O meu ponto de vista

Setembro 28 2008
Durante anos e anos, cerca de duas dezenas, o general Ramalho Eanes foi impedido de receber as duas pensões a que, por lei, tinha direito, isto é, a de militar na reserva e a de ex-presidente da república.
Como cidadão consciente recorreu para os tribunais, os quais, passados estes anos, vieram, como aliás não podia deixar de ser, dar-lhe razão. Mais: ditaram que, para além do direito a receber a duas pensões como tantos e tantos outros, tinha também o direito de receber os retroactivos, no valor de 1 300 000 €. Sim, sim, leram bem. Um milhão e trezentos mil euros.
Bom! Até aqui tudo normal, isto se esquecermos que não andou, na praça pública, a gritar aos sete ventos o seu caso.
Contudo, o caso muda de figura, quando damos conta que Eanes recusou os ditos milhão e trezentos mil euros de retroactivos, manifestando, deste modo, um desprendimento absoluto e um carácter excepcional.
Num tempo de forte vilanagem, em que a maioria das pessoas tenta constantemente torpedear o outro, em que o dinheiro, independentemente da sua proveniência, nunca é demais, é de realçar este gesto nobre.
Por se tratar de dinheiro que sairia dos nossos bolsos, também por isso lhe devemos estar agradecidos.
Ainda vale a pena acreditar no Homem.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 19:37

Setembro 28 2008
A falta de vergonha não tem limites. Veja-se o caso da CM de Lisboa e aquilo que já é conhecido por «lisboagate».
Desde há mais de vinte anos, isto é passando por todos os quadrantes políticos, para além de dar, de um modo discricionário, moradias a políticos e seus familiares, cujas rendas a maior parte das vezes não ultrapassam os 100 €, sabe-se que, por outro lado, continua a pagar, desde há quatro anos, rendas na ordem dos 1800 € mensais por alojar, em condomínios de luxo, inquilinos cuja habitação, pertença da autarquia, em tempos apresentava perigo de derrocada.
E os políticos continuam a dizer, com a maior desfaçatez, que não existe qualquer ilegalidade. Pode não haver, face às leis que eles próprios se encarregam de produzir, para melhor se acobertarem. Mas, não temos a menor dúvida, que existe uma enormíssima imoralidade e são estes factos que levam ao descrédito dos políticos.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 16:18

Setembro 23 2008
Um responsável por uma entidade que ostenta o 4º melhor relatório sobre sustentabilidade no mundo afirmou e citamos “a sustentabilidade deixou de ser uma opção para passar a ser uma condicionante da própria sobrevivência”.
O desenvolvimento de projectos sustentáveis implica, antes de mais, uma atenção especial à gestão eficiente de resíduos, da energia ou da água. Contudo, tem que ir mais longe nesta matéria, tendo em conta, desde a génese do projecto, todas as condicionantes e os impactos ambientais que o mesmo possa ter no meio onde virá a implantar-se.
No centro destas discussões está, e ainda bem que assim é, o cerne do projecto Eco-Escolas, pois a hora é de reabilitação e de um novo olhar realmente inovador e com preocupações em torno do desenvolvimento sustentado.
Num futuro, que julgamos e pretendemos o mais próximo possível, o papel insubstituível deste projecto, porque centrado na escola, será claramente reconhecido como um papel-chave para inverter os erros cometidos no passado, tarefa que exige cidadãos cada vez mais bem formados.
E aqueles que ainda olham para a Escola com um olhar de desdém vão ter de tirar o chapéu aos «doutores» da ecologia, na exacta medida em que o seu papel deixa de ser apenas o ministrar do saber e do conhecimento para ser o profissional que sabe cruzar a oferta certa com a procura certa, eliminando os riscos dos saberes condenados a ser «stocks».
Há muito que equacionámos estas questões, nomeadamente pela via da formação – uma formação com consciência ecológica e ambiental - que faça da acção da Escola uma mais-valia para a tarefa de deixarmos de viver em permanente risco.
Este é o propósito do projecto Eco-Escolas o qual, com o apoio da autarquia, será, sem sombra para dúvidas, o dar corpo a todas as preocupações éticas que todos nós temos o dever de incorporar, bem como fazer parte da solução.
Dizer apenas isto, perdoem-nos a linguagem, é, de certo modo, algo simplista. A adesão de uma escola a este projecto requer cumulativamente a posse dos seguintes factores:
• liderança de topo,
• capacidade de mobilização de recursos físicos e humanos,
• disponibilidade de tempo,
• agilidade nos contactos institucionais.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 23:22

Setembro 21 2008
• Existem muitas maneiras de ser feliz e às vezes aquelas a que estávamos habituados podem não ser tão interessantes como as que vamos descobrindo.
• Fui compreensivo enquanto outros me condenaram; ofereci a outra face enquanto outros me castigaram.
• Choro por tudo o que fiz e por tudo aquilo que não fiz.
• Se o sentimento de culpa e angústia for honesto, por ser verdadeiro, limpa a alma.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 00:45

Setembro 18 2008
Temos hoje, sabemo-lo bem, a obrigação de criar condições para a sobrevivência do amanhã. Isto é o que entendemos por sustentabilidade. Por outras palavras, não podemos deixar aos nossos filhos uma terra mais exaurida e mais poluída do que aquela que herdámos dos nossos pais. Estas preocupações éticas deverão, de uma forma obrigatória, trespassar todos os sectores da sociedade e principalmente o da educação.
Ser sustentável é poder manter-se ao longo do tempo. É um termo generalizado desde 1987 quando a Comissão Mundial do Ambiente e Desenvolvimento o utilizou num relatório definindo «desenvolvimento sustentável como aquele que satisfaz as necessidades da geração actual sem comprometer a capacidade das gerações vindouras para satisfazerem as suas próprias necessidades».
Isto implica limites à extracção dos bens da natureza, balizas à concentração de substâncias produzidas pela sociedade, metas à alteração das funções da natureza e da diversidade e cuidados extremos para garantir que as pessoas não fiquem sujeitas a condições que possam debilitar a capacidade de satisfazer as suas necessidades.
Voltaremos a este tema quando abordarmos o projecto Eco-Escolas, a sua influência nos dias de hoje e principalmente no amanhã.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 23:22

Setembro 13 2008
Não podemos ter uma segunda vida que, por milagre, passasse uma esponja pelos erros da primeira, mas podemos ter um segundo olhar para a nossa vida especialmente se, em questões dos sentimentos, esse olhar seja o que defende o equilíbrio.
Esta questão que preocupa certas pessoas é, afinal, o tema que movimenta quem, de forma séria, equaciona a realidade em que vivemos.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 00:08

Setembro 08 2008
Existem momentos na vida das pessoas e das organizações que suscitam as maiores apreensões e motivam contenções. Saber que conjunturas são estas e como distingui-las dos simples estados de alma classifica, de um modo exponencial, os detentores de tal sabedoria.
Vem esta prosa a propósito da situação extremamente delicada vivida, hoje em dia, no PSD-Anadia.
O facto do Prof. Litério Marques não poder, por força dos estatutos, concorrer à liderança daquela estrutura partidária, e o receio de que, eventualmente, o(a) novo(a) líder fosse obstáculo à prossecução dos seus objectivos – leia-se continuar à frente da autarquia - levou-o, num momento de algum desespero, a lançar, de um modo extemporâneo, a sua candidatura à CM de Anadia.
Como era de esperar, ninguém – dentro e fora do PSD – ficou indiferente à prematura candidatura, uma vez que esta se apresentou com pressupostos demasiado violentos, isto é, de que avançaria com o partido ou sem ele, colocando até a hipótese absurda (!!!) de se aliar a outra força política.
Como é óbvio, as águas que, de certo modo, já se encontravam agitadas – recorde-se o caso da “chapelada” dos 182 militantes, a maioria funcionários e familiares da CM de Anadia pressionados a inscreverem-se no partido - revoltaram-se e as ondas alterosas galgaram os já frágeis diques da política comezinha que se vai fazendo.
É neste mar revoltoso que os homens de boa vontade se hão-de revelar. A serenidade, a lucidez, a procura do bem comum, a demanda dos interesses colectivos em detrimento do “quero, posso e mando” devem ser apanágio dos que virão.
É altura de Anadia ser dos cidadãos.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 00:35

Setembro 04 2008
Hoje, numa conversa de circunstância à mesa do café, veio à baila o caso dos casamentos e dos divórcios e como este assunto interessa e muito ao sector da economia, mais concretamente ao sector da construção e do mobiliário.
Pelo adágio popular “quem casa quer casa” sabemos que o facto de duas pessoas unirem as suas vidas implica a compra ou arrendamento de uma casa. Porém, o inusitado é que o divórcio provoca o surgimento de duas casas. Daí o sector imobiliário ser adepto daquela máxima em que o casamento deve ser “eterno enquanto durar”.
Mas a conversa fluiu e alguém adiantou outras implicações que poucas pessoas sonham. Recordou, então, ter lido algures que “um terço do crédito mal parado, em Portugal, corresponde a dívidas relacionadas com divórcios, num total de 800 milhões de euros incobráveis”.
Agora compreende-se o recente veto do Presidente da República à Lei do Divórcio. No fundo não quis aumentar as dificuldades da banca.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 21:54

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Setembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
19
20

22
24
25
26
27

29
30


arquivos

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO