O meu ponto de vista

Maio 14 2013

Existem livros e frases que nos marcam. Por exemplo, da pena de Ken Segall chega-nos a obra, ainda não traduzida para português, mas que já se sabe algo, Insanely Simple: the obsession that drives Aple’s success, na qual se fica a saber por que razão uma marca e/ou um líder têm conseguido levar pessoas comuns a realizarem coisas extraordinárias. A receita é simples: porque, no final, se constata que é simples.

Por outro lado, Roger Ficher no seu livro Chegar ao Sim relata-nos que, para chegar a tal estado, alguns tentam impor a sua vontade ou recorrem a truques sujos; outros, porém, para evitar conflitos, permitem todo o tipo de concessões. Recordam, no entanto, que embora as negociações sejam diferentes, os elementos essenciais são sempre os mesmos, i.e., comprar um casa ou assinar um acordo de paz no Médio Oriente têm mais em comum do que, à primeira vista, pensamos”.

Sendo certo que, hoje-em-dia, poucos se podem gabar de que a vida lhes sorri, também não é menos verdade que disparar em todos os sentidos, contra tudo e contra todos, é contra-procedente. Parar, reflectir no que se quer para o futuro e só depois agir é fundamental.

Verdade, verdade é que a crise, ou seja aquilo que nos afecta e nos deixa constrangidos, muitas vezes fora de nós, isto para usar uma referência benévola, é algo não palpável, muitas vezes mais teórico que prático. Aliás, a menção a tal desígnio corresponde muito mais a um estado de alma que a um dado adquirido. Vejam-se, por exemplo, os títulos dos jornais do outro dia, os quais, sem excepção, aludiam a uma “corrida desenfreada na Luz aos bilhetes para a final de Amesterdão”. Mais: o Estádio do Dragão, neste fim-de-semana, para o encontro F.C. Porto – Benfica, estava cheio que nem um ovo, sinal que para determinados casos há dinheiro.

Perguntarão os leitores: mas o que tem o início deste texto a ver com o seu final? Responderei que tem e muito: quando se deseja intensamente uma coisa, o modo de a conseguir torna-se simples. Se, porém, o resultado é o melhor para o próprio ou para o país, isso já é outra conversa!

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:45
Tags:

Maio 13 2013

Começo, com toda a sinceridade, a estar cansado, até ao cotulo da cabeça, desta questão dos reformados e pensionistas. Esta coisa de uns irem para o desemprego, outros diminuírem-lhes, ano após ano, o salário, enquanto aqueles acham que o seu pecúlio é intocável é uma grande chatice, para não dizer que é tudo uma enorme m…

A última que descobriram é de morte. Então, não é que acham que a reforma é igual à propriedade privada e, por isso, inviolável? Esquecem-se, porém, que o dinheiro, para as suas reformas, vem do meu bolso, pelo que, nesta ordem de ideias, o meu ordenado é propriedade deles e não minha. Olhem para a lógica, ou melhor, para a lata destes tipos!

Será que, honestamente, conseguirão responder às seguintes questões: e o meu ordenado também não tem as mesmas prerrogativas? Ou será que apenas eles têm barriga? E os desempregados, para além de terem direito a um emprego, pode-se-lhes cortar o respectivo subsídio ou mesmo terminar com ele?

Já agora, recordando que muitos deles se encontram reformados aos cinquenta e poucos anos, com pensões bem altas, será que me podem dizer, com toda a segurança, quando me reformarei e com que montante? Se não sabem, respondo eu: será aos 66 anos, no mínimo, e com um valor incomparavelmente menor do que actualmente auferem. É justo?

Argumentam que muitos deles são o sustentáculo de filhos e netos. Bem sei que alguns são e serei o último a negar tal. Contudo, indago: e nós? Não o somos em primeiro lugar? Quem acode em primeiro lugar aos seus descendentes? Não serão os pais? Sim, porque quem está no activo, descontando para todos aqueles, também tem filhos. Ou, esquecem-se disso?

Depois vem o Paulinho das “Feiras” dizer que não admite que se crie um cisma grisalho. Oh pá, ofereçam-lhes um frasco de tinta, mas não permitam que os sacrifícios não sejam repartidos por todos. É que se assim não for, até me apetece dizer que mais parece que uns são filhos da mãe e outros da dita cuja …

publicado por Hernani de J. Pereira às 14:09

Maio 07 2013

Falando francamente, afinal, o leilão da electricidade promovido pela DECO foi um autêntico flop. Alguém acredita que um consumidor com contador bi-horário vai mudar de fornecedor só para poupar 1%? E, no final, ficou nos consumidores um sabor amargo, ao saber que aquela associação, por cada lar que mude para novo fornecedor, receberá uma percentagem, tendo sido, aliás, este o motivo da desistência do concurso da maioria dos players existentes no mercado. Bem me avisou pessoa amiga: a DECO há-de ter alguma contrapartida. No fundo, parafraseando ditado antigo: consumidores, consumidores, mas comissão à parte!

Por outro lado, conforme o ano passado escrevi, a queima das fitas promovidas pelas associações de estudantes das várias universidades movimenta milhões. A título de exemplo, em Braga gastar-se-á 800 000, em Aveiro 500 000 e no Porto ultrapassar-se-á o milhão de euros. Depois admiramo-nos de apesar do brutal assassino de um estudante nesta última cidade, o evento não ter sido interrompido? Com tanto dinheiro envolvido, o que queriam? Todavia, outra interrogação se levanta: como é possível, em tempos de tão grave crise, quando são as próprias associações de estudantes a promoverem manifestações contra os cortes orçamentais, aparecer tanto dinheiro? Crise, crise, mas festa à parte!

Pelo seu lado, Luís Filipe Menezes afirmou que nada o travará na sua candidatura à Câmara do Porto. Quer dizer, independentemente daquilo que os tribunais decidirem nada o fará desistir, ou, dito por outras palavras, as decisões dos tribunais, para ele, nada valem. Se isto não é apego ao poleiro, o que será apego? Democracia, democracia, mas poder à parte!

Por fim, reafirmo que sou a favor dos exames no final de cada ciclo, não só a Língua Portuguesa e a Matemática, como a todas as restantes disciplinas do currículo. Todavia, no que estou totalmente contra é a implicação que isso acarreta, i.e., a ausência de aulas para outros alunos, sobretudo para os que também terão que fazer provas externas, como é o caso do 6º e do 9º ano. É bom dizer que exames, exames, mas aulas à parte.

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:46

Maio 06 2013

Ele esperava-a na esplanada, lendo o jornal e bebendo um café. Como assim, havia que matar o tempo com algo. Ao fundo via-se o areal e, mais além, o mar. As gaivotas sobrevoavam os céus, grasnando como que estivessem a chamar por ela. A necessidade em manter a continuidade visual ditou a escolha do local. O magnífico sol que iluminava aquela manhã de sábado, ainda primaveril, é certo, mas já a cheirar a Verão, conferia ao sítio o melhor de dois mundos: de um lado o ambiente cosmopolita da cidade, do outro o telurismo do jardim, simultaneamente sossegado e recatado tanto quanto possível.

De repente, ela apareceu, como do nada viesse, subindo as escadas, devagar, mas com a respiração ofegante e as faces rosadas. Por entre o decote do vestido Versace vislumbrou um soutien preto com rendas cor-de-rosa. Quando a cumprimentou sentiu o perfume do Chanel nº 5, aquele que ela bem sabia ser o seu preferido. Apesar de tantos anos, há odores que não se esquecem.

Todavia, o mais importante foi sentir o seu coração bater descompassadamente quando se encostou a ele. Também não era para menos, pois o (re)encontro, ao fim de mais de trinta anos, assim o ditava. Ele, pelo seu lado, bem sabe que demonstrou o contrário, mas a verdade é que a calma que denotou era, no fundo, só aparente.

Perguntou-lhe se queria tomar algo. Respondeu-lhe que não e, face ao adiantado da hora, foram, de imediato, almoçar. O restaurante, situado nas cercanias, de cujas janelas se via o mar “chão”, serviu-lhes sardinhas assadas com pimentos, acompanhados de um D. Ermelinda, aliás um belo vinho tinto alentejano, não escolhido, certamente, ao acaso. O peixe, apesar da frescura, ainda não possuía o tamanho e a gordura suficiente para, como se diz na gíria, pingar no pão. Contudo, a desejo soube-lhes maravilhosamente. A conversa girou à volta dos acasos da vida, dos amores feitos e desfeitos, da família, principalmente dos filhos, dos amigos de então e, sobretudo, das venturas e desventuras, tendo chegado à conclusão, que, muitas vezes, para ambos, a vida foi mais madrasta que mãe.

A tarde prolongou-se com um breve passeio, assegurando, assim, o ambiente propício para dissolver os restos de tensão que ainda pairavam no ar. Foi a meio deste que, passadas mais de três décadas, se voltaram a beijar. Um beijo profundo, longo, levando-os ao êxtase e facilitador de um premissa-base de todo o dia: recuperar o tempo perdido.

O resto da tarde foi para se voltarem a (re)descobrir. Apesar dos anos e dos filhos, o seu corpo continua igual, firme e seguro de si. No entanto, relevante foi a intensidade com que voltaram, mutuamente, a descortinar cada pedaço do corpo do outro. A roupa rapidamente voou desnudando os corpos frementes de desejo, os lençóis foram amarrotados, as bocas uniam-se a cada segundo, os corpos suados pediam mais, até que …

A tarde foi pequena para uma ânsia acumulada por anos e anos de espera.

O sol já se tinha posto quando se despediram. Na linha do horizonte, por força do ocaso, um raiar avermelhado fazia brilhar de uma cor variada o mar, tantas vezes visto e revisto. Naquele dia, porém, diferente!

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:53

Maio 02 2013

Existe uma máxima que nos habituámos a escutar, escrita por Lampedusa, através da personagem Príncipe de Salinas, no célebre livro O Leopardo: “É preciso que algo mude para que tudo permaneça na mesma”. De facto, no panorama nacional parece que alguma coisa está a mudar, mas, de concreto, pouco ou nada se altera. Veja-se a classe política e os gestores das empresas públicas para termos a certeza que isto é verdade.

São gestores do blocão central que, ora estão nas empresas a facturar milhões, administrando mal e, desculpem-me a expressão menos prosaica, porcamente, ora vão para o governo e vice-versa. Mas são também os políticos, cujo carreirismo é atroz, numa subida de jotinha a jota e depois a sénior, sem fazerem ou exercerem algo de concreto, cuja única experiência é passearem-se pelos longos corredores atapetados do poder, frequentarem esta reunião, aquele congresso, onde botam faladura e aprendem a arte da retórica, isto é, de poderem falar horas e horas a fio, incendiando, se necessário, as hostes mais empedernidas, sem, no fundo, dizerem alguma coisa de palpável.

Outra prova de que Portugal não se compõe e muito menos se recompõe está na verdadeira dança de cadeiras entre os players de legisladores/economistas a actuar entre nós, fazendo deste rectângulo à beira-mar plantado um autêntico nicho laboratorial. Em primeira instância, os erros cometidos – e têm sido tantos - jamais são assumidos e, para agravar, raramente emendados, não havendo coragem para redefinir estratégias de mudança, a não ser para pior, uma vez persistirem na mesma receita.

A ilustrar tal, observe-se a intenção de subir a idade da reforma para os 66 anos, a partir de 2014, não havendo sequer direito a pedir a sua antecipação mesmo que aceite a respectiva penalização, bem como o aumento do número de horas de trabalho – das actuais 35 passar-se-á para as 40 horas – sem que isso acrescente qualquer aumento de ordenado, o que, na prática, configura a diminuição deste.

E depois admiramo-nos do aumento de desemprego?

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:27

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
16
18

22
24
25

26
31


arquivos

Julho 2024

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO