O meu ponto de vista

Maio 25 2011

A semana passada foi o caso de uma aluna violada por quatro colegas, sendo que, passados três dias, voltou à escola para se cruzar, de novo, com os violadores – imagino o seu sofrimento -, pois estes, para já, não foram objecto de qualquer sanção. A suspensão imediata destes meliantes não ocorreu a ninguém, ou melhor, lembrar até lembrou, mas dava muito trabalho e incómodos. Por isso, o melhor foi nada fazer e esperar que o tempo faça assentar a poeira. Aliás, neste e noutros campos os jornalistas e bloggers são uns chatos, uma vez que, se não fossem estes, pouquíssimos saberiam e, sobretudo, nada seria comentado.

Ontem, foi o caso da divulgação, no YouTube e Facebook, de um vídeo em que se vê uma adolescente de treze anos a ser violentamente agredida por duas colegas, num acto de pura selvajaria. Tudo isto acontece, assiste-se, filma-se e, já agora, acha-se normal, pelo menos da parte destes últimos. Mais uma vez, pelo menos de imediato, não se age. Vão-se efectuar uma série de averiguações, ouvir-se-ão os participantes e respectivos progenitores, bem como diversos especialistas na matéria, sendo que metade apresentarão perspectivas antagónicas em relação aos restantes, e como, entretanto, o caso irá cair - fatal como o destino - no esquecimento, mais dia ou menos dia, arquivar-se-á.

Resta a mensagem. Em primeiro lugar para os pais. Todos sabemos, apesar de, por vezes, dar imenso jeito esquecer, que os primeiros responsáveis pela educação dos filhos são os pais. Em segundo, em terceiro e em quarto lugar continuam a ser igualmente os progenitores. Depois, sim, é que virá a restante família, os meios de comunicação, a escola e muitos outros. Bem sei que dá uma “trabalheira” dizer que não aos filhos, que causa enormes engulhos obrigá-los a cumprir as tarefas naturais e inerentes à sua idade. É que, para além da obrigação maior que é estudar, ajudar a arrumar a casa, fazer uma ou outra refeição mais ligeira, lavar o carro, bem como outras tarefas que, não os sobrecarregando, lhes incutam o valor do trabalho, são de uma utilidade extraordinária. Já lá diz o ditado “o trabalho do menino é pouco, mas quem o despreza é louco”. Não se trata de trabalho infantil, longe disso, mas de lhes fazer ver que as mais pequenas tarefas exigem esforço e têm valor.

Todavia, nesta matéria, à escola também se encontram assacadas enormes responsabilidades, tanto mais que os adolescentes e jovens ali passam grande parte das horas do dia. E aqui grassa, muitas vezes, a impunidade, o deixa andar que amanhã é outro dia. É um dado adquirido que a violência entre os jovens sempre existiu. Nova, nova é a sua aceitação. Hoje-em-dia para muitos jovens o recurso ao palavrão, à violência verbal e física é o pão-nosso de cada dia. Se isto nos causa admiração, o mais estranho é haver adultos que ao presenciar tais comportamentos viram a cara para o lado, fazem ouvidos de mercador e são mais cegos que os próprios cegos. Isto para não falar dos órgãos de gestão e quejandos, os quais, essencialmente, por comodismo, permanecem dia após dia atrás das suas secretárias, ou em reuniões, muitas das quais perfeitamente desnecessárias, demonstrando, assim, não querer saber do que se passa nas aulas, nos corredores e nos átrios das suas escolas. Aliás, o pouco que lhes chega ao conhecimento, ainda por cima, é desvalorizado, dizendo, por um lado, que não passam de exageros próprios da idade, e, por outro, não agindo com receio de serem apelidados de autoritários.

Depois, a retórica de uma pseudo-esquerda que, infelizmente, enferma muitos docentes e da qual não se conseguem libertar, leva-os a uma prática em que existem argumentos desculpabilizantes para tudo e todos. Já todos ouvimos as estafadas justificações de “proveniente de um meio social desfavorecido”, “oriundo de uma família desestruturada”, “filho(a) de um toxicodependente ou prostituta”, “cada caso é um caso”, entre tantas outras, como isso fosse, per si, anátema ou doença incurável.

Há que, de uma vez por todas, responsabilizar, independentemente, da sua origem, credo ou raça, todos aqueles que extravasam as regras da boa educação e cidadania. E a imposição - não há que ter medo da palavra - dos preceitos de urbanidade tem de ser feito urgentemente, sem peias ou receios, tendo sempre presente que, nesta e noutras matérias, é de longe preferível pecar por excesso do que por defeito.

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:04

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Maio 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
13

15
21

26
27
28

29
31


arquivos

Julho 2024

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO