O meu ponto de vista

Junho 30 2010

Todos se recordam da célebre frase "há mais vida para lá do défice" e o caminho que tal filosofia nos levou. Hoje todos ou quase todos amargamos com as consequências. Podia acrescentar que os números não são tudo, mas contam e ajudam muito. Ajudam fundamentalmente na coerência, qualidade que hoje em dia começa a rarear.

E por falar em coerência, longe vão os tempos de um obscurantismo e de um primarismo que classificava este modo de ser como algo absolutamente necessário a uma vida quotidiana. Como se acertado fosse viver, dizendo uma coisa e cumprindo-a, e, nesta base, susceptível de ser mais transparente.

Os que ainda caem nestas tentações, isto é, de acreditarem nesses velhos e desusados hábitos, acabam por reconhecer, dolorosamente e na prática, os erros cometidos na hora em que são forçados a colocar a corda ao pescoço com vista a cumprirem aquilo que a outros cumpria.

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:31

Junho 29 2010
Portugal foi eliminado do Mundial de Futebol 2010. Foi eliminado pela Espanha e bem, pois esta foi, sem margem para dúvidas, superior à equipa de todos nós. Já agora, pergunto: porque é que somente em Portugal continua a haver insubstituíveis? Cristiano Ronaldo, conforme todos constataram, não jogou nada e o frasco de ketchup deve estar, há muito tempo, vazio ou então fora de validade. Todavia, Carlos Queiroz não teve a ousadia de o substituir.
Já agora, José Sócrates que se cuide. Com Portugal fora do Mundial os portugueses voltarão a olhar para as trapalhadas que diariamente faz, bem como para a falta de rumo que imprime à condução do país.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 23:17

Junho 28 2010
É uma verdade irrefutável. A história ensina-nos que mais insensato que certos reis, só alguns barões e, fundamentalmente, as baronesas. O poder fátuo que lhes sobe à cabeça é tal que não os deixam descortinar a ausência de lucidez e, acima de tudo, tolda-lhes o espírito. E, o pior é quando estes(as) pequenos(as) tiranetes se encontram em determinadas posições, não por mérito próprio, pois caso o fosse não agiriam da forma como agem. Aí, a sede de retaliação, sem a menor razão de ser, manifesta-se nos mínimos pormenores.
Esquecem-se que o poder é efémero. Os que ontem estavam no poder, poderão, eventualmente, estar hoje como subordinados. Contudo, amanhã estarão novamente na mó de cima. Sempre foi, é e será assim. E depois … atrás de tempo, tempo virá!
Não há menor dúvida. Como afirma a maior parte dos comentadores e especialistas em educação, é, cada vez mais, necessário acabar com cargos para professores que se julgam ser detentores de um estatuto diferenciado, isto é, aqueles que se acham diferentes e com uma carreira distinta dos demais. Para além de poupança económica é um exercício absoluto e salutar de despoluição profissional.
Estes docentes, os quais apareceram nas escolas nos últimos anos, para mal dos nossos pecados, e, essencialmente, por mercê do avanço dos cientistas da educação e, por conseguinte, do eduquês, normalmente começam por trabalhar em qualquer lugar, tal como os restantes colegas. Todavia, o novo status rapidamente os anuvia e passam, de seguida, a exigir um gabinete devidamente equipado e pessoal – docente e não docente - subordinado directamente ao seu querer. Posteriormente, a fim de enfatizar a importância que pretensiosamente acham que têm, afirmam que o múnus que exercem é, algo do género, “uma escola dentro de outra escola”. E dizem isto sem se rirem, o que acentua a gravidade do sintoma.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 20:19

Junho 27 2010
Enquanto em anos anteriores o mínimo incidente era empolado até mais não, hoje tenta-se falar dos assuntos, aliás gravíssimos, pela rama, em surdina e, se possível, até se escondem. No entanto, mais grave é a tentativa de absolvição dos intervenientes e, acima de tudo, o esforço de ausentar de culpas quem dirige e é primeiro responsável. Isto ao contrário do passado em que a responsabilidade de tudo o que sucedia era de quem administrava.
Por outro lado, alguém me consegue explicar porque é que determinadas pessoas têm sempre algo para dizer, nem que seja para, como se costuma dizer, “chover no molhado”? Gostam de se ouvir, dirão vós e eu concordo plenamente.
Entretanto, uma outra interrogação me assalta: como é possível que algumas pessoas, por muito que tenham a verdade à frente dos olhos, jamais aprendam? Contra tudo e contra todos querem, nem que seja à força, levar sempre a “sua” avante. E isto leva-me a outra questão. Admiro-me com a mudança constante de atitude de outras pessoas, a qual, muitas vezes, ocorre num espaço de poucos minutos. Contudo, a inexistência de discernimento próprio para não verificar a própria (in)coerência é algo que, unicamente, se pode classificar como absurdo.
Já agora, como é possível que certas pessoas trajem de forma tão pouco cuidada? Isto para usar uma expressão muito soft! Um dia destes ainda as vemos, independentemente do lugar, com pouco mais que lingerie, e em tamanho reduzido, enquanto eles de calções e t-shirt de alças, qual trolha em cima de um prédio em construção. A imagem é exagerada? Olhem que não!
Continuando no mesmo assunto, bem sei que a apreciação sobre o que é vestir bem ou mal tem muito de relativo. Todavia, existem parâmetros comuns, sobre os quais não se pode transigir. Bem sei que esta é uma questão polémica, mas não é por o ser que podemos fechar os olhos ou olharmos para o lado, numa atitude de que tal não é nada connosco. É, e muito. Para além de outros aspectos, como o exemplo que estamos a dar aos vindouros, está também em causa a credibilidade de uma profissão por muito que alguns digam que esta tem a ver com outros aspectos, sendo o modo de ser e estar apenas marginal.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 15:33

Junho 25 2010
Há que despertar o homem adormecido dentro de cada um de nós, retirando-o da ignorância, elevando-o até à Luz, dando-lhe olhos para ver …
publicado por Hernani de J. Pereira às 23:23

Junho 24 2010
O assunto que hoje abordarei apenas o ouvi na rádio, salvo erro, às 08H00 de terça-feira passada. Apesar de tal não ter obtido eco noutros órgãos de comunicação social, o que muito me admira, ou talvez não (!!!), não lhe retira importância. Bem pelo contrário.
Ora, de acordo com a citada notícia, o grupo parlamentar do PSD solicitou ao governo que lhe fornecesse o número de chefias das empresas públicas, bem como as respectivas remunerações.
A resposta é estarrecedora. Em média as empresas públicas - a maioria altamente deficitárias, como é do conhecimento geral – têm cerca de 60 chefias cada. Agora se pensarmos que cada uma destas recebe, mensalmente, entre 6 000 e 8 000 euros, ordenados, em alguns casos, maiores que os dos administradores, o que podemos dizer? Todavia, de pasmar mesmo é o caso da Refer, empresa que, ano após ano, apresenta avultadíssimos prejuízos, com uma dívida assustadora, possui à volta de 150 chefias, sendo que algumas delas não têm subordinados sequer, isto é, são chefes apenas de si próprios.
Antigamente dizia-se “não me dêem dinheiro, coloquem-me apenas onde o haja”. Hoje, porém, pode-se afirmar “…, coloquem-me apenas como chefe de uma empresa pública”.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 21:09

Junho 23 2010
A tentativa de algumas pessoas se colocarem em bicos de pés é confrangedora. Mas, pior é existirem outras que nem sequer tentam. Estão constantemente em bicos de pés, por muito que não tenham a mínima competência para tal. Presunção, pura e simples, digo e repito. Por outro lado, a vaidade de certas figuras é verdadeiramente admirável (!!!). Fazem-me lembrar sempre o ditado “se a vaidade pagasse imposto, o país não estava, de modo algum, endividado”. Também é de salientar a sede de poder de determinadas personalidades, notando-se no seu tom de voz, trejeitos e modos, algo que me leva a dizer: Deus nos livre de alguma vez ocuparem determinados cargos.
Engraçado, ou nem tanto, é o facto de individualidades, cujo nível etário, na ordem dos trinta, trinta e poucos anos, se queixarem, permanentemente, do cansaço que, dizem, as assolam. Aliás, permitam-me um aparte. Neste país existem dois factores comuns à grande maioria das pessoas: uma fadiga extrema e constante, causada por uma entrega denodada ao serviço, e uma falta generalizada de dinheiro. Só gostaria de saber como a nossa produtividade, em comparação com os nossos mais directos parceiros, é tão baixa, e, por outro lado, como sucedeu no último semestre de 2009, fomos, no âmbito da C.E., aqueles que mais carros novos comprámos. Abro um parêntesis para informar que os alemães, esses pobrezinhos, no mesmo espaço de tempo, decresceram no número de automóveis adquiridos. Mas, claro, isso são conversas de outro teor, as quais não interessam nada, nem sequer para reflectirmos.
Voltando ao cerne desta crónica, encontramos, a par e passo, ensaios de arrebanhamento para darem cobertura ao mau profissionalismo e demagogia apresentada por certas pessoas. Todavia, o pior não é a tentativa. Pior, muito pior, é o facto de outros, por receio e/ou comodismo, se “deixarem levar” nesta onda. Ressalve-se o caso de alguns, infelizmente poucos, que, de modo destemido, declaram, alto e em bom som, a oposição a esse embuste.
E, eu, a pensar que o estado corporativo tinha terminado em 24 de Abril de 1974! Nunca como agora se viu, com tamanha acutilância, a defesa intransigente da classe, demonstrando, deste modo, que o espírito corporativo é mais que um dado adquirido. Pouco importa onde se encontra a razão. A defesa intransigente da corporação sobrepõe-se a tudo o resto, incluindo a verdade.
Mas quem, num momento ou outro, não viu discrepâncias abissais no comportamento de certas pessoas, em distintos eventos, mesmo que estes se encontrem distanciados de minguados minutos. Como é evidente, impor-se-á sempre a perquirição do porquê. A resposta, como é óbvio, assenta no modo como são dirigidas aqueles. Pessoas existem que, por medo, demagogia ou necessidades próprias, não se incomodam de servirem de capacho. Isto, independentemente, de manifestarem, anteriormente ou posteriormente, a sua (fingida) rebeldia e inconformidade.
Interessante é, também, observar os anacronismos resultantes dos aspectos mais singelos do nosso quotidiano. Como é possível “gastarmos” um tempo imenso a comentar, explicar e, por vezes, defender (mesmo) os casos negativos com que nos deparamos no dia-a-dia, enquanto que com os bons exemplos não “perdemos” um minuto sequer? E isto sucede em todos os sectores. Basta ver quantas vezes falamos e analisamos a vida dos(as) santos(as) - e o quanto a mesma poderia ser exemplo para a nossa - em contrapartida com o quanto discorremos sobre os(as) inaptos(as), invejosos(as) e mal-intencionados(as).

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 21:24

Junho 22 2010
A criatividade é um dos factores que marca a diferença. E, como se sabe, a criatividade pressupõe um grande esforço de inovação, tendo, principalmente, como finalidade encontrar novas formas de ocupação do belo. Igualmente se sabe que as relações entre a novidade e o “déjà vu” são complexas, sendo que, neste âmbito, o modo de ser e estar ocupa um papel crucial.
Todavia, a evolução da criatividade enfrenta processos de mudança, os quais, por vezes, conduzem a patamares tão elevados que podem desactivar os sentimentos mais genuínos, podendo chegar mesmo a cair numa espiral de perda de valor, que pode ser irrecuperável.
Mas, atenção. Apesar de ser evidente a existência de renovadas formas de sonhar, de se verificar uma reutilização de espaços, de se notarem outras combinações de palavras, ou mesmo a identificação de novos impedimentos, o certo é que os actores não se alteraram.
E se os actores são os mesmos, o sentido terno de urbanidade, a noção de uma criatividade aberta, bem como a necessidade de ser estruturalmente sustentável, num mundo cada vez mais ligado mas, paradoxalmente, com menos fios, tem, forçosamente, de entrar em linha de conta com a (re)conversão e a (re)promoção.
Por isso, é necessário encontrar uma nova forma de pensar e, essencialmente, de valorizar sem fantasiar.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 21:06

Junho 21 2010
Vá, não se coíbam. Abram a boca de espanto. Imaginam quanto é que, do nosso dinheiro, a RTP recebeu entre 2003 e 2009? Pois, por muito que vos custe acreditar, a estação de televisão estatal recebeu, nada mais, nada menos, que 2000 milhões de euros, ou seja, qualquer coisa como cerca de 300 milhões por ano. E para quê, perguntarão vocês? Os nossos responsáveis dirão que foi por prestação de serviço público. E, eu, inocentemente, indago: que serviço público? Transmite algo que os operadores privados (SIC e TVI), os quais vivem apenas à sua custa, não transmitem? Algo de diferente, principalmente melhor? Porque transmite, em directo, as mensagens de Natal do Primeiro-Ministro e do Sr. Cardeal, bem como a do Ano Novo do Presidente da República ou outros eventos semelhantes? A resposta a estas e a muitas outras questões é mil vezes não.
Por isso, façam-me um favor. Tenham juízo e coragem de terminar com tal sorvedouro dos escassos recursos deste pobre país. Sempre ouvi que “quem não tem dinheiro, não tem vícios” e, por isso, manter uma estação de televisão com o fim único de transmitir informação enviesada, ou seja, de acordo com quem está no poder, não há o mínimo de legitimidade. Mas, mesmo que o país nadasse em recursos financeiros, da forma como a RTP se deixa continuamente instrumentalizar, não havia lugar à sua existência.
Todavia, há um outro argumento para que a RTP seja extinta e rapidamente. Os proventos que vai buscar à publicidade seriam canalizados para as outras estações, aumentando, deste modo, a possibilidade de estas poderem fazer mais e, acima de tudo, melhor.
E, já agora, alguém é capaz de me explicar qual a utilidade dos governos civis. A não ser dar emprego, e bem remunerado, diga-se de passagem, a centenas de boys – basta lembrar-nos que a maioria dos actuais governos civis é constituída por ex-autarcas do PS, os quais não conseguiram ser eleitos nas últimas autárquicas – estas velhas e caducas instituições não servem para nada. Com a sua extinção, apenas em ordenados e ajudas de custo, poupava-se cerca de 25 milhões de euros.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 21:45

Junho 17 2010
Recordam-se quando foram criados os agrupamentos verticais, isto é, a junção entre os então agrupamentos horizontais, constituídos pelos jardins-de-infância e as escolas do 1º ciclo, e as escolas básicas do 2º e 3º ciclo? Não foi assim há tantos anos. Faz agora sete.
Nessa altura, os que actualmente estão no poder levantaram-se “contra o santo e a esmola”, gritando “aqui d’el-rei” que não havia direito, que era inadmissível, uma vez que estava em causa a mais que possível deterioração das relações profissionais, a perda de qualidade de trabalho, etc., etc. Por outro lado, as forças sindicais movimentaram “este mundo e o outro” contra tal intenção, promovendo reuniões atrás de reuniões.
Sei do que falo, pois, apesar de, por princípio, estar contra a aludida medida, vi-me impelido, por obrigação legal, de a levar à prática. Sim, eu sei, e não me esqueço do que disseram – e quem - em plena reunião geral de docentes. Para além de outras considerações, não se coibiram de afirmar que era um seguidista, um “yes man”, que não sabia defender os direitos de quem me tinha elegido.
Os anos seguintes vieram desmentir tais vitupérios. Hoje vê-se quem é (in)dependente e quem anda constantemente de braço dado com o poder.
Agora com a criação dos mega-agrupamentos todos aqueles que vociferaram anteriormente estão caladinhos, prestando informações a conta-gotas, mais por pressão dos professores do que por vontade própria, e quando o caso já está consumado.
E mesmo as organizações sindicais limitam-se a distribuir uns comunicados feitos à pressa e sem conteúdo relevante. No fundo, bem lá no fundo, até estão de acordo com a medida, só não o confessando por vergonha. É que, deste modo, é mais fácil arrebanhar os incautos. Vejam o seguinte exemplo: até agora para reunir os professores de um concelho tinham que fazer reuniões em cada um dos agrupamentos e escolas secundárias. A partir do próximo ano basta-lhes marcar apenas uma reunião.

Hernâni de J. Pereira

P.S. – Na Escola Secundária de Mealhada realizou-se hoje uma reunião geral de professores e, amanhã, realizar-se-à outra no Agrupamento de Escolas de Mealhada. Na Pampilhosa … Sem comentários!
publicado por Hernani de J. Pereira às 23:08

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
18
19

20
26



arquivos

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO