O meu ponto de vista

Março 02 2015

Todos aqueles que estão de boa-fé reconhecem que o país está diferente, mas para melhor. Por isso, não me surpreendem as declarações, sobre esta matéria, de António Costa. Apenas me incomoda a sua tentativa de dizer uma coisa para os estrangeiros e outra para os “papalvos” nacionais. É que das duas uma: a um dos lados está a mentir propositadamente!

Que passámos e, de certo modo, ainda continuamos a passar as passar “as passas do Algarve” – perdoem-me o pleonasmo - ninguém tem dúvida. No entanto, num contexto necessário de recuperação económica de pós-troyka, é fundamental reconhecer que abandonámos a letargia a que a economia esteve votada desde 2011, faltando agora a criação de mais emprego, descongelar carreiras e permitir a subida, ainda que moderada, de salários.

É a defesa de uma política de baixos salários, consequência de sucessivas recessões e forte desemprego, que, segundo o Nobel de Economia Joseph Stiglitz, faz a diferença entre sociedades mais desiguais, nas quais os governos e as organizações encaram como inevitável a persistência de desigualdades e as sociedades mais igualitárias que se esforçam para preservar a coesão social.

Que se tem de dar uma perspectiva de esperança aos portugueses é curial e é mais que justo. Outra coisa, porém, é voltar às promessas irrealistas, demagógicas e, sobretudo, populistas. Prometer “o pão a pataco”, como se costuma dizer, não custa. O difícil é depois cumprir. Que o diga o novo governo grego!

A campanha eleitoral já começou. Todos a sentem. O governo aumentou aqueles que estão isentos de taxa moderadora nos serviços de saúde, estendendo esse benefício aos jovens até aos 18 anos. Como resultado, são cerca de seis milhões os dispensados, o que faz com que menos de quatro milhões paguem por todos. É uma medida lógica, não o nego, tanto mais que os jovens até essa idade têm de estar na escola e, como tal, não podem auferir qualquer rendimento. Contudo, tão próxima das eleições cheira a eleitoralismo.

Pelo seu lado, o líder do PS, com tantas gaffes, não podia ficar atrás e, durante este fim-de-semana, afirmou que, se for governo, haverá lojas do cidadão em todos os distritos e tribunais em todos os concelhos, i.e., anulando a reforma judicial há pouco empreendida. Só faltará prometer o fim da união das freguesias, bem como acabar com os agrupamentos de escola.

A ver vamos onde termina a verborreia de mais um ano eleitoral.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:54

Fevereiro 26 2015

O outro dia ouvi algo sobre as oportunidades que a vida nos oferece, as quais, na maior parte das vezes, não nos apercebemos da sua existência ou, pura e simplesmente, as desperdiçamos. E o exemplo era pragmático: “enquanto uns choram, outros têm de produzir lenços”.

Em boa verdade, um dos nossos maiores problemas é o facto de não existir uma cultura efectiva de desenvolvimento, aproveitamento e de validação da formação técnica e tecnológica. As medidas, neste âmbito, têm servido, fundamentalmente, como paliativo e jamais como tratamento eficaz.

Sei, por dever de ofício, do que falo. Por muito que se procure adequar a formação às competências das pessoas e às necessidades do mercado, se os usuários se recusam sistematicamente a aproveitar as oportunidades que lhes são literalmente “servidas em louça fina”, então não existe solução que lhes valha.

Não nego que muitos dos programas de formação resultam em medidas generalistas, gerando algum descrédito na sociedade. No entanto, se os próprios interessados nada, mas mesmo nada, fazem para inverter aquela impressão, nesse caso é que tudo está perdido. E tanto dinheiro gasto sem a menor utilidade!

Salvam-nos aqueles, os quais, felizmente, ainda são a maioria, embora escassa, pretendem ser formados e possuírem maiores habilitações e novas experiências.

É que, na prática, a utilidade depende da forma como depois é potenciada pelo beneficiário e encarada pela sociedade.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:22

Fevereiro 24 2015

Não é nova e, com toda a franqueza, já achava estranho não a ver colocada na ordem do dia. Refiro-me, como é óbvio, à questão da retenção/não aprovação dos alunos nos ensinos básico e secundário.

É sabido – e daí, que me recorde, a única, mas profunda, divergência – que David Justino, um dos melhores ex-ministros da Educação, é apologista da transição, senão de todos, pelo menos da larguíssima maioria dos estudantes daqueles níveis de escolaridade.

Esta ideia, agora secundada pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), não fosse aquele seu presidente, assenta em três factores: ficam muito caros ao país – 4 000 euros ano vezes 150 mil alunos, dá a “módica” quantia de 600 milhões -, é desmotivadora para os jovens e, sobretudo, é um dos motivos que contribuem fortemente para a indisciplina que, infelizmente, grassa nas nossas escolas.

Como é evidente, aqueles que sempre se opuseram e se hão-de opor aos exames, de imediato, saltam para este “comboio”, e apelam ao fim destes, uma vez que, segundo dizem, são os que mais contribuem para tal facto. A verificação do que sabem ou não sabem que vá para as "urtigas"!

Preconiza David Justino, e o CNE, que em vez dos chumbos deveriam haver mais apoios para a recuperação dos alunos com dificuldades. E, sendo certo, que com estes reforços de aprendizagem se gastaria, no imediato, mais dinheiro, a médio e a longo prazo o país ficaria a ganhar.

Não discordando totalmente da argumentação, sei, por experiência própria, que se dissermos aos alunos que não existem reprovações, muitos existem que nem cadernos teriam, quanto mais livros! Esquece aquele político que, quer queiramos quer não, jovens existem que apenas estudam porque são obrigados, pois caso contrário reprovam. Mais: há alunos que por muitos e excelentes apoios que possam ter não ultrapassam as suas dificuldades, porque obstinadamente não querem. E, com toda a sinceridade, não se pode abrir, por muito que, por vezes, apeteça, a cabeça e enfiar os conteúdos disciplinares.

Por outro lado, que motivação teria uma boa parte dos alunos para estudar – bem, há sempre aqueles que, por gosto, o fazem – se ao lado existir um cábula e passar de ano? E se todos os alunos souberem, à priori, que transitam, a rebeldia e a desordem na sala de aula não aumentará, uma vez que nem por faltas disciplinares se conseguiria corrigir a sua postura?

Engraçado ou nem por isso, é o facto de ninguém falar que a larga maioria da retenções se deve à pouca, para não dizer nenhuma, atenção que os encarregados de educação dão, neste campo, aos seus educandos.

Concluindo, pode-se dizer que o ensino português continua a ser dirimido na praça pública por actores que nunca souberam o que é uma sala de aula ou dela há muito estão arredados.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:41

Fevereiro 20 2015

Sempre assim foi e há-de continuar a ser. Refiro-me, concretamente, à expressão “uma imagem vale mais que mil palavras”. Na era da imagem e do vídeo – “qualquer sapateiro, hoje em dia, sabe e pode tocar rabecão” –, estas formas de comunicação, para algumas áreas profissionais, podem ser uma forma original e inovadora de, recorrendo às possibilidades que as novas tecnologias oferecem, apresentar o que há de melhor em nós, tal como seja a formação, a experiência, a proactividade, aliado à autoconfiança e à segurança.

Brevemente, assim espero, será chegada a altura de alguns de nós colocarmos à prova os nossos talentos e estes, sem dúvida, podem e devem ser demonstrados de mil e uma maneiras.

A ideia de que alguém, quem quer que seja, apresente as suas mais-valias através de uma narrativa, ou seja, listar simplesmente as metas atingidas, em vez de explicar como conseguiu alcançá-las e o impacto que isso teve no seu percurso e, fundamentalmente, como se repercutiu nos outros, é algo inaceitável.

A nossa personalidade, bem como a inerente maneira de ser e estar, não pode ser descurada sob pena de estar a perder importantes oportunidades. No entanto, é crucial não esquecer também que aquilo que se diz e faz através dos novos – bem, em abono da verdade, não são assim tão novos quanto isso – meios de comunicação, os quais têm, cada vez mais, uma importância capital.

Enviar uma circular ou um mail a dizer faça-se isto e aquilo é fácil e, presentemente, face ao estado letárgico a que a crise levou as pessoas, estas, não tenho a menor dúvida, obedecem. Todavia, uma coisa é acatar outra é fazer na verdadeira acepção da palavra.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:41

Fevereiro 19 2015

Todos tentamos encontrar o nosso lugar. Bem, todos também não é bem assim, uma vez que alguns são como a folha do almo: viram-se conforme sopra o vento. No entanto, encontrar o seu verdadeiro lugar é, literalmente, como encontrar agulha em palheiro.

Ironicamente, apesar de todos os avanços científicos e tecnológicos, a tarefa para encontrar o melhor lugar – não confundir com cargos ou renumerações – está cada vez mais dificultada. Mesmo aqueles com QI elevados e currículos relevantes, a vida, neste âmbito, não está fácil, e, isto, porque se perscruta até aos mais ínfimos detalhes.

As competências são importantes e são elas, aliadas a um percurso rico em experiências, que lhe podem abrir a porta à possibilidade de se dar a conhecer naquele momento dito crucial. Mas bem sabemos que para se chegar a esta fase, é necessário um pouco mais – chamem-lhe sorte, apesar de se dizer que esta dá muito trabalho – do que um percurso profissional proeminente, boas competências ou uma orientação global da carreira para alcançar o seu lugar.

Tal desiderato só é possível de conseguir se causar uma primeira impressão impactante e depois continuar com a fasquia lá bem no alto. Segundo os especialistas, é aqui que “tropeçam” muitos de nós, apesar do elevado nível de experiência e maturidade profissional demonstrado. Mais: estes, na maior parte das vezes, tão cientes da sua eminente sapiência, não compreendem em que partes do processo falharam.

Então, porquê? A resposta está no negligenciar de determinados detalhes, por vezes não tão pequenos quanto se julga, a que os outros atribuem extrema importância. Ora, como resolver um problema se nem sabemos exactamente qual a sua origem? É verdade que ninguém dirá que é por causa do modo de vestir que não ocupamos o nosso lugar. Já quanto ao falar e agir, a cantiga é outra! Não há dúvida que as questões comportamentais tendem a tornar-se mais evidentes sempre que aspiramos a algo.

Repito: aspectos existem que ninguém nos dirá, como seja, por exemplo, o nosso modo de apresentação, i.e., se parecemos desleixados ou pouco cuidados. Agora, quanto ao contacto visual, à segurança e à confiança patenteada, bem como à linguagem mais ou menos (in)formal usada são casos muito sérios e a ponderar.

publicado por Hernani de J. Pereira às 16:36

Fevereiro 12 2015

A educação, como se costuma dizer, é um mundo composto por imensos microcosmos e onde tudo ou quase tudo tem lugar, apesar de bem sabermos que não deve ser assim. Não advogo e muito menos pretendo um ensino monolítico, unidirecional, mas não acho que a máxima dispersão seja o melhor. Como em tudo na vida, há que impor regras e estabelecer limites.

Uma filosofia interdisciplinar, a qual deve ter a pretensão de não só atender aos pormenores técnicos-didácticos, mas, sobretudo, ensinar a reflectir criticamente acerca das implicações das opções vivenciais, focando os temas fundamentais que sempre nortearam o ensino, deverá, no meu modesto entendimento, ser o rumo certo. Um caminho para a responsabilidade, contribuindo, deste modo, para a melhoria das competências tanto a nível local como regional.

Ora, isto só é possível abrindo a escola, cada vez mais, à sociedade em geral e, em particular, à comunidade que serve, que é como quem diz, numa colaboração – não confundir com sujeição - estreita com os órgãos locais, com os pais e forças vivas. Não entender isto, nos dias de hoje, é estar a mais numa profissão tão digna como é a docente.

Contudo, professores existem, principalmente os mais acérrimos defensores da escola pública, algo incompreensível e contraditório – ou talvez não -, que são os primeiros a queixarem-se da fraca, para não dizer nula, colaboração dos pais, mas quando confrontados com o facto de serem os primeiros a dar o exemplo, recuam a todo o vapor.

De entre muitos outros dou apenas um exemplo. É manifesto o seu receio em fornecer aos pais o sumário do que diariamente fazem nas suas aulas, esquecendo-se que já hoje, caso queiram, ao abrigo da lei que prevê a consulta de documentos oficiais, estes podem aceder a tal. Mais: como se pode dizer que se deve colocar, à disposição daqueles, o mínimo de documentos, recusando, por exemplo, anexar ao sumário o enunciado do teste que se deu? Olvidam-se que, no prazo máximo de oito dias, os pais os terão em seu poder e devidamente classificados? Qual o pai - e a maioria dos docentes também o é – que gostaria de que não lhe dissessem o que se passou na aula do seu filho ou não lhe dessem conhecimento de um documento aí visto? É lógico que desconfiava e muito se lhe negassem o acesso a tal! Já agora, admitiam que um filho menor, quando numa consulta, o médico lhe escondesse os sintomas e só o transmitisse ao seu educando?

Vamos, de uma vez para sempre, ser sérios. Se queremos que os pais, bem como a sociedade, tenham confiança em nós, temos também de confiar neles.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:34

Fevereiro 10 2015

Isto de pagar impostos, para alguns, é uma maçada. E, quanto mais dinheiro ou bens possuem, mais tendências têm para a fuga aos deveres fiscais. É, assim, em todo o mundo e, como é óbvio, Portugal não foge à regra. Bem pelo contrário!

Não existe quem não saiba que se todos pagassem o que efectivamente devem ao fisco, cada um daqueles que não tem quaisquer possibilidades de fuga pagaria muito menos. Por isso, como cumpridor integral do meu dever tributário, sinto-me com o direito de me indignar com todos aqueles que colocam as fortunas em paraísos fiscais ou não as declaram às Finanças, uma vez que por essa via me estão a meter a mão no bolso.

Vêm estas palavras a propósito da notícia que surgiu nos media e que tem a ver com o dossiê que denuncia fraude na filial suíça do banco HSBC e que fala em mais de 200 clientes com passaporte português. O nome do que tem mais dinheiro foi omitido por estar sob investigação

O português com mais dinheiro - cerca de 143 milhões de euros, i.e., uma ninharia (!!!) - associado ao escândalo SwissLeaks estará a ser investigado pelas autoridades francesas, revelou um dos jornalistas ligados ao consórcio internacional (CIJI) que investiga a fraude fiscal na filial suíça do banco HSBC. Razão pela qual o seu nome aparece rasurado nos ficheiros inicialmente disponibilizados ao Le Monde.

O banco, em Genebra, terá ajudado os clientes a ocultar milhares de milhões de euros em offshores, substituindo o nome do titular da conta pelo de uma empresa sediada num paraíso fiscal, escondendo-lhes a identidade e permitindo-lhes assim não pagar os impostos devidos.

Na lista do SwissLeaks há 611 pessoas com ligações a Portugal e conta no HSBC, entre os quais 220 têm nacionalidade portuguesa. O que não significa que todos tenham fugido ao fisco, pois pode haver contas legítimas.

Resumindo, não se pode confiar nas pessoas e muito menos nos bancos.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:38

Fevereiro 09 2015

Cada cabeça sua sentença, diz a sabedoria popular. Contudo, há limites para tudo e o sentido de responsabilidade deve imperar sempre. Abandonar os outros à sua sorte, não fazendo uso dos poderes que o cargo lhe confere, é indigno, por muito que haja ou tenha havido erros em todo o processo.

O exercício de uma acção é sempre um risco e fazê-lo com assertividade nem sempre é possível. Mas a não actuação, a omissão, o cruzar de braços é um sinal inequívoco definidor do carácter de uma pessoa. De longe é preferível agir, mesmo que posteriormente se demonstre que o modo foi errado, do que fingir ou olhar para o lado.

Os nossos ditames não podem ser guiados exclusivamente pelos riscos. Fazer algo quando se vê ou sabe que daí advirão apenas vantagens é pura hipocrisia.

Meter as “mãos na massa”, enfrentar o “toiro pelos cornos”, pelo que se vê, não é para todos. É para quem, como diz o nosso povo, os “tem no sítio”.

A realidade de hoje é muito diferente da que era há dez, quinze ou vinte anos. E, por isso, as estratégias para enfrentar os problemas têm forçosamente de ser diferentes. Não compreender isto é não saber ocupar o lugar. A reorganização da sociedade e as suas implicações em todas as instituições exige profissionais que proporcionem segurança e, sobretudo, uma rectaguarda de confiança.

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:47

Fevereiro 05 2015

É costume dizer-se que todos necessitamos uns dos outros. Uns mais que outros, dependendo da idade, da saúde, das condições sócio-económicas, mas, manda a verdade dizer, todos necessitamos.

Acompanhar um familiar, uma pessoa amiga ou mais que amiga, é, para além de um dever, algo que, por princípio, deve ser gratificante. E, falando pessoalmente, sou daqueles que, diariamente, ergue as mãos aos Céus para agradecer tal dádiva.

Por vezes, porém, tal torna-se muito desgastante e não tenho a menor dúvida que todos já experimentámos, infelizmente, tal sensação. As pessoas cheias de boa vontade e energia a transbordar encarregam-se de tornar o ambiente o melhor possível, mas tal não chega.

E não chega, porque existem limites naturais para o ser humano, os quais contribuem para que, algumas vezes, se sintam cansados, desgastados ou mesmo deprimidos.

Não faz sentido num dia beijar e no dia seguinte votar o(a) outro(a) ao ostracismo. Por isso, é fundamental que o “cuidador” se preserve, pois também necessita de ser cuidado. Por muito que diga que gosta do que faz, o certo é que necessita de reciprocidade e quando esta não existe …

Uma última nota vai para o elogio. Mostrar que valoriza e agradece a bondade, a alegria ou a competência de quem passa umas horas ou dias connosco é a melhor maneira de resolver conflitos e prevenir outros episódios que precisem de intervenção.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:11

Fevereiro 03 2015

Quem tem acompanhado as primeiras medidas do novo governo grego, comando por esse timoneiro e, no dizer da nossa extrema-esquerda, novo pai dos pobres, Alexis Tsipras, pensará que foram descobertas minas de ouro ou apareceu petróleo no mar da Grécia.

Aumento do salário mínimo em mais de 200 euros, luz e saúde grátis para todos os desempregados, subsídio social para os mais carenciados, os quais não são assim tão poucos como isso, reintegração na função pública de milhares de pessoas, independentemente da sua necessidade, fim das privatizações, são algumas das medidas já tomadas. Ora, como se sabe, estas e outras medidas de igual teor custam dinheiro, algo que aquele país não tem. Por alguma coisa apresenta uma dívida descomunal, apesar de já ter sido contemplado com dois perdões.

Altos ordenados e emprego total é a pedra filosofal, o Santo Graal, de qualquer governo. Todavia, em democracia, tal como o ocidente a preconiza, e, sobretudo, nos dias de hoje, é uma quimera, isto porque as máquinas cada vez mais substituem o homem. Veja-se que mesmo em ditadura, como é o exemplo de Cuba, o desemprego é uma realidade.

De qualquer modo, estamos todos ansiosos para ver como terminará tal caminho. Uns na esperança que o novo governo grego “dê com os burros na água”, outros, porém, torcendo para que a sua política obtenha êxito. A ver vamos!

Uma questão é certa: as declarações dos governantes gregos têm vindo, como já se esperava, a suavizarem-se. Por exemplo, já não falam de perdão de dívida, mas de pagar em função do crescimento do PIB. Faz lembrar a entrada de leão de José Sócrates, quando assumiu a governação do nosso país em 2005: prometeu atacar todas as corporações – farmácias, obras públicas, etc. – e outros interesses instalados, como os juízes, que viviam à sombra do Estado e dele retiravam grandes regalias. Bem, foi o que se viu: enorme saída de sendeiro!

As circunstâncias actuais não contribuem para que haja um debate sereno e, por isso, os objectivos são vistos através de lentes embaciadas. Tanto para uns, como para outros. Num país pobre, onde existem enormes desigualdades, onde a evasão fiscal atinge 70% dos gregos – e não os 100% porque os restantes são desempregados - arriscam-se, citando Mia Couto, a continuar a produzir ricos em vez de criar riqueza. É que os ricos acabarão sempre por sair por cima! Ou para o estrangeiro!

publicado por Hernani de J. Pereira às 19:43

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Março 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


arquivos

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO