O meu ponto de vista

Novembro 08 2010

O azul, sempre foi associado ao espírito e ao pensamento, simbolizando lealdade, fidelidade, personalidade e subtileza. Remete para o sonho e para o ideal.

Por isso, Teresa tanto gostava do rio que corria, lá ao fundo, do quintal de sua casa. Bem, a verdade é que não era só do rio, pois também gostava imenso do azul do céu, principalmente nos dias em que se apresentava limpo, ausente dos vapores suspensos que ocultavam a sua tão singular cor.

Mais tarde, Teresa, recorda outro momento em que outro azul tanto a cativou: o azul do mar. Sim, lembrava-se, tal como se fosse hoje. Era já uma menina feita, nos seus dezasseis anos, quando, à beira-mar, o viu pela primeira vez, quando os seus olhares se cruzaram. O coração pulsou mais forte e o sangue correu mais veloz, fazendo-a corar, mais que alguma vez acontecera. Não, que já não tivesse reparado nos olhares que os rapazes lhe lançavam, principalmente quando, na companhia dos pais, ia à feira, a Penascada, mas este foi diferente, foi um je ne sais pas.

Quando o viu pela primeira vez, achou que precisava de levar, em si, alterações profundas, que lhe dessem uma nova estética, uma outra imagem. Teve a nítida sensação que uma mudança radical no seu modo de ser e agir era necessária, pois sentia que alguma opacidade e, acima de tudo, uma forma labiríntica de viver, até aí tão normais, a aprisionavam. Havia que transformar-se, rasgar paredes e deixar entrar outra luz.

E Francisco? Como era? Lindo como o rio, como o céu e como o mar. Ainda hoje sente um arrepio ao recordá-lo e não é sem alguma emoção que recorda o rapaz citadino, sofisticado e bonito, no dizer de toda a gente com quem se cruzava. Proveniente de famílias com pergaminhos, onde o título nobiliárquico era ainda palavra frequente, estudava no Liceu Carlos Alberto e, até aí, com excelente aproveitamento. Também não admira, pois apesar de ser muito requisitado pelas meninas da mais selecta sociedade portuense, nunca se lhe conheceu qualquer devaneio nesse âmbito. Sua mãe, Joana d’Arminho, mas fundamentalmente, sua tia e madrinha de baptismo, Helena d’Arminho, por todos tratada por Menina Helena, senhora de já provecta idade e ainda solteira, por isso velavam.

No alto do seu metro e oitenta, mais velho que Teresa um ano, com a cara sempre bem escanhoada, onde começava a pontuar um bigode fino, como era costume nos idos tempos da década de quarenta do século passado, Francisco era, numa palavra, aquilo que se pode dizer como “um bom partido”.

 

(Continua)

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:21
Tags:

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Novembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
13

14
18
20

24
27

28


arquivos

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO