O meu ponto de vista

Maio 28 2016

É necessário que aqueles que, ano após ano, obtêm bons proveitos, independentemente do seu desempenho, também exponham queixas e mazelas, denotando um mal-estar, ainda que hipócrita, para que os que, verdadeiramente, se encontram na “mó de baixo”, não possam, de modo algum, guetizarem-se e, desta forma, em conjunto ou individualmente, erguerem-se e rebelarem-se contra aqueles.

Nos primeiros englobo, de entre muitos outros, os estivadores, os trabalhadores dos transportes urbanos de Lisboa e Porto, bem como da CP e TAP, aqueles a quem Vital Moreira designa de “aristocracia operária”, enquanto nos restantes estão os trabalhadores de salário mínimo do interior do país – leia-se tudo o que existe para além daqueles grandes centros urbanos – e sobretudo os desempregados, para os quais, estranhamente ou nem tanto, nos últimos seis meses, não se houve uma palavra deste governo e quejandos da esquerda radical que o apoiam.

A história e a própria psicologia de massas ensina-nos que as aludidas estratégias são muito bem estudadas e colocadas cirurgicamente em marcha. Contudo, aquelas áreas do saber também nos dizem que, mais cedo que tarde, tais tentativas de manipulação de consciências são claramente expostas e aí o “feitiço virar-se-á contra feiticeiro”.

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:47

Maio 27 2016

Sim, recordo-me bem, que me dizias que o Mundo não necessitava de um Salvador. Todavia, todos os dias, ouças as pessoas à minha volta a gritar por um.

Mais: todos nascemos com muitos desejos, mas a verdade é que morremos apenas com. Não é difícil adivinhar qual é!

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:54

Maio 25 2016

mario-nogueira.png

sprc.jpg

 A diferença é que uns admitem a liberdade de expressão, enquanto outros por acharem que são intocáveis ... vão para tribunal, uma vez que, para já, não os podem enviar para um goulag da Sibéria!

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:54

Maio 24 2016

DSC_0040.JPG

 À medida que percorro o passeio ribeirinho, coloco os olhos na calçada: as pedras negras e brancas sugerem as linhas que um velho lobo-do-mar riscou na areia da praia, para contar uma aventura imensa que envolve heróis e fantásticas figuras marinhas, tempos de bonança e de tempestades, histórias felizes e cruéis.

Levanto o olhar e reparo nos barcos que ainda persistem na praia, voltados de casco para cima, porque a faina do mar começou muito cedo. Reparo na tez morena de quem enfrenta o sol, o vento e o ar marítimo, as tempestades, as ondas, a força de quem puxa as redes do mar fundo…

A hora do almoço aproxima-se e começo a sentir o aroma do peixe na grelha, dos petiscos e das caldeiradas que apuram ao lume. A um deles nos dirigimos …

Depois, é tempo de voltar à estrada. Os pinheiros mansos descem ao longo da encosta da colina, ensombrando os caminhos de terra que culminam num talude, feito de troncos de madeira, que alongam o caminho a perder de vista. A separar-nos da estrada, do lado direito, há canteiros de flores e plantas aromáticas, típicas das regiões mediterrânicas.

De vez em quando o rio espreita por entre as casas construídas ao longo da costa, onde as águas e o mar já se misturam. E, chegados ao fim do dia, numa das casas repousamos.

A noite, sim a noite, essa é apenas nossa!!!

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:44

Maio 23 2016

19626738_EgJsa.jpeg

De acordo com o divulgado, o Ministério da Educação (ME) vai, no próximo ano lectivo, lançar um programa de professores-tutores para acompanharem fora do horário das aulas crianças com duas ou mais retenções. A medida - cujo custo máximo será de 15 milhões de euros - foi anunciada, no Parlamento, pelo respectivo titular da pasta, durante uma interpelação sobre educação agendada pelo CDS-PP.

Aos jornalistas, no final dos trabalhos, Tiago Brandão Rodrigues assumiu que o novo programa é uma ruptura com os cursos vocacionais do básico, implementados pelo anterior governo, que já não abriram turmas iniciais e serão extintos no final do próximo ano lectivo. Tal como nesses cursos, os alunos encaminhados para estas tutorias terão idades a partir dos 12 anos e duas ou mais retenções. Mas o ministro explicou que, ao contrário desses cursos - que classificou de "infeliz experiência pedagógica" -, as tutorias não implicam "a segregação" dos alunos e sim um "reforço" do acompanhamento que estes recebem, independentemente de estarem integrados em percursos regulares ou alternativos do ensino básico. "Estes alunos poderão ir pela via convencional, ou poderão ir por algum destes rumos. [As tutorias] serão um complemento à sua formação normal no 2.º ou 3.º ciclo", disse.

Ora, quem, como eu, se recorda muito bem dos idos 2009-2011, sabe perfeitamente o valor das aludidas tutorias, as quais, diga-se em abono da verdade, ainda se encontram em vigor, pois a legislação que as suportava não foi revogada. E se as mesmas deixaram de ser sugeridas pelos conselhos de turma e demais estruturas pedagógicas e, por isso, posteriormente não colocadas em prática, é porque se chegou à conclusão que as mesmas eram completamente ineficazes.

Este vosso escriba, à semelhança de muitos outros, sabe de cor e salteado o nome dos discentes que tutoreou, bem como a inutilidade de tantas horas gastas e do sacrifício colocado em jogo. Nessa ordem de ideias, está perfeitamente à vontade para afirmar, com voz grossa que o caracteriza, que tal apoio é uma das maiores falácias que com que o ensino, durante os governos PS, já se prostituiu.

Jamais se encontrará um aluno que ao fim de duas ou três retenções, com tutoria ou outro qualquer tipo de apoio, evolua no sentido pretendido pelos “eduqueses” do ME. Posso reconhecer que, por vezes, aos 12 ou 13 anos será contranatura predestinar o percurso “final” de um aluno. Todavia, aos 14 ou 15 anos é impossível mudar o rumo e, assim sendo, só uma saída pré-profissional, vocacional, ou outra similar – chamem-lhe o que quiser – é aceitável para o aluno, para a família e, sobretudo, para a escola e para a sociedade.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:09

Maio 20 2016

Há dias em que a auto-estima cai. Nesses momentos temos de nos agarrar uns aos outros e pensar que estamos juntos. Pensar que o meu objectivo já está traçado e há que o cumprir e, se possível, da forma mais feliz. Por outro lado, há sempre alguém que nos inspira e é graças a e esse(s) que tenho o dever de também haurir os outros. Ninguém deve correr sozinho.

Costuma-se dizer e é uma verdade insofismável: o futuro é uma grande incógnita e a Deus pertence. Tudo pode acontecer. E é nesse eventual inesperado que reside a magia da vida. Há dias em que penso: porque é que estou a fazer isto? Se está a ser um sofrimento, porque continuo? Mas, depois, reflicto e digo: vá lá, só mais uma tentativa. É um dia de cada vez. Um pé à frente do outro, mais uma corrida, mais uma etapa vencida.

Procuro que não haja dramas. Aliás, este é um tempo em que não existe espaço para tal. Não vale a pena ter ilusões. É preciso apostar na prevenção e esta passa por saltar por cima – perdoem-me o pleonasmo – do sentido de “todo o terreno” que a vida me «obriga» a ser.

Esqueçam as recomendações que têm para me dar. Há muito que as sei de cor e sou imune às respectivas consequências. Por outro lado, descansem na vossa busca, uma vez acreditar na não existência de terapia para tal.

publicado por Hernani de J. Pereira às 23:34

Maio 19 2016

Como costuma o nosso bom povo dizer: quando a esmola é grande até o pobre desconfia. Assim é, no que concerne às 255 medidas “simplex” para facilitar a vida aos portugueses. Se fossem cinco, vá lá, quanto muito, dez, ainda acreditava. Agora 255? É que não se ficam pelo número redondo, certinho, das 250! Avançam mais cinco. É obra!

Pelo que ouvi e, sobretudo, pelo que li, algumas fazem sentido e cumprem os objectivos. Outras, porém, são redundantes e jamais terão a adesão que se propaga aos quatro ventos. De repente, salta-me à vista uma, a qual foi proposta e ganha por uma empresa de inovação, destas todas hi-tec. Ou seja, coloca nos nossos smartphones a possibilidade de receber uma notificação de uma dívida, de um imposto, de uma taxa para pagar ao Estado e, deste modo, podermos liquidar tal logo a seguir. Idiotas! Alguém, no seu juízo perfeito, não espera para os últimos dias para pagar? O quê? Vai entregar, de imediato, dinheiro ao Estado, esse esbulhador do nosso suor, quando tem, por exemplo, um mês ou mais para o fazer?

Engraçado, ou nem tanto, é que a empresa que venceu o concurso para a melhor ideia – se isto é a melhor ideia, vou ali e já venho – irá receber dez cêntimos por cada pagamento. Esta última parte, sim, é que é uma grande e óptima ideia. Para a empresa, claro!

Por último, uma ideia fixa: por muito que queiram as vacas não voam mesmo!

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:36

Maio 18 2016

As decisões que o Colégio de Comissários da CE hoje tomou relativamente a Portugal não apanharam ninguém de surpresa. Todos sabíamos que iriam e irão ser necessários ajustes ao nosso modo de viver quotidiano. O Presidente da República, na continuação de muitos outros comentadores, incluindo este vosso pobre escriba, ontem mesmo, começou a desbravar o terreno. De mansinho, docemente, se vai preparando o “Zé Povinho” para o aumento da dureza do nosso viver.

Todos o sabem, mas ninguém o quer afirmar de viva voz e muito menos em bom som. Aliás, em artigo anterior já referi que o governo tem algo preparado e pronto para levar à acção. Bem sabemos que a culpa jamais será assumida por este (des)governo, fruto das suas medidas inapropriadas, mas sim da má conjuntura internacional, das condições impostas pela CE, da meteorologia, etc., etc.

Ah, já agora, de nada vale António Costa dizer que não vai aplicar as medidas hoje preconizadas por Bruxelas. Ai vai, vai!

publicado por Hernani de J. Pereira às 21:47

Maio 17 2016

images.jpg

 Não era necessário ser bruxo para adivinhar que o S L Benfica iria ser campeão, uma vez que difícil, difícil seria não o ser. É que depois de tanto colinho mal parecia. De qualquer modo, parabéns.

Os dirigentes encarnados aprenderam que não é na rua, nos media, por muito que se berre, que os campeonatos se ganham. É, sim, na sombra, manejando os cordelinhos da arbitragem e, sobretudo, no envio sub-reptício das famosas malas que ninguém vê mas que toda a gente sabe que existem.

publicado por Hernani de J. Pereira às 20:40

Maio 13 2016

DSC_0040.JPG

 “Onde vos retiver a beleza de um lugar, há um Deus que vos indica o caminho do espírito”

Natália Correia

 

Ah, este tempo! Como ontem ouvi dizer: “mais um dia de chuva e frio e começo a montar o presépio e árvore de Natal”! Poucos ou nenhuns não têm razão de queixa. Não admira, assim, o recurso à memória. E esta conduz-nos à saudade do sol, das visitas por este Portugal, dos longos dias passados à beira-mar, das passeatas pelas serranias e dos piqueniques à sombra de um denso arvoredo em dia solarengo.

Uma vez que este tempo agreste nos torna nostálgicos, mas também porque ansiamos avidamente por aquela tranquilidade que apenas o sair de casa em dia de sol nos dá, andamos macambúzios, senão mesmo algo transtornados.

É permanente o convite à meditação, pois é o caminho que leva o espírito a evadir-se e a suplantar-se. Enfim, talvez por mil e uma outras razões que não conseguimos enxergar, ansiamos por terras que dão frutos. Terras serenas, calmas e tranquilas onde, no seu ventre, se esconde uma natureza telúrica bem diversa.

Também dos serenos homens e mulheres, na sua maioria pessoas de firmes convicções, cuja generosidade sem limites faz delas epicentro que revolucionam o nosso dia-a-dia, ansiamos contacto. Para bem delas, sobretudo do nosso, necessitamos de os incluir nas nossas deambulações e, deste modo, compreender melhor porque nasceram em terras de largos horizontes.

A essas dedico estas linhas, para que, quando contemplar as planícies, os penhascos, as paisagens verdes pinceladas de rosa ou os cimos das montanhas, os quais, a uns, transmitem uma energia quase sobrenatural, a outros, esmagam, as possa incluir em próximos encontros.

publicado por Hernani de J. Pereira às 22:03

Análise do quotidiano com a máxima verticalidade e independência possível.
hernani.pereira@sapo.pt
Maio 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
14

15
16
21

22
26

29
30
31


arquivos

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO