O meu ponto de vista

Março 28 2017

Quando pensávamos que nada mais nos poderia surpreender, eis a realidade do dia-a-dia para contrariar esta forma de pensar. De acordo com o que se soube hoje, a Direcção-Geral da Segurança Social, para além de ter um chefe para 4,5 trabalhadores - o mínimo é 1:10 -, dá um dia de folga por cada mês de trabalho e descanso total no dia de aniversário ou outro à escolha. Em suma, cada funcionário daquela repartição pública descansa mais treze dias para além das férias. E tudo isto feito à margem da Lei.

Numa época em que empurrados para fora das zonas de conforto, os trabalhadores estão a aprender, à sua exclusiva custa, que a protecção dos postos de trabalho passou a depender do investimento constante do próprio desenvolvimento e apostando na criação dos seus oportunos ciclos de carreia profissional, logo surgem estes lamentáveis exemplos, não se lembrando que depois há imensa gente a confundir a árvore com a floresta.

publicado por Hernani de J. Pereira às 13:19

Março 28 2017

Quando pensávamos que nada mais nos poderia surpreender, eis a realidade do dia-a-dia para contrariar esta forma de pensar. De acordo com o que se soube hoje, a Direcção-Geral da Segurança Social, para além de ter um chefe para 4,5 trabalhadores - o mínimo é 1:10 -, dá um dia de folga por cada mês de trabalho e descanso total no dia de aniversário ou outro à escolha. Em suma, cada funcionário daquela repartição pública goza mais treze dias para além das férias. E tudo isto feito à margem da Lei.

Numa época em que empurrados para fora das zonas de conforto, os trabalhadores estão a aprender, à sua exclusiva custa, que a protecção dos postos de trabalho passou a depender do investimento constante do próprio desenvolvimento e apostando na criação dos seus oportunos ciclos de carreia profissional, logo surgem estes lamentáveis exemplos, não se lembrando que depois há imensa gente a confundir a árvore com a floresta.

publicado por Hernani de J. Pereira às 13:11

Março 24 2017

transferir.jpg

Andava meio mundo, isto para ser modesto, a esfregar as mãos de contente. Agora é que vai ser. O people que tem 60 ou mais anos de idade e 40 de desconto vai poder reformar-se sem qualquer penalização. Alguns, os mais crédulos, os que lêem diariamente o Acção Socialista, perdão o Diário de Notícias, só não deitaram foguetes antes da festa por não os terem à mão. Vontade não lhes faltou.

Todavia, os mais precavidos, entre os quais me incluo, sempre disserem que não seria bem assim, que o melhor era esperar para ver, apesar de no seu interior, bem lá no fundo, possuírem uma réstia de esperança, i.e., haver uma vozinha, qual sereia encantada, que lhes sussurrava ao ouvido: talvez seja verdade!

Bem, pelo que se soube, a montanha pariu um rato. Para os que trabalham no sector privado e tenham 60 ou mais anos e cumulativamente 48 ou mais de desconto poderão aposentarem-se com uma pensão igual ao último salário. Quanto aos funcionários públicos continua tudo igual, ou seja, “quartel-general em Abrantes”.

Digo-vos que ando muito comovido com tanta generosidade. Mas nada que me admire. Décadas de ineficiência e um viver à tripa-forra revelam agora um preço. Demasiado alto, mas no futuro ainda será pior. Apostam?

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:24

Março 22 2017

transferir.jpg

Muitos existem que insistem em asseverar que fomos e somos grandes devido à emigração. E, sem sombra para dúvidas que a nossa história está repleta de movimentos massivos de emigração. Mas estes não foram apenas êxitos. Só para citar um de entre muitos exemplos, a saída forçada dos judeus no século XV, a qual privou o país dos seus mais qualificados recursos humanos, foi uma catástrofe cujas contas ainda hoje não estão devidamente saldadas.

Todos sabemos que a maioria daqueles judeus, portugueses tal como os que cá ficaram, foram sobretudo para a Holanda. Aí progrediram e desenvolveram o país, fazendo dele, nos séculos seguintes, a maior praça do comércio internacional.

Vieram-me à memória estas recordações, uma vez ter cogitado para com os meus botões: será que o presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, não será descendente dos tais emigrantes lusos? É que, como é do conhecimento público, não existe quem diga tanto mal deste rectângulo à beira-mar plantado como nós próprios. Aliás, a frase proferida por este governante - os países do Sul não podem gastar dinheiro em bebida e mulheres e depois ir pedir ajuda - na boca de muitos e muitos portugueses não só não seria criticada como, pelo contrário, seria aplaudida. E de pé!

É evidente que sempre fomos e assim seremos. Somos capazes de dizer quanto há de mal da nossa família. Mas ai daquele que se atreva a afirmar o que amiúde proclamamos aos quatro ventos.

Não é bom ver esta onda de populismo, i.e., observar qual é o político nacional que aparenta ter mais apetite em enforcar, na árvore mais alta, o ministro das Finanças holandês.

ADENDA: O Público escreveu que "o MP investiga gastos de milhares de euros na Metro Mondego em hotéis, vinho e stripteas". Será esta a fonte de Dijsselbloem?

 

publicado por Hernani de J. Pereira às 17:57

Março 21 2017

images.jpg

Esta coisa de pensar que não segue a norma estética e a consequente obrigação de ter uma “cintura de vespa” é uma grande chatice. Só quem alguma vez tentou perder uns quilitos, mesmo que poucos, sabe a verdadeira batalha, diria melhor, autêntica guerra que tem de travar. A esmagadora maioria sabe que ganhar peso é fácil. Cinco minutos de prazer na boca, umas gramas – muitas vezes não são poucas - a mais no corpo e meses para as perder.

Num momento em que a disponibilidade de informação é tão elevada, parece quase um contra-senso ver este problema aumentar. Como não somos todos iguais, não ingerimos as mesmas substâncias, não temos as mesmas actividades e sendo óbvio que os corpos reagem de modo distinto, o problema a jusante coloca-se em perspectivas diferentes. O que para uns é óptimo, para outros é nitidamente péssimo. O que não deixa de ser algo (in)justo.

Diz-se, à boca cheia – caramba, até os ditos populares atraiçoam -, que a solução só pode ser uma: apostar na prevenção! Os factores de risco têm sido amplamente estudados e podem ser “trabalhados” desde cedo. Sim, sabemos tudo isto. Todavia, não deixa de ser um contratempo e muito grande. Aquilo que mais nos dá prazer é o que nos está proibido. E não se trata da questão do fruto proibido é o mais apetecido. Trata-se do verdadeiro prazer da mesa.

Falam as más-línguas – bem, há quem as ache boas – que as modelos e outras figuras elegantérrimas (o dicionário diz que a palavra não existe) da nossa praça não comem, apenas lambem! Descontando o eventual segundo sentido, direi que o gastrónomo tem de salivar, saborear e comer, proporcionando, deste modo, às papilas gustativas a sensação verdadeira e o gozo de degustar um genuíno manjar dos deuses.

Não se trata de comer muito. Fundamentalmente a argumentação assenta em comer pouco de muitas e boas coisas em que a nossa culinária é tão rica.

publicado por Hernani de J. Pereira às 13:28

Março 17 2017

images.jpg

Imaginem que eram donos de uma empresa e tinham determinado número de motoristas. Firma que, devido à conjuntura e algo comum à maioria das suas congéneres, passava por certas, para não dizer muitas, dificuldades financeiras. Até aqui, nada de inexplicável ou, como costumo amiúde dizer, a “oeste nada de novo”, roubando o título a um famoso livro do já falecido Erich Maria Remarque.

A incompreensão, porém, surge quando, por exemplo, diz a um dos seus motoristas:

- Zé, hoje de manhã, como o número de entregas não justifica a saída, vai limpar e lavar a carrinha.

E, este, com toda ou sem nenhuma bonomia estampada no seu rosto, responde:

- Desculpe, mas sou motorista e não lavador de carros. Por isso, se quiser que faça este serviço terá de me pagar, mensalmente, um subsídio de 43 euros.

Acrescentando, sem o deixar sequer abrir a boca, logo a seguir:

- Aliás, não estou a pedir nada de mais. Veja o caso dos motoristas do Estado. Por acaso, não leu a notícia que vem no Público de hoje?

O desenrolar do resto da história deixo ao critério dos meus caros leitores. Todavia, faço notar que não custa imaginar o seu “the end”.

publicado por Hernani de J. Pereira às 10:00

Março 16 2017

38783314-Cheerful-elderly-person-in-wheelchair-wit

O ministro do Trabalho e da Segurança Social é favorável à eliminação do limite de 70 anos para trabalhar no Estado, de acordo com o Jornal Económico. Claro que tem razão, acrescento eu. Não tenho a menor dúvida que isso, daqui a algum tempo, vai ser uma realidade.

Por vontade daquele e de muitos que o acompanham, a idade da reforma passará, e muito rapidamente, para os setenta e muitos. Já me estou a imaginar a dar aulas todo jovem e catita no alto dos meus 75 anos. Que futuro risonho. De cadeira de rodas, empurrada por um ou outro aluno mais solícito – será que os haverá? - ou eléctrica, é ver quem me apanha.

Antigamente a vida verdadeiramente adulta iniciava-se aos trinta. Agora, dizem que é aos quarenta. Assim sendo, acho muito bem que a velhice apenas comece aos oitenta, quiçá aos noventa.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:23

Março 15 2017

images.jpg

Pois, pois … Reforma é reforma e eleições são eleições! Tantas “ideias” lançadas ao vento, tantos projectos, tantos planos colocados a circular nos media afectos, tantas reuniões com a gratificação das respectivas deslocações – paga Zé! -, para … puf ! Foi um ar que lhe deu!

De acordo com a imprensa desta manhã, António Costa terá dado ordens a Tiago Brandão e à sua equipa para travarem a implementação da tão propagandeada reforma curricular. Sim senhor, o nosso primeiro percebe muito disto! E sabe, melhor que ninguém, que um início de ano lectivo atribulado, via implementação da dita, podia esbodegar as eleições autárquicas.

Vai daí, não hesitou. Mandou que a “5 de Outubro” travasse a fundo, que é como quem diz, “tiro-vos o tapete e vocês equilibrem-se como puderem”. Quem manda, pode e o resto são cantigas. Não é por acaso que aqueles já dizem “a vida Costa, Costa!”

Numa tentativa de salvar a face, o ME tenta que a “coisa” avance numa de experiência piloto em cinquenta escolas e segundo se conta nos “mentideiros” já se encontra em campo uma indagação de quem se oferece para tal.

publicado por Hernani de J. Pereira às 11:46

Março 14 2017

800px-Georges_de_La_Tour_-_The_Cheat_with_the_Ace_

Afinal a tão propalada reforma curricular pode não passar do papel. O que foi afirmado ontem, é desmetido hoje e alterado amanhã. Veja-se o caso do emagrecimento das disciplinas ditas essenciais – Português e Matemática. Com o (re)ssurgimento de outras e não podendo aumentar a carga horária dos discentes, a qual já é pesadíssima, uma das maiores da Europa, só havia um caminho, ou seja, retirar horas lectivas daquelas. Algo, aliás, com que a presidente da Associação de Professores de Matemática, mancomunada com a actual equipa do ME, concordou publicamente, vindo agora desdizer-se, afirmando que tal nunca tinha estado em cima da mesa. Bem, farinha do mesmo saco!

O certo é que tudo não tem passado de fogo-fátuo, em inúmeras reuniões promovidas, um pouco por todo o país, à porta fechada como convém, pelo SE da Educação, João Costa. Lançam-se umas ideias para a esquerda, outras para a direita, para cima também se notam, para baixo por ser conveniente, em diagonal uma vez que pelos lados também se joga, do género “vamos ver qual o barro cola à parede”.

Como é necessário mudar o edifício crátrico de alto a baixo, independentemente dos estudos e das soluções, em tempos tomadas, terem surtido efeito, e uma vez não se ter uma ideia própria, i.e., com “cabeça, tronco e membros”, toca de lançar uns bitaites, tipo spin on e skeel out.

É que esta “coisa” da reforma curricular é bonita e fica bem na lapela. Todavia, quando se começa a escarafunchar vê-se que não existe outra solução que não pode deixar de passar pela alteração da carga horária semanal das disciplinas. E se, por um lado, ninguém quer ficar sem a sua disciplina, por outro ninguém quer perder qualquer regalia e assim, como é óbvio, ficamos nesta ambivalência: concordo com a alteração se não for na minha aldeia. Mais: também concordo com a redução horária desde que não seja na minha casa.

Por isso, digo que, para já, esta nova história de Cinderela não passará de uma história de bruxas más da Bela Adormecida ou da Branca de Neve.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:06

Março 14 2017

Pouco a pouco, tal como o azeite com a água, a verdade começa a vir ao de cima. Já se sabe que no caso das offshores uma parte significativa ocorreu já na vigência do actual governo e o grosso da coluna deveu-se a transferências ocultas que partiram do ex-BES, entre 2012 e 2014, por parte da empresa estatal venezuelana de petróleos PDVSA.

Ora, pergunto eu, que nada percebo de política e muito menos de economia: quem são, em Portugal, os grandes amigos do regime chavista? A resposta é PS. Então, nos governos de José Sócrates foi um fartote para ambos os lados. Para Chávez e seus pândegos, na Venezuela; para aquele ex-primeiro-ministro e o afamado Grupo Lena, em Portugal.

Agora digam-me a quem deu jeito o tal apagão informático? Isto sem retirar quaisquer culpas a Paulo Núncio, o qual nem para guardador de cabras, quanto mais para guarda do fisco.

 

Adenda: Este texto foi escrito há meia dúzia de dias, muito antes de saber que Paulo Núncio trabalhou no escritório de advogados que assessorava aquela firma sul-americana. Tal como, nessa altura, não se sabia que este ex-político ajudou a criar cerca de 120 sociedades comerciais na offshore da Madeira, o que apesar de não ser ilegal, não abona nada a favor dele. Bem pelo contrário. Há indivíduos só com um pano encharcado pelas ventas!

publicado por Hernani de J. Pereira às 10:02

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
13
18

19
20
23
25

26
27
29
30
31


arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO