassando 20%. Todavia, cá estarei para vos dar conta do número. Aliás, no final de Abril o ME já saberá quantas escolas admitem realizá-las, uma vez que estas terão de comunicar a sua resolução até ao final daquele mês.

Em suma, o que nasce torto, tarde ou nunca se endireita.

 

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:45

Março 15 2016

Vivemos tempos difíceis, onde a incerteza é a coisa mais certa. Há falta de carácter junta-se a inexistência de confiança, já que uma está interligada à outra. E sem confiança não há segurança. E sem segurança não há investimento. E sem investimento não há progresso. E sem progresso aumenta o desemprego, o compadrio e a mentira. E com estas surge a desconfiança. E …

Parece um jogo, qual pescadinha com o rabo na boca. Mas infelizmente é muito mais que isso. É a nossa sina, o nosso fado. Espero somente que o bom senso prevaleça, agora que temos um novo Presidente da República. Espero que a ausência de carácter – eventualmente obnubilado por uma falsa ideia de poder absoluto – não venha a deitar todo o sacrifício a perder.

É o velho ditado que “quem tudo quer tudo perde”. Todavia, até lá, quem perde somos nós todos.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:03

Março 13 2016

Imensas vezes somos confrontadas quando perguntamos porquê, com respostas do género “porque eu disse, porque sim, porque eu quero e porque sei que este é o caminho”. As justificações sucedem-se. Tudo porque queremos que façam o que decidimos, porque sabemos o que está certo ou sentimos que essa deve ser a forma de fazer. Ou, dito de outro modo, porque sou pai, porque sou mais velho, porque sou o chefe.

A gestão de pessoas, a sua liderança e inspiração nunca se baseiam num título, função ou estatuto. Não se extingue numa resposta curta, sem envolver ou ouvir outras pessoas.

Há sempre um “porquê”, e mesmo demorando mais tempo, é obrigatório partilhar esta justificação, dar a conhecer o que motiva a decisão. Não existirá outro caminho? Sim, podemos simplesmente mudar as pessoas, arranjando novas caras e começando tudo de princípio. Um caminho que parece mais fácil, mas que não é necessariamente a solução e que não implica a falta de justificações.

Alguém vai querer saber o porquê, vão perguntar e vão duvidar. Porque as pessoas aprendem, porque têm valor e porque podem existir motivos para hoje não estarem a seguir o caminho, mas estão prontas a mudar.

Se o que até agora escrevi tem alguma semelhança com o que se tem passado algures, aqui bem perto, podem crer, não é mera coincidência. É a realidade nua e crua.

Nada mais natural do que querer mudar. Queremos fazer diferente e de um modo mais assertivo. Mas, antes de trocar as pessoas olhemos primeiro para os processos, tendo em linha de conta a comunicação e encontrando a coesão na diferença, criando equipas de trabalho transversais para que o modus operandi mude e assim exista verdadeira mudança.

publicado por Hernani de J. Pereira às 00:14

Março 10 2016

Ontem, o país, de certo modo, enamorado de Marcelo Rebelo de Sousa (MRS), assistiu à sua entronização como Presidente da República. Muitas aclamações foram feitas, muitos encómios foram produzidos, muita charlatanice foi dita, sobretudo por parte dos jornalistas que ao longo do dia cobriram exaustivamente a cerimónia, e muitas esperanças foram erguidas. Enfim, mais parecia uma coroação que uma tomada de posse de um presidente de uma república laica e multipartidária. E como tudo o que é demais …

Apoiante de MRS desde a primeira hora, ao contrário dos recentes e oportunisticamente convertidos, não levanto as mãos aos Céus à espera de um milagre. Com os pés bem assentes na terra, de uma forma pragmática, apenas espero que seja fiel aos seus desígnios. Para quem pouco espera, tudo o que vier a mais é óptimo. Governar em estado de graça é fácil. O difícil há-de chegar e será nessa altura que se verá a fibra do agora empossado.

A sua bonomia, a sua constante boa disposição, o seu ar familiar e terno são óptimos para afagar o nosso ego. Todavia, todos sabemos que, por muito que as crispações políticas se atenuem, isso não coloca pão na mesa dos portugueses.

Os que hoje lhe sorriem prazenteiramente, bem o sabemos, serão os primeiros a espetar-lhe a faca na primeira oportunidade.

Uma palavra para Aníbal Cavaco Silva. Sou daqueles que também afirma que podia ter acabado a sua carreira política de uma forma menos sofrível. Contudo, por experiência própria, sei que “atrás de mim virá quem bem de mim dirá”. Ditado muito antigo, mas muito certeiro. É ainda muito cedo para julgamentos históricos e, por isso, há que deixar que o tempo consolide a sua memória. Então, quando o distanciamento o permitir, escreva-se o que por bem se entender. Uma coisa é certa: poucos políticos portugueses se podem orgulhar de ter marcado na nossa história contemporânea tal como ele o fez.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:00

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Março 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

14
16
18

20
22
23

28
29
30
31


arquivos

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO