O meu ponto de vista

Fevereiro 21 2017

Pensava eu, na minha santa ingenuidade, que o “eduquês” estava, de certo modo, erradicado da prática diária do nosso ensino. Credulidade minha, apesar da provecta idade. Também é verdade que, em termos de prognósticos, sobretudo no campo político, tenho dado com “os burros na água”. Por isso, prometi a mim mesmo não efectuar previsões, pelo menos nos tempos mais próximos, uma vez que, apesar do meu empedernido optimismo, a realidade vem confirmar que é muito superior à ficção.

Para o que estávamos novamente guardados? Então, não é que a Formação Cívica (FC) e a Área de Projecto (AP) estão de volta aos currículos dos nossos alunos? Afinal, Ana Benavente e seus compangons de route deixaram herança perene. Como devem estar a dar pulos de exaltação!

Mas atenção: os actuais detentores da "5 de Outubro", filhos dilectos da sacrossanta divindade – leia-se ciências da educação -, afirmam que, desta vez, não será a balda que, em tempos idos, todos testemunhámos. Não, agora, tanto FC como AP terão programas bem definidos e ajustados à contemporaneidade. E mais, esta última até terá avaliação e, nessa ordem de ideias, contará para a transição ou a retenção dos discentes. Sinceramente, é de quem nunca leccionou no ensino básico e/ou secundário. Quantas disciplinas querem que vos aponte, que têm classificação ao final do período e ano, às quais poucos ou nenhuns ligam pevide? Como diz o outro são autênticas “penates”.

Como é óbvio, principalmente nas redes sociais, a luta já começou. Quem são os professores melhor preparados para leccionar AP? É vê-los a puxar a brasa à sua sardinha. E quando chegar o Verão, altura em que este peixe está no seu melhor, é que vai ser o bom o bonito.

Ah, quanto lamento que o momento da reforma ainda se situe tão longe.

publicado por Hernani de J. Pereira às 13:10

Fevereiro 20 2017

Os homens erram e isso é inevitável. É também evidente que a capacidade de decisão dos recursos humanos tem falhas e não são assim tão poucas quanto isso. Ora, esta capacidade analítica, ou melhor a inexistência ou deficiência dela, afecta a vida das organizações e, como é óbvio, subsequentemente a nossa vida.

Agora imaginem, por exemplo, que era possível a criação de um sistema analítico que permitisse antever necessidades de recrutamento e de formação, de produtividade e, ainda por cima, cruzasse rápida e eficazmente dados dos colaboradores? Metaforicamente falando seria comparável a um big brother informático, o que ninguém deseja.

Importante mesmo, é sair do estado de “ponto morto” e ganhar tracção. Necessitamos de algo que não implique avultados investimentos em sistemas de informação, que seja o mais simples e eficaz possível, mesmo que o ponto de partida seja uma simples folha de Excel.

A avaliação, análise, não importando a designação, do dia-a-dia do trabalhador é fundamental em qualquer sector. Esta demanda, à qual a esquerda “bem pensante” foge como o Diabo da Cruz, tem que voltar à ordem do dia. Sem tabus nem preconceitos e muito menos com receios.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:57

Fevereiro 17 2017

depositphotos_2063805-stock-photo-samurai-warrior-

O governo aprovou uma proposta de lei que “estabelece o quadro de transferência de competências para as autarquias locais e para as entidades intermunicipais, concretizando os princípios da subsidiariedade, da descentralização administrativa e da autonomia do poder local”.

Neste âmbito e, sobretudo, no que concerne à Educação, irão ser transferidas para todos os municípios as competências relativas ao pessoal não docente e gestão dos estabelecimentos escolares de todos os graus de ensino. Assim, a experiência iniciada em treze autarquias, em que o ensino secundário não estava contemplado, irá estender-se a todo o país e num campo de acção mais lato.

A referida municipalização do ensino, tantas vezes por mim criticada – ver aqui, ali e acolá, só para citar alguns casos -, irá dar, não tenho a menor dúvida, uma nova e decisiva machadada na autonomia das escolas. Bem sei que a tutela dos docentes – por agora - irá permanecer no Ministério da Educação. Mas esperem e vão ver. Ao governo interessa ter cada vez menos responsabilidades. As autarquias, pelo seu lado, há muito que, de forma clara ou encapotada, desejam exercer o seu poder, na maior parte verdadeiramente autocrático, sobre os professores. Pelo que juntando o útil ao agradável …

E, a talhe de foice, não vos apetece perguntar: onde andam os sindicatos, principalmente a Fenprof? Recordam-se que, em tempos não muito distantes, lançaram uma luta encarniçada contra a aludida experiência, a qual a maioria dos docentes aplaudiu? Então, e agora? Pois é, quando se tem o rabinho entalado na acção governativa ficamos … tolhidos. Isto para não utilizar uma expressão vernácula que não fica bem neste local.

Por último e a quem interessar, deixo a adaptação, efectuada por Martin Niemöller, de um célebre poema de Vladimir Maiakovski

 "Quando os nazis levaram os comunistas, eu calei-me, porque, afinal, eu não era comunista. Quando eles prenderam os sociais-democratas, eu calei-me, porque, afinal, eu não era social-democrata. Quando eles levaram os sindicalistas, eu não protestei, porque, afinal, eu não era sindicalista. Quando levaram os judeus, eu não protestei, porque, afinal, eu não era judeu. Quando eles me levaram, não havia mais quem protestasse".

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:41

Fevereiro 15 2017

Volto de novo ao tema da função pública. Muita água tem corrido em torno das medidas colocadas em prática relativamente à reposição de salários e número de horas de trabalho semanal dos funcionários públicos. Trata-se de algo eficaz? Haverá uma relação directa com a produtividade? E os encargos salariais não aumentaram?

Pessoalmente, muito mais que salários e outras regalias, penso que existe um problema de motivação no sector público. Por um lado, não se fomenta a motivação positiva: em imensos casos não há diferença remuneratória entre os colaboradores que têm um desempenho medíocre e os que fazem um bom trabalho. Por outro, a improdutividade não tem consequências se o trabalho feito é de baixa qualidade, bem como não é possível substituir o trabalhador por outro com melhor performance.

Neste contexto, acredito que o facto de o posto de trabalho não ser assegurado de forma vitalícia faz com que o colaborador tenha de demonstrar a cada dia o seu valor, traduzindo-se num incremento de mais-valia.

Historicamente, o modelo da função pública foi muitas vezes tido como sendo demasiado complacente quando comparado com as regras do sector privado. E, em termos de equidade entre estas duas vertentes da economia nacional, não me parece que o modelo adoptado por este governo seja mais eficaz. Muito embora compreenda que o número de votos em questão não seja, de modo algum, despiciendo. Este governo não se está “lixando” para as eleições!

O sector público está a travessar uma reestruturação. Duvido é que seja para melhor, apesar de ainda ser cedo para antever todas as consequências, nomeadamente a nível económico.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:45

Fevereiro 14 2017

Há uma expressão muito portuguesa que diz “palavra dada é palavra honrada”, algo que António Costa, por tudo e por nada, gosta imenso de proferir. Bem, no caso do seu ministro das Finanças, Mário Centeno, não é assim. E, já agora, para o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, também não.

Se não há documento escrito a provar isto e aquilo, nada vale o que se disse. Em suma, a palavra, sobretudo de um político, que já andava pelas ruas da amargura, nos dias de hoje vale exactamente zero.

Portanto, meus caros amigos, a partir deste momento, sobre tudo o que eu disse e o seu contrário não me venham solicitar contas. Se me apresentam um papel assinado tudo bem; caso contrário nada feito. Ponto final parágrafo. Sabem que não será assim, já que sou um homem de palavra honrada, mas que poderia ter o mesmo procedimento é verdade.

Estamos carecas de saber que entre Mário Centeno e o ex-presidente da CGD, António Domingues, houve conversas e acordo acerca da não entrega da declaração de rendimentos por parte da administração daquele banco público. Se houve documento escrito ou não pouco importa, uma vez que entre homens de palavra, esta sobrepõe-se a tudo o resto.

Contudo, muito mais que estas questões, que não são de lana-caprina, é importante saber quem pagou ao escritório de advogados para conceberem uma lei à medida do freguês – leia-se António Domingues. Este, a CGD ou o Ministério das Finanças?

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:00

Fevereiro 12 2017

Os lambe-botas ou, para usar uma linguagem mais polida, carreiristas sempre existiram, existem e infelizmente existirão. Faz parte da condição humana. Mas que fazem muito mal não é menos verdade. O grande problema é que se começa a ver cada vez mais. Que haja colegas empreendedores, com espírito de iniciativa, com “garra”, como vulgarmente se diz, é óptimo e só temos que dar graças a Deus pela sua existência. Agora, carreiristas ou caçadores, como já se ouve no dia-a-dia, é que não e “salta-me a tampa” sempre que me deparo com alguns, independentemente do género.

Estes caçadores pululam um pouco por todo o lado. Autêntico enxame de moscas. Mudam de nome, de lugar, mas a m… é a mesma. É vê-los nas escolas, nas empresas, nos clubes, nas instituições sociais e, sobretudo, nos partidos. Então aqui, é de bradar aos céus. Há “jotinhas “, pelo menos os do “arco do poder”, que sobem, sobem, sobem, sem uma única ideia própria, movendo-se por tudo menos por causas ou missões que sirvam o bem comum.

Os “passa a mão no lombo” são orientados essencialmente para o futuro e apresentam ambições de liderança. Sonham com aspirações rápidas na carreira, bem como o reconhecimento do mérito a cada etapa. Bacocos no elogio, esperam igualmente ser exaltados a cada momento. Geralmente não têm qualquer problema em começar por baixo e subir todos os degraus, custe o que custar. O fim justifica plenamente os meios. A sua ambição não tem limites, mas sabem muito bem que a não podem demonstrar. Daí serem mestres na arte de simulação. Quando algo corre mal, são, todavia, os primeiros a abandonar o navio.

Estas palavras vieram-me à mente ao ouvir ontem o deputado do PS, João Galamba. Feroz adversário de tudo o que se apresente à direita do seu partido, sempre com o dente afiado a defender os donos da sua quinta, ei-lo a subir de importância no seu partido, mesmo que nenhuma ideia ou acto positivo lhe seja conhecido.

Atenção que homónimos de João Galamba existem em todos os partidos. Encheria rapidamente uma página inteira com nomes que num ápice me vêm à memória.

publicado por Hernani de J. Pereira às 23:28

Fevereiro 10 2017

O Ministério da Educação (ME) deu, quase abruptamente, por findas as negociações com os sindicatos sobre o novo modelo de recrutamento de docentes, vulgo concursos, e já se conhece a nova legislação que, um dia destes, há-de ser publicada em Diário da República.

Para além de todos os atropelos, ressalte-se a abertura de milhares de vagas para que os contratados possam passar ao quadro das escolas, as quais, como tem sido amplamente divulgado, não satisfazem nem a metade das pretensões e geram injustiças de toda a ordem.

Porém, o mais crítico é ter-se conhecimento de que essas vagas dariam imenso jeito a professores já efectivos que, como todos sabemos, alguns – não tão poucos como isso - ainda se encontram longe dos seus agregados familiares, sendo obrigados a percorrer diariamente centenas de quilómetros, e que se vêm ultrapassados por colegas muito mais novos e com menor graduação.

Sabemos que os sindicatos estiveram sempre muito longe de acautelarem estes casos, já que a sua base de apoio, segundo eles, se encontra nos mais novos e, sobretudo, nos contratados. Aceito a justificação e até a compreendo, uma vez partir do princípio que aqueles devem defender primeiramente quem os sustenta. Todavia, não deixa de ser um erro e uma enorme injustiça. No final acabarão por perder os actuais contratados e jamais reganharão os mais velhos.

E seria tão fácil seguir as pisadas correctas: as vagas abriam e todos poderiam concorrer, sendo que a primeira prioridade deveria caber aos actuais docentes do quadro, seguido dos QZP e por fim os contratados. No fundo o número de lugares para os contratados seria igual, uma vez que estes ao deixarem o seu actual lugar abriam automaticamente um outro.

Por fim, a Fenprof vai auscultar os docentes para observar da viabilidade de encetar formas de luta mais graves, incluindo a greve. Bah, não passa de tiros de pólvora seca. Ai se fosse noutros tempos não muito distantes!

publicado por Hernani de J. Pereira às 10:01

Fevereiro 08 2017

Mário Centeno prometeu o que não tinha condições para cumprir. Ponto final parágrafo. E o governo, pela voz de António Costa, mentiu, quando afirmou que nada tinha sido acordado com António Domingues que contrariasse a Lei. Pois, hoje sabe-se que o ex-presidente da CGD acordou mesmo com Mário Centeno que estaria dispensado de apresentar a sua declaração de rendimentos junto do Tribunal Constitucional, segundo correspondência trocada entre os dois e hoje divulgada.

Isto de governar a qualquer preço, desdizer hoje o que se disse ontem, gerir a coisa pública com sorrisos para a direita e para a esquerda, não ter palavra e em que, salvo raras e honrosas excepções, a única política é a fuga para a frente ou varrendo o lixo para debaixo do tapete é o que dá.

Ainda ontem, na apresentação de um relatório da OCDE, estiveram bacocamente presentes seis ministros, o que levou o secretário-geral daquela organização a dizer publicamente uma graçola que os deixou com um sorriso amarelo: “pelo que vejo, hoje, não se trabalha neste país!”.

Actualmente, os países diferenciadores são aqueles que possuem uma estratégia de gestão, essencialmente no que concerne à credibilidade, bem definida, onde as suas políticas e práticas se baseiam no argumento de que o desempenho do país depende fortemente da contribuição dos cidadãos, bem como da forma como se organizam, se estimulam e se capacitam.

Ora, o exemplo acima descrito ilustra bem tudo aquilo que não deve ser seguido. Que expectativas e motivações, de modo a que as pessoas se sintam plenamente integradas e comprometidas, se podem incutir com tais práticas?

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:19

Fevereiro 07 2017

Por muito que nos tentem atirar areia para os olhos, não é verdade que saímos da crise. Quanto muito pode ser pós-verdade, como a agora é hábito designar. E continuando em crise, e profunda, nunca se disse tanto em vão, nem tão vazio de sentido. A reforma do Estado, só para citar um exemplo, arrasta-se na agenda política, sucedendo-se conferências, debates televisivos, artigos de imprensa, etc., mas sem se avançar um milímetro que seja.

Subitamente, parece ter-se apagado da memória colectiva que a tutela da administração pública sempre integrou a orgânica do governo, que o crescendo da sua importância a fez passar de direcção-geral a secretaria de Estado e até a ministério. Criara-se comissões, publicaram-se leis e o certo é que pouco ou nada foi feito.

E, contudo, a resolução de pelo menos alguns dos problemas até nem é difícil. Definir, com a maior precisão possível e sem derivas ideológicas, as funções da administração central, regional e local, bem como separar a administração directa da indirecta; estruturar as respectivas organizações; seleccionar as pessoas competentes aos vários níveis - avaliando-as constantemente e de modo assertivo - e exercendo plenamente as competências segundo critérios de meritocracia. Ah, não esquecer de actualizar em permanência todos os passos anteriores. Tanto basta. Ou melhor: basta que neste processo não prevaleçam os critérios políticos, sem esquecer a prevenção e, sobretudo, a punição da corrupção.

O que agora aqui escrevo, verdadeiramente não é uma reforma do Estado, nem era isso que se pretendia. Porém, que é uma pretensa forma de reduzir a factura salarial da função pública não tenho a menor dúvida.

publicado por Hernani de J. Pereira às 13:26

Fevereiro 02 2017

É comum dizer-se que um homem sem objectivos na vida é alguém sem presente e, sobretudo, sem futuro. Na verdade, desde pequenos, somos formatados para isso, mais concretamente para o sucesso. E, ainda bem que assim é. O mal é quando os progenitores não inculcam esse dever, como infelizmente hoje-em-dia se vê mais frequentemente que o desejável.

Particularmente o sucesso escolar dos alunos não depende somente destes, mas também dos pais e encarregados de educação, i.e., da sua participação, mais ou menos estimulante, no processo de aprendizagem dos seus educandos. Durante todo o ano lectivo, mas mais, como é óbvio, no seu início, é, para além de assegurar toda a logística essencial, fundamental gerir o tempo necessário ao acompanhamento da vida académica dos mais jovens. Segundo os especialistas, a orientação dos discentes para uma correcta gestão do seu tempo é meio caminho andado para o sucesso. Aliás, uma aptidão que deve ser apreendida em casa.

Um dos maiores mitos da juventude é de que os bons estudantes são os que passam o dia inteiro na escola ou em casa a estudar e que, por isso, não devem possuir vida para além da daqueles lugares. Nada mais falso. O equilíbrio é a palavra-chave e deve ser fomentado pelos encarregados de educação.

Estudar um pouco todos os dias, aumentando o esforço à medida que os anos avançam, é uma competência inolvidável da estrutura familiar, sendo que esta deve igualmente encorajar a prática de actividades paralelas à vida académica, quer sejam desportivas, culturais e/ou sociais. Tendo sempre presente que o qb é crucial, tais funcionalidades constituem importantes trunfos de valorização na altura de abordar o mercado de trabalho, servindo também para disciplinar, desde cedo, os estudantes a gerirem correctamente o seu tempo, sem abdicar da crucial boa noite de sono. O descanso estimula as mentes activas.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:10

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

13
16
18

19
22
23
24
25

26
27
28


arquivos

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO