O meu ponto de vista

Janeiro 31 2010
Parti, em tempos, à «aventura», não sabendo bem para onde ia. Unicamente tinha conhecimento da existência de caminhos que nunca trilharia. Continuo a pensar o mesmo.
Calcorreei caminhos mais ou menos periféricos, alguns autênticos verdadeiros «não-caminhos», os quais escapam à classificação de campo ou cidade, lugares onde apenas passei, numa fugaz retirada, para um descanso, nocturno ou diurno, de algumas horas.
Foram lugares propícios à revolta e às explosões emocionais que, por vezes, se advinhavam, sítios onde se acumularam vidas cheias de contusões, de excessos de estados de alma menos dóceis e afáveis. E, como é lógico, a falta de qualidade de vida cresceu na imensidão dos esforços cimentados em (in)certezas absolutas. No fundo, foram espaços mais biodegradantes do que biodegradáveis.
E tudo isto degenerou em limites insuportáveis de convívio, entre a integração e a exclusão, entre o estar junto e o estar só, numa não menos imensa e sentida solidão povoada de uma mão cheia de nada.
E onde cheguei? Encontro-me num emaranhado ordenado e construtivo. A continuação do uso da correcção para estabelecer vínculos, tendo em conta a envolvente interior e exterior, honra-me e obriga-me a respeitar o melhor possível o que me rodeia. Exponho-me, sim. E qual a dúvida?

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 10:47

Janeiro 31 2010
Após a bem sucedida reimplantação de um novo conceito, designadamente o apelo à inteligência, presentemente quedamo-nos no sono que amanheceu no fim de dias e noites mágicas. Momentos em que o Sol e a Lua praticamente desapareceram dos nossos horizontes, de forma inversa à intensidade que se detecta na procura e que se descobre na oferta certa.
O projecto incluía diversas bases de apoio com o intuito de conferir maturidade imediata e satisfazer os anseios mais legítimos. Contudo, mesmo com a abundância de água – no sentido poético, já que no literal é um facto - e respectivas cascatas para proporcionar som e movimento, bem como a plantação de diversas espécies no sentido de conferir fragrâncias, cores e texturas contrastantes, o resultado alcançado, até ao momento, não foi o desejado.
A verdade é que os relevos bastantes pronunciados ainda não foram vencidos, apesar de se terem utilizado taludes de rocha, criando-se simultaneamente socalcos onde se tentou cultivar rosmaninho, alecrim, viburnum, agapanthus branco, lantanas, santolinas e outras plantas raras, numa nítida tentativa de se alcançar a harmonia.
Soma-se a isto a procura do impossível, bem como o facto de ter ocorrido uma gestão deficiente dos percursos, em parte devido à dificuldade em enfrentar a realidade, obrigando, hoje em dia, a prolongar indecisões e disfunções.
Nesta hora, em que o nosso dia é já o amanhã, a alternativa reside na esperança de reabitar a cidade que não se habita.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 09:51

Janeiro 30 2010
DSC00329.JPG

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 21:11

Janeiro 30 2010
Miguel Frasquilho, a convite da Comissão Política de Secção do PSD, desloca-se ao concelho de Anadia, para presidir a uma conferência subordinada ao tema "Orçamento do Estado para 2010”.
Esta iniciativa ocorrerá no dia 05 de Fevereiro de 2010 (sexta-feira), pelas 21 horas, no Palace Hotel da Curia.
A conferência terá uma intervenção inicial do Dr. Miguel Frasquilho a que se seguirá um momento de debate do palestrante com os presentes, o qual se quer dinâmico e de discussão de ideias, aproveitando, assim, a pertinência e a oportunidade do tema.
Miguel Frasquilho tem 44 anos e é licenciado em Economia e Mestre em Teoria Económica. Quadro superior do Banco Espírito Santo (BES), é, desde Abril de 2002, deputado à Assembleia da República, sendo actualmente Vice-Presidente do Grupo Parlamentar do PSD.
No XV Governo Constitucional desempenhou as funções de Secretário de Estado do Tesouro e das Finanças e, entre Outubro de 2007 e Outubro de 2009, foi presidente da Comissão Parlamentar de Obras Públicas, Transportes e Comunicações.
Durante vários anos dedicou-se à docência na Universidade Nova de Lisboa e na Universidade Católica. É co-autor de várias publicações destacando-se aquelas que se referem ao blogue “Quarta República” (http://quartarepublica.blogspot.com/).
Miguel Frasquilho é, sem margem para dúvidas, um dos melhores economistas do país na vida política activa, um relevante quadro e valor do Partido Social Democrata.
Este evento é dirigido aos militantes do PSD, mas está igualmente aberto a todos os cidadãos e à comunicação social.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 21:00

Janeiro 29 2010
DSC00178.JPG

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 19:41

Janeiro 29 2010
Pessoa amiga enviou-me o seguinte texto, o qual, apesar de não saber a autoria, aqui publico com a devida vénia.
“José Sócrates, Obama e o Papa viajavam num avião, quando, de repente, aparece o Diabo com uma enorme serra e começa a cortar uma das asas da aeronave.
Quando viram o Diabo ficaram apavorados. Sócrates vira-se para Obama e diz:
- Obama, tu que sabes falar e argumentar como ninguém, vai tentar convencer o Belzebu a parar com aquilo, pois, caso contrário, caímos e morreremos todos!!!
Obama foi até lá fora, conversou, conversou e ... nada do Satanás parar.
O presidente dos Estados Unidos voltou e implorou ao Papa:
- Sua Santidade, apenas o senhor nos poderá salvar, pois ele não quer sequer falar e vai mesmo derrubar o avião!!!
O Papa foi ter com o Demónio. Usou de toda sua persuasão, argumentou o máximo que pôde e soube e ... nada. Desistiu. Voltou e resumiu a conversa:
- Não sei o que fazer. Estamos perdidos. Só nos resta rezar!!!
Foi quando Sócrates se levantou e disse:
- Deixem comigo. Sou a última chance e por isso vou tentar.
E lá foi ele falar com o Mafarrico. Mal trocaram duas palavras, o Diabo parou de serrar a asa do avião e sumiu.
Obama e o Papa, com a maior cara de espanto, perguntaram:
- O que lhe disseste?
- Companheiro! Se eu morrer, vou formar governo no Inferno!”

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 18:28

Janeiro 28 2010
28082009025.jpg

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 20:07

Janeiro 28 2010
Vivemos tempos difíceis. Olhamos para o lado e o que vemos? Pessoas que não possuem especificidades próprias, uma vez que não se conseguem erguer de forma autónoma, sem necessidade de muletas ou escoras. Logo, observamos que, cada vez mais, existem indivíduos que não acompanharam o processo de cimentação do seu «eu», dando como resultado que a concepção, a edificação e o acabamento não passem de máscaras. Aliás, estas, ao menor sinal de contrariedade acabam por cair, revelando a verdadeira face, a obsessão pelo seguidismo, impedindo qualquer veleidade de liberdade intelectual.
Quando hoje se procura, por imperativo de consciência e até de sobrevivência, estar presente em toda a cadeia construtiva, desde o ordenamento das estruturas, passando pelos bons projectos, quer sejam próprios ou provenientes de outros, o que notamos é a tentativa mais ou menos velada de asfixia, levando a que feneça o apoio às melhores e mais modernas práticas, achando que qualquer intervenção, por mais bem intencionada que seja, lhes quer roubar o protagonismo.
Felizmente, porém, existem outras que, tanto privadamente como publicamente, na relação com os outros, são consideradas credíveis e progressivamente a sua actividade continua a ganhar importância no desenvolvimento de mais-valias. Esta situação verifica-se nos empreendimentos que abraçam, transmitindo a percepção de um impacto positivo no balanço final, por muito que aqueles tudo façam para estrangular as iniciativas e, acima de tudo, subavaliando-as.
Contudo, a verdade virá sempre ao de cima, tal qual o azeite, e como disse Miguel Torga “as pessoas afivelam uma máscara, e ao cabo de algum tempo acreditam piamente que é ela o seu verdadeiro rosto. E quando a gente lha arranca, ficam em carne viva, doridas e desesperadas, incapazes de compreender que o gesto violento foi a melhor prova de respeito que poderíamos dar”.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 19:00

Janeiro 27 2010
24012010012.jpg

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 22:17

Janeiro 27 2010
Basta de tristezas. Estamos cansados de tanto ouvir falar de défices extraordinários: o de 2009 e o que se prevê para o corrente ano. Acabe-se com as notícias sobre serem sempre os mesmos a pagar a crise – leia-se funcionários públicos. Diga-se alto relativamente às informações sobre o nosso diminutíssimo desenvolvimento económico, o qual nos atrasa, cada vez mais, dos nossos parceiros europeus. Fechamos ouvidos às notícias das agência de «rating», as quais continuam, hoje, a dizer que o orçamento para 2010 é uma desilusão, não servindo, de modo algum, para diminuir o défice, levando a que o dinheiro que necessitamos como pão para a boca – verdade literal – vai ser mais escasso e mais caro.
Caramba, o Carnaval é daqui a quinze dias e é preciso começar a sacudir o corpo. Assim, hoje, apenas falarei de algumas alegrias, as quais espero que nos traga consolo. Aliás, não é por acaso que os nossos antigos afirmavam que “tristezas não pagam dívidas” ou, dito por outras palavras, “a quem me dever que me pague e a quem eu dever que espere”.
Abro com a notícia bombástica de que vamos entrar, de imediato, em plena recuperação económica, pois José Sócrates acaba de se demitir. Por outro lado, a Dacia, fabricante indiano de automóveis, afirmou que se congratula com o facto de ter sido decidida a aquisição dos seus veículos para a frota do Estado Português, substituindo, deste modo, os BMW, Mercedes e Audis ao serviço do enorme polvo tentacular que se transformou este nosso país. Também, está assente não encetar os projectos do TGV, do novo aeroporto de Lisboa e da terceira auto-estrada Lisboa-Porto, tendo a Mota-Engil dito, pela voz de Jorge Coelho, que, ser assim, iria transferir o seu «core business» para a as terras de Hugo Chaves, país de máxima liberdade individual e empresarial, como aliás todos bem sabemos.
Como é óbvio, possuo informações de outras causas que encheriam de satisfação os meus caros leitores. Contudo, contenho-me na sua divulgação, pois não quero ser culpado de vos acontecer algo, como, por exemplo, alguma síncope cardíaca, por não estarem habituados a tantas surpresas desta jaez.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 20:19

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Janeiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

16

17
21
22




arquivos

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO