O meu ponto de vista

Fevereiro 29 2012

Dizermos que ao termos cuidado com a nossa alimentação é o mesmo que estarmos a proporcionar melhor qualidade de vida é algo tão óbvio que quase não vale a pena tecer mais comentários. Na verdade, nos dias de hoje, cada vez mais as pessoas se preocupam em levar uma vida saudável.

Contudo, o ritmo de vida, a falta de prática de actividade física, uma alimentação desequilibrada, o stress, entre outros factores, levam-nos ao caminho da obesidade, celulite, colesterol, diabetes, depressões e tantas outras doenças. E para agravar a questão, a beleza e a estética são presentemente conceitos, que diria, quase ditatoriais.

No entanto, apesar de, hoje-em-dia, pessoalmente ter um cuidado acrescido com a “linha”, como muitos de vós bem sabem, sou um apreciador da boa mesa. O sabor único da nossa cozinha tradicional, acompanhado de um bom vinho, não dispensando, como é lógico, uma bela companhia, fazem desses instantes – podem ser horas – prazeres inolvidáveis. Existem outros, mas esses não vêm, agora, ao caso!

E, sabendo que outras pessoas existem que, num dia ou noutro, não se importam com aqueles ditames, por vezes autênticos traumas, que a sociedade moderna nos impõe, e pensam que também vale a pena “perder” um tempo - por vezes não é pouco - na preparação de um bom prato para depois “ganhar” uns momentos de excelente disposição, saboreando algo digno de um autêntico manjar dos deuses, deixo aqui uma receita que, no p.p. fim-de-semana, tive oportunidade de fazer. A foto ajuda a corroborar o anteriormente exposto. Quanto ao sabor, apenas quando a minha casa vierem.

  

  

Levede-se à volta de um quilo de farinha de trigo. Quem não souber fazer, basta comprar em qualquer supermercado.

Entretanto, cortam-se às rodelas duas cebolas e quatro dentes de alho, deitando-se num tacho com o azeite e mexendo até alourarem. Juntam-se as carnes desossadas - frango, porco, vaca e os mais diversos enchidos e fumados - cortadas o mais finamente possível. Pode-se, se assim o entender, adicionar também cogumelos laminados. Deixam-se cozer até estarem macias, ao que se junta, no final, molho de tomate e piri-piri q.b.

Sobre uma superfície dura, de preferência mármore, estende-se ¾ da massa com auxílio do respectivo rolo e depois de a cortar com as medidas do tabuleiro (40 cm x 30cm), cobre-se o fundo e as paredes deste. Dispõe-se por cima o recheio de carnes e cebolas e cobre-se com a restante massa esticada. Puxam-se os lados da massa sobre a parte de cima e dobram-se as pontas unindo a massa para não deixar escapar o recheio. Finalmente, pincele-se toda a superfície da bola com azeite e leve-se a cozer em forno bem quente, de preferência a lenha como foi o caso.

Esta bola deve ficar muito baixa, não devendo atingir mais do que 3 cm de altura.

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:02

Fevereiro 28 2012

Está na ordem do dia o ataque dos que não conseguem ganhar pela razão dos seus argumentos e tentam levar a “água ao seu moinho” pela persuasão, seja ela na rua, no café ou mesmo na discussão afectiva.

Bem, para não ficar atrás, também Pedro Passos Coelho foi vítima do sistema, bastando para tal lembrarmo-nos do que aconteceu no outro fim-de-semana em Gouveia. O que, aliás, não é para admirar face ao receio que determinadas pessoas apresentam e o nervoso miudinho que denotam possuir.

Já agora, como lamento ver no meio da turba contestatária – os que colocam em causa o pagamento nas ex-SCUT, os sindicalistas do costume, entre outros profissionais da rebeldia – professores, patrocinados pela Fenprof – poderia ser outra organização? -, a chamar nomes ao primeiro-ministro. Que belo exemplo! Alguma vez, neste tipo de manifestações, se viram médicos, gestores, engenheiros e juízes, aqueles a quem os docentes tanto se querem comparar?

Com toda a franqueza, não sei o que conseguem com tais iniciativas. As sondagens continuam a ser favoráveis ao governo, chegando ao cúmulo de três quartos dos portugueses afirmarem que qualquer outro governo não faria melhor que este.

Por outro lado, mudando de tónica ou de agulha, e porque pessoas existem que denotam um interesse desmedido, direi que segredos, como todo a gente, tenho alguns. Nada de importante, i.e., coisa de somenos interesse, mas que, como é óbvio, não os quero expostos na praça pública. Em cada um de nós existe sempre algo que não deve extravasar as fronteiras da nossa individualidade. Agora, que o momento que atravessamos é propício à coscuvilhice e a uma forma de estar na vida que se costuma designar como pidesca, lá isso é verdade. Tanto mais que os alvos são bem precisos.

Por isso ou por outra coisa, não nos podemos admirar da diferente reacção das pessoas, a qual, nos últimos dias e de uma forma extraordinária, se tem modificado.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:45
Tags:

Fevereiro 27 2012

Não é novidade para ninguém, mas mais uma vez aqui vai. Um professor, independentemente do grau de ensino que ministra, tem como missão trabalhar com organizações e indivíduos para identificar, apoiar, promover e relacionar iniciativas e conhecimentos, inspirando e potenciando um mundo melhor. Focado numa missão social, deve pretender, a partir do conhecimento local, alcançar um elevado impacto global.

No entanto, se for seu desejo ir mais além, então deve ser ainda um facilitador da emergência de novos empreendedores, sejam eles de cariz social ou outro, de modo a potenciar o seu embate enquanto catalisadores da mudança. O objectivo final será o de sempre aumentar a eficiência das acções, com o intuito que os alunos cresçam e tenham capacidade de fazer mais e melhor.

Numa outra vertente, o docente deve adaptar as mais diversas ferramentas colocadas ao seu dispor para, através de um empreendorismo com um sentido de missão social muito forte, satisfazer as necessidades concretas da comunidade onde está inserido, procurando inovação, sustentabilidade, impacto e, sobretudo, replicabilidade.

Por tudo isto, no fim da sua carreira, o docente deve ser alvo da justa homenagem, seja ela revestida de uma qualquer índole. Pessoalmente prefiro o modelo antigo, se assim lhe posso chamar, o qual, através de uma comissão, se organizava um jantar e onde, no final, o homenageado era presenteado com uma lembrança que perduraria pelos tempos. Acredito, porém, que nem todos se sintam, hoje-em-dia, confortáveis neste modo de proceder, e daí compreender outras tomadas de posição.

Todavia, repito, independentemente da “veste” de tal acto, manda a verdade dizer que não se devem homenagear uns e votar ao ostracismo outros, como é o caso que aqui recordo. Bem, a não ser que existam razões fundamentadas para tal gesto. Contudo, se assim é, o que acho muito improvável, a mais curial lucidez e o bom senso obrigam que aquelas sejam tornadas públicas, evitando-se, deste modo, juízos errados de valor.

Concluindo, gostaria – eu e muitas outras pessoas - que nos explicassem como é que tantos iluminados pertencentes a um órgão (pseudo)importante embarcam nestes (eventuais) erros. A política do yes man é o que dá!

publicado por Hernani de J. Pereira às 18:30

Fevereiro 24 2012

Como país periférico da bacia do Mediterrâneo, cuja identidade cultural bebe muito da própria matriz desse mar que foi berço de várias civilizações e que se afirma em várias vertentes de forte pendor saudosista, Portugal, cujo povo beneficia de boa imagem de hospitalidade, surge agora - não naturalmente como nos querem fazer crer - como destino de partida, enquanto em tempos próximos era precisamente o contrário. Para isso, basta lembrarmo-nos das levas dos ucranianos, moldavos, russos, entre outros povos de cultura eslava, isto sem falar dos provenientes dos PALOP.

As transições políticas e sociais internas que se operaram nas últimas décadas levaram a roturas sociais evidentes. Todavia, apesar de, por vezes, ser vantajoso a procura de oportunidades em outros destinos, as quais, se aliarem segurança aos próprios desejos, serão sempre úteis, há que ter consciência que aquelas, especialmente, as mais atractivas jamais surgirão de mão-beijada, e que somente serão consolidadas se as (con)firmarmos de forma sustentada.

Já agora, em jeito de rodapé, adoro a hospitalidade lusa, uma vez que cada vez mais se notam pessoas que pensam na existência da possibilidade de conseguir algo sem dar nada em troca, i.e., fazem de cada casa deste rincão um autêntico hotel, onde se servem e/ou são servidas sem parcimónia, fazendo jus àquele ditado bem português “levam no papo e no saco” e, por vezes, ainda têm a desdita de, no final, se “levantarem com o santo e com a esmola”.

 

P.S. – Prometo que, mal tenha oportunidade, coloco on-line os comentários recebidos a propósito dos últimos textos e principalmente do de ontem.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:55
Tags:

Fevereiro 23 2012

Assim o quis e quer. A consistência dos seus pilares determinou o sucesso que alcançou. A vida que almejou construiu-a com base na solidez de competências, no potencial de desenvolvimento e, naturalmente, no mérito dos seus valores que desde cedo lhe incutiram e em boa hora assimilou.

Mesmo com os erros que cometeu e cometerá, sempre que possível, procura e procurará que contribuam para a alteração de alguns paradigmas, excessivamente baseados na confiança e num enorme desvelo em colaborar e ajudar, correspondência que, na maior parte das vezes, infelizmente, não foi e não é mútua.

Quando dimensiona um objectivo preocupa-se, apesar de nem sempre o conseguir, em garantir as respectivas condições de desenvolvimento, para que todas as partes tenham acesso a uma efectiva progressão. A transparência nos processos de evolução, a identificação do potencial e a avaliação de si próprio, são instrumentos essenciais para que a sua vida e a dos que o rodeiam não se situem exclusivamente numa decisão de meros acasos, mas na capacidade e autonomia de doação.

Neste contexto, não é de estranhar a apropriação que faz do papel que pensa, por direito próprio, ser seu. O acompanhamento e suporte ao outro, mesmo descontando os eventuais erros provocados por pouco ou nada receber, permite-lhe uma progressão sustentada e devidamente orientada e, simultaneamente, corrigir as suas expectativas pessoais.

Goste-se ou não, assume-se inequivocamente na criação de valor, principalmente para a construção de relacionamentos interpessoais positivos, fundamentos essenciais para o êxito das performances de todos. Nesta perspectiva, quem assim procede e desafia o destino  … vencerá.

Por via do comportamento, partilha, colaboração, respeito pelos outros, capacidade de percepcionar o máximo de visão global possível, assente na coragem e integridade, bem como orientação para a inovação, é perfeitamente natural que se sinta cada mais ágil na sua actuação.

Todavia, sendo certo que somente identificando os seus dons pode construir o futuro, também não é menos verdade que as expectativas não poderão, de modo algum, comprometer o futuro dos outros. Aliás, a questão da existência de capacidade para esta ou aquela valência não significa – por vezes, é sinónimo do inverso – ser um génio. E mesmo que o seja, sem os outros não se conseguem construir vitórias.

 

P.S. – Para que não restem quaisquer dúvidas, faço votos para que não vejam neste texto algo de auto-biográfico. Bem pelo contrário. Aliás, se repararem bem nem o género da personagem aqui se encontra plasmado.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:00
Tags:

Fevereiro 22 2012

Hoje, quarta-feira de Cinzas, começa oficialmente a Quaresma. Tempo de novação e renascimento, em que o ser humano, na sua pequenez – pois de pó veio e em pó se há-de transformar -,se vira para dentro e da sua fraqueza deverá construir uma fortaleza.

Um período em que a esperança num mundo melhor há-de ser o hino diário, o qual será cantado em hossanas ao Senhor quando ao terceiro dia ressuscitar.

publicado por Hernani de J. Pereira às 23:02
Tags:

Fevereiro 22 2012

Pessoas existem para quem os outros pouco ou nada contam. Por vezes, para a aceitação até parece que somente lhes falta perguntarem se são vacinados contra determinadas doenças. Por outro lado, quase que chegam a indagar se os outros conseguem provar que possuem determinados requisitos para, nesta ou naquela actividade, brilharem. Caso contrário …

É claro que os "talentos", preferencialmente os mais demandados, são instrumentos de múltiplas utilidades que até abrem portões de ferro pesadíssimos, em muitos confins, principalmente naqueles onde o visto mais importante continuam a ser os “almoços grátis”.

Todavia, também por isso não basta dar umas quantas palmadinhas de incentivo nas costas para assumir um apoio que, à primeira contrariedade, cai pelas ruas da amargura.

Os que lhes falta no não reconhecimento do bem sobra-lhes em iniciativas despromocionais. Por isso não é de estranhar a evidente ausência de potencial para se afirmarem por si, restando-lhes apenas o engenho e a arte para se tornarem conhecidas, quanto muito, num núcleo muito restrito, mas jamais pública e automaticamente reconhecidas.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:10
Tags:

Fevereiro 20 2012

Todos ansiamos pelos nossos quinze minutos de fama. Constata-se que, na maior parte das circunstâncias, o êxito significa determinação, validação e avaliação. Porém, em boa verdade, tal não é possível sem esforço e desinstalação. Com isto não quero, de modo algum, dizer que também não haja casos em que apenas se exige disponibilidade e prazer.

Por outro lado, quantos são os casos em que ouvimos alguém que claramente nos inspira, e apenas requeremos silêncio para não perturbar o momento de deleite? Instante que mexe connosco e que nos leva a concluir que aquela frase, aquele contexto foi ou é uma lição de vida. E como isso, por vezes, perdura!

Manda o senso comum que se procure garantir que os conhecimentos adquiridos – empírica ou teoricamente - não fiquem apenas no interior das pessoas, mas que o ultrapassem em todas as etapas das suas vidas. A mobilidade quotidiana exige que o conhecimento prevaleça para além da pessoa, pese embora continuarem estas a serem as peças-chave dos relacionamentos. Por isso, organizamo-nos, relacionamo-nos e procuramos fixar o saber em plataformas de entendimento, tornando-nos acessíveis aos outros.

Com base neste entendimento, criamos procedimentos, regras, fluxos e tarefas de modo a conseguirmos a melhor gestão possível do desempenho. E não é verdade que tudo fazemos para captar o génio “brilhante” que está nos outros, aqueles que resolvem os dilemas e fazem a diferença? E é mentira que, em simultâneo, nos esmeramos por denotar tácticas, técnicas e esquemas que levem os outros a pensar o melhor de nós?

E se a vida é um jogo, desconhecendo apenas em que número parará a roleta da sorte, então só resta movermo-nos.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:14
Tags:

Fevereiro 16 2012

De acordo com um estudo do The Economist “o desafio do momento é colocar o talento certo, no lugar certo, mas apenas pelo tempo certo”. É que está provado e este estudo apenas o reforça, serem raras as pessoas que têm capacidade para, de forma eficaz, desempenharem um cargo ou ocuparem um determinado posto de trabalho durante uma vida inteira.

Por isso, tenho as maiores dúvidas sobre os designados políticos profissionais, os quais, desde os tempos das “jotas”, nada mais exerceram, em termos oficiais, é claro, do que cargos de natureza política. O grande problema é que as máquinas partidárias deixaram-se aprisionar por estes profissionais, impedindo que as estratégias de transferência possam dar os seus frutos, tanto na abertura a novas ideias como no que toca aos desafios operacionais diários. E isto tanto é válido para as estruturas nacionais como para as mais pequenas, a nível de freguesia e/ou concelho.

A necessidade de contar com políticos de abrangência global, móveis e flexíveis está a tornar ainda maior o desafio de oferecer infra-estruturas adequadas – ou right-sized – a estes tempos de mudança.

Enquanto no mundo empresarial a maioria dos dirigentes de topo, de acordo com o citado estudo, são adeptos do trabalho global e móvel e acreditam que uma colocação em outras funções contribui para o seu progresso enquanto profissional e ser humano, os políticos pelam-se pela não mudança e grudam-se ao carreirismo de um modo bem pior que a lapa à rocha.

Como é óbvio, já ninguém se admira quando o cidadão, mais ou menos anónimo, afirma que os nossos políticos se encontram completamente desfasados da realidade, como, o recente e infeliz episódio protagonizado por Cavaco Silva, a propósito das suas dificuldades económicas, o comprova.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:07

Fevereiro 15 2012

Em função do que actualmente presenciamos só nos resta benzer e rogar ao Altíssimo que nos livre rapidamente da influência do eduquês no ensino. Então, não é que para além da educação sexual, ambiental, rodoviária, nutricional, cívica, promoção para a saúde, entre tantas outras, agora também é requerido à escola o ministrar de conhecimentos em literacia financeira?

E o mais grave é alinharmos nestas pantominices!

É caso para perguntar: o que mais nos irão pedir?

Como sabemos e é óbvio, o tempo não é elástico e, assim sendo, não chega para tudo. Ou seja, o mais importante, i.e., o ensino da língua materna, da matemática, das línguas estrangeiras, da história e geografia, bem como a introdução aos ofícios e o exercício das mais diversas manualidades, esse fica para as calendas gregas.

Para cúmulo, o Bloco de Esquerda entregou na Assembleia da República um projecto de lei que, a ser aprovado – não vai, com toda a certeza –, obrigaria as escolas a dar gratuitamente o pequeno-almoço a todos, repito a todos, os alunos do ensino básico. Além da medida nos importar, só em custos directos, em qualquer coisa como 90 milhões de euros por ano, tal iria isentar os pais e encarregados de educação de dar esta refeição aos seus educandos, como é sua estrita obrigação.

Já não chega o escasso – nalguns casos é mesmo nulo – interesse que os pais denotam pela escola para, ainda por cima, os isentarem das suas obrigações com as refeições dos filhos? Já agora, porque não trazer também o pijama e a escola dar-lhes-ia o lanche, o jantar e aqui dormiam? Entretanto, os pais vinham visitar os filhos ao domingo à tarde, mas nem sempre, porque semana a semana também era uma grande trabalheira!

publicado por Hernani de J. Pereira às 23:36

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Fevereiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
17
18

19
21
25

26


arquivos

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO