O meu ponto de vista

Julho 27 2015

Existe uma natural apetência para o envolvimento em contextos de jogo, sejam eles políticos, profissionais ou afectivos, bem como na resolução de problemas/enigmas e afins. As respectivas mecânicas dos aludidos jogos são meios para (des))motivar comportamentos específicos com um elevado grau de (in)sucesso, dada a natural motivação associada.

Muitas pessoas comunicam através de comportamentos, produtos ou canais de comunicação “joguificados”. A nível afectivo, a “joguificação” está a ser usada como meio para (des)motivar outros com problemas de afiliação, formação e desenvolvimento.

Todavia, enganam-se aqueles que julgam que esta estratégia apresenta custos significativamente menores que outras soluções. À priori até pode pensar-se que sim, mas a médio e, sobretudo, a longo prazo, os custos serão exponencialmente maiores. A vida está muito longe de ser um jogo, mas que para determinadas pessoas o é não tenho a menor dúvida.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:14

Julho 22 2015

As últimas notícias podem, como acontece com a maioria, ser analisadas por vários ângulos. Em alguns casos as mesmas podem ser sobrevalorizadas nas suas repercussões, em comparação com outras, e tendo em vista o contributo que podem dar, em particular, na prevenção de estados de alma e promoção do bem-estar, o que só por si já era bastante, isto sem falar que poderia representar novas oportunidades para muitos dos implicados.

A esmagadora maioria dos interessados exerce funções tendo em conta a confiança instalada. Ora quando esta se quebra, algo fica mal no “reino da Dinamarca”. Por isso mudar o actual cenário passa também por reconhecer a (in)capacidade para os principais actores exercerem a sua acção para além dos seus domínios.

Presumo que os escolhos recentemente surgidos, motivados por falta de diálogo e curialidade – há quem fale até em traições -, podem e devem ser ultrapassados com a procura de afinidades, motivações e disponibilidade.

E ainda há tempo!

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:58

Julho 20 2015

E aqui estou inspirado pela ideia de aproximação de dias de praia, peixe fresco assado no braseiro – semelhante ao cantado por Rui Veloso -, e pelo desenvolvimento de conversas próprias da estação.

Sendo a praia e, sobretudo, a luminosidade destes esplendorosos dias, um bom tema de inspiração, abordo esta em tudo o que ela representa. Uma vida saudável e bem cuidada reflecte a luz e também uma das grandes expectativas em matéria de bem-estar.

Deste nosso país não nos chegam grandes notícias. Contudo, como temos vindo a observar, a oriente é muito pior, pelo que de certo modo, temos de dar graças a Deus.

Em matéria de perpectivas futuras, e tendo em conta as tendências do nosso quotidiano, temos de ir, pelo menos por agora, ao encontro do que mais nos prende, algo que sugere aromas e cores da natureza, oferecendo-se como composições subtis e harmoniosas e, por vezes, surpreendentes. As novidades confirmam estas tendências e trazem-nos boas surpresas.

O que actualmente me rodeia é também inspirador. Há um novo estilo romântico que se afirma nas novas tendências e prenuncia um Verão muito requintado.

Isto promete!

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:59

Julho 17 2015

A máscara é uma das formas que se adapta a quase todos os estilos e ocasiões. Tanto podemos usá-la para dar um toque de elegância mais ou menos discreto no dia-a-dia, como para levar ao extremo o significado daquilo que não somos.

Não existe nada melhor para realçar um outro ser do que colocar uma máscara. Sim, bem sei, que esta é a protagonista de algo que, por vezes, somos obrigados, no sentido literal do termo, a usar. Contudo, na maioria das ocasiões em que as colocamos, tal serve para camuflar o que de moralmente possuímos de mais baixo, o que de forma eticamente diminuída se apoderou de nós.

Assim, por muitas máscaras novas que possamos, dia após dia, colocar e por muito que nos possamos tentar enganar e, simultaneamente, presumir de que o nosso embelezamento aumentou, manda a verdade dizer que mais cedo ou mais tarde tal “artefacto” cairá e, aí, surgirá em toda a sua plenitude, o que genuinamente somos.

A máscara, todos temos consciência de tal, deveria ser o último modus operandi da nossa prática diária. Todavia, apesar de uma não dever ser colocada sobre a anterior, o certo é que muitos dos nos rodeiam – alguns juram a pés juntos nunca usar tal mas, no fundo, animus abutendi – para melhor nos iludir, senão todos os dias, pelo menos quase, mudam-na sucessivamente.

Uma dúvida. Dormir com a(s) máscara(s) colocada(s) durante o dia não é aconselhável. Porém, indagações se impõem: será que à noite, aquando de encostar a cabeça no travesseiro, a aludida máscara não cairá? E as lágrimas rolarão? E se estas brotarem será de arrependimento (!!!) ou de raiva?

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:32

Julho 14 2015

Nestes tempos de enorme incerteza e de uma volatilidade galopante falar de um tema, seja ele qual for, é ter a certeza do que disser hoje, amanhã é desmentido. Por isso, para quem gosta de escrever e tem, de certo modo, alguma obrigação para com os seus leitores, uma vez que para tal muito contribuiu, os dias que correm não são fáceis.

Entrar pelos terrenos da política, seja ela nacional ou internacional, é como avançar sobre areias movediças ou barro em tempo de chuva, i.e., o mais certo é enterrar-se e/ou estatelar-se ao comprido. Então, em tempos de corrida eleitoral o mais acertado é o recolhimento, tanto mais que aquilo que escrever, por mais inocente que seja o propósito, pode ser sempre olhado por, pelo menos, dois prismas: o do actual status quo ou o da oposição.

Bem, com isto não quero dizer o fim de quer que seja, muito menos deste blogue, mas simplesmente o de abrandar, de algum modo, o frenesim de crónicas quase diárias. A silly season também dá uma ajuda.

Por outro lado, há que ter respeito por quem diariamente contribui para as centenas de visitas deste local e, deste modo, dar-lhes algum descanso. Assim sendo, nada de se admirarem do espaçamento da publicação de artigos. Eu, tal como vós, também necessito de repouso, tanto mais que a tarefa de escrever algo quase todos os dias não é tarefa fácil e, ainda por cima, quando é realizada de forma gratuita. Que o digam os milhares e milhares de blogues que nos últimos anos têm encerrado. A título de exemplo, e não querendo, nem de longe, nem de perto, comparar-me ao “Educação do meu Umbigo”, do Paulo Guinote, o certo é que este “fechou portas” devido essencialmente ao cansaço e à inexistência de proficiência prática.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:19

Julho 10 2015

Foram ontem publicados os resultados das provas finais de Português e Matemática do 9º ano. Destes ressalta, relativamente a 2014, a subida em Português em três pontos percentuais e o mesmo valor, mas em sentido inverso, no respeitante a Matemática, originando nesta última uma média inferior a 50%, isto para não falar dos 1600 discentes que tiveram zero pontos, i.e., nem 0,1 conseguiram. É obra!

Os motivos para tal hecatombe são muitos e há-os para todos os gostos. Desde o pouco investimento que o 1º CEB faz nesta matéria, passando pelos pais cuja colaboração senão é nula é quase, passando pelo deficiente esforço por parte dos alunos, pelo tipo de prova e terminando nas erradas estratégias aplicadas por muitos docentes.

Contudo, o que sei é que não é dando mais do mesmo que se encontra a solução. Por exemplo, a larga maioria dos docentes de Matemática, por sua pressão e pela demissão/omissão de orientações próprias dos conselhos pedagógicos e com a conivência das direcções, usa as suas horas de componente não lectiva como apoios aos alunos com dificuldades, ou seja, repito, dando mais do mesmo até à exaustão.

Ora, está mais que provado que tal modelo se encontra esgotado e poucas ou nenhumas melhorias acarreta. No entanto, estou plenamente convencido que no próximo ano irão ter ainda mais horas para apoio. Querem apostar?

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:52

Julho 09 2015

Os mais atentos sabem muito bem do porquê de António Costa, desde que o Syrisa tomou o poder na Grécia e, sobretudo, nos últimos meses, apelar constantemente para que o governo português não se constitua como obstáculo a um acordo para resolver a gravíssima situação económica-financeira naquele país, mas sim que contribua para a solução.

Ora, como a solução, de acordo com o governo grego e, principalmente, tendo em conta o mandato que recentemente recebeu por via do referendo, passa pelo fim da austeridade, o que, na prática, consubstancia senão um perdão da maior parte da dívida, pelo menos o reescalonamento da mesma.

Assim, caso esta solução vá adiante, os socialistas - e não só – viriam de imediato reclamar contra as medidas de austeridade imposta por Pedro Passos Coelho nos últimos anos, afirmando que se este tivesse a mesma atitude de Tsipras os portugueses teriam vivido estes quatro anos regalados e sem preocupações. Relembro o que disse esse grande político, agora reduzido à cela 44 da Prisão de Évora: “é estupidez pensar que a dívida dos estados se paga. Esta apenas se deve gerir”.

Como é óbvio, o actual governo, pelo contrário, anseia pela derrocada total da Grécia - e já agora a maioria dos portugueses -, por muito que diga o contrário, já que apenas deste modo pensa conseguir convencer que as duras provas que obrigou o povo português a passar tiveram sentido.

Uma coisa é certa: estamos numa situação muito diferente da Grécia e isso é excelente. Já imaginaram a vidinha que levaríamos com os nossos bancos fechados há tantos dias?

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:36

Julho 08 2015

É costume ouvir-se a gabarolice dos lampiões acerca do número dos seus adeptos, os quais, segundo eles, ultrapassam os seis milhões de portugueses (!!!). Agora, não querendo ter atitude diferente, o excelso juba Bruno Carvalho, todo-poderoso presidente do SCP – os cemitérios estão cheios de indivíduos cheios de razão e com coração de leão pronto a esganar quem que seja -, afirma que os resultados dos verdes e brancos afectam para o bem e/ou para o mal cerca de três milhões de habitantes deste rectângulo à beira-mar plantado.

Ora, assim sendo, restam menos de três milhões de almas lusas como simpatizantes de todos os outros clubes, de entre os quais se podem destacar a Académica, o Braga, o Guimarães, o Beira-Mar, o Setúbal, isto para não falar do FC Porto, o clube português com mais títulos nacionais e internacionais das últimas três décadas.

Por favor, haja decência, senão no que fazemos, pelo menos que no que dizemos.

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:12

Julho 06 2015

A cada dia que passa mais a data das eleições legislativas, como é óbvio, se aproxima. Assim, não é de estranhar, apesar de a maioria detestar, o acrescento exponencial de promessas. E não há dúvidas que se apenas um décimo destas se concretizassem, o nosso futuro era feito de rios de leite e mel.

A proposta de fazer isto e aquilo, de proceder assim e assado, é, segundo pensam os nossos políticos, sinónimo de conforto e prazer. Fazer uma promessa, e em particular uma promessa política, é, hoje em dia, um gesto perfeitamente rotineiro e natural, independentemente de quem a faz.

Perde-se no tempo o hábito enraizado nos políticos de fazer promessas a torto e a direito, o qual ultrapassou as fronteiras físicas que separam povos e culturas e é preparado segundo tradições ancestrais ao longo de séculos, aperfeiçoados em cada gesto e em cada rito e que hoje assume o protagonismo nos mais variados momentos do nosso quotidiano, especialmente agora em que as máquinas da propaganda eleitoral - vulgo agências de marketing e afins - se tornaram mestras na arte de bem nos ludibriar.

Não há campanha eleitoral sem promessas demagógicas e populistas. Tal, infelizmente, tornou-se tão natural como ter sede ou respirar e facilmente se explica. Uma boa dose de promessas parece confortar tanto o estômago como a alma. Não de todos mas, pelo menos, dos mais ingénuos. E, estes, não são ainda assim tão poucos como isso!

E, por muito que se diga o contrário, o pior é que se aparece um político que não faz juras de cumprir este ou aquele feito, então, das duas uma: não cai bem ou não sabe ao que anda!

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:23

Julho 02 2015

Afinal, aquilo que a maioria dos agentes ligados à educação não queria concretizou-se. Refiro-me, concretamente, à municipalização do ensino na Mealhada, a qual acarreta muitas angústias e uma quase ausência de alegrias. Bem, relativamente a estas só as poderá ter quem, contra tudo e contra todos, decidiu pelo quero, posso e mando.

Muitos foram os órgãos que estiveram mal, para não dizer pessimamente. Uns mais que outros, como é óbvio, e não vale a pena citá-los uma vez que todos sabemos como se designam. Um dia, estou certo, se fará justiça.

E mais não digo, já que os tempos, como aliás se previa, são de desassossego.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:18

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Julho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
13
15
16
18

19
21
23
24
25

26
28
29
30
31


arquivos

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO