O meu ponto de vista

Dezembro 30 2006
Ontem dei uma entrevista conjunta ao Rádio Club da Pampilhosa e ao Jornal da Melhada, a qual só irá para o ar na próxima 3ª feira. Muita coisa foi dita, mas também muito ficou por dizer.
Preparei a mesma o mais cuidadosamente possível. Sobre alguns dos assuntos que preparei fui questionado. Outros não.
Aqui ficam, por tópicos, o que preparei. Para quem ouvir a entrevista e/ou ler o artigo que será publicado na próxima 4ª feira nas páginas daquele semanário, pode comparar.

CMM
• Temos boas relações;
• Os responsáveis primam pela simpatia e humildade, o que são valores sempre a estimar;
• Não é difícil a comunicação. Eu sei do que falo. Vivo noutro concelho e por isso estou em condições de poder comparar;
• Os dirigentes são pessoas esforçadas. Falta-lhes porém um staff que melhor os acompanhe;
• Enveredaram, ultimamente, mais pelo aspecto social. É um caminho em que não se vê frutos imediatos. É um esforço que é necessário, mas talvez não com tão grande ênfase. No entanto, estão no seu direito. Particularmente não concordo, mas é uma opção política que deve ser julgada apenas pelos eleitores deste concelho;
• Dou um exemplo: em qualquer dos concelhos vizinhos, não existe JI que não tenha computador e respectiva ligação à Net. No concelho da Mealhada, que seja do meu conhecimento não há um único. E sabemos todos como isso é importante, cada vez mais cedo, na vida das nossas crianças;
• Honra também lhes seja feita. Têm feito um esforço considerável na remodelação e renovação do parque escolar que lhes está afecto. Veja-se o exemplo das novas salas de Barcouço.
• Com o surgimento dos Centros Educativos, previstos na Carta Educativa, outro salto se dará em termos de qualidade educativa no concelho da Mealhada. Faço votos para que a CMM esteja na primeira linha das candidaturas, logo após a aprovação daquelas e quando o próximo quadro comunitário de apoio estiver em vigor (2007).


ECD
• Era absolutamente necessária a sua revisão;
• O actual Estatuto é um documento com mais de 20 anos. Por isso estava mais que ultrapassado;
• Pena que a Lei de Bases do Sistema Educativo também não seja objecto de revisão. E, se possível, pelo maior número de forças políticas;
• Avaliação dos docentes. É algo polémico, mas, pessoalmente, ia mais longe no rigor dessa mesma avaliação;
• Como sabemos a sociedade é constituída por pessoas boas, razoáveis e más, para usar uma terminologia simplista, isto é, facilmente apreensível aos nossos ouvintes/leitores. Ora, os docentes são, no fundo um cadinho representativo dessa mesma sociedade. Assim, existem professores excelentes, outros bons ou razoáveis e também os maus;
• Não podemos, de modo algum, continuar a classificar os professores todos de igual, uma vez que o seu desempenho é díspar. Isso só servirá para desmotivar os mais esforçados e dedicados;
• Tal como em relação a tudo na vida, uma coisa é a opinião publicada e outra a opinião pública, no seu sentido mais lato;
• Avaliação pelos pais e EE. Tenho uma opinião um tanto diferente daquilo que tem vindo a ser publicado. Por princípio, não me repugna. Colocava-lhe era algumas ressalvas. Só podiam participar na avaliação dos docentes do seu educando, desde que pudessem demonstrar terem tido uma participação na vida escolar, isto é, desde que tivessem ido à escola com a regularidade desejável, que tivessem participado nas reuniões para que tenha sido convidado/convocado, não tenha negado integrar qualquer órgão ou estrutura intermédia. Em suma, quem quisesse vaticinar sobre a avaliação dos professores seria como obrigado a participar na vida escolar. Talvez, assim, se pudesse terminar com um dos enormes flagelos da nossa educação, ou seja, a não participação dos pais e EE na educação dos seus filhos.


EDUCAÇÃO
• Não está tão mal quanto a comunicação social tem feito crer. Porém, também não está um mar de rosas.
• É assunto que não nos devemos vangloriar, mas também não nos devemos envergonhar de todo, isto é, andar permanentemente de cabeça baixa e a pedir desculpa.
• É evidente que os professores têm uma quota parte da culpa neste campo e nunca negaram isso. Porém, existem também outros culpados. A começar pelo poder político, o qual sem força de vontade para efectuar reformas profundas, cedendo aos lobbys de momento, sejam eles sindicais, autárquicos, ou outros, fazendo experiências, sem medir as consequências, como é o caso da prevalência dos cientistas da educação, dando origem, como alguém lhe chamou, ao eduquês. Depois os pais e EE que, numa grande parte, se têm demitido das suas responsabilidades. Por último, a sociedade em geral que acha que à Escola se pode pedir tudo e pouco lhe dar. Veja-se, por exemplo, o ensino da prevenção rodoviária, a educação sexual, a educação cívica, a educação para a saúde e para o consumo, ambiente e ecologia, etc., etc.


AGRUPº ESC. PAMPILHOSA
• Tem como finalidade constituir-se como uma escola de referência a nível da região, onde o rigor, o profissionalismo e a dedicação de todos os seus actores, quer sejam docentes, funcionários e alunos, seja uma constante. É um projecto a médio prazo, mas que já está em marcha e a dar os seus frutos;
• Temos um passado que nos orgulha, mas também sabemos que podemos e devemos fazer mais e melhor;
• Sabemos que estamos inseridos numa zona geográfica com problemas de ordem social e económica, para só citar alguns. Os problemas de alcoolismo e desemprego não nos são alheios. Bem pelo contrário, pois cada vez mais nos surgem crianças cuja única refeição decente é aquela que diariamente lhes damos;
• Porém, estamos convictos que pudemos e devemos contribuir para obviar tal situação. Como? Dando mais e melhor educação;
• É nesta senda que a acreditação deste Agrupamento de Escolas como CRVCC (Centro de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências), também designado CNO (Centro Novas Oportunidades), dirigido uma profissional cuja competência é por todos reconhecida;
• É neste rumo que desde há dois anos enveredámos por um sistema integrado de gestão, abolindo o uso de dinheiro na escola, com todos os benefícios/vantagens daí advenientes e facilmente descortináveis;
• É nesta direcção que continuamente se fazem obras na escola-sede, vulgo Escola Básica do 2º e 3º Ciclos, como seja um auditório novo, excelentemente bem equipado e aberto a toda a comunidade, um parque informático de fazer inveja a muitas escolas, aquecimento central, obras estas mercê das mais variadas candidaturas que o órgão de gestão anualmente apresenta;
• Por exemplo, neste momento os Serviços Administrativos do Agrupamento encontram-se em obras, de modo a que os respectivos funcionários possam corresponder ao que os mais diversos utentes necessitam. Uma coisa era trabalharem para a EB 2,3, com os seus 300 alunos e 50 professores. Outra, são quase 800 alunos e 100 docentes;
• Tenho a sorte de fazer o que gosto. Liderar uma Escola. Porém, não seria honesto senão afirmasse, alto e bom som, que tudo o que acabei de enumerar só é possível com a colaboração dos restantes elementos do CE, os quais, apesar dos seus diversos modos de actuar, como é lógico, não deixam de formar uma equipa extraordinária.
• Uma palavra para os funcionários. Na sua maior parte, vestem a camisola a 100%. Mas não a vestem somente. Suam-na verdadeiramente.
• Costumo dizer por brincadeira: “se não vos persuadir pela palavra, pelo menos tento convencer-vos pelo exemplo”. Isto porque sou o primeiro a chegar, cerca das 08H00, e saio, na maior parte dos dias depois das 20H00. E os habitantes da Pampilhosa sabem-no bem, uma vez que me vêem no meu gabinete a trabalhar até às tantas.
• Também é verdade que o corpo de docentes, muitos dos quais há muitos anos aqui efectivos, nos deixa ufanos, pois existe uma grande parte que apresenta uma performance muito acima da média. Não quero aqui citar ninguém, para não ferir susceptibilidades, mas quem me ouve ou lê sabe muito bem que isto é verdade.
• A finalizar, essencialmente o que queremos é uma escola cujo sucesso dos seus discentes seja uma realidade devidamente reconhecida por todos. É exemplo dessa procura, o Plano da Acção para a Matemática, onde estamos a investir fortemente. Veja-se o exemplo: já em Janeiro os nossos alunos terão à sua disposição novas ferramentas neste campo, tal como seja, quadros interactivos móveis, bem como computadores portáteis.
publicado por Hernani de J. Pereira às 19:07

Dezembro 25 2006
Estive, como não podia deixar de estar, nas cerimónias em que se comemorou o 73º aniversário dos Bombeiros Voluntários de Anadia, ao que se seguiu a já tradicional Ceia de Natal.

Para além de bem servida - parabéns Restaurante O Sancho - os vinhos foram de superior qualidade, demonstrando que na Bairrada se está, finalmente, a produzir excelentes néctares. Não destaco nenhuns para não ferir susceptibilidades. No entanto, uma palavra de apreço para as instituições/casas produtoras que não rogaram esforços ao oferecerem tão preciosa ambrósia.

Esta crónica não ficaria completa sem uma palavra de agradecimento para o corpo de bombeiros e especialmente para o seu comandante, Prof. Dias Coimbra, o qual mercê do seu engenho e arte nos proporcionou uma noite agradabilíssima.

Ao seu Presidente da Direcção e demais elementos, uma palavra de BEM HAJA, sinónimo de que vale a pena trabalhar em prol dos outros.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 17:33

Dezembro 25 2006
Ainda a propósito do post anterior, o poder local, apesar de nada o obrigar, aplaudiu a postura demagógica do governo “chuchalista” e vai de decretar também dispensa dos seus funcionários no dia de amanhã.

Bem. Diga-se em abono da verdade, que nem todos foram atrás do «canto da sereia». A C. M. do Porto - honra lhe seja feita - decidiu não dar tolerância de ponto aos seus funcionários, argumentando, entre outros motivos, que existem muitas pessoas e instituições que necessitam dos serviços camarários neste dia.

Como sempre aparecem os profetas da desgraça - Partido Comunista, como não podia deixar de ser - a afirmar que aquela autarquia atentou contra os direitos adquiridos e, por outro lado, também prejudicou os munícipes.

Vamos por partes. Onde está consagrado que os trabalhadores do sector público, quer sejam dos serviços centrais, regionais ou locais, têm 26 de Dezembro como dia de descanso? Segundo, em que medida prejudicam os munícipes? Será que não se importam de explicar?

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 17:18

Dezembro 25 2006
É admissível proporcionar tolerância de ponto, isto é, dar mais um dia de férias a todos os funcionários públicos, numa altura em que o país continua a atravessar uma grave crise económica, cujo fim não se vislumbra?

Sim. É possível, uma vez que este governo utiliza a demagogia como ninguém?

Será que voltamos aos tempos do império romano, o qual, como a história nos ensinou, para sossegar o povo dava-lhe pão e circo?

Bem, hoje não se dá pão, pois, em muitos casos, até se retira, mas que dão circo isso não há dúvida. E os palhaços somos nós, os cidadãos conscienciosos e empenhados.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 17:03

Dezembro 25 2006
Natal 06.JPG
Um Santo e Feliz Natal são os meus desejos para todos os amigos e leitores deste blog.
Que a benção de Jesus se derrame sobre todos Vós e se extenda a todos os V/ familiares.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 16:51

Dezembro 18 2006
Foi hoje empossado o novo chefe do Estado-Maior do Exército, General Pinto Ramalho. Até aqui nada de novo.

Porém, o caso muda de figura quando das suas palavras de tomada de posse se depreende que está solidário com as críticas feitas por outros camaradas de armas às propostas governamentais.

Se não concorda com as posições políticas do governo porque aceitou o lugar?

Haja coerência.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 22:13

Dezembro 18 2006
O título deste post será uma realidade num futuro próximo, se o querer manifestado pela Associação Sindical dos Profissionais de Polícia tiver acolhimento junto da Assembleia da República, instância onde aquela estrutura entregou cinco mil assinaturas.

A não travarmos este absurdo, um dia há-de chegar em que gritamos

“Socorro, Polícia, estão a roubar-me!" ou "Agarra que é ladrão"

E do outro lado, ouvir-se-á

“Desculpe, nada posso fazer. Estou em greve”

Aviso à navegação. A ficção, por vezes, transforma-se em realidade.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 22:06

Dezembro 09 2006
Mais um ministro do governo de Santana Lopes (SL) terminou a sua travessia do deserto.

Falo de Morais Sarmento que, numa entrevista ao DN de hoje, fala da liderança no PSD ou, melhor, da falta dela.

É incrível! Será que nos acha parvos? Não foi ele também um dos que contribuiram para a maioria absoluta do PS e, por conseguinte, da dificuldade de fazer oposição nestas circunstâncias?

Ora um, ora outro, eis a irresponsabilidade política do governo de SL a sair da penumbra.

Aviso, desde já, que, para trabalhar com esta gente, não podem contar comigo.

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 20:33

Dezembro 08 2006
É bonita e apresenta-se bem a nº 1 dos socialistas franceses. Esteve entre nós a espalhar o seu charme no Congresso do Partido Socialista Europeu. Encantou e ... só não sei se cantou!

Mas quem se apresentou todo babado foi o nosso primeiro, José Sócrates. Nas imagens que a televisão passou, aquando da oferta de um ramo de flores àquela, só lhe faltou um babete.

Estou convencido que se indagassem sobre quais os assuntos tratados naquele encontro, uma larga maioria das pessoas não apontará um único. No entanto, as mesmas se questionadas sobre se recordariam algo relacionado com tal evento, de imediato responderiam o gesto de José Sócrates para com aquela política francesa.

E ainda dizem que a política não é bonita!

Hernâni de J. Pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 23:34

Dezembro 08 2006
É notícia de primeira página o livro "Eu, Carolina", escrito por Carolina Salgado, ex-companheira de Jorge Nuno Pinto da Costa, presidente do F.C.Porto.

Não me vou debruçar sobre o seu conteúdo. Porém, como diz o nosso bom povo "quem a boa árvore se chega, boa sombra o cobre". Claro que o contrário também é verdade.

Portanto, em conclusão, a culpa é de Pinto da Costa. Fez a cama onde se deitou ...

Hernâni de J. pereira
publicado por Hernani de J. Pereira às 23:19

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Dezembro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
20
21
22
23

24
26
27
28
29

31


arquivos

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO