O meu ponto de vista

Setembro 06 2009
É um dado adquirido. Sem menosprezar a experiência dos menos jovens, isto para usar uma expressão politicamente correcta, as novas gerações trazem para as empresas e para a administração pública novas experiências de utilização e receitas, simplificando processos, aumentando a produtividade e reduzindo custos de deslocação através do recurso a múltiplas ferramentas colaborativas.
As novas gerações contribuem também para que administração central e as várias administrações locais estejam mais próximas dos cidadãos, colocando – não exageramos – à velocidade da luz os desejos destes junto do poder de decisão.
As novas gerações são igualmente parceiros muito fortes nesta fase que Portugal atravessa, pela posição de liderança tecnológica que lhes está subjacente, proporcionando, assim, às empresas, à administração pública e ao cidadão em geral um enorme valor acrescentado, preparando-se, por outro lado, para contribuir decisivamente para um novo paradigma no futuro do país.
Por isso, é confrangedor e entristecedor ver a expressão tão elevada de desemprego que grassa na nossa juventude, em contraste com aqueles que, bem instalados nos seus seguros empregos, apenas pensam no seu “business core”.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 21:48

Setembro 05 2009

Ao posicionarmo-nos como agentes mobilizadores, devemos fazê-lo em torno de sectores que mais contribuam para a modernização, inovação e empreendorismo. É, por isso, que, mais que nunca, devemos estar empenhados em debater os grandes temas e em ser uma ponte entre a comunidade que servimos e os poderes governamentais.


As oportunidades que se abrem a Portugal com as próximas eleições requerem a colaboração de todos, através do seu trabalho, comprometendo-se, desta forma, em acelerar e promover a mudança, através da mobilização de todos para que se cumpra, de vez, o desígnio nacional.


Nesse sentido devem desenvolverem-se as mais variadas iniciativas, as quais deverão ter como lema “usar os menores meios que possam alcançar os melhores resultados”, prevendo e preparando os próximos passos como seja o envolvimento dos stakeholders directa e indirectamente interessados, com destaque para a escola e colectividades adjacentes, bem como o tecido empresarial.


Concretamente, deverá tratar-se de um esforço para acelerar a agenda nacional e da inovação que podemos avançar e variar nas respostas aos problemas e necessidades que a sociedade enfrenta.


É uma questão de livre alvedrio.


 Hernâni de J. Pereira

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:36

Setembro 03 2009
A maioria de nós viu, com agrado, o debate de ontem, na TVI, entre José Sócrates e Paulo Portas. Estamos de acordo que este último ganhou o combate. Não foi um KO, mas que ganhou não há dúvida.
Hoje assistimos a novo debate. Desta vez na SIC, entre Jerónimo de Sousa e Francisco Louçã. Comentário: zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz. Que tédio!

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 21:00

Setembro 03 2009
Relativamente à questão do cancelamento do Jornal Nacional de 6ª feira da TVI, com a consequente demissão da respectiva direcção de informação, bem pode José Sócrates chorar lágrimas de crocodilo e protestar veementemente a sua inocência, uma vez que ninguém acredita que o assunto não tenha a mãozinha socialista.
Se o facto fosse conforme o primeiro-ministro alude não necessitava de desmentidos. A eventual mentira, conforme todos sabemos, desfaz-se por si própria.
É uma vergonha. Mais: é a tentativa pusilânime de amordaçar o país.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 20:47

Setembro 01 2009
Acabámos de ver a entrevista de José Sócrates à RTP1. Foi, como se costuma dizer, mais do mesmo. Talvez com uma ligeira diferença: a fera está muito amansada.
Mas vamos ao conteúdo. Tal como há quatro anos, cá está o homem, novamente, a debitar promessas atrás de promessas: criação de 5000 estágios para jovens na administração pública, 25000 lugares para desempregados e outros 1000 para jovens licenciados em IPSS. É um regabofe!
Depois a debitar números o sujeito é um ás. Não é chefe de um governo, é uma grafonola, ainda por cima com o disco riscado, a expelir estatísticas.
Por outro lado, foi bonito de o ouvir dizer “não sou cínico. Digo sempre o que penso”. O muito que nos rimos.
Já o desemprego, o défice e o aumento extraordinário da dívida pública não são culpa do governo, mas sim da recessão económica internacional. Claro, já cá faltava! A crise mundial tem as costas largas e, para cúmulo, não se pode defender.
Quanto a chefiar um eventual governo minoritário, nem uma palavra. Não se quer comprometer com possíveis cenários. Os portugueses ficaram esclarecidos e agradecem!
Por último, a alusão ao mal-estar da classe docente. Aqui, desculpem-nos o termo, mas nunca o vimos a patinar tanto. Notou-se à saciedade que o Sr. Engº não estava à vontade. Bem pelo contrário. Apenas se destacou a afirmação que estaria disponível para procurar soluções que vão ao encontro do interesse dos professores. Ora, como estes não se deixam embalar por muito que as palavras sejam agradáveis, foi tempo perdido.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 22:03

Setembro 01 2009
Nota-se, desde há uns tempos, uma tendência crescente para determinada franja do eleitorado, entre os quais muitos docentes, para votar, nas próximas legislativas, no Bloco de Esquerda (BE).
É um direito que lhes assiste e, como tal, de respeitar.
Contudo, seria interessante que os eventuais votantes bloquistas, antes daquele acto cívico, atentassem em algumas das propostas do BE.
Assim, de entre muitas outras medidas, vejamos o que propõe o BE: casamento e adopção por parte dos homossexuais; administração de heroína a toxicodependentes no SNS; eutanásia; e, pasme-se, a proibição de “rodeos” e produção de galinhas em bateria, isto é, em aviários.
Nesta ordem de ideias, os toxicodependentes, vulgo drogados, passariam a ir hora sim, hora não, ou, quem sabe, a todas as horas, aos hospitais e centros de saúde para a sua “passa”. Por outro lado, para comermos frango transformaríamos este imenso Portugal, parafraseando Chico Buarque de Holanda, em capoeiras campestres.
Rimo-nos? Claro que sim. Todavia, a brincadeira tem limites e um dia pode sair-nos muito cara.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 18:23

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Setembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

13
14
15
17
18
19

20
25
26

29
30


arquivos

Julho 2024

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Julho 2022

Junho 2022

Maio 2022

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO