O meu ponto de vista

Setembro 28 2009
No estado em que se encontra a política nacional só conseguimos descortinar prós. É pró-PS, é pró-CDS/PP, é pró-BE e, com alguma boa vontade, também é pró-PSD e pró PCP, pois até estes aumentaram o seu número de deputados.
Contras, contras somente os indivíduos da abstenção, esse grande “partido” em expansão, cujos militantes preferiram ir à praia, passear ou ficar a descansar em casa. Cambada de ingratos, é o que são.
Mas vamos a assuntos mais sérios. Ontem, já a noite ia adiantada, sem querer, ouvimos, mas sem escutarmos, pois esta coisa de escutas tem que se lhe diga, uma conversa que trazemos ao conhecimento dos nossos leitores.
No final de uma noite mista de alegrias e engulhos, o Zé, visivelmente cansado, virando-se para os seus melhores amigos e conselheiros, perguntou:
- Oh, Augusto e Pedro qual é a vossa opinião? Devo falar mais amiúde com o Paulo ou com a dupla Francisco/Jerónimo? É que isto vai ser uma chatice e das grandes, uma vez que os poucos que ontem ainda acreditaram em nós, obrigam-nos a negociar com um ou dois destes gajos. Não gosto nada, mas terei outra solução? Vejam lá! Logo eu que sou um animal feroz, andar a “dançar o vira” ora com este, ora com aquele. Com a Manuela está fora de causa, pois a mulher está a prazo, tão certo quanto um dos meus homónimos ser um antigo filósofo grego.
E os interlocutores, um tanto ou quanto contrafeitos, pois também eles nada feitos para a flexibilidade e muito menos para cedências, lá muito a custo ensaiaram uma resposta conjunta:
- Eh, pá, talvez seja melhor com o Paulinho. É mais diplomático e em termos radicais então nem se fala. E depois nos modos de vestir não se compara nada com aqueles pindéricos. Aliás, tal como tu, também gosta muito de Armani. Só vemos um problema, isto é, tens que abrir a camisa em pelo menos três botões, logo tu que não tens pêlos no peito!

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 20:46

Setembro 27 2009
Infelizmente, no nosso entendimento, o PS vai continuar a governar este canto à beira-mar plantado, não por quatro, mas sim por seis anos.
Senão, vejamos. Durante os dois próximos anos o PS assumirá os destinos do país através de um governo minoritário. Claro que a permanente guerrilha partidária será instalada, levando o PS a vitimizar-se - aliás é especialista neste campo -, provocando eleições antecipadas daqui a dois anos. Lógico é pensar que o povo, cansado de tantas questiúnculas político-partidárias, dará, então, e mais uma vez, a maioria absoluta a José Sócrates.
Os portugueses só se poderão queixar de si próprios.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 20:01

Setembro 24 2009
Por motivo de espaço só nos é possível publicar parte dos distritos. Contudo a quem o desejar podemos enviar o estudo completo.



Círculo eleitoral


5


4


3


2


1


0


Certamente útil


Provável.


 útil


Eventualm.


útil


Dific.


útil


Só para protestar


Tot. inútil


AVEIRO


PSD, CDS


BE


CDU


 


OBN


Abstenção


C. BRANCO


PSD


 


 


 


BE, CDU, CDS, OBN


Abstenção


COIMBRA


PSD


BE


CDU


CDS


OBN


Abstenção


GUARDA


PSD


 


 


 


CDS, BE, CDU, OBN


Abstenção


LEIRIA


PSD, CDS


BE


 


CDU


OBN


Abstenção


LISBOA


PSD, CDU, BE, CDS


 


MEP


 


OBN


Abstenção


PORTO


PSD, CDS, BE, CDU


 


 


MEP


OBN


Abstenção


VISEU


PSD, CDS


 


 


BE


CDU, OBN


Abstenção


Agora, cabe a cada um, em consciência, decidir. Depois, porém, não diga que não possuía todos os dados.


 Hernâni de J. Pereira

publicado por Hernani de J. Pereira às 08:54

Setembro 23 2009
Pessoas existem que não conseguem aportar uma credibilidade nas suas visões, no seu trabalho e, até, na sua vida. Aliás, a sua visão da acção e de “terreno” é, muitas vezes, tão restrita que impossibilita “oferecer-lhes” as principais impressões dos representantes das estruturas intermédias e, muito menos, a evolução e o futuro da sociedade.
Por outro lado, para que todo o pensamento seja exequível e, acima de tudo, útil devemos recorrer a fontes credenciadas, facto que corroborará, sem dúvida, que aquele é um exercício extremamente prestigiado e relevante.
É que tendo em conta as constantes mutações e transformações da dinâmica política é necessário ter em linha de conta a utilidade do gesto electivo. Nos pratos da balança a conjugar no próximo domingo, apesar das divergências e discrepâncias, é imperioso ostentar a escolha do menor dos males.
Para melhor explicitar o anteriormente escrito, pessoa amiga enviou-nos o quadro seguinte da autoria do Jorge Martins, professor de Geografia da Escola Secundária Rodrigues Lobo, em Leiria, membro dos órgãos sociais da APEDE, o qual publicamos, por motivos de ordem técnica, em novo artigo e com a devida vénia.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 22:58

Setembro 22 2009
Quantos “actores” vemos, hoje em dia, presentes neste palco “sofrido”? Imensos, responderemos todos. Não haja dúvida, o seu número tem tido um incremento extremamente forte e negativo, o que, para além de desprestigiar a postura das nossas instituições no segmento em que actuam, permite-lhes também continuar um processo de degradação e retrocesso.
Infelizmente a possibilidade de colocação de tais “actores” em posições cimeiras e de destaque aumenta, levando, por isso, a asseverar como factor de não competitividade. A capacidade de facultar o acesso a uma informação credível, direccionada e facilitadora, tendo como desiderato uma comunicação primordial e atempada está, deste modo, colocada em causa.
Estes “actores” pujantes de jactância e ufanos do nada dificultam o acesso a informação de consulta e de aspecto acessível, desedificando instrumentos há muito instalados e provados, os quais, além de informativos e inteligíveis, eram referências no sentido de promoção e identificação dos principais “players” presentes no universo da Qualidade.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 22:47

Setembro 21 2009
O confronto e os constrangimentos a que ultimamente as contingências de ordem familiar nos obrigaram levaram a um desenvolvimento interior, gerador de outras oportunidades sobre a sustentabilidade do “eu”.
Simultaneamente, tal estado vai, sem que à nossa volta o lobriguem, exigindo a criação de estratégias mais defensivas, pouco conciliantes com a realidade por todos esperada. De todo, se torna impossível, neste instante, assumirmo-nos como actores e indutores de atitudes e comportamentos que assegurem a trajectória de convergência com os nossos verdadeiros e legítimos desejos.
Contudo, estamos convictos, a coerência, sentimento que nos é tão caro, assegurará a eficiência e trará a coesão necessária à nossa defensibilidade, implicando, porém, de momento, abordagens diferentes daquilo que é a nossa acção pública multifacetada.
Como dizia uma amiga “a força mais potente do universo é a fé”. E esta é inabalável, independentemente do desfecho.
Uma palavra de agradecimento a todos os que nos têm acompanhado.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 23:31

Setembro 16 2009
O fim-de-semana começou inquestionavelmente de forma esplendorosa. O Porto acolheu-nos, mais uma vez, na pluralidade das suas ofertas e serviços culturais. Por isso, continuamos convictos que ir ao Porto continua a ser “opening cycle” constante. Promotora por excelência de eventos, a cidade tem uma importância que, à priori, não se descortina com facilidade.
Por outro lado, o Red Bull Air Race prometia face à beleza vista nas classificativas de sábado. Neste dia o Douro, em geral, e a Ribeira, em particular, já de si tão deslumbrantes, apresentavam outras colorações.
Manhã de domingo. O dia nasce bonito, com elegante réstia, rompendo o que restava das brumas da noite, como somente o Porto nos sabe proporcionar.
E eis que a notícia chega. Abrupta, quase fatal, instalando o mau estar e dúvidas angustiantes. As más notícias não escolhem tempos e muito menos formas.
Mais palavras? Não sabemos. O futuro o dirá.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 23:26

Setembro 10 2009
Há pessoas assim. Os seus escorreitos discursos parecem permitir o acesso, no menor espaço de tempo, à maior informação possível, ficando, nós, na sublime ilusão que falam sempre, de tudo e de todos, de forma consistente, dominando na perfeição a questão dos “sound bytes”. Os trejeitos e poses – certamente estudados com a ajuda prestimosa de agências de comunicação, pagas a peso de ouro – levam o mais céptico a render-se à doce ilusão sobre o seu saber relativo à multiplicidade dos domínios hoje tão caros à nossa sociedade. Esta plasticidade tem levado inúmeros investigadores a preocuparem-se com o abandono da autenticidade, chegando, inclusive, a associar este fenómeno a uma máxima traduzida por “clientes satisfeitos também saem!!!”.
No auge de António Guterres os analistas políticos classificaram-no com “picareta falante”, uma vez ter sempre, na ponta da língua, resposta pronta e “eficaz” para a pergunta mais insólita e/ou repentina. Hoje em dia, Francisco Louça, José Sócrates e Paulo Portas não desmerecem aquele epíteto. Também estes, quais cassetes permanentemente rebobinadas na faixa certa, possuem constantemente os melhores dados estatísticos, as mais genuínas convicções, a maior das certezas e, para além disso, a infalibilidade das suas propostas por mais inverosímeis que sejam.
Basta vê-los nos debates da TV, nas entrevistas, nas acções de rua, onde quer que seja, para podermos contemplar a sua extraordinária eloquência, pois dissertam sobre economia, educação, justiça, saúde, segurança, política externa, etc., etc., tal como o mais sábio dos sábios. É mesmo para dizer que nunca se enganam e raramente têm dúvidas.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 23:15

Setembro 09 2009
O final de 2009 representará um novo ciclo e um arranque para outros projectos. Assumimos de forma inequívoca a nossa vocação de outros voos, crescendo sempre. A ambição é multiplicar N vezes a nossa dimensão, prestando serviços sempre mais e melhor onde quer que estejamos.
Todavia, este novo ciclo ficará sobretudo marcado pelo trabalho preparatório que antecedeu, durante muitos anos, esta nova fase.
As infraestruturas que ainda hoje constituem grande parte do nosso substrato contribuirão de forma decisiva para a modernização económica e social que nos aguarda. Esta representará uma nova revolução, lançando os alicerces de desenvolvimento para os próximos anos.
Aliás, o desenvolvimento aludido anteriormente, irá muito além dos nossos breves horizontes, sendo, estamos convictos, alterado pelo novo paradigma político e funcional, mas irá, acima de tudo, mudar a forma como vivemos, trabalhamos e nos divertimos. Os benefícios da implementação da nova plataforma serão visíveis tanto a curto como a médio prazo.
Por outro lado, os desafios colocados serão diversos, mas há um novo arquétipo no horizonte e que aliás se irá impor: uma nova geografia da inovação que, na prática, significa que a mudança tornar-se-á relevante, semelhante ao que há dois séculos aconteceu com os transportes, no decurso da revolução industrial. Ou, por outras palavras, o nosso mundo ficará mais perto e as oportunidades de realização profissional e pessoal serão ampliadas independentemente, repetimos, do local onde fisicamente nos encontramos.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 20:50

Setembro 08 2009
O PS tem cá uma pontaria. Extraordinária, diríamos mesmo! Vejam que, para além de continuar a ter José Sócrates como candidato a primeiro-ministro, escolheu como sua mandatária para a juventude Carolina Patrocínio, uma carinha laroca, muito em voga, ultimamente, nos meios do “jet set” nacional. Como se costuma dizer, uma desgraça nunca vem só.
Mas como para um lugar destes não basta apenas ter um corpinho jeitoso, a menina, coitada, quando abre a boca é uma desgraça. Vejamos, então, algumas pérolas das suas mais recentes declarações:
- “Só como cerejas, quando a minha empregada tira os caroços por mim. E as uvas também só as como sem grainhas. É uma trabalheira”;
- “Detesto perder. Prefiro fazer batota do que perder”.
Bem, com exemplos destes para a nossa juventude estamos falados. Ou, como diria o outro, palavras para quê? É um(a) artista português(a).

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 20:38

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Setembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

13
14
15
17
18
19

20
25
26

29
30


arquivos

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO