O meu ponto de vista

Outubro 31 2008
A poucos dias das eleições presidenciais, com os estrangeiros a “eleger” Obama e a “pagar” para ver se os americanos conseguem ultrapassar velhos fantasmas e escolher, pela primeira vez, um negro para a Casa Branca, a crise financeira parece exigir que o próximo presidente dos EUA seja um novo Franklin Roosevelt, o homem que recuperou a América da crise de 1929.
Por outro lado, nos últimos anos, a Europa ganhou uma nova e completa dimensão e a Rússia já não é o que era e, como anteriormente se dá a entender, a própria América procura novos caminhos.
Podemos, assim dizer, sem receios de desmentidos, que tudo mudou, corroborando o que dizia o poeta “todo o tempo é feito de mudança”.
Como é evidente, porque fortemente inserida na sociedade - e ainda bem que assim é - a escola também evoluiu, almejando, hoje em dia e cada vez mais, patamares de excelência.
Então, partindo deste pressuposto, podemos perguntar:
- A que propósito é que a escola não deveria mudar?
- Sob que desígnio superior pretendemos manter «ad eternun», na escola, as mesmas regras?
- Será possível e conveniente ter, nos dias de hoje, neste mundo globalizante, uma escola como há dez, vinte anos atrás?

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 18:10

Outubro 26 2008
Liderança, tema a que voltamos com gosto e dedicação. Se existem qualidades que se sobrepõem na liderança das organizações e que, particularmente, nos são caras são a humildade e a simplicidade.
Reconhecer que os outros também têm razão, acolher as suas ideias e, acima de tudo, conseguir transformá-las e integrá-las de forma inteligente, no âmago da sua «entourage», isto é, sem ressentimentos, dando a entender que, no fundo, sempre pensámos assim, apenas nos tendo faltado a oportunidade, é, perdoem-nos a comparação, a cereja em cima do bolo.
Por outro lado, a forma como nos relacionamos com as pessoas, desde o funcionário cujo conteúdo funcional é o mais baixo até aos quadros superiores, revela a forma importante de estarmos na vida e a força do nosso carácter. A arrogância, a vilipendiência, o «punho fechado» nas manifestações e nos abaixo-assinados em defesa dos trabalhadores anónimos, quando, diariamente, desprezamos e muitas vezes espezinhamos os que nos rodeiam, são motivos, mais que suficientes, para a ingovernação e jamais para o alcance de uma liderança, minimamente, eficaz.
Como Fred Kofman, um dos actuais gurus da liderança, afirma o líder terá que reunir três qualidades: responsabilidade, integridade e humildade. E, tal como este, também nós reafirmamos que a admiração que nutrimos por alguém não deverá ter nada a ver com o sucesso mas sim com as suas qualidades humanas. Terá a ver com o modo como denota entusiasmo e motiva os que estão no seu «inner circle».

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 15:23

Outubro 26 2008
Já experimentaram estar um fim-de-semana completo fechado dentro das quatro paredes de uma escola com vista a reparar o sistema informático? Não! Então, experimentem que é uma sensação extraordinária.
Não imaginam o que se sente quando, por exemplo, após estar desde as nove horas da manhã de sábado e se chega às vinte, ao efectuarem-se os últimos ensaios, pensando, bem amanhã, pelo menos, descansarei, vou estar com a família, passear, almoçar fora, ver o mar, ver pessoas, misturar-me com a multidão, o problema se agrava e se volta à estaca zero. Não há paciência para testar outras alternativas. A única solução é ir para casa e amanhã, domingo, voltar de cabeça fria, de modo a repor o sistema de novo, verificando, passo a passo, onde foi cometido o erro.
Resta-nos ter confiança em Deus, neste dia que, especialmente, Lhe é dedicado. E como diz o grande teólogo Hans Urs vom Balthasar o homem “existe como um ser limitado, num mundo limitado, mas a sua razão está aberta ao ilimitado, a todo o ser; a prova consiste no conhecimento da sua finitude, da sua contingência: eu sou, mas poderia não ser. E muitas coisas que não existem poderiam ser.”

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 11:29

Outubro 25 2008
Li em tempos que Picasso queimou, quando habitava um esconso e gélido quarto com o poeta Max Jacob, na já então snob Paris, variados desenhos com o fim de se aquecerem.
Não temos a menor dúvida que se tratou de uma perda para a humanidade, pois, com toda a certeza, tratavam-se de obras de arte que se perderam para sempre.
Contudo, o certo é que aquele artista não fez mais que destruir, ainda por cima para o necessário aquecimento, algo que apenas e somente apenas a ele pertencia.
A grande questão é quando vemos, nos dias de hoje, delapidações de riquezas que não nos pertencem.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 15:40

Outubro 19 2008
Não é novidade para ninguém que os docentes têm razões de sobra para se queixarem deste ME. O desprezo pelo trabalho insigne dos professores, as medidas tomadas, a maior parte das vezes, de forma avulsa e desconexa, o legislar sobre legislar e a toda a velocidade, o atropelo sistemático à lei, são motivos mais que suficientes para justificar a sua justa e permanente revolta. Isto já para não falar da avaliação desmesuradamente burocrática, fazendo-os esquecer o mais importante do seu conteúdo funcional, a preocupação com os alunos.
Contudo, que se diga alto e em bom som, que o estado actual da educação não é culpa somente dos responsáveis da 5 de Outubro. Os sindicatos dos professores têm tanta ou mais responsabilidade.
Ora, todos se lembram da traição que os sindicatos dos professores, e principalmente a Fenprof, propiciaram à luta que atempadamente os professores levaram a cabo, com a assinatura de um execrável memorando de má memória.
Agora, quais crocodilos, vertem lágrimas afirmando, cheios de pesar, que a os professores não aguentam tanta burocracia, que as escolas sofrem do síndrome de “reunite”, que é necessário discutir tudo de novo, prontificando-se, quais homens sem palavra, a rasgarem aquilo que despudoradamente, em tempos assinaram.
E, para colocar a cereja em cima do bolo, quando os movimentos independentes dos professores se preparam para fazer uma enorme manifestação no próximo dia 15 de Novembro, em Lisboa, eis que a desfaçatez ultrapassou todos os limites, a Fenprof, numa tentativa de desmobilizar os docentes, marca uma outra concentração, também em Lisboa, mas para o dia 8.
E ficamos, nós, homens e mulheres, para quem a ética e o profissionalismo não são palavras vãs, impávidos e serenos perante mais esta afronta?

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 22:03

Outubro 14 2008
Hoje foi apresentada, na Assembleia da República, a proposta do Orçamento de Estado para 2009.
E aquilo que já desconfiávamos veio a concretizar-se. As medidas demagógicas e populistas aí estão em forma de letra e … números.
Concomitantemente com o que se acaba de escrever observem-se apenas duas das muitas medidas propostas:
• Aumentos da função pública de 2,9% quando a inflação prevista não vai para além dos 2,5%;
• Transferências no âmbito da rede social aumentam cerca de 10%.

Medidas eleitoralistas? Não. Que ideia!!!

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 21:54

Outubro 12 2008
A nossa acção como profissionais da educação visa, antes de mais, alargar o volume de saberes e, consequentemente, a segurança na transmissão de conhecimentos. Sabemos que este é o caminho certo para que a Educação recupere a confiança que lhe é devida e volte a ser um dos principais motores geradores de riqueza e motivadores de uma recuperação indispensável e inadiável. Um caminho que exige um esforço acrescido para, neste sector, potenciar o optimismo, adequando a oferta à procura e exercendo um magistério didáctico sobre esta matéria.
Sabemos que somos nós quem tem de marcar o nosso futuro, na linha da poesia do madrileno Antonio Machado para quem o caminho se faz caminhando.

“Caminante, no hay camino,
se hace camino al andar.”

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 22:11

Outubro 05 2008
É já um lugar comum afirmar que o investimento educacional não é um investimento deslocável como tantos outros. Contudo, é bom que se saiba que o investimento educacional é um investimento com alto retorno e, por isso, com ganhos fabulosos.
Neste quadro, ao limar os inevitáveis erros do explosivo crescimento quantitativo que se abriu com a democratização do ensino, o papel do investimento na educação, é cada vez mais, um papel determinante para o desejável equilíbrio na procura da qualidade, isto é, para um efectivo contributo do sector no desenvolvimento sustentado do país.
Conhecemos, como poucos, as escolas novas e as escolas que se renovam, e o que se pode fazer destas como escolas aprazíveis para trabalhar, para estudar e para viver sem abdicar dos direitos de cidadania que assistem a todos nós.
Também sabemos o que verdadeiramente entusiasma quem está interessado em frequentar a sua primeira escola e, acima de tudo, em continuar a apostar nela. E bem sabemos que em matéria de captação de investimento educacional não basta dizer que merecemos. É necessário demonstrá-lo todos os dias.
Este conhecimento é a grande, inquestionável e insubstituível mais valia do investimento educacional.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 21:03

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Outubro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
15
16
17
18

20
21
22
23
24

27
28
29
30


arquivos

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO