O meu ponto de vista

Março 31 2009
Manter o rumo e a lucidez nestes tempos é lembrar que a vida continua, que os jovens vão continuar a querer uma escola que seja deles, onde, pelas mais variadas formas, continuem a afirmar, como hoje o fazem, que gostam dela.
Ora, tal leva-nos à assunção de uma missão que continua a ser a de saber aproximar a escola da comunidade, apoiando e recebendo ânimo a níveis naturalmente diferentes.
Aconselha-se, pois, a cooperação a quem diariamente cria uma oferta consentânea e responsável com as necessidades do público, bem como com estado sócio-económico da comunidade que serve, ajudando, assim, quem procura descobrir o lugar certo na sociedade futura, tantas vezes um lugar, uma posição que o interessado nem sonha que existe.
E manter o rumo, nestes tempos, é ser firme na defesa e transparência da acção, o que também significa não ceder a pressões oportunísticas de terceiros.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 21:04

Março 30 2009

Apesar de registar pessoalmente alguns pontos de vista comuns e outros em que o desacordo é quase total, não quero, contudo, deixar de dar aos leitores uma perspectiva diferente das muitas análises que, sobre esta temática, habitualmente, se encontram publicadas.


O jornal Público de 25 de Março p.p. trazia uma entrevista com o pediatra francês Aldo Naouri, autor do best-seller “Educar os Filhos: Uma Urgência nos Dias que Correm”, no qual defende uma educação sem relações democráticas, onde as crianças são postas no seu lugar, que é de obedecer sem questionar.


Na citada entrevista refere que “os pais e os filhos não estão no mesmo nível geracional, entre o pai e a criança a relação é vertical. Ao educarmos a criança, queremos elevá-la, fazê-la ascender ao nosso nível, ou seja, partimos do bebé para fazermos um adulto. Quando damos uma ordem e a explicamos, a relação vertical torna-se horizontal porque permitimos à criança que possa negociá-la


Mais adiante alude que “os pais não devem nunca pedir desculpa mesmo quando erram. Devem falar com firmeza e ternura. Nunca temos de nos justificar, nem dar argumentos á criança. Podemos explicar, mas não justificar.”


E continua “quando dizemos «não» estamos a impor limites, estamos a dizer à criança: «o teu percurso é por cima desta ponte e esta tem parapeitos para que não caias à água». Se os pais disserem «não» com tranquilidade, a criança não vai contestar.”


E conclui dizendo que “os bons pais são os que permitem à criança poder desejar. Os excelentes não existem. Todos os pais têm defeitos. Os maus são os que acham que a criança tem direito a tudo… Os pais devem ser pais, que não tenham medo de o ser e de ter confiança. Se assim agirem saberão o que fazer.”


 


Hernâni de J. Pereira

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:33

Março 27 2009
Hoje reuniu-se, mais uma vez, um conjunto de sinergias que culminou na consolidação de uma imagem de referência. Tratou-se de uma inovação ao nível organizacional que irá consolidar a experiência e credibilidade que o Agrupamento de Escolas de Pampilhosa possui junto da comunidade local.
Um projecto ambicioso com o objectivo de que a formação e informação divulgada se torne uma referência para todos os especialistas. A par da nova estratégia, foram introduzidas novas rubricas e uma nova abordagem de conteúdos que se aproximam mais dos alunos, dando lugar a novos programas, os quais irão também seguir a mesma directriz e levar os respectivos encarregados de educação e outros membros da comunidade educativa a ter outra postura.
Quando chega a Primavera, as temperaturas sobem e os primeiros raios solares são motivo mais que suficiente para desfrutar de novos ares, é tempo de procurar mais-valias, avaliar os projectos onde se irão instalar as âncoras existentes, observar as vantagens para a operações mesmo aquelas com localizações “prime”, as quais irão administrar os melhores trunfos. Acrescente-se ainda os níveis de confiança, os quais são sinónimo de selecção e de atracção, uma vez que foram priorizados tendo em linha de conta a qualidade.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 22:05

Março 26 2009
Jogos florais
Rejeições presumidas
Riscos calculados
Impulsos pré-estivais
Angústias incumpridas
Gestos incompreendidos
Objecções racionais
Dores mal-amadas
Olhares infundidos
Ideias transformacionais
Partidas adiadas
Adventos pronunciados
…
Para tudo!

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 23:04

Março 26 2009
Segundo as últimas notícias vindas a lume, existem Magalhães a ser vendidos no mercado negro. Até aqui, nada de estranho. É típico de muitos que habitam neste rectângulo à beira mar plantado. Oferecem-nos uma coisa num dia e no seguinte estamos tentar “fazer” alguns trocos com a respectiva transacção ou permuta.
O que nos espanta é haver quem esteja na disposição de dar algum dinheiro, nem que seja pouco, por tal produto.
Há coisas incompreensíveis!

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 21:44

Março 25 2009
É necessário ler e ouvir muito para depois escrever. E é, principalmente, quando se lê ou ouve que as ideias nascem: Não se quer dizer que estas se concretizem de imediato, mas é nesse momento que as reflexões surgem.
A vida agitada que diariamente levamos não é, de modo algum, compatível com os momentos calmos que necessitamos para nos inspirarmos.
E o que se escreve e o modo como se faz é cada vez mais importante. Os leitores de hoje são sensíveis e exigentes relativamente a muitas questões, mas principalmente aos temas ambientais, educacionais e de justiça.
Não admira, assim, a recepção a novas alternativas. Contudo, mesmo para estas o leitor não deixa de ser exigentes relativamente à performance do que lê e ouve. É a procura da conjugação de eficácia e cuidado com o que nos rodeia.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 21:38

Março 23 2009
O tema é a política. Foi este o assunto a que fomos desafiados a abordar. Pois bem, apesar de não ser fácil e carrear alguns perigos, não nos furtaremos a fazê-lo. A política já não é novidade para ninguém e, como tal, também o não será para muitos dos nossos alunos, principalmente os mais velhos. Todos falam dela, discutem e analisam, infelizmente, a maior parte das vezes, pelos motivos menos plausíveis.
Todos os sectores de actividade se podem e devem analisar do ponto de vista político. A educação não é excepção. Aliás, há muitos anos que aprendemos que tudo o que fazemos e como fazemos é política, uma vez que as implicações daí provindas afectam a nossa vida e daqueles que connosco vivem e convivem.
Como é óbvio a escola em geral e a nossa em particular não pode nem deve professar qualquer orientação política. Isso, porém, não quer dizer que seja apolítica. O modo como nos situamos perante a enorme responsabilidade que arca sobre os seus ombros, assim determina o seu e nosso futuro. E, atenção, nenhum dos elementos desta grande comunidade educativa se pode isentar do respectivo dever político. Todos, sem excepção, temos o dever perene de fazer o melhor possível e da forma mais eficaz.
Uma coisa, contudo, é certa. Com raras excepções, temos cumprido a nossa obrigação política. O pioneirismo, os resultados académicos/profissionais e as exclamações de agrado por parte dos visitantes aí estão a confirmar, sem margem para dúvidas, tal afirmação.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 20:28

Março 22 2009
Admiro o modo destemido com que Miguel Sousa Tavares (MST) fala e escreve. Aprecio o seu estilo independente, sem receio de afrontar interesses corporativos, sociais ou políticos. Procuro, sempre que possível, vê-lo 5ª feira, à noite, na TVI. As suas crónicas no Expresso são das primeiras coisas que leio neste semanário.
Vem esta declaração de interesses a propósito do artigo de MST, naquele jornal, neste último sábado. A sua invectiva contra Bento XVI e o modo intempestivo como o faz, provocou-me mal-estar. Como católico esclarecido - pelo menos tento-o ser – não posso, de modo algum, estar de acordo com a análise aí feita.
De entre muitas, observe-se a seguinte pérola de prosa. Afirma, a determinada altura, que o Santo Padre deu cobertura “a vendilhões do templo a tal extremo que conduziram o mundo a uma crise global …”. Ora, tal, para além de gratuito é, acima de tudo, ofensivo. Mas a desdita continua e cita-se “Deus não iluminou o conclave de Roma no momento de soltar fumo branco por Ratzinger. Mas o pior é que o mundo que os rodeia também não os inspirou em nada. E a consequência é que a Igreja Católica desertou de onde, apesar de todos os seus humanos erros, faz falta”.
Apetece indagar. Quem, mais que a Igreja Católica, tem valido, nestes tempos de crise, a tantas e tantas famílias neste e noutros países?
E apetece ainda exclamar. Onde a Igreja Católica talvez, sublinho talvez, não está é nas praias de Copacabana e Leblon, locais onde MST gosta de esbanjar os enormes proventos que consegue angariar à custa de todos nós, os tais desertores.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 22:05

Março 21 2009
Do global para o detalhe. Da visão macro para a conspecção micro. Da visão multifacetada para o aspecto singular da realidade.
A manifestação e a consequência do futuro a partir do passado, mas principalmente do presente. É o previsível em contraponto ao real.
Estas palavras vêm a propósito da notícia que alguns «media» publicaram - infelizmente sem o eco necessário – em que a FAO (organização da ONU para a agricultura e alimentação) alertava para a perda diária de 200 quilómetros quadrados de floresta em todo o mundo. E o relatório desta informava, ainda, que “os altos preços dos alimentos e do combustível favorecem o corte das florestas para dedicar o terreno à criação de gado e aos cultivos comerciais destinados a alimentos e biocombustíveis”.
Em conclusão, teremos a capacidade para perceber os impactos, de criar cenários de causa-efeito para responder, no momento, a questões do presente e do futuro?

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 22:32

Março 20 2009
A separação de águas está feita. Já ninguém tem dúvidas das reais intenções. Ainda bem. Assim, ficamos todos esclarecidos sobre quem, afinal, sempre quis o poder e preparou antecipadamente a respectiva investida.
Contudo, não basta arriscar, é necessário inovar e, acima de tudo, vencer. Ora, sobre inovar e vencer todos sabemos onde estão os pergaminhos.
Inovar por se ter apostado no desenvolvimento de estratégias que incentivaram a escola e, por conseguinte, os alunos a adquirirem conhecimentos de forma motivada, através de um corpo docente pedagogicamente bem formado.
Vencer pela elevada qualidade dos projectos lançados, a maior parte em parceria com as mais diversas entidades, pelo suporte técnico eficiente, pela recusa das discussões demagógicas e pelos lugares cimeiros alcançados em comparação com as instituições congéneres.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 14:23

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Março 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
13
14

15
17
19

24
28

29


arquivos

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO