O meu ponto de vista

Setembro 15 2013

O pianista tocava uma música que não me era estranha, mas que, com toda a certeza, não conseguia descortinar. Presumi que fosse Mozart e apeteceu-me perguntar-lhe se, na verdade, assim era. Todavia, deixei-me estar sentado na poltrona, uma vez pouco importar o autor. O essencial era o momento, a quietude, a paz de espírito e a extrema sensibilidade que aquela acarretou e, sobretudo, para onde nos transportou.

Demos as mãos, olhámo-nos nos olhos e, sem darmos por isso, beijámo-nos ternamente sem que os lábios se chegassem sequer a tocar. A sintonia era completa e isso bastava-nos.

A tua água aquecia no copo, o meu conhaque arrefecia no balão. E isso que interessava? O relevante estava noutro âmbito e esse não podia ser repetível e, por isso, havia que aproveitá-lo, pois, conforme se costuma dizer, “aquilo que não fizeres hoje não poderás fazer amanhã”, pelo menos na assunção da verdade de que tudo o que é adiável deixa de ser igual e, principalmente, ter o mesmo valor.

O silêncio gritava palavras ensurcedoras que ecoavam nas vetustas paredes da sala daquele velho palacete. Não necessitávamos de dizer o que quer que fosse, pois o olhar, o toque, as carícias falavam mais que mil palavras.

No silêncio da sala, os acordes do piano continuavam. Nenhum dos outros presentes proferia palavra. Por um lado, por respeito a quem devotadamente se dedicava a algo que realmente ama, produzindo o êxtase dos sentidos, por outro, porque, imaginámos que à nossa semelhança, também para eles a música se sobrepunha às palavras tornando-as supérfluas.

Ao fundo da sala de pé alto, bem ao estilo vitoriano, o pianista continuava deliciado e a deliciar-nos com as suas notas, agora, sem margem para dúvidas, de Chopin. Das três grandes janelas rasgadas de alto abaixo, por entre as cortinas, entrava uma leve brisa, ajudando a arrefecer a cálida noite deste Setembrão quente e abafado. Do lado oposto, três aberturas em arcos ogivais dão para um pequeno bar, onde alguns casais bebericavam cocktails próprios da época. De volta à sala, observámos uma série de conjuntos de poltronas de cor verde, onde nos sentámos. Iluminados q.b. por candeeiros de pé-alto acrescentam o tom romântico ao lugar. No meio uma pequena mesa onde nos serviram as bebidas. A decoração das paredes, sóbria para que não sejamos distraídos do essencial, é feita especialmente à base de faianças antigas. Numa das paredes, um armário em madeira, dos finais do século XIX, inícios de XX, não sei precisar bem, contém uma série de livros antigos sobre as prateleiras, cujas frentes se encontram revestidas de finas rendas, fazendo lembrar as velhas casas senhoriais outrora tão em moda. Um serviço de chá das Índias ocupa a parte inferior, trazendo-nos à memória outras ocupações e outros ambientes, cujas reminiscências, porventura, há muito se desvaneceram. Do tecto, magnificamente trabalhado em estuque, pende um enorme candeeiro de madeira com oito braços, o qual desconfiamos que não acende, mas que, em boa verdade, falta alguma faz.

De vez em quando, aliás muito raramente, trocávamos umas palavras, não que fossem necessárias, mas que a degustação do momento a isso obrigava. Palavras ditas em surdina, mas que o balbuciar dos lábios chegava para entender.

Deixámos o bar cerca da uma da manhã. Esperávamo-nos uma noite em que os nossos corpos acabariam por se desfazer da pouca roupa e se constituíram em autênticos instrumentos musicais, tantos foram os lugares onde tocámos e destes brotaram outros prazeres.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:02
Tags:

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Setembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

18
20
21

24
27

29


arquivos

Julho 2024

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO