O meu ponto de vista

Março 31 2013

Cristo ressuscitou. Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Louvemos o Senhor!

 

 Uma SANTA e FELIZ PÁSCOA PARA TODOS.

publicado por Hernani de J. Pereira às 10:20

Março 30 2013

O mistério pascal é uma realidade sempre actual e, de modo algum, apenas uma recordação de acontecimentos passados há dois mil anos. A “passagem” que Jesus Cristo efectuou entre nós foi para sempre, dando-nos, deste modo, a possibilidade de vivermos no “hoje” a Sua mensagem.

Hoje, na missa, Jesus repete para nós a mesma refeição, para que a vida por Ele entregue ao morrer na Cruz passe para nós, e para que a nossa vida passe n’Ele e com Ele até Deus nosso Pai.

Bei sei que nem todos comungam. Eu, próprio, há muito que não o faço. Não me perguntem porquê, pois nem eu sei muito bem responder a tal questão. Porém, sei que Cristo também está com aqueles que não recebem o Pão da Vida. Por isso, neste santo dia posso afirmar categoricamente: Jesus, Vós estais comigo e, por isso, quero viver convosco para honra e glória de Deus.

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:55

Março 29 2013

Para a maioria das pessoas, incluindo os crentes, o sacrifício da Cruz é incompreensível, correndo-se o risco de ser, muitas vezes, apenas algo exterior.

Explicar artificialmente a Cruz não é conveniente e, por isso, só tomando parte n’Ela, comungando e carregando-A se pode, um dia, compreendê-La, tendo de estar, simultaneamente, preparados para jamais este dia chegar, sem que isso coloque em causa a Fé.

Só assim será traçado o caminho da Fé e da esperança. Cristo parece, neste dia, “perder” a Sua vida na Cruz. No entanto, bem sabemos que assim não acontece, pois Ele dá a Sua vida na Cruz para que, através d’Esta, os homens possam passar deste mundo para o Pai.

A cruz de cada um, tal como Cristo o fez, deve ser carregada até ao fim. Jamais a devemos jogar ao chão e seguir o caminho mais fácil. Aliás, os trilhos da felicidade jamais foram atapetados. Bem pelo contrário!

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:40

Março 28 2013

Inicia-se, neste dia, mais um Tríduo Pascal. Um tempo de mistério, em que somente a nossa abertura de espírito colocará em relevo a liberdade e a força de Jesus Cristo, no momento em que decide completar a Sua obra, dando a vida por nós.

Prepararmo-nos anualmente para superar o “escândalo” do anúncio que Jesus fez da sua morte é algo que começará por admirar, tal como Pedro o fez, durante a cerimónia de lavagem dos pés, i.e., a força da Sua alma.

Jesus é verdadeiramente alguém! Não é algo abstracto e bem sabemos que imensas vezes não Lhe damos a atenção que merece porque, enfim, incomoda ouvi-Lo. Não é, com toda a certeza, por mero acaso que nos deixou um mandamento novo “amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:47
Tags:

Março 27 2013

Foi, em grande medida, igual a si mesmo, exceptuando a raiva feroz e latente que demonstrou quase sempre. Raramente o vimos sorrir, apresentando o semblante constantemente carregado, magoado e ávido de efectuar ajustes de contas com tudo e com todos.

Não teve quaisquer responsabilidades ou se as teve não foi capaz de dizer quais, sendo que a crise política deve-se, sobretudo, ao PR e à oposição. Só faltou dizer que foi um político completamente eficaz.

Demonstrou um ódio extraordinário ao PR, sobre o qual acha que informar todos os portugueses sobre o PEC IV, sem dizer primeiramente ao primeiro magistrado da Nação, é o correcto. O dever institucional de informar previamente o PR e o principal partido da oposição não passa de fait divers. Informou os portugueses e basta. A desfaçatez tem limites, adiciono eu.

Uma única vez admitiu que esteve enganado: quando todos – PR, PSD, banqueiros, seu ministro das finanças, entre outros - achavam que o país necessitava de um resgaste e só ele pensava o contrário.

Por outro lado, quando os jornalistas não concordaram com JS estavam a fazer a defesa do governo. Onde é que já ouvi isto? Antes de Junho de 2011 era habitual.

É a favor de que a austeridade termine rapidamente e, simultaneamente, deve haver crescimento. Quando lhe perguntaram onde iria buscar dinheiro para isso não conseguiu responder. Pudera, uma vez que tal é impossível. Já agora, admirei o facto de nunca se ter referido à Srª Merkel. Ou melhor, de admiração até não tem nada!

Mais de uma vez aludiu ao gravíssimo ano de 2009. Esqueceu-se, porém, de mencionar que, por sua iniciativa, subiu as pensões e os salários da função pública em cerca de 3%, com o fim de ganhar as eleições. Bem, depois lembrou-se de tal porque os jornalistas assim o questionaram. No entanto, acrescentou que “é fácil falar agora”, argumentando que os outros países também procederam de igual modo. Quando questionado que com tal medida o défice subiu para o dobro, isto é, para 10%, tendo em linha de conta a comparação com os outros países, bloqueou.

Mas lá foi admitindo dois erros: que houve um despesismo excessivo em 2009 e que nunca deveria ter formado um governo minoritário.

Por último, recusou a discussão do caso BPN, afirmando que não é este o melhor momento. Pergunto, eu, uma vez que me acha com cara de parvo: mas, então, quando é?

publicado por Hernani de J. Pereira às 23:08

Março 25 2013

São por demasiadas conhecidas as minhas profundas divergências com o pensamento e, sobretudo, com a prática seguida pelos governos de José Sócrates. Escrevi e voltarei a fazê-lo, tantas vezes quantas as necessárias, “apesar de não ter sido o único, foi um dos maiores coveiros de Portugal”. Muitíssimas das provações que actualmente passamos devem-se ao seu desvario.

Todavia, uma coisa foi a sua praxis, outra, bem diferente, é a sua liberdade. Nesta ordem de ideias, por muito que custe aos meus amigos, alguns insuspeitos de ligação ao meus ideais políticos, não posso, de modo algum, concordar com a limitação da daquela. E isto aplica-se a fulano A ou sicrano B, pois a não ser assim, a maioria dos comentadores estaria banido dos nossos meios de comunicação social, essencialmente, da televisão.

Mais: estando, em termos de share, a RTP em baixa e sendo os custos desta emissão gratuitos ou quase, bem como tendo em perspectiva, como, aliás, lhe é devido e pedido insistentemente, o aumente as audiências, mais não faz que a sua obrigação. Proceder de outro modo é que seria de estranhar.

Agora, a verdade é que não sei quem lançou, nas redes sociais, a questão de impedir ou reforçar a ida do ex-primeiro-ministro à RTP. Contudo, de forma voluntária ou não, o certo é que esta estação de televisão deve estar a esfregar as mãos de contente, pois as audiências, nesse dia, aumentarão e de que forma. Será exponencial e tudo graças à publicidade dada por aqueles que o não queriam.

Com esta posição não quero dizer que concorde com o regresso de José Sócrates à ribalta política. Bem pelo contrário. Pois, por um lado, acho que os portugueses não têm uma memória assim tão curta, por outro, por ter plena consciência de que o período de “nojo” que aquele se deveria resguardar está muito longe do seu fim. Resumindo: que tem todo o direito, tem; que eticamente, ou melhor, moralmente é condenável, é a mais pura das verdades.

publicado por Hernani de J. Pereira às 17:23

Março 14 2013

Chega um momento do ano em que é raro o dia em que não pensamos ou falamos de férias. Ou porque os dias começam a ser maiores, ganhando outra luminosidade e, pelo menos durante o dia, mais quentes ou porque a natureza inicia um novo ciclo, ou, ainda – este argumento é, talvez, o de maior peso –, porque o cansaço físico e mental se acentua e, por isso, são enviada ao cérebro mensagens contínuas de necessidade de lazer.

Com a nova claridade dia-a-dia a instalar-se, começamos a sentir saudade de partir em viagem, sobretudo para terras mais quentes, deixando em casa as preocupações, para só levar na bagagem a vontade de aproveitar momentos bem passados, seja qual for o destino, cruzando os céus ou os mares.

E se não faltam lugares plenos de interesse lá fora, Portugal dá-lhe inúmeros motivos para viajar cá dentro. Ah, se pudéssemos, não haviam de faltar bons hotéis para descansar, lugares onde os passeios seriam inolvidáveis, ou, então, convidar a família e os amigos para, numa destas tardes solarengas, fazer uma churrascada e conviver no jardim da casa! Que já apetece já, e que faria muito bem ao corpo e à alma, ninguém tem dúvidas.

Independentemente do local para onde se pretenda viajar, com o fim de desfrutar de verdadeiros paraísos plantados à beira-mar, ou para disparar os níveis de adrenalina com um programa pleno de aventura ou até mesmo devorar as iguarias culturais de uma grande metrópole fervilhante, o importante é a leveza de um bom descanso, não reservando, como é lógico, lugar para o stresse.

Agora, acordando e com os pés bem assentes na terra, vamos lá trabalhar. O dever chama-nos e Julho e Agosto ainda vêm longe.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:39
Tags: ,

Março 13 2013

Por muito pecadores que sejam os seus servidores, incluindo o Sumo Pontífice, pois é constituída por homens e, por isso, sujeitos a errar, a Igreja possui um potencial tremendo que não lhe advém apenas da elite cardinalícia, mas da acção do Espírito Santo.

As ideias que defende, a atitude que tem perante a vida e a criatividade que, apesar do seu pseudo-conservadorismo, denota perante os problemas de hoje, fazem dela um refúgio para todos.

Acreditando que a união faz a força, junto-me, apesar do pouco valor que em mim se encerra, ao novo Papa, de modo a que também possa contribuir para o encontrar de soluções para os males deste tempo.

Independentemente da sua nacionalidade e idade, o cardeal argentino Jorge Mario Bergoglio, de 76 anos, o qual, a partir de agora, será designado por Francisco, será o meu Papa, o sucessor de Pedro. A Ele presto homenagem e humildemente afirmo a minha obediência, pois conforme disse o seu antecessor, Bento XVI, a “barca” não é do Primeiro Pastor, nem dos fiéis, por mais santos que sejam, mas sim de Cristo.

Como católico praticante, rezo de modo que Deus ilumine Francisco I, conhecedor como poucos dos males que a Cúria Romana padece, e, deste modo, possa ser o reformador que a Igreja Católica tanto necessita.

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:57

Março 12 2013

Poucos haverá que possam dizer o contrário e, por isso, pode-se afirmar que o sentimento generalizado de perda de direitos, que se está a instalar no dia-a-dia dos portugueses, ameaça evoluir do estado larvar para situações de conflito com consequências imprevisíveis. Aliás, já estivemos mais longe de isso efectivamente acontecer.

Pouco a pouco, as pessoas tomam consciência de que, para além da acentuada perda de emprego e da contracção salarial, outro insidioso tipo de emoções e sentimentos está a minar a auto-estima dos portugueses e a deteriorar a qualidade de necessidades sociais elementares, enquanto assistem diariamente ao gradual descalabro do sonho europeu da sociedade de lazer, qual el dorado, que lhes tinha sido prometido.

Não é por acaso que se tem vindo a solicitar, repetidamente e cada vez com maior insistência, a intervenção do Presidente da República, o qual entre a vontade de elevar a voz, dizendo publicamente o que realmente pensa, e estar calado, lá vai fazendo uns prefácios, em que nas entrelinhas todos tentam descortinar recado para A ou B, mas que, no essencial, pouco ou nada diz.

As probabilidades de resolução de uma crise como a que vivemos, a qual para além das graves consequências económicas, representa também a falência de muitos mitos e das crenças geradas no facilitismo das últimas décadas, residem, em última análise, na capacidade governativa de conjugar a urgência das reformas com a capacidade de dialogar com os governados. Ora, é aqui que a descrença, há uns tempos a esta parte, se começou a instalar. A maioria dos portugueses - e as sondagens demonstram-no inequivocamente, sem esquecer o valor das manifestações – está sem fé quanto ao sucesso terapêutico do processo em curso.

Assim, manda a verdade dizer que tal mal-estar exige uma política de informação que, para além de objectivamente realista, consiga o genuíno envolvimento da sociedade, o que está muito longe de acontecer.

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:10
Tags:

Março 11 2013

Não tenho a certeza, mas acho que o S. Pedro, face à vacatura da sua Cadeira em Roma, anda com muitas outras preocupações e, nessa ordem de ideias, mantém-se um tanto – estou a ser benévolo – alheado do tempo com que nos presenteia. Será que não vê que este clima não se ajusta ao calendário, uma vez estarmos a meados de Março, i.e., a poucos dias do início da Primavera?

Sem querer ser pretensioso, mas para nos colocar em baixo já basta a austeridade que diariamente sentimos, isto para não falar daquela que, segundo, os especialistas, aí virá, mais gravosa, como é, perdoem-me o sarcasmo (!!!), conveniente. Assim, sabendo que, por muito que possamos reivindicar menor desemprego, subida de salários e melhores condições de vida, sem que tal não nos seja concedido, ao menos que o Sol brilhe e a luz seja outra.

Certo é que são raras as pessoas que não andam taciturnas, constrangidas, cansadas de ficar em casa, pois, com este tempo, nem a pé podem passear. Digo a pé, pois ao preço a que estão os combustíveis, é pouco provável usar o carro a não ser para casa-trabalho-casa. Exigimos sair de casa, não apenas para o essencial, ou seja trabalhar ou efectuar outras tarefas inadiáveis, mas também para passear e começar a usar roupas mais leves. Todavia, para isso é absolutamente necessário que o tempo tome outras feições. Aliás, a agricultura também o exige, pois, caso contrário, arriscamo-nos a apanhar batatas em Agosto e a colher milho, feijão e outros cereais em Outubro, isto se entretanto, não voltar a chover.

Queremos sair e encontrar hospitalidade e a simpatia das pessoas, acentuando a diferença entre o que existe de muito belo e o rame-rame do dia-a-dia. Ansiamos pelo conforto do espaço rural, menos enlameado e encharcado que agora, esperando vislumbrar os belos cenários naturais, onde pontuam pequenas lagoas, cascatas e outros elementos da natureza, sem que o frio nos emprenhe horas a fio. Almejamos passear à beira-mar, contemplando o grasnar das gaivotas e o espraiar das ondas, sem que para tal seja necessário estarmos equipados com vestuário polar.

Agora, apesar das nossas reclamações, uma coisa é certa: ainda bem que é Deus a comandar a meteorologia. Imagine-se o que seria se cada um de nós tivesse um papel decisivo sobre esta matéria! Um queria sol na sua eira e o vizinho protestava por não ter chuva no nabal. Há muito que nos teríamos assassinado uns aos outros. Por isso, por muito que possamos reclamar, se pensarmos bem, o Criador – para quem é crente, como é óbvio – fez e continua a fazer as coisas bem feitas.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:45
Tags:

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Março 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
26



arquivos

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO