O meu ponto de vista

Agosto 31 2010

Frios ou quentes, claros ou sombrios, futuristas ou clássicos, os sentimentos podem ser tudo isso, mas aplicados a uma pessoa são algo mais: reveladores do gosto e até das ideias de quem os coloca em acção. Hoje em dia parece que falar em paixão é conversa desbotada. Infinito é a palavra mais acertada para descrever a palete de sentimentos que leva com que um homem faça da vida um jogo de sedução, diversão, filosofia, …, em suma, de amor.

Mas o toque de modernidade pode ser muito mais suave e, talvez, menos atribulado. Felizmente, dirão os adeptos de filosofias zen ou de gostos mais sóbrios. De facto, também nas relações, o estilo minimalista tem partidários acérrimos. E conjugação afectiva apropriada. A receita, como não poderia deixar de ser neste caso, é assaz simples: junte numa relação sentimentos fortes e brilhantes que não contrastem entre si, adicione uma pitada q.b. de bom senso e solidariedade e c’est tout

Já para quem não seja admirador de contemplações minimalistas, a solução pode passar por algo radicalmente diferente, do género possessivo, exacerbado, recheado de jogos florais, de não comprometimento e, porque não, até algo subversivo. Desordem ou caos sentimental? Responda quem puder …

publicado por Hernani de J. Pereira às 23:25

Agosto 30 2010

Já os romanos afirmavam que à mulher de César não bastava ser séria. Era necessário também parecê-lo. Lembrei-me deste aforismo a propósito da polémica desta silly season em torno de Duarte Lima.

É evidente que a herança de Tomé Feteira, face aos milhões em jogo, desperta paixões, ódios e, como por vezes acontece, diria quase inevitavelmente, também crime.

Já o disse e repito que não coloco as mãos no fogo por ninguém. E que existem muitos factos por explicar, cuja nebulosidade nos deixa um amargo na boca, é óbvio. Todavia, daí a extrair-se a ideia de que aquele ex-político tenha algo a ver com a morte da ex-secretária/ex-companheira daquele empresário vai uma enorme distância.

Temos observado uma constante especulação, um mexer e remexer diário no assunto, fundamentalmente promovido por pessoas que, acima de tudo, querem desviar o interesse dos portugueses dos assuntos que os devem preocupar e, deste modo, esconder a enorme inoperância governamental.

Apesar de se ter afastado, há vários anos, de qualquer actividade política, não nos podemos esquecer que Duarte Lima foi um proeminente político do PSD, tendo chegado a ser seu líder parlamentar. No fundo o que se quer é basicamente associar a ideia que o partido social-democrata é constituído por gente capaz de tudo.

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:13

Agosto 26 2010

Estou absolutamente convicto de que não faltam, em Portugal, nem grandes ideias, maravilhosas até, nem ideias completamente absurdas. Como é óbvio acredito, igualmente, que exista uma grande dificuldade em encontrar as pessoas certas para liderar as aludidas grandes ideias, tal como não existe qualquer contratempo em recrutar pessoas para as segundas.

No sector da educação, infelizmente, não abundam as primeiras. Já no que concerne às segundas, estas pululam em tal número que a única dificuldade está na escolha. Dos últimos grandes erros aponto a constituição dos mega-agrupamentos, bem como o encerramento de setecentas escolas do primeiro ciclo.

Como é lógico, todos estes grandes “tropeções” têm consequências no dia-a-dia de muitos e muitos alunos, famílias, funcionários e docentes. Consequências que são extraordinariamente funestas e cuja amplitude só mais tarde conseguiremos - se é que alguma vez conseguiremos – visualizar e avaliar.

E para aqueles que, a partir de 1 de Setembro próximo, vão integrar os ditos mega-agrupamentos então as sequelas começaram há muito. Poucos ou nenhuns elementos são disponibilizados e, por exemplo, a menos de uma semana do início do novo ano lectivo os docentes não sabem onde se apresentar. Na sua antiga escola/agrupamento ou na sede do novo? E, já agora, para que servem as páginas electrónicas? Será difícil colocar lá uma simples informação a este respeito? Será pedir demais que se divulgue, desde já, a agenda das actividades a desenvolver nos primeiros dias de Setembro? Ou será que, nesta data, os respectivos responsáveis ainda nada saibam sobre estas questões?

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:38

Agosto 19 2010

Em função dos usos, a intervenção dos equipamentos sociais deve ter em consideração a respectiva orientação, de forma a conseguir tirar o máximo partido dos mesmos. Os espaços mais ou menos rurais e até, de certo modo, urbanos foram sendo construídos de modo a beneficiar dos aludidos equipamentos, configurando um desejo de autonomia. Este ensejo pretendia – de propósito falo no passado - ligar os espaços limítrofes de modo concêntrico, envolvendo-os.

Falo, é claro, principalmente das escolas das nossas aldeias e vilas espalhadas pelo Portugal profundo, mas também de outros equipamentos de saúde, desportivos e culturais.

Ora, se os principais membros se soltam do corpo principal, o que resta? Meros apêndices, facilitadores do surgimento de espaços vazios, intervalos de aridez e, fundamentalmente, da separação entre os demais.

Já agora, e a talhe de foice, pergunto como é possível encerrarem sete escolas do 1º Ciclo no concelho de Mealhada (Vimieira, Canedo, Carqueijo, Cavaleiros, Entroncamento, Mala, Travasso) e oito em Anadia (Cerca, Grada, Óis do Bairro, Álfeolas, Amoreira da Gândara, Famalicão, Monsarros, Póvoa do Pereiro)? E alguém me consegue explicar porque no concelho de Cantanhede não fecha nenhuma?

Será porque uns dizem ámen a tudo, enquanto outros sabem defender os interesses do seu concelho?

publicado por Hernani de J. Pereira às 23:10

Agosto 17 2010

 Saudades de mim

Mar, serra e lar

Horizontes sem fim

Retornar e amar.

  

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:16
Tags:

Agosto 16 2010

Em tempos já longínquos o Norte era constituído por alguns casos de riqueza, de opulência até, de um património histórico e geográfico ímpar e, acima de tudo, caracterizado por encantos e recantos de admirável beleza. Em muitos dos seus lugares - em cada rua, esquina ou largo – respiravam-se valores nobres e erguiam-se majestosos edifícios.

Descontando a uberdade monetária, no concerne ao outrora edificado, o mesmo ainda se conserva em relativo bom estado, proporcionando-nos o prazer de uma visita demorada, personalizada e o mais luxuosa possível.

Todavia, das suas admiráveis paisagens, infelizmente, não podemos dizer o mesmo, pois pouco mais resta que vestígios, reduzidas que estão a meros quadros cinzentos. Os fogos têm-se encarregado de as destruir, mercê de mãos criminosas, dizem uns, de incúria dos proprietários, afirmam outros, ou de desleixo governamental, acusam os restantes.

Por isso, torna-se urgente a sua reabilitação.

Ora, para que tal se concretize é absolutamente necessário dinheiro. Mas como se poderá concretizar tal ditame se, ainda hoje, se soube que o Governo desviou para cima de 154 milhões de euros de fundos comunitários das regiões mais pobres para os aplicar em Lisboa?

Quando para além destas adversidades, acrescentarmos o encerramento de tantas e tantas unidades hospitalares e de ensino, muito superior a qualquer outra região do país, bem como as contrariedades inerente à interioridade, será que nos podemos admirar da consequente desertificação?

Nunca advoguei a regionalização. Contudo, este e outros casos semelhantes levam-me a considerar que talvez seja a altura de mudar de opinião.

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:19
Tags: ,

Agosto 15 2010

Existem momentos na vida em que temos de nos rir mesmo que não contássemos com isso. Aquilo que somos dados a ver é de tal modo risível que não nos resta alternativa.
Por isso, hoje apetece-me brincar com os adágios. Assim, em vez de dizer “bem prega Frei Tomás …”, direi “bem escreve …”. E atrevo-me ainda a dizer que “fatuidade e água benta, cada um …” em vez de …
Já agora, não resisto a fazer minhas as palavras que Santo Agostinho, no Serm. 169, 18, escreveu: “que te desagrade sempre aquilo que és, se queres ganhar aquilo que não és.”

 

publicado por Hernani de J. Pereira às 23:14
Tags: ,

Agosto 12 2010

Nas férias procuramos, fundamentalmente, aquilo que nos restantes dias do ano não conseguimos alcançar. E, o certo é que as casualidades não existem, pois nós é que ajudamos que aconteçam. E, se a coisa corre mal, deitamos-lhes a culpa em cima. Sempre.

E, por muito que, nestes dias, seja alguém que tente ser mediador na escuta, procure associações, suavize choques, recuse a réplica fútil, intercale observações oportunas ou mesmo faça perguntas mobilizadoras, a verdade é que estes dias passam pelas almas e estas permanecem, a maior parte das vezes, inalteráveis.

Obviamente, não admira que se procure a melhor forma de, inteligentemente, lidar com estes assuntos de modo a não incomodar ninguém. Por isso, acrescento que o melhor é amar ficando … já que a história pode, eventualmente, ser a mesma, mas contada com amor parece outra. Até nova, porventura.

O outro dia, em amena cavaqueira, comentava-se que todos, mais que uma vez, já fizemos trabalhos, tarefas imensamente tristes e desoladoras. Todavia, muito interessantes de contar. Por isso, devemos tirar proveito das palavras que proferimos.

Assim, será tempo para nos contentarmos com uma vida de total previsibilidade ou para nos resignarmos a um estilo inquisitório de uma vida cultural e ocupacional?

publicado por Hernani de J. Pereira às 23:05

Agosto 10 2010

Cada um de nós os vê com os mais diversos olhares, sejam eles internos ou externos e variando de graduação, consoante os casos. É verdade. Basta dizer que quer as suas formas quer as suas estruturas nasceram a partir da observação afectuosa e da adaptação sensorial, transformando-se em redutos maiores, e, desta forma, proporcionando autênticos oásis de tranquilidade que reconciliam a alma e aliviam o corpo. O bem-estar físico e emocional é, afinal, essencial.

A maior parte tornou-se um desafio na sua estrutura conceptual, obrigando a um minucioso trabalho que envolveu desde o estudo da localização, passando pela análise das acumuladas estruturas anelares ou não e às manchas de luz filtradas, chegando, inclusive, aos espaços feitos à medida da envolvente.

E, neste campo, quem não se lembra de ter sonhado? O que era melhor e mais adequado? Como criar uma estrutura estável, discreta e minimalista? De que forma se poderia aumentar a comunhão com natureza e com o verde das árvores? E com a linha de água?

Serão meros episódios de escrita? Ou serão saudades de casa?

publicado por Hernani de J. Pereira às 00:07
Tags:

Agosto 08 2010

 

 

Existem apenas três modos de aprender: ver, ouvir e, por último mas não menos importante, ler.

 

publicado por Hernani de J. Pereira às 00:17
Tags:

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Agosto 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
13
14

18
20
21

22
23
24
25
27
28

29


arquivos

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO