O meu ponto de vista

Agosto 28 2008
Em entrevista ao JN de hoje, a celebérrima Maya, uma das divas da noite lisboeta, astróloga e taróloga, nas horas vagas, ao serviço do «jet set» alfacinha, quando questionada como teria recebido a proposta de ser a nova apresentadora do Programa Contacto da SIC, afirmou textualmente:
- Foi uma surpresa. Apanhou-me completamente desprevenida. Não estava nas minhas previsões.
E, com nítida falta de modéstia, continuou:
- Também não era um desejo, nem uma meta para mim.
Descontando a segunda parte, a qual, agora, não vem ao caso, o certo é que até os próprios magos se enganam nas previsões para a sua vida.
Enfim. Uma desgraça nunca vem só. Confiar nos políticos já sabíamos que era impossível. Agora, não poder confiar nos astrólogos, é demais! Sinceramente, este país não tem saída.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 16:40

Agosto 28 2008
Sonho com um país em que haja bons cuidados de saúde pública, distribuição de riqueza, belas cidades e aldeias, educação, respeito mútuo, liberdade e tranquilidade.
Quero acreditar que neste país possam haver pessoas com melhores condições para serem felizes, relações sociais mais justas, cidades mais habitáveis, uma cultura moderna da vida colectiva e da esfera pública.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 09:28

Agosto 27 2008
Todos conhecem aquela máxima “quando a boca não servir para elogiar, então não se abra”. Por isso, há momentos, na vida, em que devemos estar calados, pois, como bem sabemos, as palavras são como punhais. Depois de lançados não têm retorno. E se, ainda por cima, acertam em cheio, então é descalabro.
Por outro lado, interrogamo-nos: como é que tal foi possível quando se acredita nas palavras de Cristo “quando te baterem numa face, oferece a outra”? Não foi o que se fez e o arrependimento aí está a martirizar.
Apresentadas, de imediato, as desculpas, é evidente que se espera o perdão, confiante que este é um sinal e uma evidência dos fortes.
Na convicção de no erro do passado estar a sabedoria do futuro e que não existe uma última palavra tal como não existe um último número, mais uma vez, agora publicamente, se pede desculpa.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 13:49

Agosto 25 2008
No "Expresso", de sábado passado, Henrique Raposo escreveu esta bela prosa:
"Portugal é o único país do mundo que inventou uma expressão - «o gajo porreiro» - com o objectivo de transformar vícios em virtudes. O porreirismo muda o nome às coisas. Por exemplo, nunca há incompetentes em Portugal; só temos coitadinhos. O professor porreiro é aquele que não marca trabalhos de casa. Ou seja, um professor que seria considerado desleixado em qualquer parte da Europa sobe à categoria de «gajo porreiro» em Portugal. Com esta inversão de valores, os portugueses conseguem viver bem com a sua preguiça e incompetência, visto que estas são as virtudes do «porreiraço». Por outro lado, o porreirismo também transforma virtudes pessoais em pecados colectivos. Com muita facilidade, um indivíduo trabalhador desce ao estatuto de «lacaio do chefe». Na faculdade, o aluno aplicado que recusa a palhaçada dos trabalhos de grupo é encarado como «alguém que quer ser melhor do que os outros». Esta expressão, tão portuguesa, reflecte a perversão moral do porreirismo: uma virtude pessoal – o desejo de superação individual – passa à condição de defeito social.
O porreirismo impõe ainda outra regra: o espírito acrítico. Nesta terra, uma crítica profissional é considerada uma ofensa pessoal. «Isto não está bem feito» é uma frase que os portugueses confundem com «a tua mãe é uma galdéria». Devido a esta estranha incapacidade auditiva, os ambientes de trabalho transformam-se em pântanos de incompetência. Os portugueses são incompetentes porque não toleram ser criticados. É assim na escola. É assim na faculdade. É assim nas empresas. É assim nos jogos olímpicos.”

Só lamento a não referência a outro factor intrínseco do “nacional porreirismo”: a assumpção de culpa. Em Portugal esta morre sempre solteira.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 23:07

Agosto 20 2008
O primeiro-ministro anunciou recentemente que com a criação de mais 15 000 empregos cumprirá a promessa governamental de criar, durante a presente legislatura, 150 000 novos empregos.
É um perfeito despautério vangloriar-se da criação destes novos empregos, esquecendo-se do número de pessoas que, durante o mesmo período de tempo, engrossaram as filas do desemprego.
Ora, como todos sabem o resultado entre a perda e a criação de emprego é francamente negativo, pelo que a José Sócrates se pede mais respeito para os que estão sujeitos a este flagelo social.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 22:10

Agosto 20 2008
Não há como esconder. O aumento da violência é uma realidade indesmentível. Só para citar alguns, relembramos os seguintes casos: roubo e agressão a polícias em Abrançalha, tiroteio entre negros e ciganos na Quinta da Fonte, assalto com reféns ao BES, morte de um miúdo de 13 anos em Loures, assalto a carrinha de valores da Prossegur em plena auto-estrada, roubo a ourivesaria em Setúbal com o assassinato do proprietário.
E o primeiro-ministro sobre este surto de violência diz … nada. Regressado de férias, faz de conta que vive noutro país e, por isso, nem uma palavra profere sobre o assunto que tanto preocupa os portugueses.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 21:27

Agosto 20 2008
• A liberdade e o poder acarretam responsabilidades. Mais: o futuro que nos espera não é de calma e de repouso mas de um esforço incessante.
• Será que existem pessoas em que a vida lhes dá tudo sem nada lhes pedir em troca?
• Há pessoas que só têm uma ambição na vida: não ver ninguém feliz à sua volta.
• Ninguém se ri dos outros sem que, mais cedo ou mais tarde, se ria de si próprio.
• Parece que neste país só as ervas daninhas medram. E já agora também não merdam?

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 10:37

Agosto 20 2008
Salvo raras excepções – caso da Vanessa Fernandes - a prestação dos nossos atletas nos Jogos Olímpicos de Pequim tem sido uma vergonha, isto para ser simpático.
Para além de um desempenho abaixo das expectativas mais negativas, os nossos atletas ainda têm o desplante de proferirem declarações que podem, no mínimo, ser classificadas como de antologia.
Senão vejamos:
• “De manhã, só é bom na caminha. O corpo só me pedia cama”
Marco Fortes, lançador de peso.

• “Agora vou de férias. Treinei para os 3000m obstáculos. Não vou aos 5000m. As africanas são fortes. Não vale a pena”
Jéssica Augusto, atleta dos 3000m obstáculos.

• “Entrar neste estádio cheio bloqueou-me. Acabei a prova fresco, o que é estranho. As pernas não responderam ao tiro de partida. Foi bom ter apanhado este banhozinho, esta tareiazinha e agora ir para casa descansar”
Arnaldo Abrantes, atleta dos 200m.

• “Não sou muito dada a este tipo de competições”
Vânia Silva, lançadora do martelo

• “Lutei contra os árbitros. Pensei que estava a lutar contra duas pessoas”
Telma Monteiro, judoca.

• “É assim o tiro. Por um ponto se ganha, por um ponto se perde. Não foi um, foi por dois”
João Costa, atirador.

Com pérolas destas, bem podemos ter a certeza que o nosso dinheiro é bem empregue. Também aqui o futuro do país está assegurado. Apetece dizer, parafraseando o grande poeta, Luís de Camões, ditosa pátria que tais filhos tens

Hernâni de J. Pereira

ADENDA: Sabe-se agora que o governo investiu qualquer coisa como 14 milhões de euros no apoio aos atletas olímpicos. Para tão parcos resultados temos todo o direito à nossa indignação.
publicado por Hernani de J. Pereira às 09:58

Agosto 18 2008
É costume fazer-se o balanço das nossas férias. Neste caso, por serem tão curtas, não é difícil.
As águas tépidas de um imenso mar azul, a areia branca da enorme praia que é Monte Gordo, o sol que, diariamente, aqueceu, iluminou e bronzeou, tudo ajudou para uns dias de merecido descanso.
O muito peixe fresco grelhado na brasa, comprado no mercado, logo pela fresca da manhã, acompanhado de um bom vinho branco, ajudou a que um dos prazeres da vida se prolongasse por dias e dias.
A leitura diária do jornal, dos livros levados e de muitos outros que, inclusive, por aquelas bandas se compraram, auxiliaram a manter a leitura em dia e a exercitar, ainda mais, a massa encefálica.
Acrescente-se, finalmente, e não menos importante – já lá diz o ditado que os últimos são os primeiros – a companhia, umas vezes mais próxima, outras menos, fruto das vicissitudes da vida, mas constantemente presente, e o sucesso das férias aí está decifrado.
Que venham outras iguais ou, se não for pedir demais, melhores e que não demorem muito.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 15:07

Agosto 18 2008
Quando se insere, neste local, um ou mais textos por dia, e a determinado momento se deixa de o fazer, é porque algo acontece. Assim é! A explicação, como muita boa gente já depreendeu, prende-se com o facto das férias terem terminado.
Os textos que durante quinze dias aqui publiquei foram, na sua maior parte, fruto de reflexão de estar à beira mar “plantado”, isto é, com quase todo o tempo do mundo para reflectir e “passar” para o papel as ideias que, mal ou bem – os leitores dirão de sua justiça - me iam surgindo e que, mais tarde, em casa, compunha e afixava de uma forma definitiva.
Com o terminar daquele período de lazer, o qual, em abono de verdade, tão bem me soube e fez, e ao retornar à vida quotidiana dos restantes 350 dias, o tempo escasseia e, por isso, não é admiração a criação literária – perdoem-me os verdadeiros escribas – ressentir-se disso.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 15:02

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Agosto 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

14
15
16

17
19
21
22
23

24
26
29
30

31


arquivos

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO